ANAC concede Certificado Operacional para Aeroporto de Ji-Paraná em RO

Os investimentos em infraestrutura desenvolvidos pelo Governo de Rondônia no aeroporto garantiram o alcance de mais um degrau

O Governo de Rondônia, por meio do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem e Transportes (DER), recebeu da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Certificado Operacional Aeroportuário para realização de voos por instrumento no Aeroporto José Coleto de Ji-Paraná. A concessão, considerada um marco para o Estado, foi expedida por intermédio da Portaria nº 5942, de 16 de setembro de 2021.

Com a certificação, o aeródromo do município tornar-se habilitado a operar de acordo com as novas regulamentações. O voo por instrumento é um incremento na segurança das operações aéreas, assim como abre um leque de possibilidades, permitindo pousos e decolagens mesmo em condições meteorológicas que impossibilitam a operação visual.

Segundo o coordenador de Infraestrutura Aeroportuária, Philipe Rodrigues Maia Leite, a certificação é também selo de qualidade, na qual teve investimento de R$ 1,1 mi (um milhão e cem mil reais), oriundos de recursos próprios do Estado. “Esta é uma grande vitória para o Governo, que permitirá que o Aeroporto de Ji-Paraná consiga operar voos por instrumentos, tendo em vista que é uma das exigências das empresas áreas regulares que solicitam que aeródromos sejam certificados”.

Maia destaca também, que junto à regularização cadastral do aeroporto, o Governo do Estado, investiu na infraestrutura do espaço, como em obras nas faixas de pista, final de pista e áreas de segurança, além da construção de uma cerca operacional padrão da Organização da Aviação Civil Internacional (Icao), que tem um papel importante para o funcionamento dos voos por instrumentos.

O diretor-geral do DER, Elias Rezende, destaca que a implantação do sistema é fundamental para o desenvolvimento econômico e social do Estado. “Nossas ações de gestão também estão focadas na infraestrutura aeroportuária, temos consciência da grande importância desse modal para o desenvolvimento socioeconômico de Rondônia, e continuamos trabalhando com o objetivo de garantir melhorias em todos os aeroportos do interior, conforme determina o governador Marcos Rocha”.

Os investimentos em infraestrutura desenvolvidos pelo Governo de Rondônia no Aeroporto José Coleto, em Ji-Paraná garantiram o alcance de mais um degrau para o desenvolvimento com a certificação operacional do aeródromo público ao Departamento Estadual de Estradas de Rodagem e Transportes (DER). O aeroporto foi reformato e recebeu também ações do Governo do Estado para atender os padrões definidos pela ANAC, podendo ser utilizado regularmente por quaisquer aeronaves compatíveis com o código de referência 3C ou inferior.

O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, destacou mais uma vitória para o Estado com a certificação que traz maior visibilidade ao Aeroporto de Ji-Paraná e amplia as possibilidades de conquistar novas parcerias, o que, consequentemente, impacta em maior desenvolvimento para toda a região.

Certificado Operacional de Aeroporto significa o documento emitido pela ANAC que autoriza o detentor a operar o aeroporto conforme o Manual de Operações do Aeródromo (MOPS) aprovado pela ANAC e identifica os serviços aéreos públicos autorizados, por meio das especificações operativas. Vale destacar que esse reconhecimento reforça todo o compromisso do Governo do Estado com a segurança e a qualidade das operações aeroportuárias.

Fonte: Secom-RO

PRF apreende drogas escondidas dentro de caminhão durante fiscalização em Ji-Paraná

Segundo o criminoso, a droga tinha origem Boliviana, e seu destino era a cidade de Goiânia/GO.

Na quarta-feira (11), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Ji-Paraná, durante atividade de policiamento na BR- 364, interceptou um carregamento de cocaína, transportado por dois homens que viajavam em dois caminhões do tipo cegonha.

No total, 30 quilos da droga ilícita foram apreendidos, dentro de dois veículos que eram transportados na plataforma dos caminhões (um em cada caminhão). A droga estava escondida no interior dos carros, em fundos falsos, na forma de tabletes.

A equipe policial, após conferir os documentos dos condutores dos caminhões, observaram que os dois automóveis foram embarcados em Jaru. Diante dos fatos, com o auxílio da Polícia Civil de Jaru, identificou o responsável pela droga em sua residência. Segundo o criminoso, a droga tinha origem Boliviana, e seu destino era a cidade de Goiânia/GO.

Diante dos fatos, o criminoso foi preso e conduzido à Delegacia de Polícia Civil de Ji-Paraná. A droga apreendida também foi encaminhada à mesma Delegacia para destruição.

Deputado Laerte Gomes cobra adequação para continuidade de obras de saneamento em Ji-Paraná

O parlamentar alertou para o risco de Rondônia perder os recursos destinados pelo PAC

O deputado Laerte Gomes (PSDB), na sessão ordinária desta terça-feira (10), destacou sua preocupação com a maior obra existente em Rondônia, o esgotamento sanitário de Ji-Paraná, que não avança. Ele lembrou que a empresa já se retirou do município. De acordo com o parlamentar, aparentemente falta gestão e mais energia em quem comanda o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para promover as adequações necessárias no projeto.

“O que tenho conversado com o DER não bate com o que a empresa contratada nos diz. Esse pessoal que está no PAC há anos não faz os ajustes. A empresa está prestes a abandonar essa obra, e se isso acontecer o Estado não consegue licitar novamente, porque o valor não é mais suficiente”, destacou o deputado Laerte Gomes.

O parlamentar lembrou que o projeto é antigo, de 2009, e precisa ser readequado, mas é necessário comando e determinação para que isso aconteça. Laerte Gomes explicou a necessidade de mudar todo o comando do PAC em Porto Velho.

“Essa obra é fundamental para Ji-Paraná. Quem conhece obras de saneamento básico sabe que isso faz a transformação em uma cidade, em todos os níveis. Quando eu era prefeito de Alvorada executei a obra de saneamento, que atende 95% da cidade”, adiantou o deputado Laerte Gomes.

O parlamentar destacou que neste ano não houve um dia sequer de obra de saneamento em Ji-Paraná, fruto de um projeto feito de forma errada, que precisa ser adequado.

“Não podemos permitir que essa obra não se concretize. São mais de R$ 150 milhões em investimentos que podem ser aplicados na nossa cidade. O que disseram o diretor do DER e o chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves, é que serão feitas as adequações. O Estado não pode perder a maior obra em execução em Rondônia. Espero que isso se concretize, porque é muito ruim perder uma obra desse porte, algo de interesse coletivo”, finalizou o deputado Laerte Gomes.

Texto: Nilton Salina-ALE/RO

Deputado Laerte Gomes volta a alertar Governo sobre risco de Ji-Paraná perder obra de esgotamento sanitário

Parlamentar cita falta de conhecimento de técnicos do PAC para conclusão do projeto de readequação da obra

Considerada umas das maiores obras do estado de Rondônia no momento, orçada em mais de R$ 150 milhões, a construção do esgotamento sanitário de Ji-Paraná pode não ser retomada. O alerta preocupante, mais uma vez, é feito pelo deputado estadual Laerte Gomes (PSDB), que vem cobrando, fortemente, ações concretas tanto do Governo, através do DER, como do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

“Ou o Governo e o DER tomam uma atitude enérgica e imediata, com relação a obra de esgotamento sanitário de Ji-Paraná, ou a cidade, e toda sua população, perderá essa oportunidade”, ressaltou o deputado.

Frequentemente, o parlamentar tem cobrado, do DER e do PAC, o projeto de readequação da obra para a aprovação da equipe da Caixa Econômica Federal. Segundo o deputado, “é reunião atrás de reunião e nada acontece”.

“Eu já afirmei e volto a afirmar que, infelizmente, a equipe do PAC não tem conhecimento técnico suficiente para tocar esse programa. Já temos exemplos em Rondônia, afinal, perdemos a obra de esgotamento sanitário de Porto Velho e corremos o risco de o mesmo acontecer em Ji-Paraná”’, enfatizou o parlamentar.

Segundo Laerte Gomes, a situação estaria tão crítica que, a obra está paralisada e os engenheiros do PAC, responsáveis pela obra, estão de férias.

“E a empresa contratada para executar o esgotamento sanitário já se manifestou, se não fizerem a readequação ao projeto, eles irão abandonar e desistir da obra. E se isso acontecer, essa obra não será licitada novamente porque o recurso não será mais suficiente. E lamentavelmente, quem sofrerá com tudo isso é a população de Ji-Paraná”, destacou Laerte.

O deputado fez um apelo ao Governo do Estado e a direção do DER, para que sejam contratados técnicos com conhecimento em engenharia sanitária para realizarem o projeto de readequação da obra e, posteriormente, encaminharem para a aprovação da Caixa Econômica e, consequentemente, permitir que a empresa retome as obras.

“Este ano não tivemos um dia de obra de esgotamento sanitário em Ji-Paraná. A empresa não retomou os trabalhos porque a equipe do PAC, não conseguiu fazer a readequação do projeto que é necessário, e sendo assim, a Caixa não autoriza. Ou há um esforço político concentrado e determinação do Executivo Estadual em fazer essa obra, substituindo os técnicos do PAC responsáveis pela elaboração do projeto de readequação, ou realmente perderemos essa importante e maior obra de Ji-Paraná, declarou o deputado.

O parlamentar também destacou a importância dos representantes da administração municipal de Ji-Paraná, sentarem com o Governo do Estado e o DER para pressionarem para a continuidade da obra.

O deputado citou, ainda, que esteve em audiência com o ministro do Desenvolvimento Regional do Governo Federal, Rogério Marinho, em Brasília, e conversou sobre o assunto.

“E o ministro deixou bem claro que essa questão tem que ser resolvida aqui em Rondônia, entre o Estado, equipe do PAC e Caixa Econômica Federal. Caso contrário, como o próprio ministro concordou, iremos perder essa obra, algo inadmissível”, concluiu o deputado Laerte Gomes.

Texto: Juliana Martins-ALE/RO

Justiça do Trabalho suspende interdição da Marfrig de Ji-Paraná e mantém a multa de R$100 mil

Em caso de descumprimento será comunicado ao juízo no prazo de 48 horas.

O juízo da 1ª Vara do Trabalho de Ji-Paraná (RO), realizou audiência nesta manhã de segunda-feira (19), para discutir sobre medidas sanitárias descumpridas, interdição e a multa aplicada na sexta-feira, no importe de R$100 mil. Com a participação de representantes da empresa reclamada, Sindicato SINTRA-INTRA e MPT, o magistrado suspendeu a interdição, porém manteve a multa.

A empresa embora tenha rejeitada a possibilidade de acordo quanto ao valor da  multa, demonstrou interesse na saúde e incolumidade do trabalhos, e se comprometeu a intensificar os treinamentos e a fiscalização para o efetivo cumprimento das normas acordadas no Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, Nacional e em Juízo, e a franquear acesso diário ao representante sindical, munido de teste de covid ou realização pelo setor médico da companhia, a fim de fiscalizar ou não possível aglomeração na entrada do vestiário. Em caso de descumprimento será comunicado ao juízo no prazo de 48 horas.

O Ministério Público do Trabalho e o Sindicado requereram a manutenção da multa por ato atentatório à dignidade da justiça, conforme certificado pelos oficiais de justiça da Justiça do Trabalho.

A empresa protestou a aplicação da multa por litigância de má-fé e ato atentatório à dignidade da Justiça, o que foi indeferido pelo Juízo por se tratar de um incidente em fase executória e por isso foi deferido o amplo acesso ao contraditório.

Depois de 1h30 minutos a audiência, presidida pelo juiz Carlos Antônio Chagas Júnior, titular da 1ª VT de Ji-Paraná (RO), foi encerrada e teve a presença de jornalistas regionais.

A decisão é passível de recurso.

Processo PJE n.0000164-70.2020.5.14.0091

Fonte: Assessoria

Laerte Gomes destaca retomada de voos domésticos em Ji-Paraná

Parlamentar também defendeu projeto de melhorias salariais e tratamento igualitário para as forças de Segurança Pública do Estado

O deputado Laerte Gomes (PSDB), de forma remota na sessão da Assembleia Legislativa desta terça-feira (06) destacou a retomada dos voos domésticos da companhia Azul no aeroporto José Coleto, de Ji-Paraná. O retorno aconteceu na última quinta-feira (1º), após três meses de suspensão.

“Quero agradecer a todos os que contribuíram para que o aeroporto voltasse a receber voos domésticos. Nós começamos lá atrás, disponibilizando recurso para a instalação da cerca, posteriormente o Governo concluiu a obra e o governador Marcos Rocha, junto com o diretor do DER, Elias Rezende fizeram um excelente trabalho de certificação do aeroporto e, da mesma forma, o senador Marcos Rogério, garantindo a estação meteorológica e equipamentos para que os demais voos possam baixar em Ji-Paraná por instrumento IFR. Meus agradecimentos a todos que tornaram esse importante avanço para Ji-Paraná”, declarou Laerte Gomes.

Segurança Pública

O deputado registrou seu apoio a todos os representantes das forças de Segurança Pública de Rondônia e disse considerar justas as reivindicações de melhorias salariais e valorização das carreiras.

“Gostaria que todos os projetos para melhorar as condições de trabalho de todas as classes da nossa Segurança Pública fossem para agora, mas com certeza, os que estão na Assembleia para serem votados, serão aprovados com certeza, contem com meu apoio. Todos sabemos da importância do trabalho dos policiais militares, dos bombeiros militares, dos policiais civis, enfim, e temos que unificar todas as forças, pois a Polícia Penal também faz parte desse todo”, afirmou o deputado.

Por fim, Laerte Gomes destacou outras categorias das quais ele afirmou também estarem com defasagem salarial e citou o PCCR da Saúde que, segundo o parlamentar, está há 15 anos na fila.

“Da mesma forma os servidores da Sedam, do DER, enfim, sabemos que a receita do Estado aumentou, o orçamento também, assim como a arrecadação, as despesas, em razão da pandemia, tirando a Saúde, mas nas outras áreas elas diminuíram porque não houve investimentos. Sendo assim, esse é o momento de olharmos para nossos servidores públicos. Esperamos que o Governo do Estado tenha essa sensibilidade e olhe para todas as categorias, pois todos estão com os salários defasados”, concluiu o deputado.



Texto: Juliana Martins-ALE/RO

Deputado Laerte Gomes entrega van para Associação Redenção das Crianças de Ji-Paraná

Parlamentar destinou R$ 200 mil em atendimento à solicitação de lideranças municipais para a aquisição do veículo

O deputado Laerte Gomes (PSDB) entregou uma van para atender a Associação Redenção da Criança, de Ji-Paraná. O veículo foi adquirido através de emenda parlamentar destinada pelo deputado no valor de R$ 200 mil.

“É com muita satisfação que, atendendo uma solicitação dos vereadores Joziel de Brito (MDB), e do vice-prefeito, Joaquim Teixera, estamos entregando essa van para que a Associação Redenção das Crianças possa continuar com o trabalho maravilhoso desenvolvido por eles”, declarou Laerte Gomes.

De acordo com a presidente da entidade, Ivone Cassimiro, a Associação Redenção das Crianças foi fundada em 1989 e atende mais de duas mil crianças, do terceiro ao nono ano de 14 escolas de Ji-Paraná.

Assim como os vereadores, Ivone Cassimiro também agradeceu o apoio do deputado pela emenda que possibilitou a compra da van que será utilizada no transporte das crianças e adolescentes que participaram do projeto de musicalização.

“Sem dúvida essa van será muito importante para continuarmos a desenvolver uma nossos trabalhos com as crianças dos bairros e periferia de Ji-Paraná. Nossos agradecimentos ao deputado Laerte Gomes por confiar na nossa associação e ao pastor Ssdraque Muniz, autor do projeto”, disse a presidente.

Também estiveram presentes na entrega da van, os vereadores Brunno Carvalho (SD), Janethe de Almeida (DEM) e o pastor Célio Paulino.

Fonte: Assessoria

Laerte Gomes alerta sobre risco de Ji-Paraná perder obra de esgotamento sanitário

Parlamentar cobrou uma ação imediata do Programa de Aceleração do Crescimento e sugeriu exoneração da atual equipe técnica

Na sessão da Assembleia Legislativa de terça-feira (29), o deputado Laerte Gomes afirmou que o município de Ji-Paraná está prestes a perder a maior obra do estado de Rondônia no momento, o esgotamento sanitário da cidade. Segundo Laerte Gomes, isso se dá “por de qualificação técnica do PAC”.

“Uma obra de mais de R$ 150 milhões, que precisa da readequação do projeto, por se tratar de um projeto antigo, e o PAC, assim como o DER, não toma uma iniciativa. Jogam o problema para a Caixa Econômica Federal, que por sua vez, disse em uma reunião que, inclusive, participei, que quem tem que tomar um posicionamento é o DER através do PAC. Mas, infelizmente, membros da equipe técnica do PAC não têm capacidade técnica e conhecimento nesta área”, declarou o deputado.

Na tribuna, o parlamentar direcionou sua palavra ao Governo do Estado, a quem disse desejar fazer um apelo.

“Que o Governo contrate técnicos com conhecimento para analisarem os projetos. Caso contrário, acontecerá o mesmo que ocorreu em Porto Velho, que perdeu o recurso do esgotamento sanitário da capital, um tipo de obra que pode ser considerada a mais importante para a população de uma cidade”, ressaltou o deputado.

Segundo Laerte Gomes, o atual projeto estaria com várias pendências, entre elas, a falta de consenso entre a equipe do PAC e engenheiros da Caixa Econômica Federal (CEF). Para o parlamentar, a falta de decisão e de conhecimento técnico dos membros do PAC envolvidos no projeto de saneamento de Ji-Paraná só poderá ser resolvida com a substituição da atual equipe.

“Tem que exonerar imediatamente e colocar técnicos com conhecimento e qualificação de verdade. Só assim, volto a dizer, o Governo não perderá a obra mais importante da história dessa cidade. Que realmente seja tomada uma medida urgente, pois no futuro, a população de Ji-Paraná cobrará fortemente, caso a cidade venha perder essa obra”, concluiu o deputado.

Texto: Juliana Martins-ALE/RO

PRF apreende quase 9 mil maços de cigarro contrabandeado em RO

As apreensões aconteceram nos municípios de Porto velho e Ji-Paraná.

Na manhã desta segunda-feira (28) a Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizou duas apreensões de cigarros contrabandeados ao longo da BR-364. A primeira aconteceu em Porto Velho e a segunda em Ji-Paraná.

Na capital, um condutor ao visualizar a presença da PRF na rodovia, tentou fugir por uma região de mata e chegou a abandonar seu veículo, com 8 mil maços de cigarros, mas ele foi capturado poucos metros depois. Segundo a PRF, ele admitiu que a carga era contrabandeada.

Ainda de acordo com a corporação, em Ji-Paraná, no final da manhã, próximo ao KM 341, a equipe ao realizar abordagem a um motociclista encontrou no baú de carga 580 maços de cigarros contrabandeados. O condutor informou aos agentes que a carga tinha origem paraguaia e que seria revendida em Jipa.

Ambos os envolvidos foram conduzidos à Polícia Civil pelo crime de contrabando.

Fonte: Rede Amazônica

Ji-Paraná: Serviço de coleta de lixo retorna no município

A cidade ficou 20 dias sem contrato com a empresa terceirizada e voltou a renovar novamente.

A coleta de lixo doméstico voltou a ser realizada por uma empresa terceirizada na cidade de Ji-Paraná (RO), região central do estado nesta quarta-feira (19).

A crise começou no dia 29 de abril, após o contrato com a terceirizada não ser renovado pela prefeitura. Na ocasião, o município disse que a empresa já estava no quarto contrato emergencial e foi feito um acordo, verbal, para das continuidade na coleta até nova licitação, mas a empresa não teria cumprido.

Com a suspensão da coleta nos bairros, as lixeiras começaram a ficar superlotadas e a própria Secretária de Obras e a cooperativa de catadores começaram a recolher o lixo das ruas. Mas por causa da alta demanda, as equipes não deram conta de atender toda a cidade.

Na manhã da última terça-feira (18), a prefeitura assinou um contrato com a empresa terceirizada para fazer a coleta de lixo.

A empresa é a mesma que atuava no município, e a diferença será no valor que será pago pela tonelada de lixo coletada. Antes eram R$ 173, 75 e agora o município deve pagar R$ 169,90. O contrato é por até 180 dias, com um valor ultrapassando R$ 2 milhões.

Mesmo com a coleta sendo restabelecida, ainda há muita lixeira lotada de sacos com lixo. A expectativa do município é normalizar a situação até quinta-feira (20).

Ji-Paraná produz mensalmente mais de 300 toneladas de lixo. O planejamento da prefeitura é aproveitar o período de 180 dias para elaborar uma licitação, onde a empresa contratada poderá atuar por um ano.

Fonte: G1/RO