DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO

Não se drogue por não ser capaz de suportar a sua própria dor. Eu estive em todos os lugares e só me encontrei em mim mesmo.

Por Reginaldo Trindade*

John Lennon

O que aconteceria se conseguíssemos resgatar uma vida?

O que aconteceria se um coração flagelado, destroçado, ao longo de anos, pelas drogas, renascesse para uma nova existência – digna, honrada, virtuosa?

Qual seria o significado desta redenção?

Que bem poderia advir se, em vez de trevas, esse coração fosse povoado por sonhos?

O que poderíamos conseguir se recuperássemos uma, dez, cem pessoas e cada uma dessas, gratas eternamente pela redenção, libertação, renascimento, saísse à procura de tantos desvalidos, buscando resgatá-los também?

NENHUM SONHO É MAIOR QUE O MEU!!!!!

CARO DIO, você se lembra daquele encontro, num certo dia de fevereiro de 2019, na frente da Fisiotrat – encontro tão casual e tão virtualmente impossível de acontecer para as circunstâncias que não temos qualquer dúvida sobre quem o viabilizou…

Você se lembra quais foram as palavras exatas que te disse naquele encontro de Deus?

Dois anos e uma vida depois te digo exatamente a mesma coisa: NÃO DESISTA, NÃO DESISTA, NÃO DESISTA!!!!!

Não desista de si mesmo, Meu Bom Amigo de Deus!!!!!

Há muito sonho viver uma vida extraordinária, recheada de sonhos e realizações, ajudando as pessoas.

Você já imaginou a vida extraordinária que vai se desenhar em seu horizonte quando esse flagelo for não mais que uma sombra no seu passado?

Você já se viu contando a sua história de vida, pregando que conseguiu vencer o pior suplício que pode afligir o coração do homem; sobrevivendo a um cárcere que durou 25 anos? Já se imaginou assim?

Você já pensou tendo mais 30, 40, 50 anos para viver longe das drogas, perto dos seus?

Você já se imaginou curando pessoas?

NENHUM SONHO É MAIOR QUE O MEU!!!!!!

Sonhe comigo, Meu Bom Amigo de Deus…

Venha viver uma vida extraordinária!!!!!!

Conscientize-se do seu potencial, que é gigantesco, e, mais ainda, que o ser humano sempre pode passar dos limites. Explore comigo, à exaustão, essa poderosa crença. Vamos submetê-la à prova diuturnamente…

Vamos ajudar dezenas, centenas, milhares de pessoas… Vamos inspirá-las, motivá-las, apaixoná-las!!!!!!

Vamos mudar o mundo!!!!!! Porque ele está ansiando por mudança!!!!!!

O que pode ser mais poderoso que um coração repleto de sonhos?

PÓS-ESCRITO. A Família e Amigos de Diógenes Chagas criaram o Grupo DIO: O RESGATE DE UMA VIDA, pelo qual empreenderão todas as ações para ajudá-lo a sair do deserto em que se encontra há 25 anos e nunca mais voltar a sucumbir. Já somos 98 bons corações, motivados por propósito único: a salvação de uma vida. Você também pode fazer parte dessa poderosa e abençoada corrente. Mande uma singela mensagem para o celular (69) 9 8117-3923. Requisito único para participar: ter bom coração e querer ajudar uma pessoa – que verdadeiramente precisa! Vai dar certo… Vai dar certo…

VAI DAR CERTO!!!!!!

*Reginaldo Trindade é Procurador da República. Responsável, no Estado de Rondônia, pela Defesa do Povo Indígena Cinta Larga, de abril de 2004 a dezembro de 2017. Pós-Graduado em Direito Constitucional. Membro da Academia Rondoniense de Letras. Idealizador da Caravana da Esperança, do Bazar da Solidariedade e do Fórum do Amor. Ser humano abençoado.

Para acabar com ‘Coronafest’ PM usa bala de borracha

Festa estava ocorrendo na cidade de Cerejeiras, Cone Sul do estado. Ao menos 14 pessoas precisaram assinar o TCO.

A Polícia Militar (PM) informou que flagrou uma festa sendo realizada na zona rural de Cerejeiras (RO), na noite de domingo (17), a mais de 800 quilômetros de Porto Velho. Os organizadores do evento tinham intitulado o evento como ‘Coronafest‘ e até bala de borracha precisou ser disparada para que os jovens acabassem com a aglomeração.

A primeira denúncia sobre a festa foi feita à PM por volta de 15h. Uma guarnição foi ao endereço, mas não encontrou movimentação na residência localizada na zona rural.

Por volta de 18, os policiais receberam fotos e vídeos da festa denominada Coronafest, na Estrada 1, Eixo 3. Ao chegar no local, a guarnição constatou a aglomeração de vários jovens, sem o uso de mascaras, ingerindo bebidas alcoólicas, e com som alto.

“Quando viram a chegada da policia militar vários saíram correndo e alguns se esconderam no interior da residência. Tivemos até que efetuar um disparo com munição antimotim pois alguns dos envolvidos estavam alterados”, diz a PM em boletim de ocorrência.

Foi constatado ainda que todos os jovens na festa estavam incorrendo em crime de infração de medida sanitária preventiva, para conter o avanço da Covid-19.

Ao menos 14 pessoas que estavam na festa precisaram assinar o Termo Circunstanciado de Ocorrência, segundo a polícia.. A Coronafest tinha, inclusive, a presença de menores de idade.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Os policiais apreenderam a caixa de som automotivo usado na festa e a levou até a delegacia de Cerejeiras.

Segundo decreto estadual, que entrou em vigor no fim de semana, encontros com mais de cinco pessoas estão proibidos no estado. A medida visa conter o avanço do coronavírus.

Desde a noite de domingo, Cerejeiras também está na lista de cidades onde foi determinado toque de recolher entre 20h e 6h.

Fonte: G1/RO

Governo faz estudos para propor nova CPMF

“O governo quer extinguir” contribuição patronal sobre folha de pagamento

A equipe econômica do governo federal intensificou nas últimas semanas os estudos para apresentar uma proposta de novo imposto sobre transações financeiras. A ideia é que o tributo seja aplicado sobre as movimentações digitais.

O ex-presidente do Sebrae e ex-ministro Guilherme Afif Domingos, assessor especial do ministro da Economia Paulo Guedes, disse que o governo estuda apresentar o novo imposto como uma alternativa à eliminação ou à diminuição dos impostos sobre a folha de pagamento.

Afif evitou falar sobre qual seria a alíquota do novo imposto e disse que isso está sendo avaliado pela Receita Federal. “[O governo quer extinguir] contribuição patronal sobre folha de pagamento, total ou parcial de acordo com a alíquota possível. A Receita ainda está calibrando”, declarou.Leia mais

imposto sobre transações foi o motivo da demissão, no final de 2019, de Marcos Cintra do comando da Receita Federal. A ideia não é bem aceita pelo Poder Legislativo, pois toda criação de novo imposto gera desgaste para deputados e senadores juntos à sociedade.

A ideia de retomar os estudos sobre o tributo foi tornada pública na última segunda (13) quando foi vocalizada pelo vice-presidente Hamilton Mourão em live promovida pela Genial Investimentos.

“Eu acho que tem que ser discutido. O presidente é contra, ele não quer jogar esse assunto na mesa por causa da memória da antiga CPMF, mas a gente sabe que o nosso sistema tributário é complicado”declarou. “Mais cedo ou mais tarde, essa discussão vai ter que ser colocada na mesa.”

Governo combina estratégia com o Centrão, mas enfrenta resistência de Maia

Deputados do Centrão ouvidos pelo Congresso em Foco se mostraram dispostos a defender a criação de um tributo para compensar a desoneração da folha de pagamento. A estratégia para convencer os colegas do Congresso é fazer uma associação entre a criação do tributo e as condições para que o governo organize as contas públicas e tenha maneiras de implementar uma ampliação do Bolsa Família, em estudo por Guedes e que é batizada de Renda Brasil.

“É bem provável que haja um encaminhamento deste e se atrelar a um programa de renda básica, renda mínima, acho que consolida”, disse um deputado que já foi líder do PP sob a condição de anonimato.

O líder do Solidariedade na Câmara, deputado Zé Silva (MG), também defende o novo tributo. Ele, que é membro da bancada ruralista, disse que vai tentar trazer recursos do imposto para o setor do agronegócio.

“Vejo que é um tema que será pauta sim no Congresso. Vincular ao Renda pode ser uma opção. Mas terão muitos caminhos de vinculação, como por exemplo pretendo vincular todas transações do Agro e destinar recursos para assistência técnica”.

No entanto, a ideia ainda sofre resistências. O DEM, partido dos presidentes da Câmara e do Senado, divulgou nesta quarta-feira (15) nota nas redes sociais reafirmando posição contrária.

“Sempre fomos contra a recriação da CPMF e assim continuaremos. A reforma tributária não pode representar aumento de imposto. O brasileiro já paga imposto demais”.

Por Lauriberto Pompeu

Wassef afirma que havia um plano traçado para assassinar Queiroz e botar a culpa na família Bolsonaro

Em entrevista divulgada hoje pela Revista Veja, o advogado Frederick Wassef explicou os motivos pelo qual Fabricio Queiroz estava em sua residência em Atibaia – SP.

Segundo Wassef, a ajuda dada a Queiroz foi um ato “humanitário”, na medida em que o mesmo estava tratando uma doença e precisava de um lugar para ficar.

Além disso, o causídico afirmou que o ex-assessor de Flávio Bolsonaro estava jurado de morte no Rio.

“Passei a ter informações de que Fabrício Queiroz seria assassinado. O que estou falando aqui é absolutamente real. Eu tinha a minha mais absoluta convicção de que ele seria executado no Rio de Janeiro. Além de terem chegado a mim essas informações, eu tive certeza absoluta de que quem estivesse por trás desse homicídio, dessa execução, iria colocar isso na conta da família Bolsonaro”, disse Wassef.

E prosseguiu:

“Havia um plano traçado para assassinar Fabrício Queiroz e dizer que foi a família Bolsonaro que o matou em uma suposta queima de arquivo para evitar uma delação.”

Indagado sobre quem teria interesse em assassinar Fabrício Queiroz, Wassef garatiu ter “informações procedentes”.

“Eu tive informações absolutamente procedentes e formei a minha convicção de que iriam matar Queiroz e iriam colocar a culpa no presidente Bolsonaro para fazer um inferno da vida dele. Na verdade, seria uma fraude. Algo parecido com o que tentaram fazer no caso Marielle, com aquela história do porteiro que mentiu.”

Fonte: Revista Veja

Restaurante popular de Porto Velho não tem prazo para voltar a funcionar

‘Prato Cheio’ fechou as portas em 2019, sem apresentar nenhuma justificativa plausível, pelo ex-governador Daniel Pereira,..

Porto Velho, RO – O Restaurante Popular ‘Prato Cheio’ em Porto Velho, Zona Leste da capital ainda não tem data previsão para voltar a funcionar. retomar suas atividades nesta parte da Capital. O restaurante, ‘Prato Cheio’ fechou as portas em 2019, sem apresentar nenhuma justificativa plausível, pelo ex-governador Daniel Pereira, aos usuários e à comunidade porto-velhenses.

Nem mesmo em tempos de pandemia, nem a Secretária da Assistência Social (SEAS), Luana Rocha e muito menos o governo do Estado, segundo ex-funcionários do restaurante, ‘ainda não sinalizaram quando o local retomará suas atividades na administração do atual Governo’.

Construído no então governo Confúcio Moura, com o apoio do antigo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), ‘Prato Cheio era frequentado por idosos, estudantes, desempregados e trabalhadores lojistas da região.

– Os serviços prestados pelo restaurante, com o prato de alimentação ao custo de R$ 1 real, era uma forma de garantir que a população vulnerável economicamente não tivesse tanta dificuldade de acesso a refeições saudáveis, sobre tudo, equilibrar o orçamento doméstico’, afirmou a acadêmica de Serviço Social, Francisca Souza da Silva, 57, ouvida pela reportagem.

À época, quando funcionava de segunda a sexta-feira, cerca de 1.200 refeições eram servidas diariamente aos trabalhadores, estudantes, idosos e desempregados. Hoje, o prédio se encontra praticamente abandonado. Inclusive com deterioração da fachada por conta e risco de intempéries, bem como o imóvel já não oferece mais nenhum tipo de segurança.

O Restaurante Popular ‘Prato Cheio’, instalado na Rua Teotônio Vilela com a Avenida José Amador dos Reis (próximo ao antigo 8º DP), bairro JK I, desde quando foi fechado logo no inicio do Governo Daniel Pereira, ‘tem sido um grande desafio para a população que agora, não tem mais como garantir suas refeições diárias’ a preço acessível, afirma  Francisca.

Para a presidente da Associação Beneficente de Voluntários e Amigos do Bairro Mariana (ABVAM), Maria Cleonice Ferreira da Silva, 49, ‘o local matava a fome dos pobres e trabalhadores de baixa renda e também de infiltrados em meio à multidão’. Ainda de acordo com a presidente da entidade, com o restaurante fechado, mesmo em tempos de pandemia, ‘já se passaram quase dois anos que o coronel Marcos Rocha assumiu o governo e até, agora, nada do ‘Prato Cheio’ voltar a funcionar, para a alegria das pessoas em situação de vulnerabilidade social e pessoal’.

Conforme dados extraoficial, obtidos pela Reportagem do Correio de Notícia (CN), entre 15 a 20 mil usuários se beneficiavam da alimentação barata e de qualidade oferecida, diariamente, ao preço de R$ 1 real. Por sua conta e risco, lideranças dos bairros mais organizados desta parte mais afastada da cidade, com apoio deste veiculo de comunicação, ‘pretendemos acionar o Ministério Público do Estado (MPE) e Federal (MPF) para que se manifestem sobre o fechamento do Restaurante Popular ‘Prato Cheio’, um fato considerado inexplicável aos olhos dos presidentes de bairros da Zona Leste da Capital Porto Velho.

Da Redação/CN | Por Xico Nery