Chega em Rondônia primeiro lote da vacina Janssen

No total são 10.900 doses da vacina Janssen e 24.400 mil doses da coronavac. Também está previsto para chegar mais doses da vacina Pfizer.

A Agencia Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), recebeu duas novas remessas contendo 35.330 doses de vacinas contra a covid-19, sendo:  24.400 mil doses da vacina Coronavac e 10.900 doses da vacina Janssen, destinadas a imunização da população prevista no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação (PNO). A chegada foi na tarde de quinta-feira (25).

A partir dessa etapa o Ministério da Saúde (MS) incorpora nas pautas de distribuição a vacina Janssen (Johnson & Johnson) com autorização temporária para uso emergencial concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O secretário de Estado de Saúde, Fernando Máximo, em coletiva a imprensa, na Central Estadual de Rede de Frio, em Porto Velho, ressaltou que a vacina Janssen é a única até o momento no Brasil com esquema vacinal de uma dose. Portanto, para ele o número de 10.900 doses reflete 10.900 pessoas imunizadas não só em Porto Velho, mas como em outras cidades do Estado.

“Essa vacina tinha um prazo de validade até dia 27 de junho e os técnicos da Anvisa reavaliaram e permitiram a dilação desse prazo até o dia 8 de agosto, desde que a vacina fique na temperatura adequada de 2 a 8 grau Celsius positivo. A vacina tem registro emergencial na Anvisa e essas doses serão distribuídas para todos os municipios”.

Este é o primeiro lote das vacinas Janssen, que são parte de um contrato para 38 milhões de doses entre o governo federal e o laboratório farmacêutico. De acordo com a 27ª pauta de distribuição do plano nacional de operacionalização da vacinação contra a covid-19 a vacina Janssen será destinada ao grupo prioritário de pessoas com comorbidade e pessoas com deficiência permanente, e a aplicação é em dose única.

As 24.400 doses de Coronavac [Butantan] vai atender com duas doses, respeitando intervalo estabelecido no protocolo sanitário, o público prioritário de trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso; trabalhadores de educação do ensino superior; trabalhadores de educação do ensino básico; e forças de segurança e salvamento e forças armadas.

DISTRIBUIÇÃO

Com as doses de Janssen e Coronavac, Rondônia acumula 839.728 doses de vacinas contra a covid-19 recebidas do Ministério da Saúde.

Máximo destacou ainda que a divisão das vacinas é feita proporcional ao público alvo estabelecido no Plano Nacional de Operacionalização (PNO) do MS. “A vacina é distribuída de acordo com o percentual de pessoas nos grupos prioritários, e não conforme a população absoluta do Estado. A distribuição é proporcional ao público alvo”.

O secretário pediu celeridade às prefeituras na vacinação. “Aproveito para pedir que as prefeituras e as secretarias municipais de saúde vacinem sua população o mais breve possível. Infelizmente algumas prefeituras tem quantidades acumuladas e isso não pode acontecer”.

Com as doses de Janssen e Coronavac, Rondônia acumula 839.728 doses de vacinas contra a covid-19 recebidas do Ministério. A definição da distribuição é realizada semanalmente em reuniões com Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

O secretário anunciou ainda a previsão de chegada nesta sexta-feira (25) de mais 16.380 doses da Pfizer.

Fonte: Agevisa

Covid-19:Butantan entrega mais um milhão de doses de vacina ao MS

Até o fim de junho, instituto deve produzir mais dez milhões de doses

O Instituto Butantan entregou hoje (14) ao Ministério da Saúde um lote de um milhão de doses da vacina CoronaVac contra a covid-19. Essa remessa é parte das cinco milhões de doses previstas para serem liberadas ao longo do mês de junho para o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O novo lote de cinco milhões de doses está sendo produzido a partir dos 3 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) recebidos no último dia 5 de maio. Desse total, já houve a liberação de 1,8 milhão de vacinas desde sexta-feira (11), quando foram entregues 800 mil doses. As doses disponibilizadas hoje contemplam o segundo contrato firmado com o Ministério da Saúde, de 54 milhões de vacinas. O primeiro, de 46 milhões, foi cumprido no dia 12 de maio. 

Envase

Segundo informações do Instituto Butantan, o envase da matéria-prima foi iniciado no dia 27 e terminou na madrugada do dia 30. Parte das doses já envasadas está em outras etapas do processo produtivo, como inspeção de controle de qualidade. O Butantan informou ainda que até o fim de junho receberá um novo lote de seis mil litros de IFA para a produção de mais dez milhões de doses.

“Nesse caminhão que está aqui, nós estamos com a carga de um milhão de doses da vacina do Butantan a ser entregue, nesta manhã, ao Ministério da Saúde. E na próxima quarta-feira teremos uma nova remessa sendo entregue”, informou o governo paulista.

Ainda de acordo com o Butantan, com a entrega de hoje, já foram fornecidas ao PNI 49 milhões de doses desde 17 de janeiro, quando o uso emergencial do imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Fonte: Kleber Sampaio A/B

Morre uma das pacientes com covid transferida de MS para Rondônia

Moradora de Dourados paciente era uma mulher de 52 anos. Vítima acabou morrendo por complicações da doença.

Covid-19: morre paciente transferida do Mato Grosso do Sul para Rondônia
Paciente acabou não resistindo e morreu nesta segunda-feira (7)

Na noite desta segunda-feira (7), a paciente Nice Menani, de 52 anos transferida do Mato Grosso do Sul para a Capital rondoniense não resistiu e acabou morrendo por complicações da covid-19. Moradora em Dourados, Nice foi uma das 9 pacientes transferidas na sexta-feira (04) por conta da falta de leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) no Estado de Mato Grosso do Sul.

Segundo o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, informou apenas que os procedimentos para o translado do corpo da paciente para Mato Grosso do Sul, serão definidos nesta terça-feira-feira (08). De Dourados para Rondônia foram encaminhadas mais três mulheres com idades de 29, 58 e 79 anos, e três homens de 32, 51 e 55 anos. Outra moradora, de 41 anos, de Bonito, e um rapaz, de 29 anos, de Eldorado, também está em tratamento no Estado, que cedeu vagas para pacientes de Mato Grosso do Sul. A viagem foi feita em avião da FAB (Força Aérea Brasileira).

Mato Grosso do Sul já transferiu 16 pacientes para outros estados, devido a falta de leitos para tratamento da doença. Somente nesta segunda-feira (07), dois moradores foram transportados para a capital de São Paulo. Estava prevista a transferência de 5 pacientes, porém após avaliação médica realizada na tarde de hoje, foi autorizada a transferência de apenas 2, ambos residentes de São Gabriel do Oeste.

Fonte: Assessoria

Novos pacientes com covid do MS são transferidos para Rondônia

Na quarta-feira (2), uma mulher, de 41 anos, foi enviada para o estado de Bonito (MS).

Oito pacientes diagnosticados com Covid-19 e que estavam internados em Dourados, na região sul do estado, estão sendo transferidos para Rondônia nesta sexta-feira (4). O município, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES) está em bandeira cinza, com lotação máxima no sistema de saúde.

A transferência destes pacientes ocorre após autorização dos familiares e dos próprios pacientes. No dia anterior, houve uma reunião coordenada pelo Coronel Marcello Fraiha, Assessor da Secretaria de Estado de Saúde, em que envolveu diversos representantes de instituições do estado e de Rondônia, além do Ministério da Saúde e da Defesa.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, a oferta de 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foi oferecida pelo secretário Fernando Rodrigues Máximo (Saúde) e pelo governador do Estado de Rondônia, Marcos Rocha.

Ainda conforme Resende, este “é um ato de reciprocidade”, já que, em janeiro deste ano, o estado de Rondônia precisou dos leitos do Hospital Regional (HR), que é do governo do estado. Agora, ocorre uma retribuição de “forma generosa”.

A transferência teve início às 6h (de MS), com os pacientes saindo em ambulâncias – do tipo UTI móvel, para a capital sul-mato-grossense, acompanhado de médicos e enfermeiros, sendo o estado de Rondônia o destino final.

Dos 8 pacientes, 4 são mulheres com idades de 79, 68, 58, 52 e de 29 anos. E 3 são homens de 55, 51 e 32 anos. O transporte aéreo será realizado com emprego da aeronave C105 Amazonas da ALA 5 da Força Aérea Brasileira (FAB) previsto para decolar às 12h.

Antes, no dia 2 de junho deste ano, o primeiro paciente a ser encaminhado para Porto Velho (RO) foi transferido no dia 2 de junho e reside em Bonito, na região sudoeste do estado.

Nesta sexta (4), segundo a SES, o décimo paciente a ser transferido é um homem 29 nove anos, que está internado em Eldorado, a 447 km de Campo Grande. Ele vai na UTI aérea do Corpo de Bombeiros, com saída de Eldorado prevista para às 11h de Eldorado e previsão de chegada em Porto velho às 18h.

Espera por leitos

Em Mato Grosso do Sul, conforme a Saúde, 293 pessoas aguardam por leitos nesta sexta-feira (4). Nesta mesma data, a taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid é de102,87%, tanto na rede privada quanto pública.

Fonte: G1/RO

Rondônia recebe paciente com covid transferido do MS

Com 278 pessoas na fila por leitos, MS começou a enviar pacientes com Covid para outros estados.

Com os hospitais lotados e com uma fila extensa de pessoas à espera por leitos clínicos ou Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), Mato Grosso do Sul começou a enviar pacientes com Covid para outros estados. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), no estado há 278 pessoas ao aguardo de uma unidade hospitalar.

Nesta quarta-feira (2), no início da tarde, uma mulher, de 41 anos, foi enviada à Rondônia, em uma UTI aérea, alocada em um avião do Corpo de Bombeiros. A paciente saiu de Bonito (MS), a 296 km, com destino à Porto Velho, capital de Rondônia.

De acordo com a prefeitura de Bonito, que acompanhou a decolagem da paciente, a mulher seria enviado ao estado no norte do Brasil no início da manhã, porém apresentou baixa saturação e retornou ao hospital. Só no início da tarde que o embarque foi possível.

Em live, o secretário estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, informou que o estado está vivendo um “quadro dramático, provocado pelo avanço da Covid”. A partir disso, negociações começaram a ser feitas com outros estados para busca de UTIs.

Resende disse que “Rondônia ofereceu até 10 vagas de UTI para pacientes de Mato Grosso do Sul. O outros estados como o Espírito Santo também estão oferecendo vagas de UTI para receber pacientes do estado”, pontuou.

Além das tratativas com outras unidades federativas, o chefe da Saúde de Mato Grosso do Sul destacou que pretende abrir 10 novos leitos em um hospital, na região de Ponta Porã (MS), ao sul do estado.

“Além dos leitos que estamos viabilizando em Ponta Porã, hoje [02/06/2021], entram em operação10 leitos de UTI no hospital da Universidade Federal da Grande Dourados, em Dourados”, disse Resende.

No dia 18 de janeiro de 2021, Mato Grosso do Sul ofereceu 10 leitos de UTI à outros estados brasileiros. Na época, foram cedidos ao Amazonas, porém, foram utilizados por pacientes de Rondônia.

Em janeiro de 2021, governo de MS ofereceu 10 leitos de UTI para receber pacientes de Manaus

Em um domingo, 31 de janeiro desta ano, Mato Grosso do Sul recebeu dois pacientes de Rondônia com Covid-19 para ficarem internados no Hospital Regional do estado, em Campo Grande. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), os pacientes são uma mulher de 62 anos e um homem, de 38.

Não foram apenas os dois, um homem, de 57 anos, também veio à Mato Grosso do Sul, em situação grave da Covid. Chegou no estado, no dia 1º de fevereiro de 2021. Esse paciente foi a quarta pessoa de Rondônia a ser internada em uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), no estado.

Fonte: G1/RO

Prefeitura aguarda confirmação do MS para iniciar vacinação em profissionais da Educação em Porto Velho

Mais de 8 mil profissionais da Educação aguardam pela 1ª dose da vacina contra a Covid-19.

Em Porto Velho, mais de 8 mil profissionais da Educação aguardam para tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Na última semana, o Ministério da Saúde (MS) definiu, em nota técnica, a ordem de prioridade para vacinação desses profissionais.

Conforme o documento, professores de creches e pré-escolas deverão ser os primeiros da fila, e os da educação superior, os últimos.

Na capital rondoniense, 4.564 trabalhadores fazem parte da educação básica e 4.257 integram a educação superior.

A Prefeitura de Porto Velho disse que ainda não recebeu um posicionamento do Ministério da Saúde quanto à imunização dos profissionais da educação.

“Oficialmente as unidades federativas ainda não foram notificadas da nova orientação pelo MS. Para um posicionamento efetivo, precisamos da emissão da norma técnica, pois nela estão contidas as diretrizes de como os entes federados (estados e municípios e o DF) devem agir, ou seja, não há como se programar sem saber que diretrizes seguir”, explicou.

Além disso, a administração municipal esclareceu que as aulas só voltam a acontecer de forma presencial quando 100% dos trabalhadores da Educação estiverem vacinados.

Os profissionais da educação são o 18º e o 19º grupos prioritários da imunização, conforme a edição mais recente do Plano Nacional de Operacionalização (PNO) da vacinação contra a Covid-19.

Fonte: Comdecom

Chega mais um lote de vacinas contra Covid em RO

Foram entregues 27.700 mil doses dos imunizantes Coronavac e AstraZeneca.

A Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), recebeu nesta quinta-feira (13), na Central Estadual da Rede de Frio, em Porto Velho, a 21ª remessa de doses de vacinas contra a covid-19, enviadas pelo Ministério da Saúde (MS).

Desta vez, foram entregues 27.700 mil doses de vacinas, sendo 15.200 doses da Coronavac e 12.500 da AstraZeneca, que serão destinadas às Regionais de Saúde, distribuídas aos municípios do Estado de Rondônia.

O público-alvo específico para esta remessa, são pessoas de 65 a 69 anos, pessoas com comorbidades, gestantes, puérperas e pessoas com deficiência permanente.

Conforme o mapa de distribuição da Agevisa, desse total serão enviados 6.340 para Ji-Paraná; 3.100 para Cacoal; 2.490 para Vilhena; 3.970 para Ariquemes; 3.000 para Rolim de Moura e 8.800 para Porto Velho.

Conforme orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Agevisa informou as Regionais de Saúde e secretarias municipais sobre a interrupção temporária da imunização em gestantes e puérperas com a vacina da AstraZeneca.

O diretor-executivo da Agevisa, Edilson Silva, explicou que “adicionalmente, orienta-se a interrupção temporária da vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades. A vacinação com comorbidades deve prosseguir com as demais vacinas contra a covid-19 em uso no Estado, ou seja, Coronavac e Pfizer”.

Ainda, Edilson ressaltou que para a vacinação de gestantes com comorbidades deverá ser comprovado junto à comissão de risco, por meio de exames, receitas, relatório ou prescrição médica.

“Em relação ao cumprimento do esquema vacinal para gestantes que já foram vacinadas com a primeira dose, orientações serão detalhadas mediante nota técnica pelo Plano Nacional de Imunização (PNI)”, finalizou.

O coordenador Estadual de Imunização, Ivo Barbosa, explicou que a remessa “será para completar o esquema vacinal de quem está aguardando, além de atender o público-alvo específico. A partir desta sexta-feira (14), as doses já serão distribuídas aos 52 municípios. Caso seja preciso mais imunizantes, terão que justificar o pedido e estaremos comunicando ao Ministério da Saúde”.

VACINAS RECEBIDAS

Com a chegada da 21ª remessa de vacinas, o Estado de Rondônia já recebeu até o momento 520.358 doses, sendo:

  • Coronavac: 298.308;
  • AstraZeneca: 210.350;
  • Pfizer: 11.700

Fonte; Agevisa

Semusa suspende vacinação para público de grávidas e pessoas com comorbidades na capital

A orientação é do Ministério da Saúde.

A Secretaria Municipal de Saúde de Porto Velho (Semusa), por meio da Divisão de Imunização, informa que a partir desta quinta-feira (13) está suspensa a vacinação de grávidas e puérperas sem comorbidades (doenças pré-existentes).

A suspensão vem apoiar a orientação do Ministério da Saúde (MS) que deve expedir uma norma técnica sobre o assunto até esta sexta-feira (14).

A partir de hoje (13), portanto, no campus Mamoré da Faculdade Uniron, serão atendidas, das 9h às 16h, apenas as grávidas e puérperas com comorbidades e agendadas através do aplicativo SASI, após o fim do atendimento por demanda espontânea.

Para vacinação de gestantes e puérperas com comorbidades, a mulher deverá comprovar a condição de risco
por meio de laudo, declaração ou prescrição médica.

As gestantes também devem apresentar a caderneta da gestante. As puérperas devem apresentar a certidão ou declaração de nascimento da criança.

Esse público continuará sendo atendido com a vacina da Pfizer/BioNTech como orientado pelo MS.

A Semusa também reforça a importância do cadastro no aplicativo. Apesar de estar atendendo atualmente o grupo de comorbidades, é importante que todos façam o cadastro no aplicativo, assim, a medida que o Plano Nacional de Imunização (PNI) for avançando, será mais fácil a convocação dos grupos já que o cadastro facilitará o agendamento e irá acelerar a velocidade da vacinação na capital.

Fonte: Semusa

Segundo a Semusa, público com comorbidades precisam comprovar doença para receber vacina

Os novos protocolos são exigidos pelo MS, e documentos que atestam as comorbidades só serão aceitos se tiverem sido emitidos a partir de 2019

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), segue com o Plano Nacional de Imunização (PNI), para o público de pessoas com comorbidades. O atendimento cumpre orientações da nota técnica 467/2021, do Ministério da Saúde (MS), que subdivide este grupo em duas partes. A parte um deste segmento está sendo atendida nesta fase de imunização.

A nota técnica do MS informa que são atendidas nesta fase o seguinte grupo:

– Pessoas com Síndrome de Down, a partir de 18 ano de idade;
– Pessoas com doença renal crônica em terapia de substituição renal (diálise), a partir de 18 anos;
– Gestantes e puérperas com comorbidades, a partir de 18 anos;
– Pessoas com comorbidades de 55 a 59 anos;
– Pessoas com Deficiência Permanente cadastradas no Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) de 55 a 59 anos.

CLIQUE AQUI E SAIBA QUAIS SÃO AS COMORBIDADES INCLUSAS NO PNI

Conforme o Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19 (PNO), as condições de comorbidades devem ser comprovadas por meio de exames, receitas, relatório médico e prescrição médica.

Segundo o MS, poderão ser utilizados adicionalmente os cadastros já existentes dentro das Unidades de Saúde.

Informa ainda a nota técnica que, no caso de gestantes e puérperas, o MS recomenda que deve ser respeitado o intervalo de 14 dias entre a administração da vacina influenza ou outra vacina do calendário de vacinação da gestante/puérpera e a vacina da Covid-19.



Pela nota técnica, a segunda parte da terceira fase do PNI vai contemplar proporcionalmente e em ordem decrescente de idade:
– Pessoas com comorbidades;
– Pessoas com Deficiência Permanente cadastradas no BPC;
– Gestantes e puérperas independente de condições pré-existentes.

Nessa segunda parte será seguida a recomendação de faixa de idade: 50 a 54 anos, 45 a 49 anos, 40 a 44 anos, 30 a 39 anos e 18 a 29 anos.

Por conta da baixa procura, a Divisão de Imunização da Semusa, antecipou a vacinação do público de gestantes e puérperas independente da condição pré-existente para a primeira parte da vacinação.

Segundo Elizeth Gomes, gerente da divisão, esse público está sendo atendido com as doses da Pfizer, como foi recomendado. “O Ministério da Saúde suspendeu a aplicação da vacina AstraZeneca nas gestantes e puérperas. Em Porto Velho, usamos apenas a Pfizer, então seguimos normalmente com a vacinação desse público”, explica.

Nesta quarta-feira (12), o atendimento segue normalmente para gestantes e puérperas com ou sem comorbidades. A partir de quinta-feira (13), seguindo a recomendação do MS, a vacinação será destinada apenas a este público com comorbidades, utilizando a vacina da Pfizer.

Nesse público, o número de pessoas vacinadas se aproxima das 3 mil, segundo dados do Vacinômetro do SUS.

CADASTRAMENTO

Para receber o imunizante é necessário fazer o cadastramento através do aplicativo SASI. A ferramenta segue os parâmetros do PNI e foi planejada para registrar informações sobre a população e facilitar o agendamento das vacinas conforme a faixa etária, comorbidades e grupos prioritários.

Uma vez cadastrado, o usuário será avisado pelo próprio dispositivo e por envio de e-mail ao endereço eletrônico do usuário, sobre o dia, horário e local em que deverá comparecer para ser imunizado.

Para baixar o aplicativo basta acessar os links abaixo conforme sistemas operacionais

Sistema Android – https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.sasi.app

Sistema IOS – https://apps.apple.com/br/app/sasi/id1467748272.

Até esta quarta-feira, além de atender o público do aplicativo, a Semusa também está vacinando pessoas por demanda espontânea, mesmo sem o agendamento, mas é necessário levar os documentos que comprovem a comorbidade, entretanto, são aceitos apenas os que foram emitidos a partir de 2019. As declarações de anos anteriores não são válidas para esta finalidade.

Fonte: Semusa

MS envia mais remessas de oxigênio para abastecimento de hospitais em RO

Em dois dias, Rondônia recebeu um total de 260 cilindros, enviados pelo Ministério da Saúde (MS)

O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), recebeu na noite desta terça-feira (23), 180 cilindros de oxigênio contendo 10 metros cúbicos, cada. Esta é a terceira remessa enviada pelo Ministério da Saúde (MS) ao Estado. O insumo foi transportado pela aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), visando fortalecer o abastecimento nas unidades hospitalares municipais de Rondônia.

De acordo com o secretário-adjunto da Sesau, Nélio Souza, os cilindros serão destinados aos 52 municípios do Estado, atendendo solicitações das prefeituras conforme a necessidade local.

Nélio diz ainda que todo o levantamento técnico dos municípios que realmente necessitam do produto é realizado pela Superintendência Estadual do Ministério da Saúde. O superintendente Estadual do MS, Irgo Mendonça, comentou sobre a movimentação durante os próximos dias, com vistas à chegada de mais oxigênio para contribuir no tratamento de pacientes acometidos pelo coronavírus. “Para quarta-feira (24) está prevista a chegada de um isotanque e mais 80 cilindros como este”, comunica.

A ação viabilizada pelo Governo Federal ocorre em estados que solicitaram reforço da União para evitar possíveis crises no abastecimento de suas regiões. Diariamente, mesmo aos finais de semana, sairão de Manaus (AM), aeronaves KC-390 carregadas com o produto para Porto Velho.

Fonte; Sesau