Pandemia: Cresce o número de Auxílio-Funeral em Porto Velho

O benefício é oferecido pela prefeitura e somente atende famílias em situação de vulnerabilidade social.

Com o aumento no número de óbitos provocado pela pandemia da Covid-19 fez crescer, em mais de 120%, os pedidos de auxílio-funeral, benefício eventual oferecido pela Prefeitura de Porto Velho nas situações de morte, para quem não pode arcar com os custos do funeral.

O benefício é concedido através da Secretaria Municipal de Assistência Social e da Família (Semasf) às pessoas cuja renda não é suficiente para suportar os gastos de um enterro, mas que se enquadram em um perfil estabelecido para estas situações.

Em 2019, sem os eventos decorrentes da pandemia, a Prefeitura realizou 211 atendimentos de auxílio-funeral. Em 2020, o número saltou para 469 registros.

Na comparação entre os dois períodos, houve um aumento de 122,27%. Comparando os dois primeiros meses do ano de 2021 em relação ao ano anterior, janeiro somou acréscimo de 40,63% e fevereiro 52,38%.

A assistência funerária é um benefício eventual da assistência social do município, que tem como objetivo atender as pessoas ou famílias em situação de extrema vulnerabilidade, que não podem arcar com os custos diante da morte de um ente querido, “sem que haja riscos a sua própria subsistência.

O serviço oferecido pela Prefeitura inclui o fornecimento da urna funerária, sepultamento e a taxa do cemitério.

Para ter direito ao benefício, além da situação de extrema vulnerabilidade social, a pessoa deve atender a outros critérios como ser moradora de Porto Velho e estar inscrita no Cadastro Único (CadÚnico), o instrumento que identifica as famílias de baixa renda para serem inseridas nos programas sociais do Governo Federal, Estado ou Município.

Para requerer a assistência funerária, o interessado pode ligar para o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), 98473-5966, que atendem durante 24h.

Fonte: Comdecom

Mortes por covid entre maiores de 80 anos na Europa têm menor nível

Diretor regional da OMS disse que vacinação é responsável pela queda na taxa, que alcançou 30% neste mês

A proporção de mortes por covid-19 na Europa entre os idosos maiores de 80 anos caiu para seu nível mais baixo desde o início da pandemia, até representar 30%, graças à vacinação, disse nesta quinta-feira (15) o diretor regional da OMS, Hans Kluge.

“Nos últimos dois meses, a tendência nas pessoas maiores de 80 anos se distanciou da tendência observada em todas as outras faixas etárias, o que pode ser consequência da grande proporção da vacinação neste grupo de alto risco”, afirmou Hans Kluge em coletiva de imprensa online em Atenas. 

A seção da Europa da Organização Mundial da Saúde, que no início de abril registrou o número de casos “mais preocupante em meses”, com um aumento rápido e contínuo, agora vê “sinais de alerta que indicam que a transmissão poderia diminuir em vários países”, acrescentou.

A OMS continua pedindo a vigilância em um momento em que, segundo seus dados, há uma média de 160 novos casos por minuto em toda a região.

Na União Europeia, a campanha de vacinação permitiu até esta quinta-feira que 16,9% da população recebesse uma primeira dose, segundo dados oficiais coletados pela AFP.

Fonte: R7

Indonésia procura mais de 70 desaparecidos nas cheias

Número de mortos é pelo menos 119

As equipes indonésias de emergência estão trabalhando contra o relógio em várias ilhas para tentar encontrar algumas das mais de 70 pessoas que desapareceram nas cheias dos últimos dias. Até agora, o número de mortes chega a 119. 

As chuvas que atingem a região dificultam as buscas, e centenas de policiais, militares e moradores têm escavado entre os escombros, com as próprias mãos e com pás e enxadas, à procura de mais pessoas.

Além disso, quase uma dezena de helicópteros foram mobilizados para dar ajuda e distribuir alimentos e outros materiais essenciais nas áreas mais remotas, onde os militares têm difícil acesso, informou a agência indonésia de gestão de desastres.

O número de mortos na Indonésia ainda é impreciso, tendo a agência Associated Press avançado com pelo menos 119 vítimas, enquanto a francesa AFP relata 124.

A tempestade resultante da passagem do ciclone tropical Seroja atingiu várias ilhas do arquipélago indonésio, sobretudo as de Lembata e Alor, além do vizinho Timor-Leste, onde já morreram 34 pessoas.

Em Lembata, a chuva torrencial lançou lava solidificada de uma erupção vulcânica para cima de uma dúzia de aldeias, matando pelo menos 28 pessoas e deixando 44 desaparecidos, de acordo com a agência de gestão de desastres.

A aldeia de Lamanele, na ilha de Adonara, foi, no entanto, a que sofreu maiores perdas – com 60 corpos recuperados até agora e 12 desaparecidos -, já que a lama caiu das colinas vizinhas na manhã de domingo (4) e atingiu pessoas que estavam dormindo. 

Desde o fim de semana, já desapareceram centenas de casas e edifícios e várias estradas foram destruídas, enquanto outras ficaram obstruídas por montanhas de lama e árvores caídas.

Cerca de 8 mil pessoas ficaram sem casa e estão distribuídas em vários centros e campos montados pelas autoridades para abrigar os desalojados.

A agência meteorológica indonésia avisou hoje que as chuvas fortes vão continuar até sexta-feira (9) em várias áreas do arquipélago, onde a estação das chuvas ocorre geralmente entre novembro e março.

A partir de sexta-feira, a tempestade deverá deslocar-se para o sul, em direção à Austrália.

A Indonésia sofreu 1.030 desastres naturais em 2021, incluindo terremotos, inundações, deslizamentos de terra, incêndios e tornados, que causaram 282 mortes até agora, sem contar as inundações mais recentes.

Fonte: Agência Brasil

Chacina em União Bandeirantes deixa 3 mortos

Uma criança de 12 anos, que conseguiu escapar da morte com mais três pessoas, relatou que momentos antes do crime seis pessoas estavam na casa ingerindo bebida alcoólica e jogando baralho.

Pai, filho e amigo são mortos a tiros.

Gilcimar de Oliveira Fonseca, 41 anos, o filho dele Guilherme Henrique da Silva Fonseca, 17 anos, e Jaderson Alves Pereira, 17 anos, foram mortos a tiros na noite de quarta-feira (10) em uma residência, localizada na Avenida 14 de Julho, no distrito de União Bandeirantes, em Porto Velho. Os suspeitos, Eliseu C. S., Gediel M. S., e Reginaldo A. S., foram presos pela Polícia Militar.

A Polícia foi acionada por populares, informando que na residência haviam três pessoas baleadas.

Rapidamente, os militares foram até o local, e constataram que as vítimas estavam sem sinais vitais. Uma equipe médica foi acionada e confirmou as mortes.


Uma criança de 12 anos, que conseguiu escapar da morte juntamente com outras três pessoas, relatou aos policiais que momentos antes do crime seis pessoas estavam na casa ingerindo bebida alcoólica e jogando baralho.

Em um determinado momento, três homens armados invadiram a casa e ordenaram que todos deitassem no chão. Com medo de morrer, Guilherme implorou perdão dos assassinos, mas foi o primeiro a ser executado com nove disparos que atingiram a cabeça, tórax e braço.

Logo em seguida, os criminosos executaram Gilcimar e Jaderson com tiros na cabeça. Após a execução, o trio fugiu.

Durante a apuração, os policiais militares receberam informações de que havia três homens em atitudes suspeita em um prostíbulo na região.

No endereço, foi feita uma revista e em um dos quartos ocupados por um dos suspeitos os policiais encontraram dois revólveres calibre 38, com munições deflagradas e uma pistola municiada.

Os três receberam voz de prisão, e foram encaminhados para a Central de Flagrantes de Porto Velho, onde ficaram à disposição da justiça. A Polícia Civil seguirá com as investigações.

Surto de Ebola no oeste da África já deixou pelo menos 10 mortos

Seis pessoas morreram na Guiné e outras quatro na República Democrática do Congo; outros 17 casos já foram confirmados

O novo surto de Ebola em países da África ocidental já deixou 10 mortos, segundo divulgou a Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta quarta-feira (24). Seis das vítimas morreram na Guiné, o primeiro país a declarar uma nova epidemia da doença, há pouco mais de uma semana, e outras quatro, na República Democrática do Congo.

Os dois países confirmaram, juntos, que têm 17 casos confirmados da doença: 9 na Guiné e 8 na RDC. Além disso, foram identificadas 1185 pessoas (394 na Guiné e 791 na RDC que tiveram contatos com as pessoas infectadas.

No caso da República Democrática do Congo, a OMS também divulgou que 658 pessoas já receberam a vacina contra o Ebola, um tipo de febre hemorrágica altamente contagioso transmitido pelo contato com animais infectados e pelos fluidos corporais das pessoas contaminadas. A Guiné iniciou a vacinação na terça-feira, mas ainda não forneceu números.

Chegada das vacinas

Este é o primeiro surto de Ebola na África Ocidental desde a epidemia de 2013-2016, que causou mais de 11.300 mortes, principalmente na Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Fonte: R7

Rondônia registra 25 novas mortes por coronavírus e passa dos 2,5 mil óbitos neste domingo (14)

Desde março de 2020, já são 2.509 mortes por Covid no estado. Neste domingo, Rondônia tem 656 pacientes internados.

Rondônia registrou 25 novas mortes e 819 novos casos de Covid-19 neste domingo (14). Os dados são do painel da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Dos 25 óbitos neste domingo, 14 foram registrados em Porto Velho, 4 em Ariquemes, 1 em Jaru, 1 em Alta Floresta, 1 em Buritis, 1 em Nova Mamoré, 2 em Cujubim e 1 em Alvorada do Oeste. Segundo a Sesau, 15 dessas vítimas são do sexo masculino.

Com esse novo boletim, o estado soma 136.606 casos confirmados desde março de 2020, quando a pandemia chegou em Rondônia. Até este domingo, 2.509 rondonienses perderam a vida por causa da doença.

Registro de casos e mortes por Covid-19 em Rondônia em 2021

Veja os registros diários do mês de fevereiro

Segundo o boletim Covid, Rondônia também tem:

17.257 casos ativos de Covid-19 no estado
656 pacientes internados nos hospitais
116.837 pacientes recuperados
879 testes aguardando resultados do Lacen

População vacinada
  • 35.584 pessoas foram vacinadas contra Covid-19 em Rondônia até o levantamento de 18h09
  • Sendo 22.261 profissionais de saúde
  • 9.604 idosos institucionalizados vacinados
  • 3.719 indígenas vacinados

Fonte: G1/RO

Ciclone em Moçambique deixa pelo menos nove mortos

Pessoas afetadas por tempestades em janeiro chegam a 288.400

Pelo menos nove pessoas morreram devido ao ciclone Eloise, em Moçambique, e o total de pessoas afetadas pela tempestade e outras cheias de janeiro chega a 288.400, anunciaram as autoridades.

Sete mortes foram registradas na província de Sofala, outra na Zambézia e uma em Manica, regiões no centro do país, mostra o mais recente balanço do Instituto Nacional de Gestão de Desastres (INGD) moçambicano, publicado hoje (27) no jornal diário estatal Notícias.

De acordo com o INGD, operações de busca e salvamento são feitas naquelas regiões, onde a Organização das Nações Unidas (ONU) estima a existência de 18 mil desalojados.

O ciclone Eloise atingiu o centro de Moçambique no sábado (23), depois de a tempestade Chalane ter provocado sete mortes, na mesma zona, no fim de 2020.

O país está em plena época chuvosa e ciclônica, que ocorre entre os meses de outubro e abril, com ventos procedentes do Oceano Índico e cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral.

O período chuvoso de 2018/2019 foi dos mais severos que já ocorreram em Moçambique: – 714 pessoas morreram, incluindo 648 vítimas de dois dos maiores ciclones (Idai e Kenneth) que já atingiram o país em tão poucas semanas.

Fonte: Agência Brasil

Terremoto causa desabamento de hospital na Indonésia

Até agora, há pelo menos 34 mortos

O número de mortes em consequência de um tremor de terra na Ilha de Celebes, na Indonésia, que causou o desabamento de um hospital, chega a pelo menos 34, informaram as autoridades. As buscas prosseguem nos escombros do ospital e de outros edifícios.

“Segundo as informações mais recentes, há 26 mortos, todos na cidade de Mamuju”, a capital da província abalada pelo sismo, disse à AFP o responsável pela agência local de gestão de catástrofes, Ali Rahman. Além desses, mais oito pessoas morreram em Majene, uma localidade próxima.

Um balanço inicial indicava três mortos e 24 feridos na cidade de 110 mil habitantes, onde desabou o hospital, deixando doentes e profissionais de saúde presos nos escombros.

“O hospital está destruído. Ruiu. Há doentes e pessoal do hospital presos nos escombros e estamos retirando”, disse o representante dos serviços de socorros na cidade de Mamuju.

Entre dez e 20 pessoas podem estar presas nos escombros e há centenas de feridos, de acordo com as autoridades locais.

O terremoto, de magnitude 6,2, segundo o Instituto norte-americano de Geofísica, foi registrado às 18h18 dessa quinta-feira (14, horário de Lisboa), com epicentro 36 quilômetros (km) ao sul de Mamuju e profundidade de 18 km. 

Desabamentos provocados pelo tremor cortaram o acesso a uma das principais estradas da província. O sismo também causou danos no aeroporto local.

A agência norte-americana alertou para o perigo de réplicas, “que poderão ser tão ou mais fortes” que o sismo registrado, alertou a responsável, Dwikorita Karnawati, pedindo aos habitantes para se afastarem do mar, por haver risco de tsunami.

O forte sismo provocou pânico na ilha, já abalada em setembro de 2018 por um tremor de magnitude 7,5, seguido de um tsunami devastador, que deixou 4.300 mortos e desaparecidos e pelo menos 170 mil desalojados.

*Com informações da RTP

Fonte: Agência Brasil

Alemanha registra mais de mil mortes em 24h pela 1ª vez

Autoridades acreditam que número se deve aos atrasos na divulgação de dados e não ao número de óbitos em um único dia.

A Alemanha ultrapassou pela primeira vez a marca de mil mortes em decorrência da covid-19 em 24 horas, anunciou nesta quarta-feira (30) o Instituto Robert Koch.

Os novos casos da doença somaram 24.740, elevando para 1.687.185 o número de diagnósticos positivos desde o início da pandemia. O país também registrou no total 32.107 óbitos.

“A explicação mais plausível para o alto número de vítimas registrado é que os dados chegaram tarde”, explicou o presidente do Instituto Robert Koch, Lothar Wieler, citando a desaceleração das atividades dos órgãos de saúde no feriado.

Wieler alertou que “quanto menos intensamente celebrarmos a passagem de ano, melhor começaremos o ano em janeiro”.

O governo já deu indicações que deverá prolongar as atuais medidas contra o novo coronavírus para além de 10 janeiro de 2021. Os líderes regionais e a chanceler do país, Angela Merkel, irão se reunir no dia 5 do mesmo mês para avaliar a situação da doença na Alemanha.

Vacinação na Alemanha

Bem como a grande maioria dos países da União Europeia (UE), a Alemanha começou sua campanha de vacinação no domingo (27). A primeira a receber a imunização foi uma mulher de 101 anos em uma casa de repouso.

De acordo com um porta-voz do Ministério da Saúde do país, a Alemanha deverá ter até o final do primeiro trimestre de 2021 entre 11 e 13 milhões de doses da vacina da farmacêutica Pfizer e do laboratório BioNTech.

Fonte: R7

Esfaqueamento no interior de uma igreja deixa três mortos, em Nice

Um homem foi detido pela polícia

Pelo menos três pessoas morreram e várias ficaram feridas, em um esfaqueamento, ocorrido na cidade francesa de Nice. O ataque aconteceu na manhã de hoje (29), em uma igreja. O autor do ataque foi detido. O departamento francês anti-terrorismo foi já chamado para investigar o caso tratado como assassinato e tentativa de assassinato.

O prefeito de Nice, Christian Estrosi, anunciou que o suspeito foi detido e que tudo aponta para um ataque terrorista. Enquanto era detido, o homem gritou “Deus é Grande”. Ele foi levado para um hospital com ferimentos de bala, decorrentes do momento da detenção.

Imagem
Ataque a faca deixa três mortos na cidade francesa de Nice 

Já o ministro do Interior informou que haverá uma reunião de crise devido ao acontecimento. O prefeito de Nice disse ainda que o Presidente Emmanuel Macron irá à cidade, ainda nesta quinta-feira.

Duas das vítimas teriam falecido na Igreja. Uma delas teria sido degolada. Uma pessoa ferida fugiu para um bar nas proximidades, mas também morreu, de acordo com uma fonte policial citada pela Agência France Press. O ataque ocorreu por volta das 9h (5h em Brasília) perto da igreja Notre-Dame, quando começava a missa da manhã.

Não há ainda informação sobre os motivos deste ataque em Nice, mas a polícia fala de uma situação grave, com explosões conduzidas pela polícia, durante a operação.

Relatado ataque de faca na cidade francesa de Nice
Ataque a faca deixa três mortos na cidade francesa de Nice 

Professor morto

O ataque ocorre no momento em que a França ainda tem presente na memória a morte de um professor, Samuel Paty, alegadamente decapitado por ter mostrado, em sala de aula, caricaturas de Maomé que tinham sido publicadas pelo Charlie Hebdo e que motivaram à época ataques terroristas.

O prefeito de Nice considera que “13 dias depois do ataque a Samuel Paty, o nosso país não pode mais se contentar com as leis de paz para destruir o fascismo islâmico”.

Relatado ataque de faca na cidade francesa de Nice
Policiais nas ruas de Nice, após ataque a faca em uma igreja da cidade 

Pandemia

O ataque ocorreu enquanto a Assembleia Nacional discutia o confinamento para combater a pandemia do novo coronavírus. A Assembleia fez um minuto de silêncio em solidariedade às vítimas e seus parentes.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, saiu às pressas da Assembleia Nacional para se dirigir à unidade de crise. O Presidente francês, Emmanuel Macron, também marcou presença na reunião, anunciou o palácio do Eliseu.

Nice esteve foi palco, em 2016, de um ataque que deixou 86 mortos na famosa avenida Promenade des Anglais, em 14 de julho, em pleno feriado nacional.

Fonte: Agência Brasil

%d blogueiros gostam disto: