Secretário de Saúde fala em rede social, que todos os leitos de UTIs estão ocupados

De acordo com o secretário Fernando Máximo, os outros estados não estão mais cedendo vagas, pois as taxas de UTI dos Hospitais de fora estão aumentando.

O secretário Fernando Máximo, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), postou um vídeo em suas redes sociais afirmando que nesta quinta-feira (25) não há mais vagas em UTI’s para pacientes com coronavírus em Rondônia.

Segundo Fernando, todos os mais de 300 leitos criados no estado (para atender especificamente pacientes da Covid-19) estão ocupados, atingindo assim a marca de 100% de lotação.

O secretário Fernando Máximo, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), postou um vídeo em suas redes sociais afirmando que nesta quinta-feira (25) não há mais vagas em UTI’s para pacientes com coronavírus em Rondônia.

Segundo Fernando, todos os mais de 300 leitos criados no estado (para atender especificamente pacientes da Covid-19) estão ocupados, atingindo assim a marca de 100% de lotação.

Diante da situação, o secretário afirma já existir fila de espera com pacientes precisando de intubação ou internação.

“O meu recado é para você que aglomera, que tá fazendo festinha e não usa máscara. Nós não temos leito de UTI para sua mãe, não tem leito para o seu pai, tio, filho, namorada… Nós não temos leito de UTI para você, seja rico ou pobre”, desabafou.

Ainda de acordo com o secretário, o governo do estado não está conseguindo ampliar o número de leitos de UTI no estado, por falta de profissionais de saúde.

“Essa noite tivemos que fechar cinco leitos de UTI por falta de médico no Cero, em Porto Velho. Lá tem 50 leitos de UTI, mas dez médicos estão com Covid-19, pois a vacina ainda não fez efeito. Demora-se uns dias para fazer efeito”, conta.

Ainda conforme relata Fernando Máximo, mais de 90 pessoas de Rondônia foram enviados para outros estados nos últimos dias para tratarem a doença. Porém, por enquanto, não será mais possível enviar novos pacientes para fora.

“Dos 90 transferidos, mais de 60 eram entubados e foram enviados em UTI aérea. Os estados lá fora não estão cedendo vagas para gente, pois as taxas de UTI lá também estão aumentando. Nós continuamos atendendo pacientes do Amazonas, muitos”, ressalta.

https://web.facebook.com/watch/?v=255407429593395

Fonte: Assessoria

Covid-19: Rondônia volta a ter leitos de UTI lotados; 34 pessoas estão na fila de espera

Pacientes seguem sendo transferidos para outros estados.

Todos os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para pacientes com Covid-19 estão ocupados em Rondônia nesta terça-feira (23). No momento, 34 pessoas estão na fila esperando por uma vaga, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau).

Por causa da falta de leitos, Rondônia continua transferindo pacientes para tratamentos em outros estados. Até esta terça, 90 rondonienses com estados graves e moderados já foram levados para outras unidades da federação.

São 59 pessoas entre os pacientes graves, sendo:

  • 7 levados para Cuiabá (MT)
  • 1 para Goiânia (GO)
  • 27 foram levados para Vitória (ES)
  • 13 para Campo Grande (MS)
  • 5 para Rio de Janeiro (RJ)
  • 5 para Curitiba (PR)
  • 1 Canoas (RS)

Segundo o governo de Rondônia, até o momento foram transferidos 31 pacientes em quadros moderados, sendo:

  • 18 para Porto Alegre (RS)
  • 13 para Curitiba (PR)

Situação em Ariquemes

Todos os 28 leitos de UTI do Centro de Afecções Respiratórias (CAR), para atendimento de Covid estão ocupados. Na segunda-feira (22), três pessoas estavam na fila de espera por um leito.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Ariquemes, na rede particular da cidade todos os leitos também estão lotados.

Além da dificuldade na abertura de novos leitos, a cidade enfrenta complicações para a contratação de profissionais de saúde.

Ariquemes recebe pacientes de outros oito municípios da região do Vale do Jamari.

Vilhena

A cidade tem 75% de taxa de ocupação, com isso apenas cinco leitos de UTI estão disponíveis nesta terça. Nos últimos 10 dias a taxa de lotação tem oscilado entre 80% e 90%.

Os leitos de UTI na Central de Atendimento à Covid estão ocupados por pacientes de Vilhena, Chupinguaia, Cabixi, Cerejeiras e Santa Luzia do Oeste.

Nos primeiros 22 dias de fevereiro, o estado registrou mais de 18 mil novos casos de Covid-19 e 479 mortes.

Variantes

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Rondônia disse este mês, que encontrou três variantes do coronavírus circulando no estado: a B.1.1.28 (de linhagem brasileira), a P2 (variante encontrada inicialmente no Rio de Janeiro) e a B.1.1.33 (que aparece em países da América Latina e América do Norte).

As análises foram feitas com base em amostras coletadas em diferentes cidades do estado, entre elas: Porto Velho, Rolim de Moura, Alvorada do Oeste, Ariquemes e Cacaulândia.

“Difícil encontrar uma pessoa que não tenha sido atingida de alguma forma nessa pandemia. Os óbitos continuam em aumento. As variantes surgem para atrapalhar ainda mais essa luta. Notamos que a vacinação não acompanha o ritmo da pandemia. O cansaço é evidente”, disse Juan Miguel Vilalobos, infectologista da Fiocruz.

Fonte: Assessoria

Rondônia voltará a transferir pacientes com covid para outros estados

Secretário de Saúde Fernando Máximo, voltou a dizer que hospitais estão sem leitos de UTI novamente.

Leitos de UTI lotados em Rondônia — Foto: Arquivo pessoal
Leitos de UTI lotados em Rondônia

O secretário de saúde do estado, Fernando Máximo, revelou na última sexta-feira (5), durante coletiva de imprensa, que a fila por uma vaga na UTI da rede pública do estado voltou a crescer. Segundo o secretário, Rondônia possui 291 leitos de UTI e todos estão ocupados.

Ao todo, 26 pessoas aguardam por uma vaga na UTI e na última semana, quatro pacientes com Covid-19 foram transferidos para o Mato Grosso do Sul.

52 novos leitos de UTI foram abertos na última semana em Rondônia (30 no Cero, 10 no Samar e 10 no Hospital do Amor, todos em Porto Velho).

Segundo o secretário de saúde, o estado não tem mais possibilidades de abrir novos leitos e por isso, as transferências de pacientes tiveram que ser retomadas.

Fonte: Assessoria