Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Polícia incinera cerca de 200 kg de droga apreendida em operações em Ji-Paraná, RO

Entorpecentes foram apreendidos durante ações policiais nos últimos dois meses. Incineração ocorreu nesta sexta-feira (25).

Cerca de 200 kg de droga foram incinerados nesta sexta-feira (25) pela Polícia Civil de Ji-Paraná (RO). As substâncias são do tipo maconha, crack e cocaína.

De acordo com a corporação, a droga é fruto de ações policiais ocorridas nos últimos dois meses.

A operação foi coordenada pelo delegado Derli Gouveia e contou com o apoio de uma empresa de cerâmica de Ji-Paraná.

Fonte: G1/RO

Força-Tarefa reforça ações no combate aos crimes ambientais em Alto Paraíso

Em 12 dias de operação, 11 empresas foram vistoriadas e a madeira apreendida será doada para o DER para construção de pontes e pontilhões

Equipes da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), fiscalizam nesta sexta-feira, (21) no município de Alto Paraíso, atuando em 3 operações na região com (Iara, Hiléia e Dragas) além da Verde Brasil 2.

A “Operação Draga” é voltada a extração irregular de minérios no rio Madeira; A “Operação Hiléia” combate o desmatamento e prevenção de queimadas e a “Operação Iara” foca a pesca predatória em todas as bacias hidrográficas do Estado de Rondônia.

Em 12 dias de operação, 11 empresas foram vistoriadas, e apenas quatro delas possuíam em seus pátios madeiras extraída de forma legal, mostrando que há como sobreviver da extração da madeira respeitando os planos de manejo sem promover a degradação do meio ambiente.

OPERAÇÃO HILÉIA

A operação Hiléia, é apenas uma das ações repressivas e preventivas contra os delitos ambientais em Rondônia, no  combate ao desmatamento e prevenção às queimadas ilegais. A Sedam conta com equipe de técnicos ambientais que agem de forma preventiva por meio da Coordenadoria de Educação Ambiental e Coordenadoria de Geociência, responsável pela coleta de informações via satélite que depois são repassadas às equipes de campo.

Marcos Trindade, Coordenador de Proteção Ambiental (Copam) lidera as equipes de campo, que contam com o apoio Batalhão da Polícia Ambiental (BPA), Delegacia

ITELIGÊNCIA ALIADA
É árdua as ações da equipe de campo e por trás de cada uma delas, há um trabalho de inteligência que envolve monitoramento via satélite e denúncias. Locais de difícil acesso são desbravados e por diversas ocasiões a equipe não é bem recebida, inclusive por meio de emboscadas, pelos infratores.

Desta forma, torna-se imprescindível o apoio do BPA e demais parceiros. A Sedam conta com uma sala de situação onde técnicos rastreiam pontos de desmatamento e focos de calor em tempo real, possibilitando as operações das equipes em campo.


Participaram desta equipe da Operação Hileia quase 100 policiais (BPA, BPChoque, Patam, BPTram e Comando Geral); 31 viaturas e 12 servidores da Sedam. Foram lavradas 113 ordens de infração; 92 Termos Circunstanciados de Ocorrências (T.C.O); multa por desmatamento quase R$ 27 milhões; multas em madeireiras R$ 3,5 milhõesl, ultrapassando a casa dos R$ 30 milhões em multas em 12 dias de operação.

MADEIRAS APREENDIDAS
As madeiras apreendidas na operação foram doadas ao Departamento de Estradas e Rodagens (DER) e serão utilizadas para a construção e reformas de pontes e pontilhões em todo o Estado de Rondônia.
É preciso ressaltar a importância da conscientização da população que insiste em manter a cultura de crimes contra o Meio Ambiente.

GUARDIÕES DA AMAZÕNIA
É um aplicativo que permite que o cidadão registre com foto e coordenada geográfica o local exato de uma queimada ou outros delitos ambientais. A denuncia é repassada ao órgão fiscalizador onde serão tomadas as providências necessárias.

Fonte: Sedam-RO

PM-RO faz balanço nas ações no combate à criminalidade

De acordo com a polícia, nos primeiros seis meses deste ano, foram quase 38 mil atendimentos à sociedade em todo Estado.

Estatística comprovam o endurecimento ao crime com ações da Polícia Militar

A Polícia Militar de Rondônia – PM reforçou o combate à criminalidade em todo Estado garantindo a segurança da sociedade. Os resultados podem ser conferidos nos números de apreensões de armas de fogo, entorpecente, atendimento de ocorrência de roubos, conforme demonstrado no balanço das ações realizadas durante o primeiro semestre deste ano, que mostram importantes medidas adotadas no combate à criminalidade, tanto em Porto Velho, quando nos demais municípios do Estado.

As ações vão ao encontro do Plano Estratégico do governo do Estado, no eixo que engloba medidas que previnem e reprimem as ações violentas ao patrimônio e aos indivíduos, compreendendo todo o sistema estadual de segurança pública.

BALANÇO DE AÇÕES

Somente nos primeiros seis meses deste ano, a Polícia Militar registrou aproximadamente 38 mil atendimentos à sociedade em todo Estado. Foram apreendidas neste período 605 armas de fogo, ou seja, armamentos que deixaram de servir ao crime.

O maior número de armas apreendidas ocorreu na área do 5º Batalhão de Polícia Militar (BPM), com 107 ocorrências, reflexo do aumento de operações de combate ao crime desencadeadas na zona Leste de Porto Velho, o que tem sido constante como as ações rápidas desenvolvidas para combater facções.

Também em decorrência de constantes operações, a Polícia Militar deu resposta à sociedade recapturando 931 foragidos da Justiça. Tanto o 1º BPM quanto o 5º BPM e o 9º Batalhão de Polícia Militar, que estão sediadas em Porto Velho, por isso, possuem o maior volume de ocorrências atendidas, juntos recapturaram 452 foragidos.

No comparativo entre o primeiro semestre deste ano, com o mesmo período de 2019, é possível conferir o aumento de recaptura de foragidos do sistema prisional, isso em função do reforço no policiamento ostensivo somado ao núcleo de inteligência que resultam em ações mais precisas e rápidas na prisão de foragidos. Conforme estatística apresentada pela Polícia Militar, em 2019, foram realizadas 898 recapturas de foragidos, somente no primeiro semestre. Já em 2020, nessa mesma época, 931 foragidos foram recapturados.

Dentre as estatísticas criminais apresentadas pela Polícia Militar que apresentam um decréscimo significativo está o número de latrocínio. Foram registrados oito, de janeiro a junho deste ano, contra 18 registrados no mesmo período de 2019. Também se destaca o número de veículos que foram recuperados em decorrência da ação rápida da PM. Ao todo, 1.252 veículos, produtos de roubo deixaram de ser levados para a fronteira e servirem de moeda de troca no tráfico de droga. No combate a esse tipo de crime, mais uma vez aparece o 5º BPM com o maior número de ocorrências, com 536 veículos recuperados, seguido pelo 2º Batalhão de Polícia Militar, com sede em Ji-Paraná, com 124 veículos recuperados.

Comandante da PM, coronel Almeida, destaca empenho dos policiais nas ações desenvolvidas

Quanto a número de roubos, a Polícia Militar atendeu no primeiro semestre 3.365 ocorrências dessa natureza de crime. Também foram efetuadas 10.871 prisões em flagrantes em diferentes tipologias de crime.

Para garantir o reforço na Segurança Pública, este ano, por exemplo, o governo entregou para a Polícia Militar equipamentos e materiais inseridos no planejamento de modernizar e reaparelhar toda a segurança pública em Rondônia, a exemplo de novas viaturas que devem ser entregues brevemente tanto para a corporação, quanto para a Polícia Civil e Polícia Técnica.

As ações da Polícia Militar não param, mesmo com a frente de atuação em cumprimento às medidas de enfrentamento ao coronavírus.

Fonte: Secom-RO

Ações e operações da PM em conjunto com a PF, Ibama e Icm-bio serão retomadas

Cel. PM Alexandre Luís de Freitas Almeida, voltou atrás na decisão e anunciou em rede nacional a retomada das ações e operações em conjunto.  

Porto Velho, RO – Em menos de onze dias da suspensão da parceria entre forças estaduais e federais de combate a crimes ambientais, o novo Comandante-Geral da Polícia Militar de Rondônia, Cel. PM Alexandre Luís de Freitas Almeida, voltou atrás na decisão e anunciou em rede nacional a retomada das ações e operações em conjunto.  

De acordo com o ofício de número 0011934224 e Código CRC 92CFE8SE, em 10/06/20, que havia suspendido as atividades, segundo ele, ‘temporariamente as operações conjuntas com o IBAMA e ICM-Bio’. No documento, alegou ‘que a Instrução Normativa Nº 19, de 19/12/2014, não vinha sendo cumprida devidamente’. Outro ponto apontado é o de que, após receber relatórios de Inteligência, as guarnições de policiais militares que atuavam nas ações e operações com as forças federais, no pós-queima de maquinários e equipamentos apreendidos, ‘corriam riscos desnecessários. 

Segundo Almeida, ao propor o fim das ações e operações realizadas pelo IBAMA e ICM-Bio de combate aos crimes ambientais, sobretudo contra alvos envolvendo madeireiros, grileiros e fazendeiros implicados em ocupações de terras públicas, que, ‘a exposição das guarnições poderia vir a culminar a denegrir a imagem do Governo do Estado, diante da revolta decorrente da inutilização daqueles que veem seus bens destruídos’ – uma prática prevista em Lei Federal.

Cel. PM Alexandre Luís de Freitas Almeida

No documento enviado às Superintendências Regionais da Policia Federal (DPF-RO), IBAMA e ICM-Bio, o militar rondoniense afirmou, ainda, que, ‘com isso, fica, evidente, a determinação de suspensão das operações de apoio tão somente expressa o cuidado com o futuro efetivo, e com as pessoas de modo geral, além das políticas de Governo’.

De acordo ainda com o documento – que não chegou a ser enviado ao Comando da 17ª Brigada de Infantaria de Selva (17ª Brigada) – Alexandre Luís, afirmou, que, ‘cita, como exemplo o risco desnecessário a utilização de combustível sem o devido cuidado para incineração de bens alheios’. Outro aspecto descumprido por esses órgãos, segundo o entendimento do militar, ‘é o local das incinerações que ocorrem fora das áreas de preservação, em estradas com possibilidade de acesso próximo a pessoas da região, e não em local adequado destinado para isso’.

Enfim, o Comandante-Geral eximiu-se de questionar a regulamentação federal ‘permissiva’, o que ele próprio parece discordar da efetividade. Porém, deixou patenteado, no entanto, que, ‘não cabe a ele questioná-la, mas, ‘decido que até que haja um ajuste procedimental entre os órgãos federais e a instituição (Comando Geral da Polícia Militar) está suspenso, temporariamente, o apoio policial militar às ações e operações desenvolvidas pelos parceiros IBAMA e ICM-Bio’.

Porém, ao completar dez dias da decisão que tomara, na noite do último sábado (20), em entrevista ao Jornal Nacional, o Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de Rondônia, Cel. PM, Alexandre Almeida, votou atrás e anunciou a retomada das ações e operações conjuntas com as forças federais, o IBAMA e o ICM-Bio.

Da Redação/CN | Por Xico Nery