Perícia do Ipem reprova itens da cesta básica em RO

Duas marcas de feijão foram avaliadas e reprovadas pelo órgão.

O Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Rondônia (Ipem-RO) realizou perícia laboratorial para a verificação oficial em produtos que integram a cesta básica. Duas marcas de feijão foram avaliadas e reprovadas pelo órgão.

No primeiro lote, o produto foi reprovado através da média de peso apresentada na pesagem. Já o segundo lote foi reprovado tanto na média quanto no individual, de acordo com a Portaria Inmetro 248/2008. “O segundo produto apresentou maior irregularidade onde de 13 unidades apenas duas tinham peso superior a 1 kg e uma chegou a pesar a 978g em uma unidade”, destacou a metrologista do Ipem-RO, Elli Maus.

Ainda de acordo com a metrologista, o peso da embalagem tem que ser desconsiderado no peso final do produto.

“Cada embalagem tem de 5 a 6 g e um produto desse tem que pesar em média com a embalagem até 1,010 kg”, acrescentou.

As empresas foram notificadas e terão dez dias para apresentar suas defesas junto ao jurídico do Ipem-RO em virtude da constatação da irregularidade na pesagem dos produtos.

Fonte: Ipem

Reabertura de comércio tem movimento intenso na Zona Leste

Ruas cheias, lojas com as portas abertas foi esse é o cenário da reabertura das atividades do comércio na região da Zona Leste na capital rondoniense.

Porto Velho, RO – Mesmo com alto índice de mortes por causa da pandemia, a reabertura do comércio e de quase todas as atividades de serviços do setor varejista e atacadista na capital, o que se vê é aglomerações. Ruas cheias, lojas com as portas abertas foi esse é o cenário da reabertura das atividades do comércio na região da Zona Leste na capital rondoniense.

‘Na verdade eu fico com medo, sim, porque está aumentando, mas ao mesmo tempo a gente precisa sair, precisa trabalhar, precisa comprar as coisas para. É uma mistura de medo, mas a gente precisa sair. Mas sempre protegida com máscara’, disse à lojista que prefere não ser identificada. Havia grande movimento na região nesta sexta-feira, 24, após um longo período de fechamento por causa das medidas de contenção da Covid-19.

Apesar das recomendações sanitárias quanto ao cumprimento das recomendações para conter a disseminação do coronavírus, o não uso de mascaras tem preocupado as autoridades locais, sabemos que o combate à pandemia é uma realidade a ser enfrentada para que o quadro não fique fora de controle, admitem agentes de saúde.

Vale ressaltar que o boletim divulgado neste sábado (25), os números de casos confirmados, desde o primeiro registro em 20 de março até hoje, por Covid-19 novas pessoas infectadas pelo vírus, somando 35.573, a letalidade (número de mortes por casos confirmados) foi de 810, já a taxa de recuperados ficou em 24.617. “Por isso as medidas de isolamento social e higiene são essenciais para contermos a pandemia na cidade”.

Sobre o assunto, os agentes de saúde acreditam que, ‘o avanço no número de contágio do coronavirus se deu a partir do afrouxamento das restrições contra a COVID-19’.

Por Xico Nery

Feiras e mercados de Porto Velho continuam atividades

As feiras municipais estão na lista de atividades essenciais e seguem funcionando com os cuidados necessários

A Prefeitura de Porto Velho, por meio da Subsecretaria Municipal de Serviços Básicos vai manter o funcionamento das feiras livres e dos mercados municipais durante o novo isolamento social, de acordo com a portaria conjunta n° 11, de 29 de junho, que retornou o município de Porto Velho à Fase I do Decreto Estadual 25.138, com relação ao funcionamento de serviços essenciais.

A partir quarta-feira de ontem (1º), as medidas sanitárias devem ser cumpridas rigorosamente nas feiras livres e nos mercados municipais, mas ficando proibido consumo de alimentos no local e fica permitido apenas a venda de frutas, verduras, carnes e gêneros alimentícios.

Feiras continuaram a atender população cumprindo os cuidados das medidas

Segundo o subsecretário municipal de Serviços Básicos, Rainey Viana, “servir e manipular comida no local continuam proibidos. Além disso, todos devem usar máscara e disponibilizar álcool em gel para os frequentadores. As bancas continuam padronizadas no tamanho de 3 metros e os corredores entre elas também continuam mais largos e mais arejados, tudo focado no cuidado à saúde das pessoas”.

De acordo com Viana, as medidas sanitárias devem ser obedecidas para evitar a disseminação do novo coronavírus por todos os feirantes e frequentadores dos locais. Nesse período, o horário de funcionamento das feiras é das 7h às 13h e dos mercados municipais, das 7h às 14h.

Fonte: Comdecom

%d blogueiros gostam disto: