Grã-Bretanha homenageia Phillip com tiros e bandeira a meia-haste

Homenagens estão sendo prestadas por toda a Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales. Velório não será aberto ao público

Em Londres, a praça Picadilly Circus colocou um outdoor em homenagem ao Duque de Edimburgo
Em Londres, a praça Picadilly Circus colocou um outdoor em homenagem ao Duque de Edimburgo

Homenagens em toda a Grã-Bretanha estão sendo realizadas, neste sábado, para marcar a morte do Príncipe Phillip.

Segundo informações de veículos internacionais, a bandeira do Reino Unido foi deixada a meia-haste no Palácio de Buckingham e demais prédios oficiais, enquanto saudações com tiro de canhão foram disparadas pela Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales

Um dos pontos centrais de Londres, a praça Picadilly Circus, carrega um outdoor em homenagem ao príncipe consorte.

O marido da Rainha Elizabeth II faleceu, aos 99 anos, na manhã da última sexta, no castelo de Widnsor, segundo comunicado do Palácio de Buckingham.

Diante das precauções exigidas pela pandemia, não será realizada uma cerimônia de Estado aberta ao público. O velório e enterro serão realizados na capela de São Jorge, no Castelo de Windsor.

Tabloides britânicos como o Daily Mail têm especulado se o príncipe Harry viajará ao Reino Unido para prestar condolências ao avô. A relação com a família real estaria balançada após a entrevista de Harry e Meghan concedida à apresentadora norte-americana Oprah Winfrey, na qual a família de Harry foi acusada de racismo.

Fonte: R7

Em homenagem ao dia do Jornalista, Fhemeron reconhece a importância desses profissionais do estado

Jornalistas tem fundamental importância na conscientização da população para a manutenção dos estoques de bolsa de sangue da Fhemeron.

O Governo de Rondônia, por meio da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron), reconhece a importância da atuação do jornalista para a manutenção do estoque do banco de sangue. É através de divulgações feitas por estes profissionais que a entidade consegue sensibilizar doadores a doar sangue.

Ao produzir a reportagem, os jornalistas acabam se tornando doadores também. “O repórter se torna uma peça importante nessa conscientização, visto que os mesmos divulgam o nível de estoque dos bancos de sangue, que quase sempre estão em situação crítica. Em Rondônia, os jornalistas, dos meios de comunicação são acionados pela Superintendência Estadual de Comunicação (Secom), e sempre atendem ao chamado”, ressaltou a gerente de captação da Fhemeron, Maria Luíza Pereira.

Júlia Scherer, repórter de televisão, doadora de sangue e de medula óssea explica: “Eu sempre doei sangue porque eu penso que é importante colocarmos em prática aquilo que a gente leva como informação. Como a gente quer que a população atenda o nosso chamado se a nós não se envolvermos como sociedade? O jornalista deve noticiar e participar da causa.”

Esse ponto também foi destacado pela gerente de captação. “Muitas pessoas vem doar quando tem alguém precisando e isto é válido, mas o doador tem que se conscientizar de que os desconhecidos também precisam. No momento estamos com o estoque de sangue O+, considerado o mais comum, abaixo de 50%. Isso faz com que cirurgias precisem ser adiadas”, esclarece a gerente. A doação de sangue continua normal e ainda mais necessária durante a pandemia. Mesmo quem teve Covid-19 pode doar sangue, 30 dias depois que tiver sido curado.

Para enfatizar a importância da divulgação, Maria relata a iniciativa dentro do próprio governo, através de campanhas lançadas para incentivar servidores a fazer doação de sangue. Ao saber da necessidade, os servidores se mobilizam para fazer doação. O fotógrafo Frank Nery e o motorista Jander Barbosa fizeram a parte deles doando sangue para salvar vidas. “Eu sou doador voluntário e fiel há muitos anos e faço a minha doação com frequência porque sei da necessidade”, esclareceu o fotógrafo Frank. Jander doou pela primeira vez e se comprometeu “Vou continuar doando, sangue é vida!”.

Também servidora da Secom, Tainan Dalazen é doadora de sangue voluntária e sabe da necessidade de doar. Ela faz parte de um grupo ainda mais seleto: o de doadores raros por ter sangue do tipo A-. “Sempre sou acionada pela Fhemeron quando precisam do meu tipo de sangue. Eu e meus dois filhos somos A- e meu marido é O-, tipos de sangue raros. E justamente por saber disso sou doadora.”

REQUISITOS NECESSÁRIOS AO DOADOR DE SANGUE

  • Estar em boas condições de saúde;
  • ter entre 18 e 69 anos de idade;
  • adolescente de 16 e 17 anos poderá doar acompanhado dos pais ou responsáveis legais;
  • ter peso acima de 50 kg;
  • estar alimentado, evitando alimentação gordurosa (aguardar três horas após o almoço);
  • homem pode doar até quatro vezes ao ano, em intervalos de 60 dias (dois meses);
  • mulher pode doar até três vezes ao ano, em intervalos de 90 dias (três meses)Ter dormido pelo menos seis horas nas últimas 24 horas.

IMPEDIMENTOS TEMPORÁRIOS

  • Estar gripado ou com febre;
  • grávida ou amamentando;
  • em tratamento médico;
  • ter ingerido bebida alcoólica no dia da doação (12 horas);
  • tatuagem feita há menos de um ano;
  • tratamento de acupuntura nos últimos 12 meses;
  • endoscopia digestiva nos últimos seis meses;
  • ter recebido transfusão de sangue e seus derivados há menos de 1 (um) ano;
  • pessoas que contraíram Covid-19, é possível doar após 30 dias da cura;
  • malária nos últimos 12 meses.

IMPEDIMENTOS DEFINITIVOS

  • Doença de Chagas;
  • Hepatite após os 11 anos de idade;
  • exposição à situação ou comportamento que levem a risco, acrescido para infecções sexualmente transmissíveis.

É obrigatório apresentar documento de identificação com fotografia, emitido por órgão oficial.

HORÁRIO DE ATENDIMENTO

A Fhemeron de Porto Velho funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 7h15 às 18h e aos sábados, até às 12h. Está localizada na Avenida Jorge Teixeira, 3766, bairro Industrial.

Fonte: Fhemeron

Em homenagem ao ‘Dia Internacional da Mulher’, desempenho feminino de gestora no Governo é enaltecido em RO

Rosângela Castelo vem de uma família de migrantes paranaenses pioneiros na agricultura de Ouro Preto do Oeste

Dia internacional da mulher - Notícia - News - Brasil Telemedicina

Já é rotina para a superintendente Estadual de Comunicação (Secom) do Governo de Rondônia, Rosângela Castelo, passar o dia todo num vaivém por dependências palacianas, uma característica do seu ritmo de trabalho. Conhecer esses meandros é tal qual visualizar os 52 municípios do Estado, ela compara.

Paranaense de Campina da Lagoa (centro-oeste do Estado do Paraná), rondoniense por adoção, Rosângela, 44 anos, veio criança para Ouro Preto do Oeste, na BR-364, onde os pais João Maria da Silva, 72, e Cinira dos Santos, 68, ganharam um lote de terra do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no período cacaueiro do primeiro projeto integrado de colonização do extinto território federal.

DIA DA MULHER - Desempenho feminino de gestora no Governo de Rondônia é  enaltecido no Dia Internacional da Mulher - News Rondonia Portal de Noticias
Rosângela defende a comunicação com consciência e bem feita

No Dia Internacional da Mulher, ela enaltece o desempenho feminino em Rondônia e no mundo, compreendendo a quebra de paradigmas e a capacitação feminina para ocupar o seu espaço na Educação, Saúde, Comunicação, Empreendedorismo, Políticas Sociais, no Judiciário, entre outros âmbitos.

Rosângela tem uma visão completa do Estado. Seu trabalho em uma empresa emissora de televisão facilitou-lhe conhecer todos os municípios, pessoas e hábitos regionais.

“Antes de casar, minha mãe assinava o nome com o polegar, se alfabetizou no Mobral noturno, no Colégio Joaquim de Lima, para que anos depois, com muito esforço e estudos, chegasse a trabalhar como enfermeira. O meu pai foi o principal apoiador da minha mãe, cuidando dos cinco filhos a noite para que ela pudesse estudar”, conta.

Rosângela estudou em Ouro Preto do Oeste até 1995, quando veio para Capital, Porto Velho, estudar na Universidade Federal de Rondônia (Unir), buscando o curso de Economia, em seguida, fez Administração, Marketing e cursos de pós graduação em instituições privadas. Além de comunicadora, é também professora de Ensino Superior.

“Faria tudo de novo, até mesmo sem salário, porque me convenci do grande presente que é o conhecimento. Recebo por ministrar aulas, mas também fiz muito sem salário”, comenta.

Rosângela acredita que a docência vai além da sala de aula e aprecia auxiliar as pessoas no aprendizado e no aconselhamento. Desde 2010 participa do quadro de uma faculdade privada, dedicando-se aos cursos de Administração, Jornalismo, Propaganda e Publicidade, Direito, Ciências Contábeis, Psicologia, Engenharia Civil e Elétrica.

“A mulher batalhou pelos espaços conquistados, buscando inserir-se em novos cenários. Ela tem visão analítica, capacidade de ver o todo, utiliza o humanismo como ferramenta de motivação para criar estratégias, acompanhar o tático e, se preciso for, atuar no operacional”, assinala.

Quando começou a trabalhar em outra emissora de televisão, já poderia vislumbrar o seu horizonte: “Comecei fazendo arquivos de videoteipes (fita de material plástico para edição e reprodução de imagem) e fui também chefe de operações comerciais”.

“Somos multiprofissionais, mães e administradoras do lar, fazemos almoço, arrumamos a casa, cuidamos das finanças, cuidamos dos filhos e ainda nos cuidamos. Tenho muito orgulho em ser mulher e me orgulho das mulheres rondonienses”.

Uma data que ela nunca esquece: 6h da manhã de 15 de junho de 1995, quando chegou a Porto Velho. “Minha vida era tranquila demais em Ouro Preto, eu vim de lá com uma mala de roupas e outra com livros, imaginando como seria a experiência na Capital”.

Três anos depois, em 1998, lá estava Rosângela dando conta de dois expedientes: numa empresa de vídeo, assistente de produção, e em uma empresa operadora de telefonia, onde atuou no setor de expansão de redes.

Conforme ela considera, “a porta principal” abria-se no ano 2000, ao ingressar em uma rede de emissoras afiliadas, onde permaneceu até agosto de 2015.

De assistente comercial, saiu gerente comercial do Estado. “Um caminho longo, uma grande experiência, extremamente gratificante”, frisa.

A chegada ao Governo de Rondônia aconteceu em 2019. Rosângela foi trabalhar na Superintendência Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi), atuando como coordenadora de comércio, indústria e agronegócio. Logo depois, fora designada para a diretoria executiva da Casa Civil, de onde seria designada para a Secom.

Casada há quase 20 anos com Milton Castelo, “mãe de coração” de Michele Castelo, 21, e avó de Valentina, 2, a superintendente analisa sua atual missão governamental como “mais um desafio”. “Aqui é preciso sabedoria, resiliência, sinergia, alinhamento e do esforço necessário para fazer multiplicar boas informações”, constata.

Mudanças na ordem mundial, enfrentamento à pandemia da Covid-19 e o dia a dia corrido lhe proporcionam convicções a respeito de crises sanitária, econômica e política. “Eu me pergunto: de que maneira o ser humano deve se comportar diante desse novo momento do qual sabemos o hoje e desconhecemos o amanhã? A população afetada merece respostas e nós lutamos para que ela tenha todas as que forem possíveis”, emenda.

Na torcida para que o atual período “passe logo”, Rosângela defende a “comunicação com consciência e bem feita. Se assim o fizermos, vamos conseguir reduzir a quantidade de informações desencontradas que só prejudicam as pessoas”, afirma.

Fonte: Secom-RO

Câmara Municipal de Machadinho d’Oeste concede homenagem à Ezequiel Júnior

.

Durante a sessão extraordinária desta segunda-feira (01/03), a Câmara Municipal de Machadinho do Oeste, prestou uma homenagem, com total apoio dos demais parlamentares da Casa, ao ex-vereador Ezequiel Junior

Os vereadores da 8ª Legislatura da Câmara Municipal de Machadinho d’Oeste, concede ao ex-vereador Ezequiel Junior (Republicanos), o Certificado de Reconhecimento por ter contribuído com o processo democrático do município, atuando sempre com honradez como Vereador durante a 6ª Legislatura do município.

“Ezequiel Júnior tem uma longa folha de bons serviços prestados à população do município de Machadinho d’Oeste, pela forma respeitosa, dedicada e diligente com que sempre atendeu as comunidades e região, ele merece todo o nosso reconhecimento e a nossa admiração, pois seu trabalho honra todo nós”, justificou.

Após a passagem pela Câmara, Ezequiel Júnior, foi eleito deputado Estadual por Rondônia, sua passagem pela Assembleia Legislativa foi uma das mais marcantes da história do Município de Machadinho d’Oeste. “Durante o seu mandato, destinou mais de R$ 80 milhões de emendas parlamentares, além de socorrer muitas prefeituras”.

Após a passagem pela Câmara, Ezequiel Júnior, foi eleito deputado Estadual por Rondônia, sua passagem pela Assembleia Legislativa foi uma das mais marcantes da história do Município de Machadinho d’Oeste. “Durante o seu mandato, destinou mais de R$ 15 milhões de emendas parlamentares, além de socorrer muitas prefeituras”.

“Ao termino do seu mandato, teve o privilegio de pagar todas as emendas parlamentares alocadas como avia prometido. Como ele mesmo disse, saio de cabeça erguida, entrei limpo e saio limpo desse mandato, deixando aqui minha marca positiva na história do legislativo rondoniense”.

“Ezequiel Júnior, ressaltou a importância da homenagem e agradeceu a ex-presidente daquela casa, Sra. Diva e ao então servidor Paulo César, que idealizaram esse projeto que resgatou a história do Poder Legislativo Municipal. Em nome do amigo e vereador Amauri Vale, Ezequiel agradeceu aos vereadores da legislatura passada e aos vereadores da atual legislatura pelo reconhecimento concedido, declarou.

da Redação/CN

No dia da Independência, Rondônia homenageia profissionais da saúde no combate ao Covid-19

Mesmo sem comemoração do dia da Independência por conta da luta contra o Coronavírus, Governo reconhece o esforço dos profissionais de saúde que ajudaram na recuperação de doentes da Covid-19

Sem atos cívico-militares, no estado devido a Pandemia, Governo homenageia profissionais da saúde na luta contra a Covid-19

Sem o toque da corneta, sem bandeiras na avenida, sem alunos escolares, sem tropas do Exército, da Marinha, da Aeronáutica, da PM e do Corpo de Bombeiros. Assim será o feriado pátrio de 7 de setembro em Porto Velho e no Estado de Rondônia, neste ano de pandemia da Covid-19.

Por mensagem em meios eletrônicos, o governador Marcos Rocha se pronunciará, prestando homenagem aos profissionais de saúde que se dedicam dia e noite ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

O grito “Selva!” ficou para 2021. Essa forma de cumprimento, interjeição, substitui “Ok, tudo bem”. Daqui a um ano, certamente voltarão as solenidades corriqueiras do Dia da Pátria.

O cancelamento das tradicionais solenidades no desfile cívico-militar é uma medida de prevenção sanitária para evitar aglomerações nas cerimônias, devido ao risco de contaminação pelo novo coronavírus.

No início de agosto, o Ministério da Defesa recomendou o cancelamento dos desfiles, em portaria (nº 2.621) publicada no Diário Oficial da União.

“Como é de amplo conhecimento, o País, como considerável parte do mundo, enfrenta a pandemia da Covid-19, não sendo recomendável pelas autoridades sanitárias a promoção de eventos que possam gerar aglomerações de público, devido ao risco de contaminação”, diz um trecho da portaria.

O governador Marcos Rocha irá destacar o entusiasmo e a dedicação de todos os profissionais – médicos, enfermeiros, técnicos, fisioterapeutas, maqueiros e auxiliares diversos, especialmente os de limpeza e motoristas de ambulâncias – “por abraçarem a dor dos doentes em Rondônia, como se abraçassem a dor comum de um ente da própria família”, destaca Rocha.

A Independência do Brasil aconteceu em 7 de setembro de 1822. A história conta que nesse dia Dom Pedro I a proclamou às margens do rio Ipiranga, na cidade de São Paulo. O Brasil rompia sua ligação com Portugal e se consolidava como nação independente*.

Pacientes recuperados em Rondônia

A avenida 7 de Setembro, ex-rua do Comércio, em Porto Velho, homenageia a Independência Brasileira. O jornalista e memorialista Lúcio Albuquerque lembra que, na praça em frente ao Palácio Presidente Vargas [atual Museu da Memória] há um obelisco inaugurado a 7 de setembro de 1922. “A então adolescente Labibe Aiech – depois Bártolo – declamou um poesia em homenagem à data, na primeira vez que uma mulher participou como oradora numa cerimônia pública em Porto Velho”, conta.

No ano passado, o governador Marcos Rocha declarava: “No 7 de setembro, a gente precisa resgatar o nosso sentimento de patriotismo, agir como cidadãos brasileiros em união, buscando o melhor para o nosso País, para a nossa Nação. Esta data é muito importante assim como os Estados Unidos falam ‘Feliz 4 de Julho’, a gente fala ‘Feliz 7 de Setembro’. Que Deus abençoe o nosso País”.

Em desfiles anteriores, na Capital, a Maçonaria marchou em comemoração à data. A Independência do Brasil tem significado especial para os maçons, pois a instituição teve participação decisiva no movimento, quando propôs, durante sessão, que se conferisse ao príncipe Dom Pedro I, o título de “Protetor e Defensor Perpétuo do Brasil”. Dom Pedro aceitou o título, propondo apenas a supressão do termo protetor.

Habilmente, os maçons arquitetaram o desenrolar do 7 de setembro de 1822, lançando a ideia da convocação de uma Assembleia Constituinte, cujo projeto foi redigido por Gonçalves Ledo e Januário Barbosa, dois maçons ilustres.

MARECHAL RONDON

Rondônia é o único estado brasileiro com nome de personagem da história: o marechal Cândido Mariano Rondon.

Cinco anos atrás, em Brasília, no desfile cívico-militar de 7 de setembro, 850 integrantes do Exército Brasileiro, em tropas, a pé e motorizados, somaram-se às demais Forças, homenagearam os 70 anos da vitória do Brasil na Segunda Guerra Mundial e aos 150 anos do nascimento do Marechal Rondon.

Marechal Cândido Rondon recebeu homenagem no Dia da Pátria em 2015

Rondon é Patrono da Arma de Comunicações do Exército, foi homenageado com a presença de seu neto, que desfilou em viatura militar, trajando vestes da época de seu avô, seguido de militares com uniformes de instrução rondonianos.

Em 2018, o historiador Marcos Teixeira lembrava os feitos de Rondon para o País . Naquela ocasião, ele mencionou o etnólogo e escritor Roquette Pinto, que anunciara o nome do Estado em livro de sua autoria. “Quarenta anos antes do território, Rondon aqui esteve estudando populações indígenas, linguística e botânica, muito antes das primeiras migrações”, assinalava o etnólogo.

7 DE SETEMBRO ESPECIAL PARA PORTO VELHO

A escritora e historiadora Yêdda Borzacov, integrante da Academia de Letras do Estado de Rondônia, lembrou que na edição comemorativa ao centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922, o Diário Oficial do Governo do Estado do Amazonas publicava nas páginas 94 a 201:

“A povoação de Porto Velho teve início no núcleo de casas dos empregados da “Madeira-Mamoré Railway Co.”, que se foi condensando, desde 1907, em torno da estação inicial e oficinas respectivas, sob a fiscalização da diretoria da Estrada de Ferro referida, que efetuou desde logo obras de saneamento…”. Com fundamento nisso, ela reverenciava a comemoração do centenário da Capital em 2007.

O falecido historiador Abnael Machado escreveu que o município de Porto Velho e a cidade do mesmo nome não passaram pelos estágios político-administrativos de Distrito e de Vila, respectivamente. “O povoado de Porto Velho, sede do município, foi elevado à categoria de cidade pela Lei Estadual nº. 1011, de 7 de setembro de 1919, sancionada pelo Governador Pedro de Alcântara Bacelar,

A independência resultou do desgaste nas relações entre colonos brasileiros, sobretudo da elite, com Portugal. Isso teve relação direta com a Revolução Liberal do Porto de 1820, mas pode-se considerar que tudo começou com a transferência da Família Real portuguesa para o Brasil, em 1808. Isso decorreu da chamada Era Napoleônica [referente a Napoleão Bonaparte, imperador francês], motivada pelainvasão de Portugal pelas tropas francesas.

A Família Real fugiu de Lisboa para o Rio de Janeiro, iniciou-se então o chamado Período Joanino, cujo nome faz referência a Dom João VI, regente que esteve à frente de Portugal e só se tornou rei a partir de 1816. No Brasil,  ele tomou diversas medidas que contribuíram para a modernização do país, promovendo desenvolvimento econômico e florescimento cultural e artístico.

Duas medidas se destacaram: a abertura dos portos, em 1808, e a elevação do Brasil à condição de reino, em 1815. Com essa última medida, o Brasil deixou de ser uma colônia e tornou-se parte do reino português. Essa situação, no entanto, desagradava a muitos em Portugal. Assim, em 1820, estourou a citada Revolução Liberal do Porto.

Essa revolução mobilizou a elite de Portugal pelo desejo de reformas no país, que incluíam o retorno do rei para Lisboa. O ponto de partida para o processo de independência do Brasil foi, portanto, a intenção da Corte portuguesa [instituição à frente dessa revolução em Portugal] de revogar todas as medidas tomadas por Dom João VI durante o Período Joanino.

Temendo a perda do seu poder, Dom João VI foi pra Portugal e deixou o seu filho, Dom Pedro I, como príncipe regente do Brasil. Os revolucionários, mesmo inspirados por princípios liberais, exigiram a volta do pacto colonial. No Brasil, as repercussões desses acontecimentos impulsionaram a formação de um movimento que possibilitou a Independência. [Com informações do portal Brasil Escola].

Fonte: Secom-RO

Escolas da Mediação Tecnológica recebem notebooks em Cerejeiras

A entrega é para homenagear os alunos em destaques no Enem no município. Foram entregues oito notebooks destinados ao atendimento de três escolas estaduais de Ensino Fundamental e Médio.

Estudantes são homenageados pelo resultado do Enem 2019

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc), entregou nesta quarta-feira (2) notebooks para escolas, diretores e professores que trabalham com a Mediação Tecnológica no município de Cerejeiras.

O secretário de Estado da Educação, professor Suamy Vivecananda representou o governador Marcos Rocha e entregou um total de oito notebooks que foram destinados para o atendimento das escolas estaduais de Ensino Fundamental e Médio Colina Verde, localizada no município de Corumbiara, Marechal Rondon e Doutor Osvaldo Piana, que trabalham com a Mediação Tecnológica.

Durante a solenidade os três estudantes, Adriele Alves de Oliveira, representada pela mãe Conceição Aparecida Alves dos Santos, Matheus Robert Souza Marcelino Silva e Ana Paula Pastrez, que que se destacaram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem/2019), foram homenageados e receberam uma lembrança de reconhecimento ao empenho e esforço de cada um.

O secretário de Estado da Educação, Suamy Vivecananda, disse que mesmo durante a pandemia, o Governo está trabalhando para dar mais qualidade à educação de Rondônia.

Fonte: Seduc

Cadeirante vence preconceito e comemora ‘Dia dos Pais’

Jonata é pai de duas meninas que são Ana Clara que é biológica, e Lívia Vitoria que é adotiva.

Um tiro de revólver acidental ainda criança, tornou Jonata Bispo  cadeirante. Se não fosse a prática em manusear o meio de locomoção há anos, não teria tanta habilidade em honrar o compromisso de pai.

Ele conta com orgulho que sempre colocou as duas meninas para dormir, sempre se dedicou com excelência na preparação das mamadeiras da madrugada e as deficiências físicas nunca atrapalharam a hora do lazer.

Um pai presente, amoroso, mas repressor quando  necessita. “Fui pai aos 19 anos da Ana Clara que é biológica, hoje ela tem 11 anos, mesmo não estando nos planos ter outra criança a Lívia Vitoria que hoje está com 4 anos, apareceu em nossas vidas”, relata.

Jonata revela ainda, que a adoção não estava nos planos no momento, porque as condições financeiras não eram das melhores, mesmo assim diante do acaso ele resolveu que ali nascia mais uma filha,” Uma amiga próxima teve problemas com drogas e não podia cuidar, então a pegamos no hospital com oito dias de vida. Minha esposa desempregada, não tínhamos nenhuma condição, as pessoas diziam: “Nossa eu não teria coragem de adotar” e diziam à minha esposa: “Você já lida com um cadeirante e ainda vai adotar?”, mas Deus é tão bom que pelo fato dela estar desempregada  cuidou das meninas em tempo integral, então ela começou a estudar, ganhou bolsa em um cursinho porque tinha o sonho de ser médica,  passou na Federal do Pará,  e mesmo assim cuidava da casa, das crianças e eu trabalho para manter a família, e até hoje e assim”, conclui.

Jonata diz ainda que lutar pela guarda da caçula na justiça não foi tarefa fácil. Durante três anos, o casal mantem a esperança pela guarda da menina. Falta ainda ser expedido o documento de adoção em definitivo, ” Pra mim a diferença está nos outros, pois na minha vida nunca houve diferença alguma, amo as duas de forma igual”, finaliza.

Fonte: Secom-RO

Alameda Euro Tourinho – Confraria homenageia Edwilson Negreiros em Porto Velho

O Buraco do Candiru prestou homenagens ao vereador-presidente do Legislativo. O vereador Aleks Palitor (PTB) o representou na cerimônia

Porto Velho, RO – A confraria conhecida como Buraco do Candiru, situada em Porto Velho, prestou homenagem ao vereador-presidente da Câmara Municipal, Edwilson Negreiros, do PSB, por ter apresentado e obtido aprovação de um Projeto de Lei a fim de preservar a memória do jornalista Euro Tourinho.

Familiares do jornalista, o ex-secretário Thiago Tezzari e Marcos Danin, dono do Buraco do Candiru, estiveram presentes à ocasião.

Na região, em decorrência de ação de Negreiros, a Rua Guiana mudou de nome para Alameda Tourinho.

Embora não tenha comparecido em decorrência de compromissos anteriormente estabelecidos, o edil deixou uma mensagem de agradecimento aos membros da confraria ressaltando, mais uma vez, a importância de Euro Tourinho na imprensa regional.

“Um dos melhores jornalistas do Norte, e um nome a ser lembrando em Rondônia para sempre. Recebo de coração a placa, e me sinto agraciado com tamanha receptividade. Uma honra, certamente”, declarou.

Fonte: Assessoria / Câmara-PVH

Agentes de Segurança Socioeducativos de Rondônia são homenageados

Celebrando o dia Dia estadual do agente de segurança no âmbito do Estado de Rondônia.

Em consonância com o Autógrafo de Lei nº 377/2019, foi instituído, em 19 de junho, o Dia Estadual do Agente de Segurança Socioeducativo no âmbito do Estado de Rondônia. O Governo de Rondônia celebra aos servidores da Fundação Estadual de Atendimento Socioeducativo (Fease).

O exercício da função de Agente de Segurança Socioeducativo (ASSE) implica atuar na execução de medidas socioeducativas destinadas ao adolescente que pratique ato infracional, observando o disposto na Lei nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012.

Dentre algumas atribuições do Agente de Segurança Socioeducativo na Fease estão: oferecer sugestões, organizar e participar do processo educativo dos adolescentes, de atividades educativas, esportivas, culturais e de lazer, promovendo o desenvolvimento pessoal, favorecendo o convívio comunitário e mediando os conflitos; zelar pela ordem, disciplina, segurança e integridade física, psicológica e moral dos adolescentes.

Para o presidente da Fease, Antônio Francisco Gomes Silva, “o exercício da função requer, sobretudo equilíbrio emocional, pois diariamente o agente se depara com situações limites, haja vista o fato de que os adolescentes estão em uma fase marcada pela transição entre a infância e a idade adulta, caracterizada por alterações em diversos níveis — físico, mental e social, implicando instabilidade emocional.”

“Como agente de Segurança Socioeducativo a minha concepção é de que precisamos ter uma visão educadora, restaurativa, um olhar para o sistema socioeducativo pela ótica da educação, entendendo que ela pode transformar a vida do adolescente que está em cumprimento de medida socioecioeducativa e muitas vezes em conflito, não somente com a lei, mas consigo mesmo”, declarou Katiana Nunes de Araújo Pessoa, agente de Segurança Socioeducativo, que atualmente exerce a atividade como assessora de pedagogia da Fease.

Fonte: Secom-Ro

%d blogueiros gostam disto: