ONU defende diálogo com talibãs para evitar “milhões de mortes”

Secretário-geral diz que é preciso evitar colapso econômico

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, pediu que a comunidade internacional mantenha diálogo com os talibãs, para evitar o colapso econômico no Afeganistão, com milhões de mortes.

“É preciso manter um diálogo com os talibãs, no qual afirmamos os nossos princípios de forma direta, no sentido de solidariedade com o povo afegão”, disse Guterres nessa quinta-feira (9), em  entrevista à agência de notícias France-Presse.

“Nosso dever é estender a solidariedade a um povo que sofre enormemente, onde milhões e milhões estão em risco de morrer de fome”.

Guterres considerou que não há garantias por ser uma situação imprevisível. “Os talibãs devem estar envolvidos, para que o Afeganistão não seja um centro de terrorismo, para que mulheres e jovens não percam todos os direitos adquiridos durante o período anterior, para que os diferentes grupos étnicos se sintam representados”.

Nos contatos mantidos até agora, “há pelo menos receptividade para falar”, assegurou o ex-primeiro-ministro português, que não excluiu a possibilidade de visitar um dia o país se as condições forem adequadas.

A ONU quer “um governo inclusivo”, no qual a sociedade afegã esteja amplamente representada e “este primeiro governo provisório”, anunciado há alguns dias, “não dá essa impressão”.

“É preciso respeito pelos direitos humanos, pelas mulheres e jovens. É preciso que o terrorismo não tenha base no Afeganistão para lançar operações em outros países e é preciso que os talibãs cooperem na luta contra a droga”, reiterou.

A ONU quer que o Afeganistão possa “ser governado em paz e com estabilidade, com respeito pelos direitos humanos”, disse Guterres.

De sua parte, os talibãs “querem ser reconhecidos, querem o fim das sanções, apoio financeiro e isso dá à comunidade internacional alguma influência”, acrescentou.

Segundo o secretário, o governo provisório talibã ainda não foi reconhecido internacionalmente, mas é preciso “evitar uma situação de colapso econômico que pode ter consequências humanitárias terríveis”.

É possível, tomando o exemplo do que aconteceu com o Iêmen, fornecer a Cabul “instrumentos financeiros”, independentemente das atuais sanções, “para permitir que a economia respire”, observou.

Para Guterres, “é do interesse da comunidade internacional medidas específicas para permitir que a economia afegã respire.

Na terça-feira (7), os talibãs anunciaram um governo provisório totalmente masculino para o Afeganistão, com veteranos de sua linha dura, que governou o país entre 1996 e 2001, e da luta de 20 anos contra a coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, que terminou em agosto.

Fonte: Agência Brasil

Programa Tele UTI diminui números de mortes de mulheres grávidas com covid-19 em RO

O recurso foi instalado no Hospital de Base e possibilitou tratamento mais adequado e a diminuição dos índices de mortalidade de mulheres grávidas acometidas pela covid-19 no Estado.

Na ponta entre os melhores 20 hospitais do país que utilizam o sistema do Tele UTI do Ministério da Saúde (MS), o Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro (HBAP), do Governo de Rondônia, tornou-se referência no atendimento a gestantes com covid-19 internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No local, o debate de cada caso e a proposta as melhores alternativas de tratamento acontecem por videoconferência com especialistas do MS e das melhores instituições de saúde.

Pelo sistema de Tele UTI, segundo a enfermeira Patrícia Oliveira, coordenadora do projeto no HBAP, esse tipo de atendimento constitui um importante avanço para os serviços de saúde, tendo em vista a rapidez e a segurança que dá aos procedimentos com o emprego dos recursos da Tecnologia da Informação (TI). Ela explicou que através de videoconferências (chamadas de vídeo) realizadas de médico para médico, as equipes ajustam seus entendimentos e sempre decidem pela melhor conduta clínica para cada paciente (mulher) internada nos leitos de UTI, em tratamento específico da covid-19.

Ela ainda destacou a iniciativa do Ministério da Saúde com o projeto e a adesão do Governo de Rondônia ao Tele UTI, que está resultando numa das mais importantes medidas de combate e tratamento contra a covid-19. O projeto, segundo a coordenadora, foi a ferramenta adequada na luta pela diminuição da mortalidade de mulheres infectadas pelo coronavírus no Hospital de Base. “A situação anterior era assustadora, com as pacientes indo logo a óbito, mas já conseguimos mudar esta realidade e essas pacientes estão tendo mais chances, mais oportunidades de tratamento da doença”, disse.

O TELE UTI

Criado em 2020 pelo Ministério da Saúde, no auge da pandemia do coronavírus, o programa Tele UTI é uma maneira de realizar a visita multiprofissional de forma remota, visando racionalizar o uso de recursos e otimizar o atendimento dos pacientes que estão internados em UTI. O objetivo central é auxiliar os médicos do Sistema Único de Saúde (SUS) nos atendimentos a casos de infecção pelo coronavírus. Com ele, os profissionais têm uma linha direta de comunicação por videoconferência com profissionais do MS e com as equipes médicas dos hospitais de excelência do país.

De acordo com informações do Ministério, o sistema está disponível para todos os hospitais do país que possuem leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com covid-19. Para as autoridades do órgão federal, a ideia é disseminar seus protocolos de manejo clínico e os fluxos de atendimento, com a expectativa de melhorar o cuidado ao paciente, uma vez que será possível monitorar a média de permanência e taxa de ocupação dos pacientes nos leitos, aumentar o giro e ampliar o acesso a UTI.

Para consecução desse objetivo ou para a concretude do projeto, com a disseminação desses protocolas de manejo clínico, considerados essenciais para o combate e tratamento da covid-19, o Governo Federal firmou parcerias essenciais com os cinco Hospitais do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (ProadiSUS): Hospital Alemão Oswaldo Cruz; HCor; Hospital Israelita Albert Einstein; Hospital Moinhos de Vento e Hospital Sírio-Libanês, instituições médicas de excelência no Brasil, que passaram a colaborar significativamente com o projeto, gerando os melhores resultados.

Nessas circunstâncias e nos termos do programa Tele UTI, são três os objetivos básicos: “promover os atendimentos as equipes das UTI, implementando protocolos baseado nas melhores práticas nacionais e internacionais de manejo destes casos; capacitar profissionais dessas UTI, de acordo com protocolo de atendimento destes pacientes; e estruturar um modelo de avaliação de resultados clínicos, possibilitando mensurar os resultados da linha de cuidado implementado”.

Fonte: Sesau

Chuvas do Ida inundam lares em Nova York e deixam 44 mortos

Resquícios do furacão provocaram chuvas torrenciais

Enchentes mataram pelo menos 44 pessoas em quatro estados do nordeste dos Estados Unidos (EUA), depois que resquícios do Furacão Ida desencadearam chuvas torrenciais que arrastaram carros, deixaram linhas do metrô de Nova York submersas e impediram voos, disseram autoridades nessa quinta-feira (2).

Em grande parte de Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia e Connecticut, moradores passaram o dia lidando com porões alagados, blecautes, tetos danificados e pedidos de ajuda de amigos e familiares ilhados por inundações.

Pelo menos 13 pessoas morreram na cidade de Nova York, assim como três no condado suburbano de Westchester. O governador de Nova Jersey, Phil Murphy, disse, em um tuíte, que ao menos 23 pessoas do estado foram mortas por causa da tempestade.

Três pessoas foram encontradas mortas em um porão do bairro nova-iorquino de Queens, e quatro moradores de Elizabeth, em Nova Jersey, morreram em um complexo residencial público, inundado por 2,4 metros de água.

O presidente dos EUA, Joe Biden, declarou emergência nos estados de Nova Jersey e Nova York e determinou assistência federal para ajudar nos esforços locais de recuperação, informou a Casa Branca.

Avenidas foram transformadas em correntezas semelhantes a rios em minutos, quando os aguaceiros chegaram na noite de ontem, prendendo motoristas nas águas que subiram rapidamente. Dezenas de veículos foram encontrados abandonados em avenidas. No condado de Somerset, em Nova Jersey, ao menos quatro motoristas perderam a vida, disseram autoridades.

Uma vítima de Maplewood Township, em Nova Jersey, foi arrastada enquanto parecia retirar destroços de bueiros, contou a polícia.

“Infelizmente, algumas pessoas faleceram como resultado disso”, disse Murphy em entrevista coletiva em Mullica Hill, na parte sul do estado, onde um vendaval destruiu várias casas.

O Serviço Nacional do Clima confirmou que dois vendavais que arrancaram árvores também atingiram Maryland na quarta-feira, um em Anápolis e outro em Baltimore. Um jovem de 19 anos morreu, tentando resgatar a mãe de um apartamento inundado de Rockville, em Maryland, de acordo com o jornal The Washington Post.

A devastação ocorreu três dias depois de o Ida, um dos furacões mais fortes a atingirem a Costa do Golfo dos EUA, chegar à terra firme no domingo na Louisiana, destruindo comunidades inteiras.

* Reportagens adicionais de Kanishka Singh, Maria Caspani, Peter Szekely, Jarrett Renshaw, Doina Chiacu, Susan Heavey, Nandita Bose, Daniel Trotta e Dan Whitcomb 

Fonte; Agência Brasil

Várias pessoas são mortas no Afeganistão em protestos contra Talibã

Foi o primeiro ato de oposição popular aos grupos que tomou Cabul

Manifestantes carregando bandeiras foram a várias cidades afegãs nesta quinta-feira (19). Várias pessoas foram mortas quando combatentes do Talibã dispararam contra uma multidão, disse uma testemunha. Este foi o primeiro ato de oposição popular aos militantes desde que eles tomaram a capital Cabul.

“Nossa bandeira, nossa identidade”, gritava uma multidão de homens e algumas mulheres, acenando com bandeiras nacionais pretas, vermelhas e verdes em Cabul, mostrou um vídeo divulgado nas redes sociais.

Uma mulher caminhava com uma bandeira sobre os ombros. O Afeganistão comemora a independência do controle britânico, conquistada em 1919, no dia 19 de agosto.

Um porta-voz do Talibã não estava disponível de imediato para comentar.

Em Asadabad, capital da província de Kunar, várias pessoas foram mortas durante uma manifestação, mas não ficou claro se as baixas resultaram de disparos ou da debandada causada pelos tiros, disse a testemunha Mohammed Salim.

“Centenas de pessoas saíram às ruas”, contou Salim. “De início, fiquei assustado e não queria ir, mas quando vi que um dos meus vizinhos participava, tirei a bandeira que tenho em casa.”

“Várias pessoas foram mortas e feridas na dispersão e pelos disparos do Talibã”, disse ele.

Manifestantes também foram às ruas de Jalalabad, cidade do leste afegão e um distrito da província de Paktia.

Nessa quarta-feira (18), combatentes do Talibã atiraram em manifestantes que acenavam com uma bandeira em Jalalabad e mataram três, relataram testemunhas e a mídia.

Em alguns lugares, manifestantes arrancaram bandeiras brancas do Talibã, de acordo com a mídia, que também citou cenas semelhantes em Asadabad e Khost, outra cidade do leste, ainda na quarta-feira.

O primeiro vice-presidente Amrullah Saleh, que está tentando congregar a oposição ao Talibã, expressou apoio aos protestos.

“Saúdem aqueles que carregam a bandeira nacional e assim defendem a dignidade de nossa nação”, disse ele no Twitter.

Na terça-feira, Saleh afirmou que está no Afeganistão e que é o “presidente interino legítimo”, já que o presidente Ashraf Ghani fugiu quando o Talibã tomou Cabul no domingo (15).

A repressão aos protestos cria novas dúvidas sobre as garantias do Talibã de que mudou desde que governou o país entre 1996 e 2001, quando reprimia severamente as mulheres, realizava execuções públicas e explodia estátuas budistas antigas.

Agora o Talibã diz que quer paz, que não se vingará de antigos inimigos e que respeitará os direitos das mulheres nos moldes da lei islâmica

Fonte: Agência Brasil

Operação na área da Fazenda Santa Carmem termina com três mortos durante troca de tiros em Nova Mutum

A polícia também apreendeu várias armas e munições. Segundo as equipes policiais a área é de conflito agrário.

Armamento apreendido em fazenda de Nova Mutum, distrito de Porto Velho  — Foto: Bope/Reprodução
Armamento apreendido em fazenda de Nova Mutum, distrito de Porto Velho

Três pessoas morreram e outras seis foram presas após confrontos com a polícia em uma região de conflito agrário em Nova Mutum Paraná, distrito de Porto Velho.

Segundo informações da Comissão Pastoral da Terra Regional Rondônia (CPT-RO), o confronto aconteceu na última sexta-feira (13) no Acampamento Ademar Ferreira, na região de Nova Mutum.

Os mortos foram identificados como os trabalhadores rurais sem-terra: Amarildo Aparecido Rodrigues, Amaral José Stoco Rodrigues e Kevin Fernando Holanda de Souza.

“Além dessas mortes, há informações de cinco pessoas que ainda estão desaparecidas, causando imensa aflição aos seus familiares”, disse a pastoral, em nota.

Participaram desse confronto, segundo a Polícia Militar de Rondônia, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o Batalhão de Polícia de Choque (BPchoque) e equipe da Força Nacional de Segurança Pública.

Questionado sobre os conflitos em Rondônia, o Ministério da Justiça e Segurança Pública informou  que a Força Nacional de Segurança Pública não estava presente na ação da última sexta-feira, que resultou em mortos e presos.

A Polícia Militar de Rondônia informou que durante patrulhamento na Fazenda Santa Carmen na última sexta-feira (13), o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) localizou um homem armado. Ele recebeu voz de prisão por porte ilegal de arma e pelo crime de esbulho possessório, já que tinha um barraco na região.

Durante buscas no local onde o homem foi encontrado, a PM viu várias munições e uma espingarda. Ao ser questionado sobre o material, o suspeito afirmou que o barraco e todas as armas pertenciam a um homem que havia lhe contratado para trabalhar na fazenda. O material foi apreendido.

Adiante, os policiais dizem que se depararam com um comboio de veículos de invasores que estava dentro daquela propriedade sem autorização. Esse grupo, de acordo com o boletim de ocorrência, foi em direção à equipe do Bope atirando, por isso os policiais revidaram. Um homem acabou baleado.

Na mesma região, momentos depois, segundo a PM, a equipe policial foi surpreendida por três homens. Dois deles atiraram e os policiais revidaram. Os dois homens foram alvejados.

Em nota a PM disse que “rapidamente foi solicitado apoio para que fosse prestado socorro aos feridos” e afirmou que o terceiro homem recebeu voz de prisão pelo crime de esbulho possessório.

Ao final da operação, outros quatro suspeitos de participação em grupos armados foram presos e conduzidos à Central de Polícia pelos crimes de esbulho possessório e porte ilegal de arma.

Fonte: G1/RO

Terremoto no Haiti registra pelo menos 29 mortes e dezenas de feridos

Tremor foi sentido até em Cuba e na Jamaica

O terremoto de magnitude 7,2 que atingiu o Haiti neste sábado (14) já matou pelo menos 29 pessoas e deixou dezenas de feridos, derrubou igrejas, hotéis e casas, na mais recente tragédia a atingir o país caribenho envolto em crises humanitária e política.

Seguido por uma série de choques posteriores, o tremor teve seu epicentro 8 quilômetros ao sul de Petit Trou de Nippes, cidade a cerca de 150 quilômetros a oeste da capital, Porto Príncipe, e teve uma profundidade de 10 quilômetros, afirmou a agência geológica norte-americana Geological Survey.

O tremor foi sentido até em Cuba e na Jamaica e é potencialmente maior do que o terremoto de magnitude 7 de 11 anos atrás, que matou dezenas de milhares de pessoas na nação mais pobre das Américas.

Este terremoto, que ocorreu por volta das 8h30, horário local – foi mais longe da capital. Foi sentido em Porto Príncipe, mas não parece ter causado grandes danos, segundo testemunhas da Reuters, o que significa que provavelmente haverá menos mortes do que no devastador desastre de 2010.

A maior cidade mais próxima foi Les Cayes, com população de aproximadamente 126 mil pessoas, onde muitos prédios desabaram ou sofreram grandes danos, de acordo com as autoridades, que disseram que estavam procurando sobreviventes nos destroços.

“Contamos um total de 29 mortes até agora e uma quantidade importante de feridos”, afirmou o diretor de Proteção Civil, Jerry Chandler, em entrevista coletiva.

O primeiro-ministro Ariel Henry declarou estado de emergência de um mês.

Em Lee Cayes, moradores disseram que houve breves enchentes na cidade costeira. Houve pânico por medo de um tsunami, mas a água teria recuado em seguida. Veículos de imprensa do Haiti relataram que algumas pessoas da região costeira já haviam fugido para áreas mais altas.

O presidente norte-americano Joe Biden autorizou uma resposta imediata dos Estados Unidos ao terremoto e nomeou Samantha Power, administradora da Agência para Desenvolvimento Internacional, para coordenar a operação.

Fonte: Agência Brasil

Avião com 28 passageiros cai no extremo leste da Rússia

Segundo equipes de busca, não há possibilidade de sobreviventes

Um avião com 28 passageiros caiu hoje (6) no extremo leste da Rússia, informaram agentes de resgate, segundo agências de notícias russas.

O Antonov An-26, de duas turboélices, ia da capital regional Petropavlovsk-Kamchatsky a Palana, um vilarejo ao norte da península de Kamchatka, quando perdeu contato com o controle de tráfego, disse o Ministério de Emergências.

A agência de notícias Interfax relatou que se acredita que o avião tenha caído em um penhasco, quando se preparava para pousar em condições de baixa visibilidade.

A agência de aviação civil russa confirmou que o local da queda do avião foi encontrado depois que o Ministério de Emergências enviou um helicóptero e mobilizou equipes terrestres para procurarem a aeronave desaparecida.

Havia 22 passageiros e seis tripulantes a bordo, disse o ministério. Olga Mokhireva, a prefeita de Palana, estava entre os passageiros, disseram autoridades municipais, informou a agência de notícias Tass.

O clima na área estava nebuloso no momento em que o avião desapareceu. A Tass disse que a aeronave envolvida estava em uso desde 1982.

Os padrões de segurança aérea da Rússia melhoraram nos últimos anos, mas os acidentes, especialmente com aviões antigos em regiões remotas, não são incomuns.

Fonte: Agência Brasil

Fiocruz: com avanço da vacinação, mortes e ocupação de UTIs têm queda

Pesquisadores observam redução na incidência de mortes

O avanço da vacinação contra a covid-19 já produz impacto na mortalidade causada pela doença e na ocupação de leitos nas unidades de tratamento intensivo (UTI), segundo edição extraordinária do Boletim Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgada nesta quarta-feira (30).

Apesar da manutenção de níveis altos de transmissão da doença, em um patamar estável ainda mais elevado que o do ano passado, os pesquisadores observaram queda na incidência de mortes. A razão para esse descolamento nas tendências, segundo o boletim, pode ser explicada pela vacinação dos grupos de maior risco e exposição, como idosos, portadores de doenças crônicas e profissionais de saúde.

“Hoje, a cobertura vacinal dentro desses grupos é mais ampla em relação ao restante da população. Ao mesmo tempo, a circulação de novas variantes do vírus pode aumentar a sua transmissibilidade sem que isso represente, no entanto, um aumento no número de casos graves com necessidade de internação”, diz um trecho do estudo, que ressalta que a transmissão em patamares elevados gera casos graves entre grupos populacionais não vacinados ou com vulnerabilidade potencializada por fatores individuais ou sociais.

O boletim mostra que, entre 20 e 26 de junho, foi mantida uma incidência média de 72 mil novos casos de covid-19 por dia no país, o que representa uma oscilação de -0,2% ao dia em relação à semana anterior. Já a mortalidade média foi de 1,7 mil vítimas por dia, o que corresponde a uma queda diária de 2,5%. Apesar da redução no número de óbitos, que chegou a uma média de 3 mil por dia no pico da pandemia, a Fiocruz ressalta que a mortalidade ainda é considerada muito alta e “não permite afirmar que haja qualquer controle da pandemia no Brasil”.

Ocupação de leitos

Sobre a internação de casos graves da doença, os pesquisadores destacam que as taxas de ocupação de leitos de UTI covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde  (SUS), observadas no dia 28 de junho de 2021, mostram quedas expressivas no Nordeste e nos estados do Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, no Centro-Oeste. Por outro lado, Tocantins, Paraná e Santa Catarina são os que apresentam situação mais preocupante.

“A vacinação começa a dar sinais de resultados positivos de forma mais sensível com a ampliação da cobertura de grupos etários de menos de 60 anos. O estudo verificou também que a situação dos leitos de UTI – que atingiu o nível máximo de sobrecarga e colapso em meados de março de 2021 – parece ir se consolidando em patamares melhores, ainda que em cenário de predominância de algum alerta, requerendo cuidados para evitar nova piora”, diz um trecho do boletim.

Segundo o levantamento, oito unidades da federação (UF) estão com mais de 80% dos leitos de UTI para covid-19 ocupados, o que é considerado cenário de alerta crítico. São elas: Distrito Federal (81%), Goiás (85%), Mato Grosso do Sul (88%), Paraná (94%), Roraima (87%), Sergipe (88%), Santa Catarina (92%) e Tocantins (90%).

O grupo de UFs em alerta crítico é o menor desde o boletim de 1° de fevereiro, quando sete estados estavam nessa situação. No pior momento da pandemia para a ocupação de leitos, em 15 de março, o país chegou a ter 24 estados e o DF em situação crítica simultaneamente.

Apesar da melhora, a maior parte do país continua na zona de alerta intermediário, com entre 60% e 79% de ocupação de leitos. É o caso de Amazonas (63%), Pará (64%), Maranhão (79%), Piauí (76%), Ceará (74%), Rio Grande do Norte (72%), Pernambuco (76%), Alagoas (77%), Bahia (75%), Minas Gerais (75%), Espírito Santo (63%), Rio de Janeiro (63%), São Paulo (76%), Rio Grande do Sul (79%), Mato Grosso (75%).

Acre (37%), Amapá (55%), Paraíba (59%) e Rondônia (58%) estão na zona de alerta baixo, com menos de 60% de leitos ocupados. Entre esses estados, o Acre é o que está há mais tempo nessa situação, desde 10 de maio.

Medidas de prevenção

A Fiocruz alerta que as medidas de combate à transmissão da doença devem continuar sendo adotadas por estados e municípios até que seja decretado o fim da pandemia no Brasil. O lockdown continua a ser recomendado para todos os locais com taxa de ocupação de leitos de UTI maior que 85%, e um conjunto de medidas deve ser mantido pelos demais gestores públicos.

A fundação explica que devem ser combinadas medidas que reduzam a propagação do vírus e a sobrecarga do sistema de saúde com ações que garantam os insumos necessários para o atendimento aos pacientes e políticas que reduzam os impactos sociais e sanitários da pandemia, principalmente para as populações e grupos mais vulneráveis.

Os pesquisadores também aconselham que o momento de redução nas internações é uma oportunidade para reorganizar o sistema de saúde, reforçar medidas de prevenção, promover campanhas de comunicação, testar e rastrear casos suspeitos e atender demandas represadas.

“O sistema de saúde precisa ser reorganizado para atender às demandas relacionadas à covid-19, sejam elas imediatas ou as que se colocarão por um tempo, relacionadas à covid-19 e às suas múltiplas manifestações incapacitantes. Além disso, outros casos, retidos em “fila de espera” neste ano e meio de pandemia, precisam ser objeto de atenção dentro desse processo de reorganização do sistema de saúde”.

Fonte: Valéria Aguiar A/B

Índia: ciclone já causou duas mortes e danos em cerca de 20 mil casas

Yaas atinge a costa oriental do país

Pelo menos duas pessoas morreram hoje (26) na Índia devido à passagem do ciclone Yaas, que varre a costa oriental do país e que também causou danos em cerca de 20 mil casas, informaram as autoridades.

“Uma das vítimas foi arrastada pelo mar e a outra morreu após sua casa desabar no distrito de East Midnapore”, declarou Mamata Banerjee, primeira-ministra do estado de Bengala Ocidental, no leste do país.

Segundo ela, a estação balnear de Digha foi “submersa” por ondas da altura de um ônibus de dois andares.

“Os rios transbordaram, inundando 12 ilhas e rompendo vários diques”, acrescentou Mamata Banerjee.

O ciclone Yaas, a segunda tempestade tropical a atingir a Índia em menos de duas semanas, segundo o Departamento Meteorológico indiano, prevê rajadas de até 155 quilômetros por hora.

Na semana passada, o ciclone Tauktae, primeira grande tempestade tropical da temporada, que atingiu em 17 de maio o estado do Gujarat, deixou pelo menos 155 mortos no oeste do país.

Desta vez, cerca de 1,5 milhão de pessoas que vivem ao longo da costa oriental do golfo de Bengala tiveram de deixar suas casas. A chuva torrencial e os ventos violentos atingem desde ontem as localidades e cidades costeiras.

As autoridades de Calcutá, capital do estado de Bengala Ocidental, determinaram o fechamento do aeroporto internacional e o mesmo ocorreu com o aeroporto de Bhubaneswar, capital do estado de Odisha.

Cerca de 5 mil socorristas, no total, foram mobilizados nos dois estados ameaçados, com meios de comunicação de emergência, barcos e assistência médica, informou a Força Nacional de Resposta a Desastres.

O Yaas também deverá interromper os esforços locais para combater a covid-19. A epidemia já matou cerca de 310 mil pessoas em todo o país.

Fonte: Agência Brasil

Pela segunda vez, Ismael Crispin pede o retorno de cirurgias eletivas para evitar mais mortes em Rondônia

Procedimentos foram suspensos em março do ano passado, no início da pandemia do covid-19

Na tarde desta terça-feira (25), o deputado Ismael Crispin (PSB) fez uso da tribuna durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa de Rondônia, para dar voz a população rondoniense que está há mais de um ano, implorando pelo retorno das cirurgias eletivas realizadas pelo Sistema Único de Saúde do Estado.

“Desde quando a pandemia começou em Rondônia, a realização de cirurgias eletivas, ou seja, as que não precisam ser realizadas em caráter de urgência, foram suspensas. Em agosto do ano passado, eu pedi urgência no retorno delas, pelo tanto de demandas que recebo, contudo, até o momento nada foi feito”, ressaltou.

O deputado apontou que as suspensões dos procedimentos foram determinadas através do Decreto Nº 24891 DE 23/03/2020 na rede pública e particular. “A rede particular já está realizando as cirurgias eletivas, mas a rede pública não. Só que o nosso povo rondoniense, não dispõe de tantos recursos financeiros para custear na rede privada todo o tratamento de saúde que necessitam”, destacou.

O parlamentar indagou que algumas pessoas até estão conseguindo cirurgias pela rede pública, mas, apenas aquelas que possuem “padrinhos”. “De maneira errada, de forma sorrateira, de maneira escondida, conseguem ir na regulação com apadrinhamento e conseguem marcar, enquanto isso, o restante da população não consegue, a não ser que esteja internado e quase morrendo e precisamos evitar mais mortes”, disse.

Ismael advertiu ainda, que esse tipo situação gera um constrangimento muito grande para aqueles que estão representando o povo. “Nós estamos andando no meio do povo e somos questionados. A proporção dessa situação é incalculável. O Governador de Rondônia está bem-intencionado com as ações em prol de Rondônia, contudo pode ser derrotado através da Secretaria de Saúde. É necessário ter muita responsabilidade, pois estamos cuidando de mais de 2 milhões de pessoas, são vidas, homens e mulheres que estão sucumbindo diante dessa situação”, finalizou. 

Texto: Laila Moraes – ALE/RO