PF prende suspeitos de participação em roubo de US$ 5 milhões em aeroporto de Viracopos

Crime aconteceu em março de 2018. Criminosos foram presos em São Paulo e Rondônia durante operação da PF de Campinas; corporação também cumpriu mandado de busca e apreensão.

Dólares foram transportados pela Lufthansa Cargo

A Polícia Federal prendeu, durante uma operação na manhã desta sexta-feira (4), dois homens suspeitos de participação em um roubo de 5 milhões de dólares no Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, em março de 2018. As detenções aconteceram em São Paulo e um município em Rondônia.

Além dos dois mandados de prisão, a operação também cumpriu uma ordem de busca e apreensão em São Paulo. O crime aconteceu no dia 4 de março de 2018. Na ocasião, um grupo com pelo cinco homens armados com fuzis invadiu a área de cargas do aeroporto para levar os dólares, além de quantias em libras e reais que seriam entregues na Suíça. Sem fazer disparos, os criminosos entraram e saíram da estrutura em seis minutos.

As investigações sobre o mega-assalto correm em sigilo e as prisões desta sexta-feira foram as primeiras relacionadas ao caso divulgadas pela PF.

A Polícia Federal informou que realizou “dezenas” de depoimentos durante a investigação e os dois homens foram identificados após exames periciais e apreensão de dólares que “comprovadamente” faziam parte da remessa que estava em Viracopos naquele dia.

Ainda de acordo com a corporação, o grupo tem atuação estruturada, com divisão de tarefas. A polícia vai continuar a investigação para identificar mais envolvidos. Os presos nesta sexta-feira vão ser indiciados por roubo qualificado, receptação, organização criminosa. As penas para cada crime variam de oito a dez anos, além de multa.

A prisão em Rondônia foi feita pela Polícia Rodoviária, enquanto que a de São Paulo contou com apoio da Polícia Militar. A operação recebeu o nome de “Tango Victor”, em referência ao terminal de cargas onde o roubo foi realizado.

O crime

De acordo com a Receita Federal, a remessa dos dólares foi declarada corretamente. O dinheiro estava em um avião da Lufthansa carregado em Guarulhos (SP) e que fez escala no aeroporto de Campinas para pegar mais carga antes de seguir viagem para a Europa.

À época, os criminosos destruíram o alambrado, acessaram o terminal de cargas e fizeram de reféns os seguranças da concessionária Aeroportos Brasil, que administra o terminal. Durante o período que ficaram no aeroporto, eles conseguiram fazer a transferência de 13 sacolas para veículos usados na fuga.

Fonte: G1/RO

PGR pede ao STF a manutenção do foro privilegiado de Flávio Bolsonaro

Caso deve ser julgado pelo ministro do STF Gilmar Mendes.

Procuradoria-Geral da República (PGR) defende que o Supremo Tribunal Federal (STF) mantenha o foro privilegiado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) nas investigações sobre o caso das “rachadinhas”.

O Ministério Público do Rio de Janeiro, onde corre a investigação envolvendo o congressista, questiona a manutenção do foro privilegiado, neste caso, já que se trata de uma investigação sobre fato ocorrido quando ele era deputado estadual do Rio de Janeiro.

No parecer assinado pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, o caso deve ser julgado pelo ministro do STF Gilmar Mendes, relator do processo na suprema. Será o STF o encarregado pela decisão sobre o destino do processo do senador.

De acordo com as novas regras sobre foro privilegiado, processos de congressistas devem ser julgados em primeira instância quando o suposto crime não tem relação com o exercício com o mandato. A PGR avalia que no caso de “mandato cruzado”, em que o parlamentar deixa um cargo para assumir outro mandato, ainda é um tema sem definição clara.

Para a defesa do político, Flávio não deixou de ter foro privilegiado, pois deixou de ser deputado estadual para assumir cargo de senador Federal, não havendo intervalo entre os mandatos.

“Da mesma forma que não há definição pacífica do Supremo Tribunal Federal sobre ‘mandatos cruzados’ no nível federal, também não há definição de ‘mandatos cruzados’ quando o eleito deixa de ser representante do povo na casa legislativa estadual e passa a ser representante do Estado da Federação no Senado Federal (câmara representativa dos Estados federados)”, escreveu medeiros.

Fonte: Congresso em Foco

Governo esclarece sobre ações no combate à corrupção em RO

De acordo com Governador Marcos Rocha em entrevista, ele assegura liberdade às polícias para atuarem em caso ilícitos dentro do Executivo e estado.

Em coletiva de imprensa na tarde de terça-feira (11), o governador, coronel Marcos Rocha, reforçou o apoio as equipes de investigações da polícia federal, polícia Civil, sem interferência no combate contra a corrupção e crimes de toda natureza dentro do estado.

‘‘Eu assumi o compromisso de lutar contra o crime e contra a corrupção e sigo firme nisso. E isso se deu desde às escolhas dos secretários, que teve como critério além da habilidade, serem pessoas com condutas íntegras, mas eu falo para todos que, se houver envolvimento com algo ilícito, que respondam. Tem que apurar mesmo’’, disse o governador ao apontar o pacote de ações criado no Estado para o enfrentamento à corrupção.

Segundo o governador, ele explicou sobre a Delegacia de Combate à Corrupção do País que foi criada para apurar casos ilícitos no Estado e dentro do Executivo. A Controladoria Geral do Estado (CGE) intensificou as atuações e ao mesmo tempo apoiou o aperfeiçoamento da equipe junto à Controladoria Geral da União e até fora do Brasil.

O governador ainda elogiou o trabalho da Polícia Civil e de toda a Segurança Pública do Estado no combate ao crime organizado e às ações que têm ocorrido contra a atuação de criminosos nos grandes residenciais da capital. ‘‘Tem todo o meu apoio, pois as famílias tem que ter dignidade de entrar em suas casas sem serem ameaçadas [por criminosos]’’, afirma o governador.

No balanço de ações, a Polícia Civil ainda recebeu 1.430 denúncias através do 197, R$ 2,5 milhões em valores apreendidos, 846 armas apreendidas, 2.774 kg de drogas, 972 veículos apreendidos, 7.500 inquéritos instaurados, 571 mandados de busca e apreensão cumpridos, 1.403 mandados de prisão cumpridos e uma taxa de 90% de conclusão de inquérito com autoria definida, entre outras ações.

‘‘As operações realizadas são diversificadas desde o combate ao crime organizado, violento ao crime de colarinho branco. Tivemos operações contra o tráfico de drogas, de fiscalização aos preços e validade de mercadorias nos comércios, de cumprimento de mandado de prisão relacionados à Lei Maria da Penha, sempre atentos aos cidadãos, pois grande parte delas nascem de denúncias”, explica o delegado geral da Polícia Civil, Samir Fouad Abboud.

O governador encerrou a entrevista destacando que está enfrentando batalhas difíceis na luta contra o sistema, pois tem batido de frente contra tudo o que ilícito no Estado, mas que não se intimida na guerra para garantir que Rondônia seja de fato um Estado forte e limpo da corrupção.

Fonte: Secom-RO

Fachin nega recurso e vai levar discussão da Lava Jato ao plenário

Ministro do STF informou em despacho que o caso será submetido ao plenário da Corte; PGR havia recorrido da liminar na última sexta

ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, manteve nesta segunda (10) a decisão que travou o compartilhamento de dados da Lava Jato com a PGR (Procuradoria-Geral da República). Em despacho, o relator informa que levará o caso para o plenário da Corte e pede, em até cinco dias, manifestação dos procuradores das forças-tarefas de Curitiba, São Paulo e Rio.

“Intimem-se os Procuradores da República coordenadores dos grupos de trabalho que atuam em casos da Operação Lava Jato nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná para contrarrazões ao agravo regimental, no prazo de cinco dias”, determinou o ministro. “Assento desde logo que a matéria será submetida à deliberação do Tribunal Pleno”.

Fachin revogou na última segunda (3) liminar concedida pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli, durante o recesso do Judiciário e que permitiu o compartilhamento de dados da Lava Jato com a PGR. A medida travou a análise de informações que já haviam sido colhidas por Augusto Aras, que apresentou pedido de reconsideração na última sexta (7), por meio de seu vice, Humberto Jacques.

Segundo Jacques, a Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise (SPPEA), ligada ao gabinete de Aras, deverá “examinar em profundidade para certificação ao Supremo Tribunal Federal da existência ou inexistência de dados e investigações relativos a atos ilícitos cometidos por autoridades com foro no Supremo”.

A reclamação da PGR foi apresentada ao Supremo após os nomes dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), aparecerem em uma investigação da Lava Jato Curitiba. A Procuradoria suspeita que a força-tarefa esteja avançando sobre autoridades que detém foro privilegiado. O líder da força-tarefa paranaense, Deltan Dallagnol, alegou que a inclusão dos nomes dos parlamentares era ‘irrelevante’ e que ambos não eram alvos de investigações.

A investida da cúpula da PGR faz parte do que Aras chamou de ‘correção de rumos’ da operação. Após obter dados da Lava Jato enquanto a liminar de Toffoli estava em vigor, o PGR disse que a força-tarefa de Curitiba tinha 350 terabytes de informações e dados de 38 mil pessoas – o Ministério Público Federal como um todo tem 40 terabytes.

“Ninguém sabe como foram escolhidos, quais os critérios, e não se pode imaginar que uma unidade institucional se faça com segredos”, disse Aras, durante um evento no final de julho.

A decisão de Fachin ao revogar a liminar de Toffoli seguiu questões processuais. O ministro indicou que o instrumento utilizado pela PGR para obter a decisão – uma reclamação – não era via adequada no caso.

Fonte: R7

Polícia Civil deflagra operação “Delivery Vip”em Ariquemes, RO

De acordo com as investigações, um grupo criminoso entregava drogas em um condomínio de luxo, e estabelecimentos comerciais e até em um hospital da cidade.

A Polícia Civil de Ariquemes (RO) deflagrou na manhã de ontem sexta-feira (7) a operação “Delivery Vip”, para coibir as ações de um grupo de traficantes que distribui entorpecentes pela cidade.

Conforme apurações do Núcleo de Inteligência da Delegacia Regional, os investigados entregavam drogas em um condomínio de luxo, estabelecimentos comerciais e até em um hospital da cidade. Os nomes dos locais citados não foram divulgados à imprensa.

O delivery era considerado “diferenciado”, pois a entrega era apenas para “clientes VIPs”, de acordo com a Polícia Civil.

São cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e quatro de prisão preventiva. As medidas cautelares foram determinadas pela 1ª Vara Criminal de Ariquemes.

Fonte: G1/RO

Equipes buscam por sobreviventes de explosão que deixou mais de 100 mortos e 4 mil feridos no Líbano

Suspeita é de que a explosão aconteceu em um depósito de nitrato de amônio, um tipo de fertilizante, na zona portuária de Beirute.

Equipes de resgate e agentes de segurança trabalham no local de uma explosão que atingiu o porto de Beirute, Líbano — Foto: Hussein Malla / AP Photo
Equipes de resgate e agentes de segurança trabalham no local de uma explosão que atingiu o porto de Beirute, Líbano

Equipes de resgate buscam nesta quarta-feira (5) desaparecidos após a enorme explosão que devastou a área portuária de Beirute, capital do Líbano. A tragédia de terça-feira (4) deixou mais de 100 mortos, 4 mil feridos e 100 desaparecidos, segundo estimativa da Cruz Vermelha libanesa.

Nesta quarta, ainda há fumaça saindo do local da explosão, segundo a Associated Press. As principais ruas do centro da cidade amanheceram cheias de escombros, com as fachadas dos edifícios destruídas e veículos danificados.

Imagens de drones mostram que a explosão atingiu silos de trigo que ficavam no porto. Estimativas iniciais indicam que cerca de 85% dos grãos do país, que são majoritariamente importados, estavam armazenados nos armazéns que foram destruídos.

A suspeita é que a explosão tenha partido de um armazém que guardava nitrato de amônio, um tipo de fertilizante, com grande potencial explosivo quando exposto a altas temperaturas. O presidente Michel Aoun disse na terça que é “inaceitável” que 2.750 toneladas de nitrato de amônio fossem armazenadas por seis anos em um depósito sem a segurança necessária.

Equipes de resgate e agentes de segurança trabalham no local de uma explosão que atingiu o porto de Beirute, no Líbano, nesta quarta-feira (5)  — Foto: Hussein Malla/AP
Equipes de resgate e agentes de segurança trabalham no local de uma explosão que atingiu o porto de Beirute, no Líbano

Apesar de o país já ter sido alvo de terroristas e viver período de instabilidade política, não há evidência de que se trate de um atentado terrorista.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, declarou que o país enfrenta uma catástrofe e declarou luto oficial de três dias. Ele disse também que o governo irá investigar os responsáveis pelo armazém que funcionava no porto da capital desde 2014.

“Eu prometo que esta catástrofe não passará sem que os culpados sejam responsabilizados. Os responsáveis pagarão o preço” – Hassan Diab, primeiro-ministro

O nitrato de amônio se apresenta como um pó branco ou em grânulos solúveis em água e é seguro – desde que não aquecido. A partir de 210 °C, decompõe-se e, se a temperatura aumentar para além de 290 °C, a reação pode tornar-se explosiva.

Um incêndio, tubos superaquecidos, fiação defeituosa ou relâmpagos podem ser suficientes para desencadear tal reação em cadeia.

Ouvida a mais de 200 km

Região da explosão em Beirute, no Líbano — Foto: STR/AFP
Região da explosão em Beirute, no Líbano

A explosão no porto causou destruição em larga escala e quebrou o vidro de janelas a quilômetros de distância. Alguns barcos que navegavam próximos à costa do Líbano chegaram a ser balançados pela força da explosão. As explosões chegaram a ser ouvidas em Larnaca, no Chipre, a pouco mais de 200 km da costa libanesa.

Uma embarcação da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL) foi danificada após a explosão no porto. Em um comunicado, os capacetes azuis informaram que alguns membros da missão de paz se feriram e foram transferidos para hospitais do país.

Pessoas feridas depois de explosão em Beirute, Líbano — Foto: Hassan Ammar/AP
Pessoas feridas depois de explosão em Beirute, Líbano

Após a explosão, barcos foram mobilizados para resgatar pessoas que foram jogadas ao mar, segundo a Cruz Vermelha.

A emissora libanesa LBCI informou que o hospital Hôtel-Dieu de France, no centro da capital libanesa, atendeu a mais de 500 feridos. O governo da capital pediu que os feridos fossem levados para atendimento em centros de saúde de fora da cidade.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que a explosão “se parece com um terrível ataque” e disse que seu país está pronto para ajudar. E o Itamaraty disse em nota que o Brasil se solidariza com as vítimas da explosão no porto de Beirute.

Enfermeiro cuida de mulher ferida em explosão na zona portuária de Beirute, no Líbano — Foto: IBRAHIM AMRO/AFP
Enfermeiro cuida de mulher ferida em explosão na zona portuária de Beirute

Emmanuel Macron, presidente da França, disse em uma rede social que vai enviar voluntários da defesa civil e médicos “o mais rapidamente” para apoiar os hospitais do Líbano no atendimento aos feridos em Beirute.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison disse, em entrevista ao Channel 4 que há ao menos um australiano entre os mortos e que a Embaixada do país foi “fortemente comprometida”.

Homem ferido é examinado por um bombeiro perto do local da explosão em um porto de Beirute nesta terça (4) — Foto: Anwar Amro/AFP
Homem ferido é examinado por um bombeiro perto do local da explosão em um porto de Beirute

Embarcações brasileiras

Contra-almirante afirma que nenhum militar brasileiro se feriu em explosão no Líbano
Contra-almirante afirma que nenhum militar brasileiro se feriu em explosão no Líbano

A Marinha do Brasil informou que a Fragata Independência que integra a Força Tarefa Marítima (FTM) da Missão Interina das Nações Unidas no Líbano (Unifil), havia deixado o Porto de Beirute pela manhã e, no momento da explosão, operava no mar. Já a Fragata Liberdade estava distante 15 km do local da explosão.

Nenhuma das embarcações foi atingida e ninguém ficou ferido.

Os militares brasileiros integrantes da Unifil e que trabalham na sede da missão, na região de Naqoura, não foram atingidos e estão bem.

A esposa de um oficial da Aeronáutica, que exerce a função de Adido de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutico do Brasil no Líbano, teve ferimentos leves por estar próxima a uma janela atingida pela explosão, mas passa bem.

Fonte: G1

Criança Morre eletrocutada ao tocar cerca de casa energizada

“Havia intenção deliberada de, cedo ou tarde, prejudicar uma vida humana”, avaliou o delegado Danúbio Dias, do DHPP.

Menina de 8 anos morre eletrocutada ao tocar em cerca eletrificada em Teresina
Menina de 8 anos morre eletrocutada ao tocar em cerca eletrificada em Teresina

O delegado Danúbio Dias, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Teresina, informou que a casa onde Alice Silva, de 8 anos, morreu eletrocutada nesta sexta-feira (24), tinha todas as portas e janelas energizadas.

Janela da casa estava energizada de forma rudimentar, segundo o delegado. — Foto: Neyla do Rego Monteiro/G1
Janela da casa estava energizada de forma rudimentar, segundo o delegado.

Ainda segundo o delegado, a energia usada pelo proprietário da casa, que ainda não foi localizado e nem identificado, era proveniente da casa vizinha. Contudo, a polícia ainda investiga se o fornecimento era autorizado ou não. Dias informou que a Equatorial Piauí fará uma avaliação técnica.

Ele disse que a ação de energizar cerca, portas e janelas foi intencional e foi feita de forma rudimentar.

Ele disse que o dono da casa ainda não foi identificado e nem localizado e que ele provavelmente seria linchado pelos vizinhos, que ficaram revoltados após a morte de Alice e depredaram a casa.

“Havia intenção deliberada de, cedo ou tarde, prejudicar uma vida humana”, avaliou.

“Ele ligou portas e janelas diretamente no fio de energia da residência ao lado. Colocou a ponta dos fios desencapados nas portas e janelas. Qualquer pessoa ou animal levaria um choque elétrico se tocasse ali”, descreveu o delegado Danúbio Dias.

Casa do vizinho foi invadida após morte da menina.  — Foto: Neyla do Rego Monteiro
Casa do vizinho foi invadida após morte da menina.

Sobre a acusação à qual o homem irá responder, o delegado disse que dependerá das investigações.

“Depende de várias coisas. Se há um possível dolo eventual ou culpa, consciente ou não. Esses detalhes é que vão determinar o rumo de um indiciamento. É preciso saber se houve intenção ou não de matar”, explicou.

Menina morreu eletrocutada

Alice Silva, de 8 anos, morreu na manhã desta sexta-feira (24) no conjunto Parque Brasil II, na Zona Norte de Teresina, após tocar em uma cerca eletrificada da casa de um vizinho.

Polícia isolou o local onde menina morreu eletrocutada após tocar em cerca. — Foto: Neyla do Rego Monteiro/G1
Polícia isolou o local onde menina morreu eletrocutada após tocar em cerca.

Uma vizinha, Teresinha de Jesus, contou que as crianças bateram palmas diante da casa para chamar o morador, que não apareceu. Ela então saiu de casa e presenciou a situação. Teresinha relatou que a cerca já estava eletrificada havia algum tempo e que animais já haviam morrido eletrocutados.

“A gente sabia, há tempos falava, ‘vizinho, desligue isso, já morreram cachorros aí, ainda vai morrer criança aí’. Ele achava que não daria em nada. O resultado hoje é esse, uma criança faleceu”, lamentou.

Fonte: G1