Porque a mídia não divulgou as manifestações do último domingo?

Não vi nenhum noticiário televisivo a respeito

Você viu as manifestações que tomaram conta das ruas do Brasil no último final de semana? Você não viu, porque a midia não divulgou. Se não fosse as redes sociais, não teríamos como saber que aconteceram neste domingo a maior manifestação no Brasil durante o atual governo.

A “imprensa” morreu e esqueceram de avisar!

Acho que é por isso o desespero para impor censura as redes sociais.

Onde foram parar os grandes jornalistas da Globo que são pagos para informar a população dos acontecimentos relevantes?

Não vi nenhum noticiário televisivo a respeito.

Se algum leitor viu, me informe por favor o que foi que saiu na grande mídia televisiva sobre as gigantescas manifestações do dia 14 de março.

Às manifestações foram realizadas em todo o pais, de norte a sul, de leste a oeste, nas capitais e em várias cidades do interior.

Alguém sabe me dizer se saiu no Fantástico domingo à noite?

Será que os jornalistas da grande mídia, temendo uma contaminação, ficaram trancados em casa?

Por favor, me digam se hoje, segunda-feira, foi publicada nos jornais alguma matéria significativa, alguma reportagem proporcional ao tamanho do evento.

Fico no aguardo e agradeço antecipadamente.

“As pessoas precisam entender o que está acontecendo de verdade”,

Ninguém tem a resposta? Mais ela existe.

As pessoas foram às ruas contra essa história chamada “lockdown”, contra o STF, pela abertura do comércio, pelo direito de trabalhar, de ganhar o seu dinheiro honestamente e levar pra casa o sustento da família, em apoio ao Presidente da República e pelo fim da onda de terror que trava a vida do país e dos trabalhadores.

A volta de Barrabás

A recente decisão do ministro Edson Fachin de tornar Barrabás elegível jogou lenha na fogueira.

Infelizmente, temos uma suprema corte formada por elementos de indicação política, em que alguns deles não merecem a mínima credibilidade e sentenciam de forma parcial e partidária.

Lula é o oposto da honestidade. Soube tirar politicamente proveito da coisa pública em todos os sentidos. Além de lotear órgãos da administração pública para arrecadar recursos ilícitos.

Durante os governos Lula e Dilma Rousseff, a Petrobras virou palco de um esquema monstruoso de desvio de dinheiro, comprometendo suas operações em diversos níveis, derrubando o seu valor de mercado, ferindo profundamente a sua credibilidade, e ninguém disse que ele estava interferindo na estatal. Hoje, simplesmente, uma possível troca no comando da empresa é considerado pela mídia e opositores como interferência na estatal.

Vampirismo

Vivemos no mundo dos vampiros, com longos caninos brancos e afiados, vestidos de negro, usando longas capas esvoaçantes, temendo somente a cruz de cristo e o brilho da Luz do Sol. Na verdade, quando se fala em Vampiros, Morcego, Lobisomem, Conde, Drácula, logo me vem à memória a figura de alguns ministros do Supremo Tribunal Federal.

“O quê?! Em pleno século 21 existem vampiros”?

“Existe sim! Estamos sendo governados por eles. São homens de negócios que sugam o sangue da população em plena luz do dia; mas, embora corrompidos, não estão mortos. Esses verdadeiros vampiros não vivem em cemitérios, mas em palácios luxuosos.”

Infelizmente, no Brasil não temos a permissão de matar vampiros, como era de costume antigamente, cravar uma estaca no peito deles e cremar o corpo. Embora, isso faça parte apenas do nosso imaginário. Contudo, ainda não sabemos como lidar com essa doença chamada ‘vampirismo’ que ameaça mortalmente a raça humana.

Coppolla detona argumentos da “mídia do ódio” sobre indicação de general à presidência da Petrobras (veja o vídeo)

.

Quem defendia e defende interferência do governo nos preços da Petrobras são todas as lideranças da esquerda brasileira, derrotadas em 2018 nas urnas

No programa “Liberdade de Opinião”, de segunda-feira (22), o comentarista Caio Coppolla fez brilhante argumentação sobre a indicação do general Joaquim Silva e Luna para a presidência da Petrobras.

“Considerando a sua declaração infeliz (do presidente da Petrobras) sobre o problema dos caminhoneiros e tendo em vista que seu mandato de dois anos na presidência da estatal se encerra mês que vem – mais precisamente em 20 de março –, qual o problema em substituí-lo, sendo que essa é uma prerrogativa do poder Executivo? E outra: desde quando substituir a direção da Petrobras é sinônimo de interferir nos preços? Não seria mais plausível interpretar a troca do comando da Petrobras em fim de mandato e a isenção temporária de PIS/Cofins como um aceno do presidente da República aos caminhoneiros para prevenir um mal maior, uma greve nacional que traria prejuízos bilionários ao Brasil”, disparou Coppolla.

E completou:

“O senhor Jair Bolsonaro, reiteradamente, tem garantido à sociedade e ao mercado, que vai “continuar sem interferir, interferência zero”. Quem defendia e defende interferência do governo nos preços da Petrobras são todas as lideranças da esquerda brasileira, derrotadas em 2018 nas urnas: Guilherme Boulos, Marina Silva, Ciro Gomes e, principalmente, Fernando Haddad… Se o presidente da República alterar os preços da Petrobras na ‘canetada’, eu serei o primeiro a criticar. Até porque, não faz sentido: menos da metade do preço do diesel na bomba corresponde ao valor na refinaria. O verdadeiro problema que encarece o combustível nacional são os impostos, principalmente, a tributação nos estados”, explicou.

Sobre a queda de 20% das ações da Petrobras, Coppolla declarou:

“O fato é que, se não houver interferência nos preços da Petrobras, como prometido repetidamente pelo presidente da República, e se o general Luna e Silva realizar uma boa gestão, como sugere a sua biografia e as suas referências, o mercado vai oscilar de volta e a empresa vai recuperar o valor perdido nos últimos dois dias, como já aconteceu em outros momentos de especulação na bolsa, muitas vezes por causa de histeria, comportamento de manada e desinformação”, finalizou.

Confira o vídeo:

https://youtu.be/enBOuPWj7qM

Fonte: CNN

Pegou um governo de esquerda, mídia batendo (veja o vídeo)

“Ele deu conta do recado”, ressalta senador

Em entrevista à TV Jornal da Cidade Online, o senador Luiz do Carmo, eleito por Goiás, abordou diversos temas como a eleição de Rodrigo Pacheco para o Senado e Arthur Lira para a Câmara dos Deputados. O senador vê de forma positiva essas mudanças, inclusive com menos intromissão de outros poderes nas casas.

“A interferência sempre existiu. Inclusive, eu pedi o impeachment do ministro do STF, Alexandre de Moraes, porque ele estava interferindo demais no poder executivo. Os poderes são independentes. Tenho certeza que agora o equilíbrio vai começar, porque os dois são aliados do presidente Bolsonaro, Rodrigo Maia não era, era um travador de pautas, ele travava muito o Brasil, e agora tenho certeza que esse dois homens vão destravar as pautas importantes para o Brasil”, ressaltou.

Do Carmo contou que não ia votar em Bolsonaro, em 2018, mas, mudou de ideia depois que ele tomou a facada.

“Ele pegou um governo de esquerda, e mudou totalmente, não é fácil mudar as coisas, ele fez muito bem, deu conta do recado, todo mundo batendo nele, a mídia batendo, ele mudou o estilo de fazer política, e os ministros dele são todos competentes. E aquela corrupção grossa, escandalosa, acabou”, apontou.

Luiz do Carmo destacou ainda a importância de aprovar as reformas.

“Temos que fazer a reforma fiscal, a reforma tributária. Eu criei aqui em Goiás um conselho de contabilistas e juristas para me ajudar a apresentar uma proposta boa para a reforma fiscal. Não tem como no Brasil ter esse tanto de imposto, hoje o contador sofre, vamos simplificar”, destacou.

Sobre o combate à pandemia, o senador defendeu o presidente Jair Bolsonaro:

“Eu quero defender o presidente Jair Bolsonaro. Ele mandou muito dinheiro para as prefeituras e os estados, não foi falta de dinheiro. Outra coisa que o Supremo fez, falou que quem tinha que cuidar da pandemia eram os estados e os municípios, tirou o poder do presidente. Mas ele mandou dinheiro, só eu, como senador, arrumei mais de R$ 80 milhões para combater a covid em Goiás”, revelou.



Confira:

Fonte: JCO

Saiba como a mídia “faz a tua cabeça”

Ou “LOW TOUCH SOCIETY”: como a mídia faz a sua cabeça, mas provavelmente com esse título ninguém se atrevesse a ler…

E o que esse título pretende dizer?

Refere-se à mudança de hábitos da sociedade imposta por uma visão de “distanciamento social” influenciada pela Pandemia, mas que já vinha ocorrendo há bastante tempo, mesmo que em menor escala, com base numa sociedade a cada dia mais e mais digital. Sim, a Pandemia está acelerando e exponenciando, neste “movimento” de distanciamento social, intencionalmente ou não, mas que vem a calhar para um processo de manipulação em curso.

Outro aspecto importante, como dizem:

“uma mentira (ou um factoide) repetida à exaustão e agora, compartilhada em rede, torna-se verdade”.

Uma sociedade ainda mais “DIGITALIZADA” e reclusa, está mais à mercê de interesses “ocultos” pela mídia e pela mensagem, cuidadosamente produzida e direcionada.

Quer um exemplo?

Pense em como a “Hidroxicloroquina” foi “demonizada” e outro remédio, como por exemplo, o “Remdesivir” se tornou o “queridinho” dos “especialistas”. Ora, sabemos que o Gilead, Laboratório que produz o Remdesivir pertencente a George Soros, o Bilionário Globalista.

É assim o jogo… e envolve uma lista, cada vez mais conhecida de Bilionários Globalistas.

Soros, por exemplo, é o mesmo afirmou em entrevista, que “seu negócio é ganhar $$$”, não importando o que isso possa impactar a sociedade… que “é ateu e não acredita em Deus”.

A “Low Touch Society” (guarde bem esse conceito) está associado ao que estão chamando de “Low Touch Economy”, que é uma transformação digital da economia baseado no distanciamento social. Acredite ou não, os Globalistas estão “lucrando” Bilhões e Bilhões de dólares durante a “pandemia”: não será nada estranho se novas ondas do mesmo vírus ou novos vírus em novas ondas, apareçam num horizonte não distante.

Mas, embora isso represente uma Revolução de Conceitos (estima-se, como comentei, que o Varejo online mais do que dobre este ano, saindo de 5% para cerca de 12% e vai crescer de forma acelerada), que vai mudar definitivamente o mercado, quero me referir aos aspectos COMPORTAMENTAIS mesmo, pois o resto é consequência.

A COMUNICAÇÃO DIGITAL E COMO ELA NOS AFETA

Quando em meados da década de 90 fazia palestras sobre as “Redes Sociais” à época conhecidas como “Comunidades Virtuais”, procurava enfatizar que a grande mudança que se apresentava estava associada a COMPORTAMENTO e esse comportamento estaria ligado a MODELOS DE SEGMENTAÇÃO, ou seja, ao que já vínhamos aprendendo nas últimas décadas, principalmente com o “marketing direto” e, nesse caso, a Rede Mundial era a evolução por excelência desse conceito.

Sem dúvida, a grande mudança estava fortemente relacionada aos aspectos de segmentação de mercado, de como podíamos agrupar por características próprias os consumidores e depois, de uma forma mais sofisticada, a toda uma “cadeia de valor” onde as relações desses grupos se davam, interagindo com outros grupos.

O que entendemos por segmentação?

Vamos lá, sem querer me alongar, quero concentrar minha resposta a um único termo que é “discriminação”. Ou seja, quando eu segmento e criou um grupo, por um conjunto de atributos relacionados aos membros desse grupo: do que gostam ou não gostam; da faixa etária; da formação; de gosto ou preferências; do seu estilo de vida; do lugar em que moram; etc. etc. eu posso definir como abordar e me relacionar com cada um dos membros desse grupo, tocando a todos mas também e principalmente, a cada um.

Sabendo quem e como são os membros desses grupos e também, quem não são (e aí está a discriminação), consegue-se saber que tipo de mensagem deve ser usada para impactá-los.

Pense nesse conceito elementar aplicado à Internet e some a isso os algoritmos e a inteligência artificial que está tomando conta dos processos de identificação dos perfis e das características de cada um de nós: lembre-se que no Brasil 70% da população, cerca de 126,9% faz uso da Rede e passa cerca de 60% do tempo útil (equivalente a 365 dias menos 145 dias conectado (6 horas por dia) e 121 dias equivalentes a 8 horas de sono em média). Não é difícil imaginar qual é o impacto disso e de como estamos vulneráveis e à mercê dessas ferramentas.

Outro aspecto é que boa parte de nossa “navegação” na rede é “logada” e o acesso e uso aos aplicativos, uma infinidade deles, é feito mediante registro onde fornecemos nossos dados, além de autorizarmos o uso deles e até de nossos relacionados, às conexões que possuímos. Ou seja, a partir daí não existe mais privacidade e nossos dados só Deus sabe onde estão sendo utilizados… e como estão sendo utilizados.

UMA VOLTA NO TEMPO…

Depois de ter vendido o ZEEK (Achei) um dos mais importantes Mecanismos de Buscas a atuar no Brasil em meados dos anos 90, desenvolvi um novo projeto chamado IMAIS que apostava num modelo de Segmentação e baseava-se em Conteúdos, como modelo de relevância para atrair determinados segmentos (público alvo).

O IMAIS se propunha a “vender” os espaços publicitários de sites de conteúdos segmentados, alguns dentre os mais importantes à época e que eram independentes (não pertenciam aos grandes portais como UOL, TERRA, GLOBO dentre outros). Assim, reunia num mesmo Portal mais de 1.000 sites de conteúdos relacionados a: Moda, Saúde, Beleza, Arquitetura, Decoração, Entretenimento, Esportes e assim por diante.

Já nessa época, há mais de 20 anos atrás, possuíamos algoritmos e tecnologias de personalização que nos permitia “servir” publicidade contextualizada aos visitantes o que produzia uma taxa espetacular do que chamávamos “click rate” (% de vezes que uma pessoa clica num banner publicitário apresentado num determinado site) e para isso utilizávamos uma ferramenta espetacular chamada “Doubleclick” (*).

A efetividade era tanta que fomos uma das primeiras (senão a primeira) a vender campanhas cobrando custo por click (CPC).

Agora: você consegue imaginar o grau de sofisticação desta tecnologia que já tem mais de 20 anos? É isso que tenho dito a vocês em vários dos meus artigos e no ENSAIO A DIGITALIZAÇÃO SOCIAL, cuja leitura recomendo). Mas vamos adiante…

UMA APLICAÇÃO PRÁTICA DE SEGMENTAÇÃO NO CAMPO DA POLÍTICA

Apenas para citar um exemplo marcante (que se aplica a tudo que se possa imaginar), já que “política” é uma palavra chave nos dias de hoje. Essa simples palavra-chave, dada a polarização que vivemos já parece ser mais importante que o conteúdo. Uma armadilha, pois, estamos “emburrecendo” ou “alienando” as pessoas.

Sobre as eleições Americanas…

Numa eleição nos EUA (que é bem diferente da nossa pois não basta apenas somar votos válidos), por exemplo, quando eu sei que a maior parte de um Estado X é predominantemente REPUBLICANA ou DEMOCRATA (e isso determina quantos delegados um Estado soma ao colégio eleitoral, representando um determinado candidato, o que decide a eleição), onde minhas chances como candidato são mínimas por mais que eu faça ou invista, posso adotar uma ESTRATÉGIA de não investir muitos recursos (e tempo é um deles, além de $$$) nesse determinado Estado, certo?.

Assim posso me ocupar em garantir aqueles Estados onde já sou o preferido (me refiro à legenda que represento) ou tenho mais chances de ser o preferido.

De outra forma, se eu tenho muito $$$ e posso investir para tentar mudar a opinião desse grupo (segmento de eleitores do Estado X) se eu tiver como impactá-los de uma forma importante. Imagine se eu tiver todos os dados de comportamento, pensamento e preferências da maioria dos eleitores (potenciais, pois lá as eleições são opcionais) e… melhor ainda, se eu tiver acesso direto a ele de incontáveis formas via conteúdos.

Nesse aspecto, e isso é fato, está acontecendo de verdade, posso “bombardear” comunicação “dirigida” considerando que eu “conheço” cada um, de milhões de pessoas desse Estado X, sei inclusive qual a sua orientação política, e faço um trabalho “mental” quase um processo de hipnose individual e depois coletiva, para mudar sua escolha eleitoral. Simples, assim.

Talvez isso não fosse muito produtivo se o Estado X tivesse 90% de orientação DEMOCRATA, mas pense se esse mesmo Estado X tivesse 60% de Democratas e 40% de REPUBLICANOS? Eu teria que trabalhar com a meta de conquistar (aliciar/doutrinar/manipular) apenas 11% do eleitorado (em dados redondos) e óbvio, manter os que já estariam comigo.

Numa eleição polarizada como a dos EUA, um candidato ter acesso a cada um dos eleitores já previamente sabendo suas preferências; seus anseios; suas expectativas; seus medos …seria uma extraordinária vantagem competitiva no sentido de “convencer” novos eleitores a embarcar no meu “barco”.

Você deve estar pensando: Mas que viagem esse negócio de manipular um a um os eleitores… isso é uma ficção.

Pois acredite, ao que tudo indica, isso já aconteceu nas últimas eleições dos EUA quando a candidata DEMOCRATA que estava à frente de todas as pesquisas, perdeu a eleição para o REPUBLICANO Trump (procure conhecer melhor o Projeto Álamo e conheça o “case” Cambridge Analytica foi um fator decisivo).

Parece que agora, com a “Pimenta” adicional da Pandemia e os movimentos raciais (qualquer semelhança com o que rola no Brasil não é mera coincidência) estão promovendo algo semelhante por lá. Claro que lá o Jogo entre DEMOCRATAS e REPUBLICANOS é ainda mais Bruto pois ambos os partidos têm “cacife” para encarar essa “batalha” e muita coisa vai acontecer até novembro quando ocorrem as eleições por lá.

O que eu quero dizer e tenho dito:

Lá como cá, as Redes estão sendo usadas como “plataformas” para “fazer as nossas cabeças”. E como é uma questão de “poder” e me refiro a “poder econômico”, é natural que você veja “PERSONALIDADES” (influenciadores) se bandando da DIREITA para a ESQUERDA (em maior número, pois lá é que está o dinheiro) e vice-versa, o que faz parte do jogo que acreditem, ESTÁ APENAS COMEÇANDO. Felizmente, o Brasil já acordou…, mas a luta vai ser insana pois existem muitos interesses em jogo, um jogo Global e não apenas Local.

(*) A DOUBLECLICK que dominou a tecnologia de serviço de mídia desde os primórdios da internet foi disputada por Microsoft e Google no ano de 2005. O Google ganhou a parada, comprando a empresa por U$1.1 bilhão em abril de 2005 e a partir disso passou a dominar o mercado de publicidade online nos EUA.

Por JMC Sanchez | Articulista, palestrante, fotografo e empresário.

A hipocrisia da “grande mídia”: Todo jornalista é blogueiro?

Desde o inicio paira uma dúvida: TODO JORNALISTA É BLOGUEIRO?

Ao final, certamente, saberemos a resposta.

No último dia 26 de junho de 2020, o jornalista investigativo OSWALDO EUSTÁQUIO FILHO, devidamente registrado e com curso superior, foi preso a mando do Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

Segundo divulgado pela “grande mídia”, estaria em fuga para o Paraguai e localizado em região fronteiriça (a 314 quilômetros da divisa), e estaria envolvido em propagação e organização de supostos atos antidemocráticos, e não, no exercício de sua profissão.

Ao ser preso, a “grande mídia” o chamou de “BLOGUEIRO bolsonarista”, por ser de viés ideológico de Direita e apoiar abertamente o Presidente Jair Messias Bolsonaro, como sempre enchia o peito para falar no exercício de sua profissão.

Eu disse: “enchia”.

A partir da revogação de sua prisão temporária, ocorrida no último domingo, 05 de julho, o JORNALISTA OSWALDO foi calado.

Sim, ele foi calado. Não, o seu legado.

Mas, ele não é jornalista e está protegido pelo sigilo da fonte e da liberdade de expressão?

Para o OSWALDO, isso foi esquecido.

Pois bem.

Na terça-feira (07 de julho de 2020), quando o Presidente Jair Bolsonaro informou a “jornalistas” (ou blogueiros?) que testou positivo para a COVID-19, a “grande mídia” o recriminou por supostamente colocar em risco os “profissionais” da “grande mídia”, ali chamados de JORNALISTAS.

Mas não seriam blogueiros?

Não bastasse a ignomínia insculpida pela “grande mídia”, eis que apareceu um ignóbil “jornalista” (blogueiro) da FOLHA (ou Foice?) e despejou todo o seu “gabinete do amor” ao afirmar que desejava a morte do presidente. MORRA!

Isso sim é liberdade de expressão. Desejar a morte do presidente e ainda receber apoio da “grande mídia” e de órgãos como a ABI, Associação Brasileira de Imprensa, que bateram palmas.

VIVA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

Ao final do dia, contudo, houve o ressurgimento das cinzas do Ministro da Justiça e Segurança Pública, anunciando nas redes sociais que iria acionar a Polícia Federal para apurar a liberdade de expressão do blogueiro, ops, jornalista da Folha (ou Foice), que desejou expressamente a morte do Presidente Jair Bolsonaro.

Assim, fica a dúvida: TODO JORNALISTA É BLOGUEIRO E TEM PLENA LIBERDADE DE EXPRESSÃO?

Diz o ditado popular que “PAU QUE BATE EM CHICO, TAMBÉM BATE EM FRANCISCO”.

Mas não se alegre, a liberdade de expressão tem lado e viés: ESQUERDA.

Assim, ficou evidenciado que existem “JORNALISTAS BLOGUEIROS”, que apoiam e difundem o viéis esquerdóide, mas também os “BLOGUEIROS JORNALISTAS”, que apoiam e são de Direita, estes, aliás, criminalizados por suas opiniões.

Mas TODOS NÃO SÃO IGUAIS PERANTE A LEI?

Todo JORNALISTA é blogueiro ou todo BLOGUEIRO é jornalista?

Bem, na prática, apenas os ESQUERDÓIDES possuem a igualdade entre eles, e aquele que sai da “linha”, é preso, humilhado e sua reputação destruída.

E a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA, a famosa “ABI”, como fica nessa historia?

Fácil explicar: SOLTOU NOTINHA DE REPÚDIO À INTENÇÃO DE INVESTIGAR O “JORNALISTA” (blogueiro) da FOLHA por exercer a sua liberdade de expressão.

E sobre a prisão do OSWALDO? Nem um pio.

Difícil é ENGOLIR a omissão, silêncio e cumplicidade da ABI e outras entidades que supostamente representariam os JORNALISTAS, ou BLOGUEIROS, em ignorar a prisão do JORNALISTA, considerado “blogueiro bolsonarista”, por também exercer a sua liberdade de expressão.

Ué, LIBERDADE DE EXPRESSÃO só vale para os esquerdóides? Resposta: VOCÊ ESCOLHE.

Enfim, acredito que agora caiba a resposta à pergunta inicial: TODO JORNALISTA É BLOGUEIRO?

Sim, mas apenas aqueles que não se convertem à esquerdopatia dominante na “grande mídia”.

Por fim, só nos resta a ORAÇÃO e REZA para afastar esse cálice da esquizofrenia comunista de nossas vidas, e que nossa futura geração entenda e compreenda que o Brasil não é feito de ESQUERDA e DIREITA, e sim, por e para todos nós.

Afinal, todos somos brasileiros. Então, “TODO JORNALISTA É BLOGUEIRO.”

Viva a LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

Por Paulo Faria | Advogado

%d blogueiros gostam disto: