Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Esfaqueamento no interior de uma igreja deixa três mortos, em Nice

Um homem foi detido pela polícia

Pelo menos três pessoas morreram e várias ficaram feridas, em um esfaqueamento, ocorrido na cidade francesa de Nice. O ataque aconteceu na manhã de hoje (29), em uma igreja. O autor do ataque foi detido. O departamento francês anti-terrorismo foi já chamado para investigar o caso tratado como assassinato e tentativa de assassinato.

O prefeito de Nice, Christian Estrosi, anunciou que o suspeito foi detido e que tudo aponta para um ataque terrorista. Enquanto era detido, o homem gritou “Deus é Grande”. Ele foi levado para um hospital com ferimentos de bala, decorrentes do momento da detenção.

Imagem
Ataque a faca deixa três mortos na cidade francesa de Nice 

Já o ministro do Interior informou que haverá uma reunião de crise devido ao acontecimento. O prefeito de Nice disse ainda que o Presidente Emmanuel Macron irá à cidade, ainda nesta quinta-feira.

Duas das vítimas teriam falecido na Igreja. Uma delas teria sido degolada. Uma pessoa ferida fugiu para um bar nas proximidades, mas também morreu, de acordo com uma fonte policial citada pela Agência France Press. O ataque ocorreu por volta das 9h (5h em Brasília) perto da igreja Notre-Dame, quando começava a missa da manhã.

Não há ainda informação sobre os motivos deste ataque em Nice, mas a polícia fala de uma situação grave, com explosões conduzidas pela polícia, durante a operação.

Relatado ataque de faca na cidade francesa de Nice
Ataque a faca deixa três mortos na cidade francesa de Nice 

Professor morto

O ataque ocorre no momento em que a França ainda tem presente na memória a morte de um professor, Samuel Paty, alegadamente decapitado por ter mostrado, em sala de aula, caricaturas de Maomé que tinham sido publicadas pelo Charlie Hebdo e que motivaram à época ataques terroristas.

O prefeito de Nice considera que “13 dias depois do ataque a Samuel Paty, o nosso país não pode mais se contentar com as leis de paz para destruir o fascismo islâmico”.

Relatado ataque de faca na cidade francesa de Nice
Policiais nas ruas de Nice, após ataque a faca em uma igreja da cidade 

Pandemia

O ataque ocorreu enquanto a Assembleia Nacional discutia o confinamento para combater a pandemia do novo coronavírus. A Assembleia fez um minuto de silêncio em solidariedade às vítimas e seus parentes.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, saiu às pressas da Assembleia Nacional para se dirigir à unidade de crise. O Presidente francês, Emmanuel Macron, também marcou presença na reunião, anunciou o palácio do Eliseu.

Nice esteve foi palco, em 2016, de um ataque que deixou 86 mortos na famosa avenida Promenade des Anglais, em 14 de julho, em pleno feriado nacional.

Fonte: Agência Brasil

PF combate grupo criminoso que atuava com garimpo ilegal em Pernambuco

Entre os investigados estão servidores, financiadores e receptadores

Uma organização criminosa, que atuava com garimpo ilegal no sertão pernambucano, está sendo combatida, desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (27), pela Polícia Federal. Os policiais cumprem dez mandados de prisão e 13 de busca de apreensão.

As ações da Operação Frígia estão ocorrendo em endereços dos suspeitos localizados nos municípios de Serrita, São José do Belmonte, Igarassu, em Pernambuco; e Juazeiro do Norte e Jardim, no Ceará. Entre os investigados estão servidores públicos, financiadores, refinadores de minérios e receptadores.

Segundo a PF, a atividade do grupo criminoso consistia na extração de minérios em terrenos públicos e particulares, localizados na zona rural de Verdejante, com o consequente beneficiamento, que era realizado no município de Serrita.

“Os valores oriundos da venda eram colocados em circulação, com aparência de legalidade, por meio da aquisição de veículos e de outras condutas, atos consistentes em lavagem de dinheiro. Também se constatou que alguns pagamentos pelos serviços realizados em favor do garimpo eram feitos com verbas da prefeitura de Serrita”, diz a PF.

De acordo com a PF, o nome da operação, Frígia, faz menção à terra do rei Midas, da mitologia grega. Tudo o que ele tocava virava ouro.

Fonte: Aécio Amado A/B

Polícia prende em flagrante PM com carro roubado e drogas em Pimenta Bueno

As informações, é que o Cabo tinha se associado a uma facção criminosa e estaria praticando tráfico de drogas na região.

Um policial militar de Cacoal (RO) foi preso em flagrante com carro roubado e drogas. A prisão aconteceu no fim de semana em Pimenta Bueno (RO).

A investigação começou após a Polícia Militar (PM) de Pimenta Bueno receber informações de que esse suspeito havia se associado a uma facção criminosa e estaria praticando tráfico de drogas na região.

As informações da denúncia foram se confirmando durante apuração policial. Até que o suspeito foi flagrado com um carro roubado, drogas, balança de precisão e materiais para embalar a droga. Além de um colete à prova de balas extraviado da própria corporação.

O cabo já possui 10 anos de serviços militares. Ele foi autuado em flagrante e vai responder pelos crimes de tráfico de drogas, receptação, adulteração de veículo automotor e peculato.

Fonte: Rede Amazônica

PF faz ação em 5 estados e no DF contra corrupção na Infraero

Autoridades cumprem 19 mandados de busca e investigam fraudes em licitações em “lounges” e quiosques de alimentação em aeroportos

A PF (Polícia Federal) deflagrou a operação Índia na manhã desta quarta-feira (21) contra esquema de corrupção na Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária). 

As autoridades cumprem dezenove mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal. 

Segundo a PF, as investigações apontam que funcionários da Infraero e empresários dos ramos de turismo e alimentação fraudavam licitações das das áreas “lounge” e quiosques de alimentação nos aeroportos de Congonhas em São Paulo e Santos Dumont no Rio de Janeiro. 

Os locais eram avaliados por preços menores do que de fato valiam e esquema desqualificava as empresas que não estivessem envolvidas no esquema. A PF diz que, desta forma, “permitia-se a contratação de propostas menos vantajosas para a Infraero em fraudes estimadas em cerca de R$ 10 milhões”. 

Os crimes teriam acontecido entre 2016 e 2018. O Infraero ainda não se  posicionou sobre o caso.

Fonte: R7

Rondônia é alvo de operação contra fraudes e adulteração de combustível

Ao todo, são cumpridos 16 mandados de busca e apreensão em sete estados.

O Ministério Público de São Paulo realiza nesta quarta-feira (21) uma operação contra um esquema de fraudes e adulteração de combustível.

Segundo os investigadores, o objetivo da operação é desarticular uma organização criminosa que tinha um sofisticado processo de adulteração de combustível e de importação ilegal de compostos usados na mistura da gasolina e do diesel. O grupo teria sonegado mais de R$ 538 milhões em tributos federais.

Ao todo, são cumpridos dois mandados de prisão e 16 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro Minas Gerais, Bahia, Tocantins, Rondônia e Rio Grande do Sul.

Um dos alvos é Ricardo de Oliveira, apontado como chefe do esquema. Ele foi preso em sua casa, em Santo André, no ABC paulista.

A polícia também prendeu André Luiz Riberio, sócio de uma das empresas. De acordo com os investigadores, ele era o responsável pela importação de compostos derivados do petróleo usados para as adulterações.

A operação é realizada com apoio da Receita Federal e da Polícia Rodoviária Federal.

Investigação

O Ministério Público de São Paulo aponta que a organização criminosa era especializada na adulteração de combustíveis e do composto químico ARLA 32, reagente utilizado para garantir maior eficiência na redução dos poluentes nos motores a diesel.

Os investigadores constaram que o grupo fabricava o ARLA32 utilizando-se, irregularmente, de ureia destinada à fabricação de adubos e fertilizantes, isenta de tributos normalmente cobrados da ureia automotiva, mais pura. A mistura, além de causar mais danos ao meio ambiente, pode danificar o motor do veículo.

Também foi verificado que a organização criminosa importava irregularmente nafta (produto incolor extraído do petróleo e matéria-prima básica para a produção de plástico), sob a justificativa de que o produto seria destinado à fabricação de tintas e vernizes. Porém, as investigações indicaram que esse insumo era misturado à gasolina no processo de adulteração.

Fonte: G1/RO

Zonas Rurais do interior são alvo de operação da PM

De acordo com a polícia militar, os municípios de Cacoal, Pimenta Bueno e Espigão são investigados por crimes ambientais e tráfico de drogas.

Agentes durante Operação Teminus em Rondônia — Foto: PM/Divulgação
Agentes durante Operação Teminus em Rondônia

A Polícia Militar (PM) realiza a Operação Terminus nas Zonas Rurais de Cacoal, Pimenta Bueno e Espigão D’Oeste, em Rondônia. Na quarta-feira (14) foi divulgado um balanço preliminar das atividades.

A ação busca combater crimes ambientais, o tráfico de drogas, porte ilegal de armas e atentados à vida ou ao patrimônio.

No total já foram abordadas mais de 200 pessoas e uma média de 50 veículos. Até o momento quatro suspeitos foram presos em flagrante e quatro veículos recuperados. Entre as apreensões estão: arma de fogo, munições e celulares.

A PM informou que continuará realizando essas ações para garantir a segurança nas áreas rurais.

Fonte: Rede Amazônica

Polícia Civil investiga esquema de ‘laranjas’ em RO

Os alvos da Operação são os municípios de Porto Velho, Guajará-Mirim e Ariquemes. Segundo a Polícia os criminosos agem desde o período de 2013.

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta quinta-feira (15), a Operação Persona para prender investigados por crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, delitos tributários e lavagem de dinheiro nos municípios de Porto Velho, Guajará-Mirim e Ariquemes.

Conforme apurado nas investigações, “laranjas” eram usados para ocultar as participações de dois empresários em esquemas de práticas tributárias ilegais. A ação da quadrilha teria gerado prejuízos ao Estado de Rondônia, ultrapassando R$ 10 milhões.

Foram cumpridos nove mandados, sendo dois de prisão temporária e sete de busca e apreensão na quarta-feira (14).

Ainda é investigado que no período aproximado de quatro anos, R$ 110 milhões em débitos também foram gerados por causa de um pequeno estabelecimento de Guajará-Mirim.

Envolvidos no esquema, segundo a Polícia Civil, foram condenados em primeiro grau na operação Apocalipse, um deles com pena de 18 anos de reclusão.

“Importante frisar que a operação apura fatos novos, mas guardam grande correspondência com a conduta investigada e provada ao longo da operação Apocalipse”, informou a polícia.

Participaram da operação os agentes da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) da capital, em conjunto com Decor, DRLD, 1ª Delegacia de Guajará-Mirim e Delegacia Regional de Ariquemes. Além de apoio de auditores da Secretaria de Estado de Finanças (Sefin).

A Polícia Civil de Rondônia deflagrou em 2013 a Operação Apocalipse, para investigar um esquema de estelionato, tráfico de drogas e falsificação de documentos que movimentou R$ 80 milhões em nove estados. Só em Rondônia, a quadrilha movimentou R$ 33 milhões. Entre os bens do grupo estavam 200 carros, 25 imóveis e 30 empresas.

Os chefes da quadrilha foram indiciados pelos crimes de financiamento do tráfico de drogas, associação ao tráfico, estelionato e falsificação de documentos, segundo a polícia.

As investigações revelaram o envolvimento de parlamentares estaduais e municipais, empresários, funcionários públicos e outras pessoas em um esquema de corrupção, estelionato e tráfico de drogas para financiamento de campanhas eleitorais.

FBI não tem conclusão firme sobre a causa da explosão em Beirute

Outras agências governamentais dos EUA e da Europa que acompanharam de perto as investigações acreditam que a explosão foi acidental

O FBI (Federal Bureau of Investigation) dos EUA disse nesta terça-feira (13) que não chegou a nenhuma conclusão firme sobre o que causou a megaexplosão de 4 de agosto no porto de Beirute, que matou quase 200 pessoas e causou bilhões de dólares em danos.

Outras agências governamentais dos Estados Unidos e da Europa que acompanharam de perto as investigações sobre a explosão acreditam firmemente que a explosão foi acidental.

“Nenhuma conclusão foi alcançada”, disse uma porta-voz do FBI à Reuters por e-mail. Ela citou uma declaração anterior na qual a agência dos EUA disse que estaria “fornecendo aos nossos parceiros libaneses assistência investigativa” em sua investigação.

“Outras perguntas devem ser dirigidas às autoridades libanesas como os principais investigadores”, disse a porta-voz.

A mídia libanesa informou na terça-feira que um relatório do FBI sobre a explosão foi entregue a um juiz libanês na segunda-feira. O FBI se recusou a comentar os relatórios.

Duas fontes do governo dos Estados Unidos familiarizadas com relatórios oficiais e análises sobre o incidente disseram que as agências americanas também estavam amplamente convencidas de que a explosão, envolvendo grandes quantidades de nitrato de amônio que havia sido armazenada em um edifício portuário por anos, foi um acidente.

Uma fonte do governo europeu familiarizada com relatórios e análises de inteligência disse que especialistas europeus oficiais também avaliaram que a explosão foi acidental.

Fonte: R7

Operação da PF investiga facção criminosa suspeita de tráfico internacional de droga em Guajará-Mirim

A Polícia Federal informou que uma facção paulista teria recrutado integrantes em Guajará-Mirim. São cumpridos três mandados de busca e apreensão.

Dinheiro apreendido durante operação dessintonizando em Guajará-Mirim, RO — Foto: PF/Divulgação
Dinheiro apreendido durante operação dessintonizando em Guajará-Mirim, RO

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (8) a Operação Dessintonizando para desarticular o tráfico internacional de drogas na fronteira entre Brasil e Bolívia. Três mandados de busca e apreensão são cumpridos em Guajará-Mirim (RO).

Segundo a PF, a operação investiga o crime organizado e uma facção criminosa ligada ao Primeiro Comando da Capital (PCC), que teria recrutado integrantes em Guajará-Mirim.

Os investigados são suspeitos de atuarem no tráfico internacional de drogas, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Pelo menos 40 pessoas estariam envolvidas diretamente com o grupo na região de fronteira.

Conforme a PF, a ação desta quinta-feira acontece após investigações que iniciaram nas apreensões de remessa ilegal de dinheiro, feitas através de mulas no porto de Guajará-Mirim, onde ocorreram prisões em flagrante no início deste ano.

Durante cumprimento dos mandados foram aprendidos, dinheiro, celulares, pen drives, balanças de precisão e material utilizado para preparo da droga. Tudo foi encaminhado à Delegacia de Polícia Federal.

Fonte: Rede Amazônica

Operação da PF mira vice-governador do Amazonas

Investigações apontam fraudes na compra de respiradores

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (PTB), é um dos alvos nesta quinta-feira (8) da segunda a fase da Operação Sangria, que investiga desvios em recursos da Saúde no estado. A operação da Polícia Federal, com apoio da Controladoria-Geral da União foi autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Nesta segunda fase, as investigações apontam para o possível envolvimento de agentes públicos do Amazonas nas irregularidades investigadas, inclusive com indícios de recebimento de vantagens indevidas para direcionamento da escolha do fornecedor dos respiradores para tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus .

Na ação, cinco mandados de prisão temporária e de 11 de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Manaus (AM). Entre as prisões decretadas estão a do ex-secretário de Saúde do estado, Rodrigo Tobias, e da ex-secretária executiva da pasta, Daiana de Souza. Há ainda outras três pessoas da cúpula do estado que não tiveram a identidade revelada.

Além de prisão e buscas, as medidas cautelares incluem o sequestro de bens e valores de seis investigados pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e também por promover a dispensa de licitação fora das hipóteses previstas em lei.

“O Amazonas já recebeu cerca de R$ 546 milhões repassados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS) em 2020. Desse valor, R$ 168.756.854,49 são especificamente para combate à covid-19. A má aplicação desses recursos, em um momento tão delicado como o atual, é extremamente prejudicial para a sociedade, que já está sendo bastante afetada pelos efeitos da pandemia”, diz nota divulgada pela CGU.

Até o fechamento desta reportagem Carlos Almeida ainda não havia se manifestado sobre a operação. Os ex-secretários de Sáude do Amazonas, Rodrigo Tobias e Daiana de Souza, não foram localizados.

Fonte: Maria Claudia A/B