Emater distribui máscaras para famílias de vulnerabilidade social em Ji-Paraná

Escritório local da Emater tem a missão de entregar 2.700 protetores faciais nesta primeira etapa de distribuição.

As máscaras foram confeccionadas em tecido duplo e reutilizável.

Moradores das áreas urbana e rural de Ji-Paraná em situação de vulnerabilidade social começaram a receber gratuitamente as máscaras de uso pessoal contra o coronavírus.

A proteção facial pode ser retirada na sede do escritório da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater).

A doação de máscaras é uma iniciativa da primeira dama Luana Rocha, titular da Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Seas), por meio do projeto Previna-se, ação do Governo de Rondônia no enfrentamento à pandemia de Covid-19.

O projeto Previna-se utilizou recursos do Fundo Estadual de Erradicação da Pobreza (Fecop) na aquisição de 248 mil máscaras em tecido a ser doadas à população vulnerável.

O escritório local da Emater tem a missão de entregar 2.700 protetores faciais nesta primeira etapa de distribuição. Nova remessa está prevista para ser distribuída pela Seas em parceria com a Emater a partir de setembro.

O objetivo do Governo Estadual, por meio da Seas, é proporcionar às pessoas de baixa renda a proteção individual como mais uma medida adotada no enfrentamento à proliferação do coronavírus. As máscaras foram  confeccionadas em tecido duplo e reutilizável, conforme as orientações dos organismos sanitários oficiais.

Os produtores rurais inseridos no contexto de vulnerabilidade social também terão direito ao benefício. Para tanto basta procurar o escritório local da Emater para fazer a retirada. Imprescindível que o interessado apresente documento de identificação.

Fonte: Emater

Ação ‘Previna-se’ distribui máscaras para comunidades de Guajará-Mirim

1.400 máscaras de tecido reutilizáveis foram distribuídas para as famílias mais vulneráveis no estado.

Além das famílias indígenas, foram beneficiadas também as famílias ribeirinhas, agroextrativistas, produtores rurais e moradores da zona urbana

A Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), em parceria com a Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO), distribuíram para mais de 80 etnias indígenas, 1.400 máscaras de tecido reutilizáveis na última semana, oriundas do Projeto Previna-se, criado pelo governo de Rondônia.

A iniciativa, segundo a primeira-dama e secretária da Seas, Luana Rocha, busca reforçar as ações de proteção à Covid-19, que tem assolado o mundo, além de dar cumprimento ao papel da Secretaria, quanto política de assistência que busca alcançar toda a população vulnerável de Rondônia.

Nessa primeira remessa, foram entregues 344 máscaras às famílias indígenas. Segundo o cacique, Valdito Oro, a atenção à comunidade é redobrada, devido à dificuldade de acesso e à atuação do poder público, que é fundamental nesse momento.

Além das famílias indígenas, foram beneficiadas também as famílias ribeirinhas, agroextrativistas, produtores rurais e moradores da zona urbana. Nem mesmo a dificuldade de acesso às regiões impediu que as entregas continuassem.

Na reserva extrativista do rio Ouro Preto, por exemplo, distante 50 quilômetros de Porto Velho, as equipes tiveram que fazer o trajeto no Barco Hospital, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). As famílias ribeirinhas e extrativistas que vivem na região foram beneficiadas com a entrega das máscaras de tecido, que foi possível através da parceria com a Associação de Seringueiros e Agroextrativistas de Ouro Preto (Asaex) e Associação de Seringueiros do Rio Preto (ASROP) para auxiliar na distribuição.

Os moradores da Comunidade Nova Esperança, localizada na estrada do Palheta, também foram beneficiados com a entrega das máscaras., bem como os produtores da Associação dos Criadores do Vale do Mamoré (Acrivale), Ramal Cachoeirinha (Asprorc) e regiões.

As distribuições das máscaras estão sendo entregues para famílias mais vulneráveis no combate à pandemia.

Fonte: Seas

Seas distribui máscaras de tecido para famílias em RO

Ação tem como atender as famílias em situação de vulnerabilidade nos 52 municípios do estado. A entrega começou no município de Rolim de Moura.

A Secretaria de Estado da Assistência e do Desenvolvimento Social (SEAS), desenvolveu o projeto “Previna-se” que tem como objetivo distribuir máscaras de tecido para famílias em situação de vulnerabilidade social como prevenção ao novo Coronavírus. As distribuições são realizadas em parceria com os 73 escritórios locais da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater/RO).

A primeira-dama e secretária da Seas, Luana Rocha, destaca que o projeto abrange os 52 municípios de Rondônia com entrega de máscaras reutilizáveis para atender a população.

Nessa semana, famílias do bairro Cidade Alta em Rolim de Moura, dos residenciais Jardim dos Lagos e Jatobá, foram beneficiadas com máscaras doadas pela Seas.

Máscaras foram distribuídas para famílias do Cidade Alta.

“Cada família recebeu 04 máscaras de tecido que possuem dupla proteção e são laváveis, ou seja, reutilizáveis. A preocupação da secretária da Seas, a primeira-dama Luana Rocha, é louvável, muitas famílias não possuem condições de adquirirem quantidade de máscaras suficientes. Essa é uma ação que contribuirá para salvar vidas”, pontuou o secretário regional do Governo de Rondônia em Rolim de Moura, Adeilso da Silva.

De acordo com a gerente regional da Seas, Fabiana Renata, em Rolim de Moura serão distribuídas 1.300 máscaras de tecido, beneficiando 325 famílias nessa primeira etapa.

Fonte: Seas

Uso de máscaras pode controlar covid-19 em até 8 semanas, diz CDC

Alerta é do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA

O diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), Robert Redfield, afirmou que se todos os norte-americanos usarem máscaras, a onda crescente de casos de covid-19 no país pode estar sob controle em um período entre quatro e oito semanas. 

Redfield concedeu entrevista online à publicação médica Journal of the American Medical Association.

“Eu acredito que se conseguirmos que todos usem máscaras agora, podemos controlar isso em quatro, seis, oito semanas”, afirmou.

O diretor do CDC também disse que usar máscara é uma questão de saúde pública e lamentou que a prática tenha sido tão politizada. 

“Estou feliz em ver o presidente e o vice usarem máscaras. Claramente, na situação deles, eles poderiam justificar com facilidade que não precisam, mas precisamos que eles deem o exemplo”, disse Redfield. 

Fonte: Agência Brasil

Brasil recebe carregamento recorde de 11,8 milhões de máscaras

Insumos provenientes da China ajudarão contra novo coronavírus

Uma aeronave da companhia aérea Latam chegou hoje (7) a São Paulo transportando mais 11,8 milhões de máscaras cirúrgicas de procedência chinesa. O voo trouxe a maior quantidade de insumos para combate à pandemia transportado de uma única vez no Brasil.

A carga faz parte da encomenda de equipamentos de proteção individual (EPIs) feita pelo Ministério da Saúde, com a coordenação operacional viabilizada pelo Ministério da Infraestrutura. Segundo os registros dos ministérios, essa é a 35ª remessa de mais de 40 previstas. 

“No início da crise, assumimos um desafio logístico imenso para ajudar o Ministério da Saúde com o abastecimento de EPIs para todas as regiões do Brasil. Uma verdadeira operação de guerra foi montada e, de modo contínuo, estamos transportando 960 toneladas de equipamentos no total. É uma vitória silenciosa do governo federal que está ajudando a garantir as condições necessárias para o enfrentamento da pandemia”, informou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Segundo nota divulgada pelo ministério, 220 milhões de 240 milhões das máscaras compradas foram recebidas, sendo uma parte do equipamento do tipo N95 – a mais eficaz máscara médica descartável disponível no mercado.

O voo anterior da Latam que transportou insumos vindos da China para o Brasil chegou no dia 2 de junho e trouxe cerca de 9,2 milhões de máscaras para serem distribuídas entre estados e municípios.

Fonte: Fábio Massalli A/B