Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

PM faz operação para resgatar policiais atacados por invasores de terra em Mutum-Paraná

Essa é a segunda equipe policial enviada à região da fazenda onde o Tenente Figueiredo foi morto. A primeira sofreu emboscada após encontrar o corpo da vítima.

A Polícia Militar de Rondônia (PM-RO) deflagrou neste domingo (4) uma operação para resgatar os policiais militares baleados em uma fazenda de Mutum-Paraná, distrito de Porto Velho. Os agentes foram emboscados no local enquanto apuravam a morte do Tenente Figueiredo Sobrinho, no sábado (3).

Os objetivos da operação são resgatar os policiais militares baleados, o corpo do Tenente Figueiredo Sobrinho e prender os autores dos crimes.

Segundo a corporação, foi enviada uma tropa especializada para a região, além de 60 policiais militares, com apoio aéreo da Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) e terrestre com viaturas de urgência e emergência do Corpo de Bombeiros.

Ainda conforme a PM, barreiras foram montadas nas principais linhas que dão acesso à fazenda onde os suspeitos foram avistados.

No final da manhã deste domingo, um balanço preliminar da operação foi divulgado, segundo a PM o corpo do Tenente Figueiredo foi encontrado e uma segunda morte confirmada: a do Sargento Rodrigues.

O rabecão está transportando os dois corpos dos militares encontrados para o Instituto Médico Legal (IML) de Porto Velho.

Entenda o caso

Essa é a segunda equipe policial enviada à região da fazenda onde o Tenente Figueiredo foi morto, possivelmente por “milícias de terra”.

A primeira equipe sofreu uma emboscada após encontrar o corpo da vítima. Conforme o Comando da PM em Rondônia, os agentes foram surpreendidos “por criminosos fortemente armados, havendo intenso confronto, resultando em quatro policiais militares alvejados”.

Depois do confronto a equipe recuou, mas um dos PMs feridos ficou no local, possivelmente inconsciente, e outro se abrigou na mata.

Entre os policiais que conseguiram escapar da emboscada estão:

  • Sargento Vaz e o Cabo Pisa, ambos componentes da Força Tática do 5º Batalhão, eles foram alvejados, respectivamente, na mão e de raspão na cabeça. Foram atendidos em um posto de saúde em Jaci-Paraná e passam bem.
  • O Tenente Ferraz, respondendo pelo comando do Batalhão de Polícia de Fronteira, foi alvejado no abdômen. Ele foi socorrido às pressas para o Hospital João Paulo II, em Porto Velho. Passou por cirurgia devidos os graves ferimentos e permanece em situação clínica estável.

O Comando da corporação diz que está prestando assistência psicológica e social aos policiais militares e familiares dos profissionais. Informou que lamenta o ocorrido, quanto a morte do Tenente da reserva Figueiredo Sobrinho, bem como os “resultados catastróficos da averiguação policial que resultou em policiais militares feridos durante a ocorrência”.

O policial militar identificado como Tenente Figueiredo Sobrinho foi morto a tiros em uma fazenda de Mutum-Paraná, distrito de Porto Velho, no sábado (3). Familiares que estavam com o PM no local também foram feridos.

Fonte: G1/RO

PGE e MP se unem em ação para combater crimes ambientais em RO

Ações conjuntas têm objetivo de evitar o avanço das invasões e destruição do meio ambiente nas Reservas Extrativistas.

O Ministério Público de Rondônia (MPE), por meio das Promotorias de Justiça de Ariquemes e Machadinho do Oeste, em conjunto com Procuradoria do Estado de Rondônia (PGE), se unem nas ações civis buscando a desocupação e responsabilização de invasores, nas unidades de Reserva Extrativista (Resex) na região do Vale do Jamari.

Equipes da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) e do Batalhão de Polícia Ambiental, nos meses de junho e julho, na Resex Ipê e na Resex Rio Preto Jacundá. A vistoria constatou a supressão ilegal de vegetação, queimadas, abertura de estrada, casas e barracos construídos recentemente no interior da unidade de conservação, tudo sem autorização do Estado de Rondônia.

Além dos graves prejuízos ao ecossistema local, aponta-se na ação a identificação de espécie de ‘loteamento’ ilegal de áreas no interior da reserva.

O MPE e a PGE pedem na ação que os invasores não só se retirem da Unidade de Conservação invadida, mas, também, que promovam a imediata reparação dos danos ambientais ali causados, os quais serão devidamente quantificados no curso da presente ação. Em decisão liminar proferida no dia 13 de agosto, em Resex Rio Preto Jacundá, pelo juiz da 1ª Vara Cível de Ariquemes, acatou o pedido do Governo de Rondônia e do Ministério Público do Estado, e determinou a retirada dos invasores sob pena de multa.4

E, quanto à Resex Rio Preto Jacundá, foi ajuizada a ACP perante a 1ª Vara Cível de Ariquemes, com pedido de tutela de urgência liminar, consistente na determinação, para que os requeridos desocupem a Resex, bem como abster-se de ingressar novamente no local, estendendo-se essa decisão a todos os demais ocupantes sem autorização do Estado de Rondônia, para ingressar e permanecer nessa Unidade de Conservação, sob pena de multa individual no valor de R$ 10 mil por dia de descumprimento, sem prejuízo das sanções penais cabíveis.

Fonte: Secom-RO