Presidente Alex Redano destina emenda para reforçar ações da Polícia Civil no Vale do Jamari

Recurso será aplicado na Delegacia Regional, em Ariquemes, que atende a todo o Vale do Jamari

Para fortalecer e reforçar as ações da Polícia Civil no Vale do Jamari, o presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), assegurou a destinação de uma emenda parlamentar significativa para a Delegacia Regional de Ariquemes.

“Será uma recurso destinado para ações pontuais e melhorias na estrutura de trabalho da Delegacia Regional, o que vai trazer melhores condições de trabalho e com isso a população vai ser beneficiada com ainda mais celeridade nas ações policiais, trazendo mais segurança para o cidadão de todo o Vale do Jamari, que é atendido pela Regional, com sede em Ariquemes”, destacou Redano.

A garantia foi dada nesta quinta-feira (12), durante encontro com Thiago Flores, diretor do Departamento de Polícia do Interior, Rodrigo Camargo, delegado regional, e Ricardo Rodrigues, delegado titular da Delegacia de Homicidios, ambos de Ariquemes, onde ocorreu o encontro.

O delegado Thiago Flores agradeceu por mais essa ação de Alex Redano em favor da segurança pública. “O deputado sempre tem sido um parceiro da Polícia Civil e da segurança pública e, mais uma vez, destina recursos para apoiar as ações em defesa da nossa sociedade. Em nome da direção geral de Polícia Civil e de todo os policiais que atuam no Vale do Jamari, agradecemos a mais esse benefício”, completou Flores.

Texto: Eranildo Costa Luna-ALE/RO

Dezessete pessoas são presas em Operação da Polícia Civil em Rondônia

O grupo são acusados de integrar uma quadrilha de invasores que invadem e loteia terras particulares. Às invasões aconteciam principalmente na região de São Francisco do Guaporé/RO

A Polícia Civil prendeu 17 pessoas na Operação Canaã, deflagrada na manhã desta sexta-feira (11), em municípios de Rondônia. Segundo investigação, o grupo é invasão de terras privadas na região de São Francisco do Guaporé.

Além dos 17 mandados de prisão temporária, os agentes da polícia cumpriram 21 mandados de busca e apreensão nas cidades de Porto Velho, Ji-Paraná (RO), Seringueiras (RO), Mirante da Serra (RO), São Miguel do Guaporé (RO) e Várzea Grande (MT).

De acordo com investigação conduzida pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), essa quadrilha agia da seguinte maneira:

  • Primeiro eram mapeados os lotes da área a ser invadida;
  • Depois, usando armamento de alto calibre, os suspeitos invadiam a propriedade;
  • Após isso, os líderes da organização criminosa ofereciam cotas aos camponeses e investidores mediante pagamento pecuniário, veículos e armas;
  • A organização criminosa também prometia a legalização da posse após a tomada da terra;
  • Um desses locais prometidos seria a terra Canaã.

A operação tem o apoio da Secretaria de Estado de Segurança, Defesa e Cidadania, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Draco/DERF.

Os nomes dos presos na operação desta sexta-feira não foram divulgados.

Com informações do g1/ro

MP e Polícia Civil deflagram operação para combater ocupação e comércio ilegal de madeira no Parque Estadual de Guajará-Mirim

A Operação Bico Fechado, combate a ocupação, o comércio e a exploração ilegal de recursos naturais na unidade de conservação Parque Estadual Guajará-Mirim (PEGM)

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Guajará-Mirim, com o apoio do Grupo de Combate ao Crime Organizado (GAECO), e a Polícia Civil do Estado de Rondônia, pelas Delegacias Regionais de Guajará-Mirim e de Nova Mamoré e do Departamento de Polícia Especializado, deflagraram, na manhã de hoje, a Operação Bico Fechado, para combater a ocupação, o comércio e a exploração ilegal de recursos naturais na unidade de conservação Parque Estadual Guajará-Mirim (PEGM) e na área denominada “Bico do Parque”, Zona de Amortecimento da referida unidade.

O PEGM e sua Zona de Amortecimento constituem uma das regiões ambientais mais relevantes e sensíveis do estado de Rondônia e há mais de um ano foi constatado o aumento do desmatamento do local. Durante as investigações, que tiveram início em setembro de 2020, foi identificada a presença de organização criminosa articulada para o desmatamento do Parque Estadual Guajará-Mirim e da sua Zona de Amortecimento, que vem ocupando, de forma ilegal, a área denominada “Bico do Parque”, em manifesta afronta à legislação ambiental, pelo que foi requerida à Justiça Estadual a concessão de medidas cautelares, dentre elas a expedição de mandados de busca e apreensão, para desarticular o grupo criminoso e frear os desmatamentos na área ambientalmente protegida. 

Já foram apurados danos ambientais que superam 80 milhões de reais. Estão sendo cumpridos 11 mandados judiciais de busca e apreensão nos municípios de Nova Mamoré e de Porto Velho. A denominação Operação Bico Fechado faz referência à área da Zona de Amortecimento do Parque Estadual Guajará-Mirim conhecida como “Bico do Parque”.

Fonte: DCI/MP

Polícia Civil investiga desvio de insumos médicos de hospitais públicos de Rondônia

Equipamentos estariam sendo desviados do Hospital de Base e da Maternidade Municipal

Porto Velho, RO – Uma operação foi deflagrada na última quinta-feira (6) para investigar o possível desvio de materiais de hospitais públicos do Estado e de Porto Velho. Um mandado de busca e apreensão, expedido pela 1ª Vara Criminal da capital, foi cumprido.

Segundo informações da Polícia Civil, nessa primeira fase da Operação Zoés foram apreendidos materiais pertencentes ao Hospital de Base e à Maternidade Municipal, como: bomba infusora, monitor multiparâmetro portátil, sensor de oximetria portátil, hamper, eletrocardiógrafo, lençóis timbrados, entre outros.

As investigações começaram após denúncias de que um servidor vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) estaria desviando insumos hospitalares das unidades de saúde para serem utilizados em aulas de cursos particulares. Entre os equipamentos desviados, há produtos utilizados em pacientes que contraíram a forma mais grave da Covid-19.

Equipamento apreendido durante a Operação Zoés — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Equipamento apreendido durante a Operação Zoés — Foto: Polícia Civil/Divulgação

A Polícia Civil segue com as investigações para certificar a procedência dos produtos recuperados, retornar ao uso público os aparelhos apreendidos e chegar a outros envolvidos no esquema.

A operação foi realizada pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO) com apoio de outras duas delegacias.

Fonte: g1/RO

Ismael Crispin pede reforma da Delegacia de Polícia Civil de São Miguel do Guaporé

Parlamentar apontou péssimo estado de conservação da sede como justificativa do pedido

O deputado Ismael Crispin (PSB) apresentou indicação ao Poder Executivo, pedindo ao Secretário de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania, Coronel PM Senhor José Hélio Cysneiros Pachá, a reforma do prédio sede da Delegacia de Polícia Civil no município de São Miguel do Guaporé.  

O parlamentar justifica a solicitação devido à sede estar em péssimo estado de conservação, precisando urgentemente. “Esse atendimento é de grande importância aos moradores, que presenciam a falta de estrutura laboral adequada aos policiais. Em visita in loco, constatamos o estado precário das instalações do prédio, sendo necessário que o governo do Estado adote imediatamente providências necessárias”, disse.

Ismael Crispin aponta que a reforma garantirá um espaço digno para que os policiais possam exercer suas funções e prestar melhor qualidade no atendimento à população. “Quando eu assumi a presidência da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Rondônia fiz o compromisso de buscar melhorias para os servidores e esperamos que o nosso pleito seja atendido”, finalizou.

Texto: Laila Moraes-ALE/RO

Ação conjunta apreende carregamento com 4 mil eletrônicos em RO

A operação contou com o apoio da PRF, Receita Federal e agentes do Denarc.

Uma operação conjunta da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Receita Federal do Brasil (RFB) e o Departamento de Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil, apreendeu um carregamento com 4 mil unidades de eletrônicos. O flagrante aconteceu em Porto Velho, durante fiscalização na BR-364.

Segundo informações da PRF, o material estava acondicionado em diversas caixas escondidas no compartimento de cargas de um caminhão e não possuía documento fiscal de entrada no país, caracterizando o crime de descaminho, em transporte de produtos eletrônicos importados de maneiro irregular.

Fonte: Rondônia Agora

Laerte Gomes entrega equipamentos de segurança para Polícia Civil

O parlamentar foi recebido pelos agentes e conferiu bombas de efeito moral usadas para dispersar multidões e garantir a ordem social

O deputado estadual Laerte Gomes (PSDB) esteve no início da tarde desta terça-feira, 13, na Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE), força tática da Polícia Civil, entregando equipamentos de segurança no valor de R$ 70 mil, fruto de uma emenda de sua autoria apresentada ao Governo de Rondônia. O parlamentar foi recebido pelos agentes e conferiu bombas de efeito moral usadas para dispersar multidões e garantir a ordem social.

Na ocasião, o deputado recebeu o pedido de construção de uma edificação para treinamento das forças táticas. O local fica no terreno ao lado da unidade da CORE e terá 48 metros quadrados. Laerte Gomes agradeceu a recepção dos agentes e prometeu estudar forma de liberar recursos para o projeto. “A Polícia Civil precisa de investimentos em equipamentos, qualificação de pessoal e valorização salarial. Nosso papel é defender a categoria que tanto ajuda nossa população”, disse o representante.

A CORE é a unidade de operações especiais da Polícia Civil de Rondônia e é destinada a prestar apoio tático operacional. Entre suas atribuições, estão incluídas as ações em eventos críticos de caráter grave, tais como resgate de reféns, operações de captura de suspeitos potencialmente armados, operações de busca e resgate em ambiental rural, fluvial e de selva, suporte tático para gerenciamento de crises, cumprimento de mandados de prisão de alto risco e operações de risco em área de fronteira. A unidade foi criada em 2017.

Fonte: Assessoria

MP e Polícia Civil deflagram a “Operação Hiena” em Pimenta Bueno

A Operação é desdobramento das investigações que apuram CRIMES DE PERIGO COMUM, SAÚDE PÚBLICA, INTEGRIDADE FÍSICA e MEIO AMBIENTE

O Ministério Público do Estado de Rondônia e a Polícia Civil, por meio da Promotoria de Justiça e Delegacia da Comarca de Pimenta Bueno, com apoio do GAECO, deflagraram a Operação HIENA, cumprindo MANDADOS DE BUSCA E APREENSÃO e IMPOSIÇÃO DE MEDIDAS CAUTELARES, expedidas pela 1ª Vara Criminal da Comarca, nas dependências do Frigorífico JBS – Filial Pimenta Bueno, dentre elas a proibição de acesso às dependências do frigorífico e monitoramento eletrônico, em desfavor de dois gerentes.

A Operação é desdobramento das investigações que apuram CRIMES DE PERIGO COMUM, SAÚDE PÚBLICA, INTEGRIDADE FÍSICA e MEIO AMBIENTE praticados a partir do vazamento de amônia nas dependências do Frigorífico JBS S/A, no município de Pimenta Bueno, ocorrido no dia 15 de fevereiro, intoxicando 25 colaboradores da JBS, com amônia, que apresentam quadro de dispneia, dificuldade para respirar, inconsciência, entre outros sintomas graves.

De acordo com o apurado, a estrutura metálica de uma das câmaras frias do estabelecimento cedeu, por excesso de peso, resultando no rompimento dos dutos de amônia utilizada para refrigeração e queda de 150 meias carcaças bovinas, que foram expostas ao agente químico contaminante.

Ainda, a carne caiu ao solo, foi arrastada, amontada, lavada, acondicionada em outras câmaras frias e despachada para Santana de Parnaíba, à revelia dos Auditores de Inspeção Federal, destinando-a ao consumo humano, em desacordo com as normas de segurança alimentar da cadeia de produção.

Os indícios coletados até o momento apontam que documentos foram produzidos com a finalidade de alterar a verdade dos fatos, na tentativa de dar cobertura ao encaminhamento de carne para o consumo humano de forma ilegal, apontando para a prática de crimes de Falsidade Documental.

A carne foi apreendida em Santana de Parnaíba-SP, em outra ação cautelar ajuizada em defesa da saúde do consumidor, que tramita na 2ª Vara Cível de Pimenta Bueno.

Em torno de 30 policiais foram mobilizados para o cumprimento das ordens judiciais.

A denominação HIENA é referência ao animal de má-reputação e que se alimenta de carcaças de animais.

Fonte: Assessoria

Polícia Civil faz operação para prender suspeitos de matar 100 pessoas, em RO

Ao menos 30 assassinatos já estão confirmados como de responsabilidade do grupo.

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta quinta-feira (1°), uma operação para cumprir 35 mandados de prisão preventiva contra uma organização criminosa conhecida como Mato Grosso, que pode ter matado até 100 pessoas em um período de dez anos. Os integrantes desse grupo são todos parentes/familiares. Os crimes teriam ocorrido em um período de dez anos, segundo a polícia. 

Segundo a Civil, ao menos 30 assassinatos já estão confirmados como de responsabilidade da família Mato Grosso.

Além dos 35 mandados de prisão, a Operação Xequemate cumpre 21 mandados de busca e apreensão e 21 ordens de afastamento/quebra de sigilo telefônico dos investigados.

Os mandados são cumpridos nas cidades de Ariquemes (RO), Monte Negro (RO), Ouro Preto (RO), Jaru (RO), Porto Velho, Guajará-Mirim (RO), Costa Marques (RO), Paranatinga (MT) e Sapezal (MT).

Fonte: G1/RO

Polícia civil prende quadrilha que vendia diplomas falsos em RO

Os alvos da operação são os municípios de Cacoal e Vilhena

A Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira (31) uma nova fase da Operação Loki, que visa combater um grupo que vende diplomas falsos do ensino médio e faz cartões de crédito usando CPFs e dados de terceiros. Os mandados de prisão foram cumpridos em Cacoal (RO) e Vilhena (RO).

Segundo a polícia, a perícia identificou que a quadrilha vendeu pelo menos 50 diplomas falsos, todos de conclusão do ensino médio.

A investigação contra o grupo iniciou depois que os agentes receberam a informação de que pessoas estariam levando diplomas falsos para realizarem serviços notariais, tais como cópias autenticadas e reconhecimento de firmas dos diretores da instituição de ensino.

De acordo com a Civil, na fase investigatória foi descoberto que os falsários divulgavam na internet a venda de outros documentos falsos, como CNH, além dos próprios diplomas, notas de reais e cartões de crédito em nome de terceiros com crédito que chegava a R$ 10 mil.

“Diante da confissão daqueles que adquiriam os documentos falsos, bem como do auxilio dos responsáveis pela instituição educacional, foi possível identificar os verdadeiros administradores do perfil falso, criado na rede social que oferecia tais serviços ilegais, culminando com a representação por medidas judiciais de busca e apreensão e prisão preventiva, haja vista que os falsários já haviam sido processados e julgados anteriormente pela prática do mesmo tipo de crime”, afirma a polícia.

Nesta quarta-feira, além dos mandados de prisão, a polícia apreendeu celulares, computadores, aparelhos de telefone celular, carimbos, cartões de crédito e outros instrumentos utilizados pela quadrilha.

Os suspeitos do crime foram presos e recolhidos ao sistema prisional, onde permanecerão à disposição da justiça.

Reportagem em atualização

Fonte: G1/RO