Criminosos invadem fazendas, destroem instalações e torturam funcionários

Quem são esses bandos que age de maneira criminosa e destruindo as propriedades?

Circula nas redes sociais e grupos de WhatsApp boatões em forma de vídeo mostrando grupos de invasores sem terras supostamente ligados ao (MST) agindo de maneira criminosa, roubando, destruindo fazendas e torturando funcionários.

Essa nova modalidade de conflito agrário composto por sem terras e grupos considerados extremamente perigosos está acontecendo na região de Rondônia, Acre e Amazonas.

A Fazenda Santa Carmem, a cerca de 190 quilômetros de Porto Velho (RO), foi alvo de mais de 40 homens fortemente armados. De acordo com pichações feitas no local, a ação foi feita por integrantes da Liga dos Camponeses Pobres (LCP).

Segundo relatos de funcionários, o grupo agiu com muita violência, inclusive com técnicas de tortura, destruindo veículos, alojamentos e levando outros veículos e tratores da fazenda.

Veja o vídeo da fazenda Santa Carmem:

Neste outro vídeo a baixo, a força nacional chegou a verificar e conversar com um grupo de invasores que estavam prestes a invadir uma outra fazenda.

A maioria dos integrantes estavam com o rosto totalmente coberto, armados e seguravam a bandeira da Liga dos Camponeses Pobres (LCP). Segundo informações, o movimento tem predileção pela guerrilha armada. 

De acordo com informações, esses criminosos estão usando o pano de fundo de movimentos sociais para causar terror nas propriedades. Eles entram, destroem as propriedades e retornam para essas terras em litígio, onde a Polícia Militar não pode entrar”.

Confira:

Onde Vamos Parar?

da Redação/CN

Bandidos invadem frigorífico, rendem vigia e roubam arma e colete à prova de balas

Dois dos suspeitos foram localizados em um carro, em uma estrada próximo de Ariquemes

Um vigia do frigorífico Frigon, de Ariquemes (RO), foi rendido e roubado por quatro bandidos na madrugada desta quarta-feira (20). Segundo a Polícia Militar (PM), a quadrilha levou a arma do vigilante, coldre e até um colete à prova de balas.

Os assaltantes entraram no frigorífico, na BR-364, pela parte dos fundos. Um deles segurava uma pistola cromada e fez várias ameaças ao vigia de plantão.

De acordo com a polícia, logo depois eles renderam a vítima e roubaram o revólver usado pelo segurança da empresa. Os criminosos também pegaram um coldre, um colete à prova de balas, e depois fugiram pela parte dos fundos.

A PM foi chamada e uma guarnição adentrou pela linha 608, que fica próxima ao frigorífico e seria a única saída mais próxima para os bandidos. Após percorrerem cerca de seis quilômetros, os militares encontraram um escapamento de carro, caído no meio da via.

Os policiais então dirigiram por mais dez quilômetros e encontraram um carro com dois suspeitos, ambos molhados (como se tivessem andado em um matagal). Na abordagem, um deles afirmou que estava andando pela estrada porque iria mostrar uma terra a um possível comprador.

Porém, segundo a polícia, o veículo da dupla estava sem o escapamento e também sem o para-choque traseiro.

Um dos ocupantes do veículo, um jovem de 24, passou aos policiais seu endereço residencial e a guarnição foi ao local. No imóvel dele foram localizadas várias munições de calibre 380, .28 e .38, além de alguns relógios e joias, possivelmente produtos de roubo .

A PM então conduziu o rapaz de 24 anos e o outro homem, de 27 (que estava no carro), até a delegacia de Ariquemes.

De acordo com a polícia, em análise nas filmagens internas do frigorífico foi possível ver um dos assaltantes usando uma máscara com o bigode de fora, batendo com as características do jovem de 24 anos que estava no carro.

A polícia também pediu para olhar os celulares dos dois suspeitos, e eles deram permissão, pois diziam ser trabalhadores e não tinham nada a esconder.

“Ao verificar as ligações no aparelho de um dos suspeitos, notou- se que no exato momento do roubo ele recebeu uma ligação (com duração de 36 segundos). Nas filmagens mostra um elemento falando ao celular, como se tivesse falando com um outro suspeito que estaria dando apoio no roubo”, diz a PM ainda.

Por causa dessas características, os dois suspeitos, de 24 e 27 anos, ficaram detidos na delegacia. Já os outros dois suspeitos que participaram do roubo não foram localizados.

Fonte: G1/RO