Vaza gravação onde a médica que queria ser ministra declama amor a Dilma Rousseff (veja o vídeo)

Olha só do que o Presidente se livrou! “I love you”

A médica Ludhmila Hajjar virou o “centro das atenções” nos últimos dias.

Tudo porque disse, recentemente, ter sido convidada a ocupar o cargo de ministra da Saúde do governo Jair Bolsonaro.

Porém, não é de hoje que a médica gosta de aparecer…

Seja em fotos acompanhada de figuras como Gilmar Mendes e Rodrigo Maia ou ainda por seus “dotes” musicais.

Até aí tudo bem, entretanto, Ludhmila viralizou na web tocando violão e cantando para ninguém mais e ninguém menos do que a então ex-presidente Dilma Rousseff (PT), no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

No vídeo, Ludhmila canta a música “Amor I Love You”.

Durante o “show particular” para Dilma, ela alterou a última estrofe da música e se declarou a petista:

“Presidenta Dilma, I love you.”

Em poucos palavras, o respeitado jornalista Rodrigo Constantino conseguiu descrever o sentimento de toda a nação ao ver o vídeo:

“No “presidenta” eu já tinha tido calafrios. Agora isso?!?!? O governo se livrou de uma boa…”

Fonte: JCO

Por falta de Pericia médica, atendimento no INSS é adiado

Porto Velho, RO – Após ficar fechada por quase seis meses, a agência do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) em Rondônia, não tem atendimento normalizado – mesmo sob recomendações da Procuradoria Regional da República (PRR), os assegurados e pensionistas não tem atendimentos facilitado.         

De acordo com beneficiários vindos da periferia e Distritos da capital de Rondônia eles ‘perdem tempo ao tentar madrugar nas filas para conseguir  algum tipo de atendimento’.

Segundo eles, a perda de tempo na procura de atendimento nas Agência do INSS, em Porto Velho, vem ocorrendo muito antes da deflagração do estado de pandemia. A mesma fonte garante, todavia, que, ‘a volta pra casa, sem o benefício atendido, também, atinge operadores do Direito em meio à pandemia por falta de interlocução nas unidades’.

Em quase todas as cidades, não só as perícias médicas deixaram de ser realizadas: as agências do INSS sequer abriram as portas durante a pandemia. Em Porto Velho, diante da situação ainda caótica devido à suspensão dos serviços aos cidadãos – por determinação da cúpula do órgão -, mesmo sob ameaças de denúncia por parte de parlamentares da Bancada Federal, ainda assim, trabalhadores não foram avisados pela agência que as perícias agendadas a partir desta segunda-feira (14), não seriam realizadas.

Essa situação tem penalizando os beneficiários do Auxílio Emergencial que, segundo dados repassados a este site de notícias, ‘nem mesmo através do atendimento remoto os beneficiários tiveram a garantia de ser atendido nesta segunda-feira, 14, isso porque os médicos peritos não apareceram ao trabalho’.

Na Agência de Porto Velho e unidades do INSS, além de setores e núcleos espalhados pelo interior do Estado, apesar de inúmeras tentativas de contato através dos números 3221-4639/3233-5043/3533-5017, ‘ninguém responde nem orienta os cidadãos’ – com exceção de que o atendimento deve ser feito apenas por acesso das páginas virtuais do INSS, alegou um pretenso beneficiário por questões de saúde.

A abertura das agências e unidades do órgão em todo País anunciado pelo Governo Federal para esta segunda-feira, não aconteceu e mais uma vez os serviços aos cidadãos foram adiados. Inclusive no setor de perícia a segurados cujo atendimento tinha sido agendado. Sem peritos, o atendimento aos assegurados e pretendes aos benefícios e outros serviços ficam completamente prejudicados.

Triste histórico

 – Vale lembrar que, a interrupção dos serviços do INSS aos cidadãos não é de agora. Em 2019, Sindicatos de Trabalhadores Rurais de todo o Estado de Rondônia denunciaram os fatos aos órgãos de controle, forçando o Ministério Público Federal – MPF expedir recomendações ao INSS que modificasse o atendimento. Segundo sindicalistas, ‘nem com o reforço da medida pela OAB, nada mudou’ e o atendimento continua péssimo.

Por Xico Nery | Redação/CN

Ivermectina só com receita médica, mas a polícia não pode subir o morro para reprimir a venda de crack

Mas crack , por exemplo, pode ser consumido e vendido. Crack mata.

Pronto. Agora chegou a vez da Ivermectina. O Brasil deve ser o único país do mundo em que remédio contra piolho só pode ser vendido com receita médica.

Mas crack , por exemplo, pode ser consumido e vendido. Crack mata.

No Rio, graças ao Fachin a polícia não pode subir nos morros.

Em São Paulo tem até a Cracolândia do Haddad do PT.

E gostaria que me explicassem, desculpe a burrice: como permitir o consumo de drogas se a venda é proibida?

Os drogados materializam as “substâncias”?

É esotérico?

Mais de 30 mil criminosos foram soltos para não se contaminarem com o vírus chinês, mas se você não usa máscara , ou vai à praia, ou tenta trabalhar é preso.

Para não haver contaminação aonde?

Na praia ou na prisão?

Elegemos o Presidente, mas sem base para apoiá-lo num congresso pululando de corruptos.

Não se trata do que o Presidente quer fazer, mas do que o Presidente pode fazer. Sem falar nos bandidos de toga, como denunciou Eliana Calmon.

Só não podemos perder a esperança. Nosso voto é importantíssimo. Cada voto conta. Não podemos mais jogá-lo no lixo da História votando em candidatos de partidos corruptos.

Não existe candidato bom em partido ruim.

Voto ZERO em partidos de esquerda ou centro-esquerda.

E paciência, muita paciência sem perder o foco. Nem a fé.

É difícil, mas não impossível.

Por Lucia Sweet
%d blogueiros gostam disto: