Pequim impõe sanções contra 11 funcionários dos EUA em retaliação

País alega interferência nos assuntos de Hong Kong

A China anunciou hoje (10) sanções contra 11 funcionários norte-americanos, por interferência nos assuntos de Hong Kong, depois de os Estados Unidos terem adotado medidas semelhantes contra várias autoridades da região semiautônoma chinesa.

As sanções impostas por Pequim afetam os senadores republicanos Ted Cruz e Marco Rubio, entre outros, informou o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian.

Zhao exigiu aos Estados Unidos que parem de interferir nos assuntos internos da China. “A China decidiu impor sanções a algumas pessoas que se comportaram mal em questões relacionadas com Hong Kong”, afirmou.

O líder da organização de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch (HRW), Kenneth Roth, também foi visado.

A decisão é semelhante a uma medida retaliatória adotada por Pequim em meados de junho, quando baniu a entrada na China de membros do Congresso dos EUA e de um diplomata, depois de Washington ter feito o mesmo a líderes do Partido Comunista da China (PCC), devido a alegado envolvimento em abusos contra membros de minorias étnicas chinesas, de origem muçulmana, na região de Xinjiang, no extremo noroeste da China.

Na sexta-feira (7), Washington anunciou sanções contra 11 dirigentes de Hong Kong, incluindo a chefe do Executivo, Carrie Lam, acusados de restringir a autonomia do território e a “liberdade de expressão e reunião”.

O responsável pela polícia de Hong Kong, o secretário da Segurança e o da Justiça encontram-se também entre os atingidos pela medida.

A Lei de Segurança Nacional, imposta no fim de junho por Pequim a Hong Kong, “não apenas minou a autonomia do território, mas igualmente violou os direitos dos seus habitantes, permitindo aos serviços de segurança da China continental operar com toda a impunidade na região”, segundo o governo norte-americano.

Fonte: Agência Brasil

Pequim registra 17 dos últimos 21 casos de coronavírus

Todas as novas infecções na capital foram transmitidas localmente.

O recente surgimento de um surto do novo coronavírus em Pequim foi responsável por 17 dos 21 contágios por ele registrados na sexta-feira (26) na China, informou a Comissão Nacional de Saúde do país neste sábado (27).

Todas as novas infecções na capital foram transmitidas localmente, e os outros quatro casos foram diagnosticados em pacientes que chegaram do exterior e estão nas cidades de Xangai, Gansu e Guangzhou (2).

Os 21 casos representam um aumento de oito em relação aos registrados na quinta-feira e de dois na comparação com os contabilizados na quarta-feira.

Além disso, as autoridades disseram que o número de pessoas atualmente infectadas pelo coronavírus na China é de 405, oito delas em estado grave.

Não foram relatadas mortes por Covid-19 na sexta-feira, e com isso o total de óbitos pela doença permaneceu em 4.634 desde o início da pandemia. Já o total de contágios é de 83.483.

Fonte: R7