Sesau conta com apoio do Exército para transferência de pacientes com covid para hospitais do sul

A ação do Exército é uma determinação do Comando Militar da Amazônia (CMA).

O Exército Brasileiro está atuando em apoio a Sesau (Secretaria de Estado da Saúde) para dar suporte logístico ao traslado de pacientes de Covid-19 de Rondônia para outros estados. O Paraná disponibilizou seis leitos e o Rio Grande do Sul disponibilizou 50 leitos hospitalares. Tanto em Porto Velho, capital rondoniense, e nos municípios do interior, as unidades hospitalares não tem mais leitos disponíveis para internação. O Ministério da Saúde anunciou que enviará força-tarefa de médicos para ajudar nos tratamentos, devido ao elevado número de pacientes.

A ação do Exército é uma determinação do Comando Militar da Amazônia (CMA), e em consonância com a Portaria Nº 1.232/GM-MD, de 18 de março de 2020, a 17ª Brigada de Infantaria de Selva (17ª Bda Inf Sl), no contexto do enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus. Está sendo empregada no apoio à Secretaria Estadual de Saúde (SESAU) de Rondônia, no translado de 100 (cem) pacientes acometidos por Covid-19, da Rede de Saúde Pública para outras Unidades Federadas.

O apoio ocorrerá no período de 25 a 28 de janeiro de 2021 e visa desafogar a rede de saúde estadual, em virtude do aumento exponencial do número de casos ativos e internações nos municípios. A 17ª Bda Inf Sl está apoiando com viaturas militares, ambulâncias, profissionais de saúde, dentre médicos e enfermeiros, que totalizam mais de 50 (cinquenta) militares empregados direta e indiretamente na atividade.

Também estará sendo realizada a segurança e balizamento durante o translado dos pacientes internados no Hospital de Campanha de Rondônia, no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA). Aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB), farão a evacuação dos pacientes para outros Estados.

Fonte: Diário da Amazônia

PF deflagra operação Kawyra no combate aos crimes ambientais dentro de Terra Indígena em RO

Conforme os agentes da polícia, as investigações da Operação Kawyra foram iniciadas depois da “Operação SOS Karipuna”, deflagrada em junho de 2019.

A Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Kawyra, nesta quarta-feira (7), para prender 9 pessoas suspeitas de desmatar e provocar queimadas dentro da Terra Indígena Karipuna, em Porto Velho.

Segundo informações da polícia, a organização criminosa está atuando na região da Terra Indígena Karipuna, no distrito de União Bandeirantes, e é especializada em desmatar, provocar queimadas, lotear e comercializa glebas de terra no interior da reserva.

Polícia cumpre mandados de prisão e apreensão em Porto Velho — Foto: PF/Divulgação
Polícia cumpre mandados de prisão e apreensão em Porto Velho

A operação tem o apoio da Funai e Exército Brasileiro. Ao todo, são cumpridos três mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão domiciliar e doze mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal da capital.

De acordo com a polícia, as investigações da Operação Kawyra foram iniciadas depois da “Operação SOS Karipuna”, deflagrada em junho de 2019.

Na ocasião, foi identificado que um grupo utilizava uma associação e uma empresa de georreferenciamento “para iludir supostos compradores de lotes no interior da Terra Indígena Karipuna”, com a falsa promessa de regularização dos terrenos junto aos órgãos responsáveis.

Após os nove suspeitos serem presos, segundo a PF, os mesmos serão levados à sede da PF e encaminhados para o presídio estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal.

Fonte: G1/RO

%d blogueiros gostam disto: