Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Itália endurece restrições para conter alta da covid-19

Medida entrará em vigor em 24 horas e terá duração de 30 dias

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, impôs nesta terça-feira (13) novas restrições a reuniões, restaurantes, esportes e atividades escolares numa tentativa de desacelerar o crescente aumento nas infecções pelo novo coronavírus.

O decreto do governo, publicado após vários dias com versões do texto e especulações de ministros sobre as medidas a serem adotadas, entrará em vigor em 24 horas e terá duração de 30 dias.

Ele proíbe festas em restaurantes, clubes ou a céu aberto e recomenda enfaticamente que as pessoas não façam festas em suas casas ou recebam mais de seis convidados por vez. Casamentos e outras cerimônias não podem ter a presença de mais de 30 pessoas.

O decreto aconselha firmemente o uso de máscaras, que já é obrigatório ao ar livre e em prédios públicos, dentro de casa quando membros de fora da família estiverem presentes.

Restaurantes e bares podem ficar abertos até meia-noite para serviço de mesa, mas não podem servir pessoas de pé, dentro ou fora do estabelecimento, depois das 21h.

Esta medida visa inibir as grandes aglomerações do lado de fora de bares, apontadas como uma das responsáveis pela alta recente no número de infecções.

O número diário de novos casos de coronavírus na Itália dobrou na semana passada, chegando a 5 mil na sexta-feira (9) pela primeira vez desde março e se aproximando de 6 mil no sábado. O número caiu significativamente nos dois últimos dias, mas normalmente sobem na segunda metade da semana.

De acordo com os dados, o número de mortes causadas pela covid-19 é bem menor do que o pico superior a 900 por dia registrado no final de março, mas os óbitos também têm aumentado nos últimos dias, com 39 sendo registrados na segunda.

Pelo decreto, esportes de contatos praticados por amadores, como futebol, estão proibidos, a não ser que sejam organizados por entidades reconhecidas que tenham concordado com os protocolos para a covid-19 estabelecidos pelas federações nacionais.

As escolas permanecerão abertas, mas atividades fora da sala de aula serão restritas, com uma proibição de viagens escolares.

Fonte: Agência Brasil

Itália começa a testar possível vacina contra covid-19 em voluntários

Testes serão feitos com 90 pessoas nas próximas semanas

A Itália iniciou testes de uma candidata a vacina contra a covid-19 em humanos nessa segunda-feira (24), juntando-se a um esforço global em busca de uma reação ao vírus, que deu sinais de estar ressurgindo na Europa.

O Instituto Lazzaro Spallanzani, um hospital de Roma especializado em doenças infecciosas, realizará testes com 90 voluntários nas próximas semanas, na esperança de que uma vacina esteja disponível até a primavera local do ano que vem.

Francesco Vaia, diretor de saúde do hospital Spallanzani, disse à Reuters que o primeiro paciente será monitorado durante quatro horas antes de voltar para casa, onde será mantido em observação durante 12 semanas.

“Veremos se ele apresenta algum efeito colateral e se produz anticorpos neutralizadores”, disse Vaia, acrescentando que a segunda fase dos teste acontecerá em países com taxas de infecção mais altas, como México e Brasil.

“Se conseguirmos ser rápidos, teremos as primeiras vacinas no mercado na próxima primavera”, acrescentou Vaia.

A potencial vacina, chamada GRAd-COV2, foi desenvolvida pela ReiThera, uma empresa sediada em Roma. A região de Lazio, no entorno da capital italiana, informou em comunicado que testes iniciais, inclusive em animais, deram resultados positivos.

Várias vacinas em potencial estão passando por testes em diversos países, como Índia, Reino Unido, Rússia e China, enquanto cientistas correm para desvendar os segredos de um vírus que surgiu há menos de um ano.

“As mentes e pesquisas de nosso país estão a serviço do desafio global de derrotar a covid”, escreveu o ministro da Saúde, Roberto Speranza, no facebook ao anunciar o início do teste.

A Itália, que soma mais de 35 mil mortes e é uma das nações europeias mais atingidas, viu a epidemia atingir seu pico entre março e abril e depois aparentemente recuar, mas desde então testemunhou uma disparada de casos novos – mais de mil foram registrados no último fim de semana.

Outros países da Europa viram aumentos ainda maiores, depois do relaxamento das restrições severas e das medidas de distanciamento social impostas no começo do ano.

Fonte: Agência Brasil

Itália fecha casas noturnas com aumento da covid-19 entre jovens

Surgimento de novos casos faz governo italiano fechar atrações noturnas e recomendar novamente o uso de máscaras em lugares abertos

A Itália deve fechar discotecas e casas noturnas e tornar obrigatório o uso de máscara ao ar livre em algumas áreas durante a noite, na primeira reimposição de restrições à medida que os casos do novo coronavírus aumentam em todo o país, especialmente entre pessoas mais jovens.

Os novos casos na semana passada na Itália, o primeiro país europeu a ser duramente atingido pelo coronavírus, foram mais do que o dobro dos registrados há três semanas e a idade média das pessoas que contraem o vírus caiu para menos de 40 anos, mostraram os dados.

Novas regras

As novas regras começarão na segunda-feira — dois dias após um feriado italiano, quando muitos jovens do país saíram para dançar — e irão até o início de setembro.

As máscaras serão exigidas entre 18h e 6h em áreas próximas a bares e pubs e onde os encontros são mais prováveis.

“Não podemos anular os sacrifícios feitos nos últimos meses. Nossa prioridade deve ser a de abrir escolas em setembro, com toda a segurança”, disse o ministro da Saúde, Roberto Speranza, no Facebook.

Speranza no sábado exortou os jovens a serem o mais cautelosos possível, pois “se infectarem seus pais e avós, eles correm o risco de causar danos reais”.

Fonte: R7

Anitta que prega o ‘fique em casa’, participa de show lotado na Itália (veja o vídeo)

Nesta pandemia teve blogueira atacada ao fazer festa em casa, perdendo patrocínio e saindo das redes

Impossível não questionar os tais ‘exemplos’ de artistas que propagam o “fique em casa”…

O velho ditado se faz cada vez mais presente:

“Faça o que eu digo, mas não o que eu faço…”

Anitta, um dos ícones da esquerda e do feminismo, mostrou que segue a frase ao ‘pé da letra’.

A cantora que é uma das principais influenciadoras nas redes sociais, participou de show “lotado” na Itália no último sábado, 08.

O vídeo viralizou rapidamente na web e fez muitos internautas questionarem a suposta hipocrisia da artista, entre eles, o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

“Nesta pandemia teve blogueira atacada ao fazer festa em casa, perdendo patrocínio e saindo das redes. Mas nada disseram sobre cantora que fez show e causou aglomeração – ambas são de esquerda”, escreveu Eduardo Bolsonaro.

E prosseguiu:

“A esquerda mente que dá exemplo, mas não consegue, sua hipocrisia sempre vence.”

Confira:

Publicação de Eduardo Bolsonaro no Twitter

Confira o vídeo de Anitta na Itália:

Fonte: Revista Quem/Globo

Itália apreende 14 toneladas recorde de anfetaminas fabricadas pelo Estado Islâmico

O valor da droga está avaliado em um bilhão de euros (R$ 6 bi) no mercado. Segundo polícia italiana, esta é ‘a maior apreensão de anfetaminas no mundo’.
Frame de vídeo mostra policiais italianos durante apreensão de caixas contendo pílulas de anfetamina produzidas pelo Estado Islâmico (EI) em Salerno, na Itália — Foto: Divulgação/Polícia Italiana via Reuters
Polícia Italiana apreendendo Tonelada de Drogas

A polícia italiana anunciou nesta quarta-feira (1º) a apreensão recorde de 14 toneladas de anfetaminas, sob a forma de 84 milhões de comprimidos fabricados na Síria pelo grupo Estado Islâmico (EI).

A operação aconteceu no porto de Salerno (sul de Nápoles). O material está avaliado em um bilhão de euros (quase 1,2 bilhão de dólares) no mercado, afirma um comunicado divulgado pela polícia italiana, que destaca “a maior apreensão de anfetaminas no mundo”.

Segundo a investigação coordenada pela Promotoria de Nápoles, a droga estava em três contêineres, que continham cilindros de papel para uso industrial e máquinas.

Os cilindros de papel multicamada, com quase de dois metros de altura e 1,40 metro de diâmetro (provavelmente fabricados na Alemanha), permitiam ocultar quase 350 quilos de comprimidos colocados nas camadas internas, sem a detecção por um scanner.

Os comprimidos receberam a etiqueta com o símbolo “Captagon”, um medicamento classificado como entorpecente e conhecido como “droga da Jihad”, segundo os investigadores.

“Sabemos que o Estado Islâmico financia suas atividades terroristas sobretudo com o tráfico de drogas sintéticas produzidas na Síria que, por esta razão, se tornou o maior produtor mundial de anfetaminas nos últimos anos”, afirma o comunicado da polícia.

A investigação havia começado há duas semanas, quando a unidade de combate ao crime organizado da polícia de Nápoles interceptou uma carta de roupas de contrabando, que ocultava 2.800 quilos de haxixe e 190 quilos de anfetaminas sob a forma de um milhão de comprimidos.

A primeira carga, enviada por uma empresa síria, chamou a atenção da Alfândega porque estava destinada à Líbia por meio de uma empresa suíça, informou o jornal La Repubblica.

Os três novos contêineres interceptado nesta quarta-feira foram expedidos pela mesma empresa síria para o mesmo grupo suíço, de acordo com o jornal.

Os investigadores acreditam que um “consórcio” de grupos criminosos está envolvido, porque os 85 milhões de comprimidos das duas operações poderiam suprir um mercado europeu que vai muito além do consumo italiano.

Uma das hipóteses aponta um possível “cartel” de clãs da Camorra (grupo criminoso napolitano).

O confinamento provocado pela epidemia de coronavírus provavelmente bloqueou a produção e distribuição de drogas sintéticas na Europa. Por este motivo, muitos traficantes teriam procurado o abastecimento na Síria.

Produzida inicialmente no Líbano e difundida na Arábia Saudita nos anos 1990, esta droga foi encontrada nos locais onde terroristas ficavam abrigados, como, por exemplo, os autores dos atentados de Paris em 2015.

Fonte: G1