Criminosos invadem fazendas, destroem instalações e torturam funcionários

Quem são esses bandos que age de maneira criminosa e destruindo as propriedades?

Circula nas redes sociais e grupos de WhatsApp boatões em forma de vídeo mostrando grupos de invasores sem terras supostamente ligados ao (MST) agindo de maneira criminosa, roubando, destruindo fazendas e torturando funcionários.

Essa nova modalidade de conflito agrário composto por sem terras e grupos considerados extremamente perigosos está acontecendo na região de Rondônia, Acre e Amazonas.

A Fazenda Santa Carmem, a cerca de 190 quilômetros de Porto Velho (RO), foi alvo de mais de 40 homens fortemente armados. De acordo com pichações feitas no local, a ação foi feita por integrantes da Liga dos Camponeses Pobres (LCP).

Segundo relatos de funcionários, o grupo agiu com muita violência, inclusive com técnicas de tortura, destruindo veículos, alojamentos e levando outros veículos e tratores da fazenda.

Veja o vídeo da fazenda Santa Carmem:

Neste outro vídeo a baixo, a força nacional chegou a verificar e conversar com um grupo de invasores que estavam prestes a invadir uma outra fazenda.

A maioria dos integrantes estavam com o rosto totalmente coberto, armados e seguravam a bandeira da Liga dos Camponeses Pobres (LCP). Segundo informações, o movimento tem predileção pela guerrilha armada. 

De acordo com informações, esses criminosos estão usando o pano de fundo de movimentos sociais para causar terror nas propriedades. Eles entram, destroem as propriedades e retornam para essas terras em litígio, onde a Polícia Militar não pode entrar”.

Confira:

Onde Vamos Parar?

da Redação/CN

Forças de Defesa de Israel atualizam plano para possível ataque a instalações nucleares do Irã

.

O ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, mostra um mapa de alvos classificados

Governo israelense diz que seria “bom” se o mundo impedisse Teerã de obter armas nucleares antes que Israel fosse obrigado a agir, e apresenta planejamento militar para combater o Hezbollah.

Nesta quinta-feira (4), em entrevista para Fox News, o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, declarou que as Forças de Defesa de Israel (FDI) está continuamente atualizando seus planos para um possível ataque militar a instalações nucleares do Irã.

“Se o mundo o impedir [o Irã] antes, é muito bom. Mas, do contrário, devemos permanecer independentes e nos defendermos sozinhos. Até lá, vamos continuar a construí-los [planos de possível ataque], para melhorá-los ao mais alto nível profissional possível”, disse o ministro na entrevista citado pela mídia.

Durante a conversa, Gantz identificou “numerosos alvos” dentro do Irã cuja destruição poderia minar a capacidade de Teerã de desenvolver armas nucleares, segundo a mídia.

O ministro também afirmou que o grupo Hezbollah, apoiado pelo Estado iraniano, possui centenas de milhares de foguetes supostamente colocados ao longo da fronteira com Israel, apresentando um mapa classificado de alvos com a localização dos foguetes.

Exlusivo: O ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, mostra à Fox News um mapa de alvos classificados, revelando mísseis do Hezbollah em meio à infraestrutura civil.

O briefing anual de inteligência da FDI indicou que Israel está se preparando para vários dias de combate com o Hezbollah. Reportagens da imprensa local disseram que três mil alvos libaneses seriam atingidos todos os dias durante o próximo conflito, com o objetivo de matar 300 combatentes do Hezbollah a cada 24 horas, de acordo com a mídia.

“Este é um mapa de alvos. Cada um deles foi verificado legalmente e operacionalmente em termos de inteligência. Estamos prontos para lutar”, acrescentou Gantz.

As tensões permanecem altas enquanto os Estados Unidos e o Irã continuam em um impasse para chegarem a um consenso sobre o acordo nuclear e pela explosão do navio israelense na quinta-feira (25) no golfo de Omã, o qual Israel acusou o Irã de ser responsável pelo ataque.

Teerã negou sua participação no incidente e disse estar “monitorando de perto” as ações de Jerusalém na região.

Fonte: Reuters / Dan Williams

Ipem realiza sanitização nas instalações para prevenção da Covid-19 em RO

Sanitização do local foi realizada com pulverização de quaternário de amônio nas superfícies

O Instituto de Pesos e Medidas de Rondônia (Ipem) tem promovido ações preventivas em suas dependências, durante a pandemia da Covid-19. A ação visa evitar a disseminação do vírus e garantir a prevenção aos servidores públicos do órgão.

A sanitização do local foi realizada com pulverização de quaternário de amônio das superfícies, mobiliário, maçanetas e corrimãos, reforçando o comprometimento no cuidado com os servidores e aplicando com agilidade as medidas de prevenção.

Para atendimento do público no Ipem, é obrigatório o agendamento, além da utilização de máscara e aferição da temperatura. Nos corredores do órgão também foram instalados dispensadores com álcool em gel para a correta higienização das mãos.

Alguns servidores do Ipem estão atuando em home office, em conformidade com o decreto governamental, utilizando escala de revezamento.

Segundo o presidente do Ipem, Aziz Rahal Neto, o objetivo é reduzir o número de pessoas e coibir aglomerações no local. “Diariamente recebemos visitas de motoristas de táxis e de caminhões para a aferição dos veículos. Estamos seguindo o decreto do governador, Marcos Rocha, com o intuito de reduzir a circulação de pessoas, sem interromper a prestação de serviço público para a sociedade”, pontuou Aziz.

Fonte: Ipem-RO