Polícia resgata proprietários mantidos reféns, por grupo de invasores em fazenda de Rio Crespo, RO

A invasão começou na sexta-feira (18) e as vítimas foram resgatadas esta semana.

Um grupo com 18 pessoas invadiu uma fazenda localizada em Rio Crespo (RO), expulsou os funcionários e manteve os proprietários reféns por cerca de cinco dias. A invasão começou na sexta-feira (18) e as vítimas foram resgatadas esta semana.

Segundo a Polícia Militar, na terça-feira (22) foi recebida a denúncia da situação e uma equipe do 7º Batalhão se deslocou até o local indicado. A operação de resgate começou no fim da tarde e terminou no dia seguinte, quarta-feira (23).

Dez homens, sete mulheres e um adolescente foram identificados na ação e encaminhados à Unidade Integrada de Segurança Pública (Unisp) de Ariquemes (RO), município vizinho a Rio Crespo. Também foram apreendidas armas de fogo, munições, facões e foices.

A PM ressalta que a região de Rio Crespo já foi palco de várias disputas por terras.

Em outubro de 2021, uma fazenda localizada em Vilhena (RO) também foi invadida por um grupo de pessoas. O episódio culminou em uma chacina que deixou cinco pessoas mortas: dois proprietários e três funcionários.

Essa foi a segunda chacina no mesmo local em pouco mais de cinco anos. Em 2015, cinco pessoas também foram mortas na fazenda. Na ocasião, um homem foi atingido com um tiro nas costas. Ele fingiu que estava morto, sobreviveu e ajudou à Polícia Civil nas investigações do crime.

Fonte: G1//RO

Chacina em fazenda deixa cinco pessoas mortas em Vilhena, RO

Segundo a polícia a região é conhecida por ser uma área de conflitos agrários. 

Três corpos carbonizados foram encontrados dentro da casa em Vilhena — Foto: José Manoel/Arquivo Rede Amazônica
Três corpos carbonizados foram encontrados dentro da casa em Vilhena

Cinco pessoas foram assassinadas a tiros em uma fazenda a cerca de 70 km de Vilhena, no sul do estado de Rondônia. A região é conhecida por ser uma área de conflitos agrários. A polícia confirmou que esteve no local que os mortos são o casal dono da fazenda e três funcionários. O crime aconteceu na noite de quarta-feira (13).

Segundo as primeiras investigações da polícia, a família estava jantando quando a casa foi invadida. O dono da fazenda foi levado para uma sala separada, onde foi torturado. Há indícios de que ele teve o coração arrancado com um facão.

Ainda segundo a polícia, a mulher do fazendeiro e os três funcionários foram levados para a varanda da casa, colocados de joelho e executados com tiros na nuca.

Crianças foram poupadas

No local também estavam duas crianças, menores de 10 anos, e a esposa de um dos funcionários executados. Eles foram trancados em um dos quartos da casa durante a noite e só conseguiram sair na manhã desta quinta-feira após quebrarem uma janela.

A mulher e as crianças andaram por 15 km pela zona rural até que conseguiram pedir socorro. Foram eles que chamaram a polícia.

Outro crime na mesma fazenda

É a segunda chacina no mesmo local em pouco mais de cinco anos.

Em 2015, cinco pessoas também foram mortas na fazenda. Na ocasião, um homem foi atingido com um tiro nas costas. Ele fingiu que estava morto, sobreviveu e ajudou à Polícia Civil nas investigações do crime.

Ele disse que estava com mais cinco amigos conversando quando apareceram alguns homens e começaram a atirar na direção do grupo, que tentou fugir.

Os suspeitos então atearam fogo no local onde as vítimas se abrigaram para escapar dos tiros. O sobrevivente disse que em seguida os homens foram embora, mas três dos cinco mortos foram queimados vivos.

Segundo a polícia, o crime teria sido motivado por uma disputa de terras.

Em 2017, os réus Eber Maciel da Costa e Marlos de Souza Cândido, acusados de participação na chacina da fazenda Vilhena, foram condenados a 20 anos de reclusão em um novo julgamento.

Eles foram absolvidos pelo Tribunal do Júri em setembro de 2016, mas o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) entrou com recurso e o julgamento foi anulado.

Fonte: G1/RO

Homem morre durante emboscada em uma fazenda no interior

A vítima era funcionário da Fazenda. Outros dois homens que também trabalhavam no local ficaram feridos.

Um homem de 28 anos, funcionário de uma propriedade rural, foi morto a tiros na madrugada de ontem domingo (25) durante uma emboscada em uma fazenda em Machadinho D’Oeste (RO). Outros dois homens que também trabalhavam no local ficaram feridos.

Segundo o boletim de ocorrências, a Polícia Militar foi acionada na propriedade, localizada na Linha T-15, distrito 5º BEC, pois um homem havia sido morto durante uma emboscada realizada por invasores de terras acampados nas proximidades.

Quando chegaram no local, foram informados por uma testemunha que durante a madrugada 12 homens fortemente armados passaram a atirar contra eles. O homem de 28 anos, que estava dormindo em um abrigo em um curral, foi atingido por dois tiros e morreu no local.

Outros dois funcionários também foram baleados, sendo um no joelho direito e outro no braço direito. Ambos foram socorridos ao Hospital Regional de Ariquemes.

As testemunhas ainda contaram que quando o grupo realizava os disparos, os criminosos gritavam ameaças de morte.

De acordo com a polícia, os homens que fizeram o ataque tinha conhecimento de táticas de guerrilha, pois se dividiram em grupo e atiraram de locais estratégicos.

A perícia esteve no local para os trabalhos necessários, assim como a polícia judiciária. Várias cápsulas de menos cinco calibres diferentes foram encontradas na propriedade. O corpo da vítima passou pela perícia e foi liberado para a funerária. O caso é investigado pela Polícia Civil.

Fonte: G1/RO

Invasores deixam fazenda Nossa Senhora Aparecida de forma voluntária, diz Sesdec-RO

Região da fazenda, invadida há cerca de dez meses por camponeses, vinha registrando tensão nas últimas semanas e estava previsto até o envio da Força Nacional à cidade de Chupinguaia.

A Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) informou nesta terça-feira (25) que os invasores da fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Chupinguaia (RO),decidiram desocupar a área de forma voluntária.

A área da fazenda, invadida há cerca de dez meses por centenas de camponeses, vinha registrando uma tensão nas últimas semanas e no fim de maio estava previsto até o envio da Força Nacional para a região. Na última semana, três homens e uma mulher foram presos suspeitos de organizar uma emboscada contra policiais.

Segundo a Sesdec, os camponeses decidiram deixar a área devido a uma “presença maciça e persistente da segurança pública nas imediações através do patrulhamento constante realizado pela Polícia Militar (PM).

“Com a impossibilidade de sucesso em concretizar novas ações criminosas na fazenda, [os invasores] decidiram recuar, retirando-se voluntariamente do local onde estavam homiziados, enquanto aguardavam ações do Estado para provocarem novo conflito”, diz a secretaria.

Que fazenda é essa?

A Fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Chupinguaia, é uma das três fazendas que surgiram da divisão das terras da Fazenda Santa Elina, onde ocorreu o Massacre de Corumbiara. Por esse motivo, a área seria uma espécie de símbolo da luta dos camponeses pela terra. A área da antiga Fazenda Santa Elina foi invadida em 2020.

Fazenda Nossa Senhora Aparecida em Chupinguaia, Rondônia  — Foto: Gabryel Biavatti
Fazenda Nossa Senhora Aparecida em Chupinguaia, Rondônia — Foto: Gabryel Biavatti

A entrada na área foi organizada pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP), formada, em parte, por remanescentes do conflito da década de 1990. Eles ocuparam uma área total de 3,4 mil hectares.

Com a invasão dos camponeses, um dos sócios da fazenda contratou um sargento da PM para fazer segurança do imóvel. Esse policial ficou responsável por recrutar outros três policiais para o trabalho, com uma diária de R$ 900. Os demais contratados eram um frequentador de clube de tiro e um homem conhecido pela venda ilegal de armas e munições.

Invasão de fazenda em Chupinguaia completa nove meses

Invasão de fazenda em Chupinguaia completa nove meses

No último mês de março, o Ministério Público apresentou um pedido de busca e apreensão contra quatro policiais militares e outros dois homens pela suspeita de envolvimento com pistolagem (segurança privada contratada ilegalmente).

Em 29 de março, o juiz Roberto Gil de Oliveira determinou novamente o reintegração de posse na área no prazo de três meses, concedendo até 29 de junho para saída voluntária dos invasores.

Apesar do reinício da operação Paz no Campo, com envio de tropa para a localidade, havia grande resistência de contato para negociação por parte dos camponeses, inclusive com disparo de fogos de artifício contra o helicóptero da Secretaria de Segurança e bloqueio de vias de acesso.

Relatórios da PM apontavam que era praticamente “impossível ir ao encontro de tal grupo [LCP] sem que haja extremo risco de confronto armado”.

Fonte: g1/ro

Quatro pessoas são presas após confronto com policiais em fazenda de RO

Três homens e uma mulher, com idades entre 20 e 31 anos, são suspeitos de organizar uma emboscada contra policiais.

Prisões são realizadas na fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Chupinguaia

Quatro pessoas foram presas em Chupinguaia (RO), no sul do estado, durante patrulhamento da Polícia Militar (PM) em uma região de conflito agrário da fazenda Nossa Senhora Aparecida, na sexta-feira (14).

Segundo a PM, após moradores da região denunciarem constantes ameaças os agentes iniciaram uma fiscalização pelo local e se encontraram com os invasores da fazenda. Os policiais narram que foram emboscados e atacados com pedras e bombas.

Entre os suspeitos estava um homem montado a cavalo jogando pedras com estilingue e uma jovem com um revólver que atirou contra os policiais. Eles revidaram usando balas de borracha.

Fazenda Nossa Senhora Aparecida em Chupinguaia, Rondônia  — Foto: Gabryel Biavatti
Fazenda Nossa Senhora Aparecida em Chupinguaia, Rondônia — Foto: Gabryel Biavatti

Após o confronto, os suspeitos foram detidos e levados para a delegacia de Vilhena (RO). Eles foram autuados pelos crimes de dano e depredação, associação criminosa e posse irregular de arma de fogo.

A Fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Chupinguaia, é uma das três fazendas que surgiram da divisão das terras da Fazenda Santa Elina, onde ocorreu o Massacre de Corumbiara. Por esse motivo, a área é uma espécie de símbolo da luta dos camponeses pela terra. A área da antiga Fazenda Santa Elina foi invadida em 2020.

Por Rede Amazônica

Exército leiloa veículos 4 x 4, ideais para o trabalho na fazenda

Leilão termina dia 10 e visitação aos lotes vai até esta sexta-feira (07.05.2021) em Dourados, MS.

Picapes Land Rover 4 x 4 (modelo típico usado pelas forças armadas), caminhões Mercedes Benz 4 x 4, uma máquina pá carregadeira Case W 20 e um ônibus urbano Scania/Marco Polo são alguns dos destaques colocados à venda pelo 28º Batalhão Logístico (28º B Log) do Exército Brasileiro. O leilão, totalmente online, termina na tarde do próximo dia 10 de maio (segunda-feira) – 15 horas, horário de Brasília (14 horas, horário Mato Grosso do Sul). Até lá, pessoas físicas e jurídicas podem se candidatar e tentar adquirir um ou mais dos 38 lotes ofertados através do portal Regina Aude Leilões (www.reginaaudeleiloes.com.br).

A visitação presencial aos lotes (inspeção apenas visual) pode ser feita até a próxima sexta-feira (07.05.23021) no 28º B Log, em Dourados, Mato Grosso do Sul: Avenida Guaicurus, 9.000, Zona Rural. Este procedimento, no entanto, terá de ser antecedido por agendamento via e-mail – sapelap@28blog.eb.mil.br – com, no mínimo, 24 horas de antecedência. Para esta vistoria, o Exército avisa que não será permitido o registro de imagens.

Em função da pandemia de covid-19, três medidas especiais estão sendo adotadas para a visitação presencial: Uso obrigatório de máscara de proteção individual; formação de grupos com, no máximo, cinco pessoas, mantendo distância de segurança; tempo máximo de visitação de 30 minutos por grupo.

Podem participar pessoas físicas (com CPF) e jurídicas (Com CNPJ), desde que maiores de 18 anos, domiciliadas/inscritas em qualquer parte do território brasileiro. Para oferecer lances aos lotes de 08 a 12 (descritos como sucatas), o interessado deverá obrigatoriamente estar credenciado junto ao Detran, conforme determinação da lei 12.977, de 20/05/2014 e resolução 611/2016 do CONTRAN.

Condições complementares e mais detalhes sobre o leilão do Exército podem ser conferidos no edital eletrônico – https://www.reginaaudeleiloes.com.br/envios/leiloes_edital1475.pdf. Fotos e informações sobre cada lote estão disponíveis no link https://www.reginaaudeleiloes.com.br/envios/leiloes_edital1475.pdf. Dúvidas podem ser sanadas com a equipe leiloeira via e-mail sac@reginaaudeleiloes.com.br.

Fotos: Reinaldo Perdomo

Fotos: Reinaldo Perdomo

Por Ariosto Mesquita – DRT/MG 3474

Operação da polícia já prendeu 9 suspeitos envolvidos em assassinatos de PMS em Nova Mutum, RO

Titular da Sesdec informou que a demora na divulgação de novos dados é para não comprometer as investigações.

A polícia já prendeu nove dos 17 suspeitos de participação na morte de dois policiais militares em uma fazenda do distrito de Nova Mutum, em Rondônia. A informação foi repassada em entrevista coletiva nesta sexta-feira (16) pelo Coronel Hélio Cisneiro Pachá, titular da Secretaria de Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec).

Segundo o secretário, a demora na divulgação de novos dados foi para não comprometer as investigações. Na coletiva, Pachá explicou também que as provas do envolvimento de 17 pessoas na morte dos militares, até o momento, vem de testemunhas.

Veja Também:

“Hoje nós temos nove pessoas presas, algumas delas durante a operação, outras duas, uma se entregou e foi conduzida a registro de ocorrência em Ouro Preto do Oeste e outra foi preso dois dias atrás em Ariquemes. Provas testemunhais por enquanto das pessoas que foram ouvidas e identificação com fotos através das vítimas e das próprias pessoas que já foram presas”, disse o secretário.

Ainda de acordo com o coronel, os estados que fazem divisa com Rondônia já foram informados de foragidos e receberam fotos e informações para o cumprimento de medidas da Justiça.

“Já receberam diretamente da minha pessoa e dos outros acatários as imagens com as devidas medidas cautelares, caso eles sejam localizados, possam ser devidamente presos. Foi concedido um mandado de reintegração de posse pela Justiça estadual e aproveitamos a oportunidade e já reintegramos. Foram retiradas 520 pessoas do local, em torno de 18 carros e 60 motos”, complementou.

Fonte: G1/RO

Polícia divulga imagem de chefe do grupo que matou PM’s em Nova Mutum, RO

Gedeon José Duque, conhecido como Índio, já é considerado foragido da Justiça.

A polícia de Rondônia está fazendo buscas pelo homem apontado como o chefe da quadrilha de grileiros que matou dois PM’s em uma fazenda de Porto Velho. Gedeon José Duque, conhecido como Índio, já é considerado foragido da Justiça.

Segundo investigação feita pela Polícia Civil, Gedeon é o principal suspeito de chefiar uma quadrilha que atua na grilagem de terra em Rondônia.

Gedeon e os grileiros fazem parte de uma organização criminosa que realiza diversos crimes na zona rural de Porto Velho, com treinamento e armamento de guerra utilizando fuzis e metralhadoras para prática de homicídios, torturas, incêndios e roubos.

Durante a operação Ordo, realizada no último fim de semana no distrito de Nova Mutum Paraná, as forças de segurança de Rondônia prenderam cinco suspeitos e dezenas de armas, munições e rádios de comunicação usados pela quadrilha.

Porém, segundo a Polícia Civil, o chefe da quadrilha não foi localizado e já é considerado foragido da Justiça.

Quem tiver informações sobre o paradeiro de Gedeon pode denunciar pelo telefone, anonimamente, através do 190 da PM e 197 da Polícia Civil. O suspeito, no ano de 2015, chegou a ser condenado a 15 anos de prisão por homicídio.

Equipamento para comunicação por rádio foi encontrado na fazenda — Foto: WhatsApp/Reprodução
Equipamento para comunicação por rádio foi encontrado na fazenda

No último dia 3 de outubro, o tenente da reserva José Figueiredo sobrinho pescava com amigos em uma propriedade rural quando foi identificado, torturado e morto por um grupo armado. Uma testemunha disse que os criminosos cometeram o crime após constatar que a vítima era militar.

A PM foi chamada e ao chegar na localidade para retirar o corpo de Figueiredo, houve um ataque por parte dos criminosos e o sargento Márcio Rodrigues da Silva foi alvejado e morto.

Por conta da intensidade do ataque, os policiais precisaram recuar e os corpos das vítimas só foram retirados em uma operação no domingo (4). Outros quatro militares ficaram feridos no ataque em que o sargento foi morto. Um deles segue internado na UTI.

Durante a operação do fim de semana, segundo a polícia, cerca de 300 invasores foram retirados da região da fazenda onde ocorreu o crime.

Polícia tenta prender criminosos que assassinaram dois policiais em Rondônia

Fonte: Rede Amazônica

Polícia apreende, cinco suspeitos, com munições e armas de calibre de caça em fazenda Nova Mutum, RO

A operação tem como objetivo prender os suspeitos de armar uma emboscada contra a polícia no distrito de Nova Mutum, cerca de 300 invasores foram retirados da área.

Armas de fogo, munições, dezenas de armas brancas e equipamentos de comunicação foram apreendidos no fim de semana na fazenda onde dois policiais militares foram assassinados no dia 3 de outubro, em Porto Velho.

A apreensão ocorreu durante a Operação Ordodeflagrada no sábado (10) com objetivo de prender os suspeitos de armar uma emboscada contra a polícia no distrito de Nova Mutum Paraná.

Segundo informou a Polícia Militar (PM), cerca de 300 agentes da segurança pública participaram da ação na região da fazenda.

“Inicialmente, durante a operação, prendemos cinco suspeitos, munições e armas de calibre de caça”, afirma Alex Miranda, capitão da PM-RO.

A Polícia Militar encontrou estoque de alimento no barracão

Ao todo, 24 mandados foram expedidos pela Justiça, sendo 17 deles de prisão preventiva. A operação Ordo é integrada foi realizada pela Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Técnico-científica. Ordo é uma referência à ordem.

Arma e rádios de comunicação apreendidos na fazenda — Foto: WhatsApp/Reprodução
Arma e rádios de comunicação apreendidos na fazenda

Segundo apurado nas investigações, os procurados integram uma organização criminosa e praticam diversos crimes na localidade, com treinamento e armamento de guerra utilizando fuzis e metralhadoras para prática de homicídios, torturas, incêndios e roubos.

Na mesma operação do fim de semana, segundo a polícia, cerca de 300 invasores foram retirados da área.

Equipamento para comunicação por rádio foi encontrado na fazenda — Foto: WhatsApp/Reprodução
Equipamento para comunicação por rádio foi encontrado na fazenda

Morte de PM’s

No último dia 3 de outubro, o tenente da reserva José Figueiredo sobrinho pescava com amigos em uma propriedade rural quando foi identificado, torturado e morto por um grupo armado. Uma testemunha disse que os criminosos cometeram o crime após constatar que a vítima era militar.

A Polícia Militar (PM) foi chamada e ao chegar na localidade para retirar o corpo de Figueiredo, houve um ataque por parte dos criminosos e o sargento Márcio Rodrigues da Silva foi alvejado e morto.

Figueiredo e Rodrigues: policiais mortos em emboscada em Rondônia — Foto: Polícia Militar/Divulgação
Figueiredo e Rodrigues: policiais mortos em emboscada em Rondônia

Por conta da intensidade do ataque, os policiais precisaram recuar e os corpos das vítimas só foram retirados em uma operação no domingo (4). Outros quatro militares ficaram feridos no ataque em que o sargento foi morto. Um deles segue internado na UTI.

Fonte: G1/RO

Corpos de Policiais mortos em ataque de sem terras em Mutum-Paraná são velados

Tenente José Figueiredo Sobrinho foi assassinado no sábado (3) com cerca de 10 tiros em uma fazenda onde pescava. Sargento PM Márcio Rodrigues da Silva foi morto durante operação de resgate.

Os corpos dos dois policiais militares que morreram no último fim de semana em uma fazenda de Rondônia são velados nesta segunda-feira (5) em Porto Velho (RO). Os sepultamentos estão previstos para o fim da manhã nos cemitérios Recanto da Paz e Santo Antônio.

Tenente José Figueiredo Sobrinho e sargento PM Márcio Rodrigues da Silva

O tenente da reserva, José Figueiredo Sobrinho, foi assassinado no sábado (3) com cerca de 10 tiros, após ser encontrado por um grupo armado dentro de uma fazenda de Mutum-Paraná, distrito de Porto Velho. Familiares da vítima disseram que ele estava a lazer no local.

O sargento PM Márcio Rodrigues da Silva morreu enquanto apurava a ocorrência de homicídio que vitimou Figueiredo. O corpo dele começou a ser velado às 8h e reuniu familiares, amigos e colegas da corporação, que lamentam a perda.

Veja Também:

A filha do tenente da reserva contou que o pai gostava muito de pescar e estava com amigos limpando os peixes no momento do ataque.

“Meu pai saiu de casa no dia 2 para pescar com amigos. Estavam perto de um rio quando foi executado. Era quase meio-dia, eles estavam tratando peixe, limpando. Quando chegaram essas 10 pessoas armadas com fuzil. Bem mais armados que um policial sozinho”, disse.

Figueiredo deixa esposa, a filha única e uma neta. A mãe do tenente ainda não sabe sobre a morte do filho.

“Angústia. Como eu vou chegar e falar pra minha filha que o avô dela morreu? Minha vó também não sabe que meu pai tá morto… Na hora que ele morreu eu senti um aperto no coração mas eu não entendi o que era. Mais tarde uma policial ligou para minha mãe informando”, lamentou.

Fonte: G1/RO

%d blogueiros gostam disto: