Anvisa sugere medidas para conter novas variantes do coronavírus

As sugestões foram encaminhadas nessa sexta-feira (28).

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviou ao grupo interministerial composto pela Casa Civil, Ministério da Justiça e Segurança Pública e Ministério da Saúde sugestão de mudança na legislação atual, que regulamenta medidas de contenção de novas variantes da covid-19. Cabe ao grupo decisões sobre a imposição de medidas de restrição excepcional e temporária de entrada de pessoas no país. As sugestões foram encaminhadas nessa sexta-feira (28).

A principal proposta da Anvisa é suspender a exceção concedida pela Portaria 653/2021 ao ingresso de trabalhadores marítimos de embarcações e plataformas, oriundos de países com circulação de novas variantes do coronavírus. Esses trabalhadores atualmente podem ingressar no Brasil, por via aérea ou marítima, desde que negativados em teste PCR prévio e não reportando nenhum sintoma na Declaração de Saúde do Viajante (DSV).

Pela sugestão da Anvisa, os marítimos estrangeiros procedentes desses países ficariam impedidos de ingresso no Brasil e os brasileiros em viagem de retorno desses países precisariam necessariamente cumprir quarentena de 14 dias na cidade de desembarque.

Nos próximos dias, a Anvisa deve enviar também sugestão relativa à melhor delimitação dos locais para quarentena de casos suspeitos, de acordo com critérios e especificidades de estados e municípios.

*Com informações da Anvisa

Fonte: Aécio Amado A/B

Prefeita de Ariquemes anuncia novas medidas para conter o avanço da Covid-19

O novo decreto deve trazer normas também sobre questão de horário de funcionamento do comércio, que deve sofrer alteração, além de normas para distanciamento.

A prefeita de Ariquemes (RO), Carla Renado, anunciou nesta sexta-feira (8) que vai fechar os parques, praças e pistas de caminhada da cidade. O objetivo é conter o avanço da Covid-19 no município.

Em entrevista ao Jornal de Rondônia 1ª Edição, a prefeita disse ter optado em manter a cidade na Fase 3 de distanciamento, porém com mais restrições.

“Pelo decreto estamos na fase 3 e agora iremos fazer algumas restrições necessárias. A população vem acompanhando o número de casos crescendo cada dia mais. E nossos leitos de UTI’s só têm sido desocupados porque as pessoas estão saindo de lá em carro de funerária. Infelizmente é uma situação bem grave, por isso vimos a necessidade de fazer essas restrições em novo decreto”, afirma Carla.

Com isso, pelos próximos 14 dias os parques, praças e pistas de caminhada ficarão sem fechadas. O decreto deve ser publicado ainda nesta sexta-feira e entrará em vigor no prazo de 24 horas, segundo a prefeita.

O novo decreto deve trazer normas também sobre questão de horário de funcionamento do comércio, que deve sofrer alteração, além de normas para distanciamento.

De acordo com o último boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Ariquemes tem 8.183 casos registrados do coronavírus, sendo 1.035 casos ainda ativos. A cidade também tem 148 óbitos pela doença.

Fonte: G1/RO

Prefeitura de Vilhena entra com novas medidas de restrição para conter o avanço da Covid-19

Em um novo decreto divulgado nesta terça-feira (05), o município proibiu a circulação de pessoas entre 23h e 5h, e determina fechamento de bares e boates.

A prefeitura de Vilhena (RO) publicou, na tarde desta terça-feira (5), um novo decreto com restrições para tentar reduzir o número de casos do novo coronavírus.

No documento, assinado pelo prefeito Eduardo Japonês, fica proibida a circulação de pessoas (que não estiver a trabalho ou passando mal) entre 23h e 5h da manhã. O município também decidiu vedar o funcionamento de bares e boates.

O novo decreto já está em vigor e manteve o estado de calamidade pública. Segundo decisão do município, as pessoas que circularem pelo comércio local deverão usar máscaras e manter o distanciamento de 120 cm.

A decisão de adotar medidas restritivas de distanciamento social veio um dia depois de Vilhena registrar 113 casos novos confirmados da Covid-19, o recorde diário desde o início da pandemia.

Veja o que fica proibido no novo decreto:

  • Circulação de pessoas em geral pelas ruas (para lazer), entre 23h e 5h;
  • Em espaços públicos interditados (como praças), a proibição de circulação de pessoas vale por 24h;
  • Funcionamento de restaurantes, lanchonete, cafeterias, pizzarias para o cliente consumir no local;
  • Funcionamento de brinquedotecas e espaços para crianças;
  • Também fica proibido o funcionamento de casas de show, boates, balneários, clubes recreativos e campos esportivos e empresas do ramo;

De acordo com o decreto, todos os fiscais foram designados a cumprirem as disposições do decreto e poderão, inclusive, contar com o uso da força policial.

Veja o que pode no novo decreto:

  • Entre 23h e 5h, circulação em ruas apenas para profissionais da saúde e para pacientes com suspeita da Covid-19;
  • Estabelecimentos de comida (pizzaria, lanchonete, padaria, etc) devem vender a seus clientes apenas através de delivery ou retirada no local;
  • Academias de ginástica só podem funcionar com horário agendado ao aluno;
  • Feiras livres podem funcionar seguindo as regras de higiene e assepsia;
  • Lojas de roupa e calçados deverão controlar a quantidade de clientes em suas empresas por meio de senhas, e informar a capacidade máxima permitida (que é de 50%);
  • Velórios ( se o óbito não for por Covid) devem ser feitos na Capela Mortuária, com permanência de até 20 pessoas;
  • Funcionamento de salões e barbearias (desde que higienizados os aparelhos);

As regras feitas para Vilhena devem ser ampliadas aos outros municípios do Cone Sul, conforme reunião feita entre prefeitos e promotores de Justiça nesta terça-feira.

Fonte: G1/RO

Israel endurece segundo lockdown após aumento de casos de Covid-19 no país

Governo anunciou que sinagogas abrirão apenas no Yom Kippur e que só setores de trabalho considerados “essenciais” vão seguir funcionando.

Judeus celebram o ritual de purificação do Tashlich um dia antes do Yom Kippur em Ashdod, Israel, nesta quinta-feira (24), em meio à decisão do governo de endurecer o novo lockdown — Foto: Amir Cohen/Reuters
Judeus celebram o ritual de purificação do Tashlich em Ashdod, Israel, em meio à decisão do governo de endurecer o novo lockdown

O governo de Israel anunciou nesta quinta-feira (24) novas medidas para endurecer o reconfinamento — em vigor há quase uma semana —, com o fechamento de sinagogas, restrições às concentrações e redução dos comércios abertos, para tentar conter o aumento contínuo do número de infectados pela Covid-19 no país.

A partir das 14h de sexta-feira (8h de Brasília), as sinagogas permanecerão fechadas, exceto para o Yom Kippur (Dia do Perdão, celebrado no domingo à noite e na segunda-feira), e apenas os setores de trabalho considerados “essenciais” poderão seguir funcionado. Além disso, as manifestações e orações a céu aberto serão limitadas a 20 pessoas e a menos de um quilômetro de suas residências.

As autoridades também devem se pronunciar nas próximas horas sobre o fechamento do aeroporto internacional Ben Gurion de Tel Aviv. As medidas ainda precisam ser validades pelo Parlamento nesta quinta-feira.

Ontem à noite, o premiê Benjamin Netanyahu afirmou que é necessário tomar “decisões difíceis para salvar vidas”.

“Nos últimos dois dias, escutamos os especialistas, e eles afirmaram que, se não tomarmos medidas imediatas e estritas, vamos cair em um abismo”, declarou ele, antes da reunião do governo.

Segundo dados da AFP, Israel é o país com maior índice de contágio por Covid-19 no mundo nas últimas duas semanas, com um aumento dos casos graves e de hospitais saturados, a ponto de não aceitarem novos pacientes.

Saturado pela Covid-19, Rambam Health Care Campus, em Haifa, transformou estacionamento subterrâneo em unidade de terapia intensiva, nesta quarta-feira (23). — Foto: Jack Guez/AFP
Saturado pela Covid-19, Rambam Health Care Campus, em Haifa, transformou estacionamento subterrâneo em unidade de terapia intensiva

Fonte: G1

Novas medidas para o ‘Plano Todos Por Rondônia’ começam nesta quarta-feira (15)

Segundo a equipe técnica do estado, com a nova reclassificação para cada município a mudança é de que entrem em fases com maior permissão de atividades econômicas e inclusive reabertura do comércio.

Equipe técnica do Governo aponta estratégias adotadas para equilíbrio entre saúde e economia

Em coletiva realizada na manhã desta segunda-feira (13), a equipe técnica do Governo de Rondônia anunciou que as novas classificações dos municípios nas fases do Plano Todos Por Rondônia, que serão feitas ainda hoje, passam a vigorar a partir de quarta-feira (15) e já sinaliza a ampliação de atividades econômicas.

A equipe também reforçou, que as medidas que norteiam o Plano consideram, em especial, a preocupação com a saúde de cada um dos rondonienses, e tem como base critérios técnicos e a construção conjunta através do diálogo com Poderes e demais atores sociais de estratégias que beneficiem e protejam a população.

As novas classificações dos 52 municípios serão feitas através de portaria que deve ser publicada nesta segunda-feira (13), considerando a alteração feita pelo decreto publicado na última sexta-feira (10). O decreto alterou o critério da taxa de casos confirmados, que inclui óbitos e recuperados, pessoas que não ameaçavam demanda futura de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), por taxa de crescimento de casos ativos, esses sim sinalizam demanda por leitos de UTI; e manteve o critério de taxa de ocupação de leitos de UTI.

Desta forma, para um município avançar em fases de maior ampliação de atividades econômicas, a taxa de crescimento de casos ativos e de leitos de UTI não podem alcançar índices que ameacem colapso na saúde. Com a mudança na matriz de reclassificação, a sinalização é de que os municípios entrem em fases com maior permissão de atividades econômicas.

Porto Velho, por exemplo, apresenta uma expectativa de avançar para a fase 3, a de abertura comercial seletiva. Nesta, são permitidas todas as atividades econômicas, exceto casas de show, bares e boates, eventos com mais de dez pessoas, cinemas e teatros, balneários e clubes recreativos, cursos e afins para pessoas com menos de 18 anos, cursos profissionalizantes e capacitações em instituições públicas, cursos e afins com mais de 10 pessoas.

O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, que está de quarentena devido a primeira-dama ter recebido diagnóstico positivo para Covid-19, foi representado na coletiva pelo chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves, que reforçou que o governador tem seguido firme no enfrentamento à pandemia, considerando o principio de responsabilidade com a saúde da população, responsabilidade com a transparência e com o compromisso de buscar as melhores práticas para evitar a disseminação do contágio.

Ele destacou que Rondônia, assim como o mundo inteiro, não tinha um manual de instrução para enfrentar a pandemia, mesmo assim foram criados leitos exclusivos de UTI para tratamento da Covid-19, que já são mais de 160. O Estado alcançou o primeiro lugar no Brasil em testagem da população e possui baixa letalidade, com apelo para que população receba já na Atenção Básica o tratamento com protocolo de medicamentos, para evitar o agravamento de casos.

”Apesar de todas as pressões, o governador decidiu seguir uma estratégia: responsabilidade, respeitando seu corpo de técnico de saúde, epidemiológico, estatístico; formando gabinete de crise com todos os Poderes, com seus secretários, pessoas de representatividade à sociedade e de órgãos de controle. Muitos falaram que não havia diálogo, mas o diálogo fez parte de todo esse momento com constantes reuniões, e isso é que nos faz chegar aos objetivos”, disse Júnior Gonçalves.

O secretário de Estado de Finanças (Sefin), Luís Fernando Pereira da Silva, reforçou que o objetivo principal do Plano Todos Por Rondônia, que avalia resultados e define reclassificações a cada ciclo de 14 dias, é evitar o colapso na saúde. ”Graças a Deus esse objetivo tem sido alcançado. Rondônia, ao contrário de outros estados, não tem tido colapso no sistema de saúde e estamos aprimorando constantemente as estratégias do plano”, explica.

A mudança do critério de casos confirmados para casos ativos na matriz de reclassificação do plano, também foi apontada como medida positiva para equilíbrio entre saúde e economia em Rondônia. ”Com esse aprimoramento, a gente consegue manejar a maior ampliação ou restrição de atividades econômicas de cada município de forma mais adequada, e assim evita-se colocar municípios em fases restritivas sem necessidade. Rondônia, em boa parte dos municípios, tem reduzido o número de casos ativos, estão em fase de estabilização, tendendo à redução”.

Poupando a economia de sacrifícios desnecessários, Rondônia planeja a retomada gradual da economia.

Fonte: Secom-RO

Fake news: entidades pedem que senadores não incluam novas medidas no PL

Senado decidirá sobre projeto na próxima terça-feira (30)

As fake news e o efeito avassalador do Whatsapp nas eleições presidenciais
Projeto de Lei

A Coalizão Direitos na Rede, que reúne 39 entidades como Intervozes, Associação Software Livre, Creative Commons Brasil, entre outras, divulgou uma carta nesta sexta-feira de ontem (26), pedindo aos senadores que até o dia da votação do PL das fake news, próxima terça (30), discutam o texto e corrijam pontos “perigosos para o uso livre e democrático da internet”, mas que não incluam novas medidas.

No documento, as instituições afirmam que “é preciso, sim, combater a desinformação e impor às plataformas digitais maior transparência, mas sempre garantindo os direitos de todos os cidadãos e cidadãs que usam a Internet”. De acordo com as entidades, o projeto segue “problemático, na medida em que a solução dada pelo relator permite a identificação em massa de usuários a partir de requisitos genéricos, como simples denúncias.”

Fonte: Congresso em Foco