No Dia do Trabalhador, profissionais da linha de frente contra covid-19 são homenageados em RO

Profissionais da saúde encontram na missão de evitar novos óbitos forças para superar desafios do trabalho em meio a pandemia

Médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, e todos os demais profissionais que estão diretamente ligados ao tratamento dos pacientes com covid-19 vivem a mais de um ano a batalha para salvar vidas em meio pandemia do coronavírus. No Dia do Trabalhador, o Governo de Rondônia homenageia e ressalta o trabalho destes profissionais devido ao intenso esforço de atuarem na linha de frente desta pandemia.

A diretora assistencial do Hospital de Base Doutor Ary Pinheiro e enfermeira, Patrícia Oliveira da Silva Queiroz, relata que a pandemia mudou toda a rotina de vida e no ambiente de trabalho. ‘‘Esse vírus desconhecido, no princípio, nos trouxe muito medo, havia muitas notícias falsas que causavam angústia no ambiente hospitalar. Tivemos que fazer várias adaptações e fortalecer o trabalho em equipe. Enfrentar esse vírus não é uma tarefa fácil’’, avalia.

Patrícia conta que a pandemia fez os profissionais de saúde lidarem mais de perto com o luto. Uma das situações mais marcantes para ela foi quando uma colega enfermeira perdeu a mãe e em dez dias depois, o pai, para o vírus. ‘‘Ela se sentiu impotente diante da situação, e é uma dor que toda equipe vivenciou junto, o que gerou medo e potencializou nosso desejo de cuidar dos entes de outras pessoas ’’, revela complementando que diante de tantos desafios, a motivação para os dias de trabalho vem exatamente dessa atitude nobre e extremamente humanitária.

‘Lutar pela vida das pessoas é a nossa motivação. Estamos cuidando do amor de alguém, por isso não desistimos do nosso compromisso de cuidar das vidas de maneira ética e segura’’, garante.

A diretora do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro, Raquel Gil, reforçou que  devido os pacientes com covid-19 demandarem muitos cuidados  a missão profissional de cuidar das pessoas foi ressaltada. ‘‘É muito gratificante saber que podemos mudar a vida de alguém a partir do nosso trabalho. Na direção, nos empenhamos em organizar o serviço para que seja o mais acolhedor possível, ofertando leitos para ajudar a cuidar dos doentes e criando um ambiente seguro com a disponibilização de equipamentos de segurança e treinamento para uso adequado dos mesmos, motivando os servidores a se proteger’’, garante.

Patrícia conta que os protocolos adotados na rede estadual de saúde fizeram com que os profissionais fossem afastando pouco a pouco a ideia do caos instaurado no primeiro momento diante das notícias veiculadas sobre o então desconhecido vírus.

A diretora Raquel explicou ainda que o HB é um hospital de referência no Estado quanto ao atendimento de gestantes de alto risco com covid-19. ‘‘Adaptamos uma UTI e mudamos a estrutura do hospital. Temos leitos para pacientes com covid-19 em UTI adulto, neonatal, clínico e de maternidade’’. Ela ainda parabenizou o Governo, que por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) contratou mais profissionais da saúde. ”Temos orgulho de somar com essa grande força tarefa”.

Assim como os profissionais de saúde, o Governo do Estado reconhece a importância de cada profissional como bombeiros, policiais, professores, comerciantes, produtores rurais, músicos, motoristas, cuidadores de idosos, veterinários, arquitetos, engenheiros, analistas de sistemas, assistentes sociais, frentistas, bancários, taxistas, jornalistas, trabalhadores da construção civil e indústria, garis, entre outros, que tem com dedicação contribuído para o desenvolvimento de Rondônia.

Fonte: Sesau

Semusa segue cronograma de vacinação contra gripe em Porto Velho

Profissionais da saúde tem até essa sexta-feira (30), para receberem a dose da vacina, os outros grupos seguem.

Ao mesmo tempo em que imuniza a população contra a Covid-19, a Prefeitura de Porto Velho segue cumprindo o calendário da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (gripe), conforme orientação do Ministério da Saúde. O atendimento é feito no Campus 1 da Faculdade Uniron, na avenida Mamoré, bairro Cascalheira.

Até esta sexta-feira (30), são atendidos profissionais de saúde de unidades públicas e particulares. Estes trabalhadores fazem parte do grupo prioritário da campanha.

Nesta etapa são atendidas com a vacina, apenas nas unidades de saúde do município, gestantes, puérperas e crianças de seis meses a seis anos de idade. As doses são aplicadas apenas no período da manhã.

A população indígena, que também faz parte deste grupo, é vacinada exclusivamente pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei).

Conforme a enfermeira Oziane Alves, da Divisão de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), é preciso ficar atento quanto ao intervalo de tempo de uma vacina para a outra, já que as doses contra a Influenza estão sendo aplicadas simultaneamente aos imunizantes contra o coronavírus.

“Quem já tomou a vacina contra a Covid-19 deve obedecer a um intervalo de, no mínimo, 15 dias para receber a dose da Influenza e vice-versa”, orienta.

Quem já tomou a primeira dose da CoronaVac deve esperar pela segunda dose e só após 15 dias receber o imunizante contra a gripe, pois o intervalo neste caso é menor.

Em relação às pessoas que receberam a vacina AztraZeneca, em que o intervalo de uma dose para outra é de 90 dias, é recomendável tomar a vacina contra o vírus Influenza após 15 dias.

No campus 1 da Uniron também está sendo aplicada a segunda dose da vacina AstraZeneca contra a Covid-19, para idosos e profissionais da saúde que receberam a primeira dose do imunizante no início de fevereiro.

A Prefeitura conta com uma equipe de apoio, inclusive militares para ajudar na organização desde o momento em que as pessoas chegam ao local para serem vacinadas.

Fonte: Semusa

Profissionais da saúde de hospital em Porto Velho questionam sobre doses diferentes de vacina contra Covid-19

A denúncia foi feita por 35 servidores que ao invés de tomarem a segunda dose da CoronaVac, receberam doses da vacina Oxford.

Profissionais de saúde do Hospital Infantil Cosme Damião, em Porto Velho, denunciaram nesta terça-feira (23), que tomaram doses de vacinas diferentes contra a Covid-19. É o que disseram pelo menos 35 funcionários. De acordo com os servidores, ao invés de adquirirem a segunda dose da CoronaVac, os servidores receberam doses da vacina Oxford Astrazeneca. O governo de Rondônia já abriu investigação do caso.

Conforme o relato de vários servidores, na segunda-feira (22) foi marcado uma ‘campanha de vacinação’ interna na unidade, para os profissionais de saúde, e houve uma confusão e desorganização na hora de aplicar os imunizantes.

Isso porque dois vacinadores teriam sido enviados ao hospital, sendo um para aplicar a primeira dose de AstraZeneca (em funcionários que ainda não tinham sido imunizados), e outro vacinador para aplicar a segunda dose de CoronaVac (para aqueles que tomaram a primeira dose em janeiro).

Segundo relata um profissional de saúde que foi imunizado de forma errada, os vacinadores não teriam sido orientados e nem se atentaram ao frasco, aplicando assim o imunizante trocado em várias pessoas.

Fotos dos comprovantes de imunização, feitas pelos profissionais da saúde, mostram que a numeração dos lotes de vacinas aplicados nos servidores são diferentes. Segundo os servidores, o lote de n° 2010040 é da vacina CoronaVac e o lote de n° 4120Z005 é da Oxford Astrazeneca (veja imagem abaixo).

Comprovante de vacinação indica que n° de lotes aplicados são diferentes, dizem servidores da saúde em RO — Foto: Arquivo Pessoal
Comprovante de vacinação indica que n° de lotes aplicados são diferentes, dizem servidores da saúde em RO

“Mesmo a gente informando que era segunda dose da CoronaVac, muitas colegas tomaram a primeira dose de outra vacina [Oxford Astrazeneca], mesmo a gente falando ‘é minha segunda dose'”, disse o servidor, sem querer se identificar.

Outro profissional relata: “Não é a questão: ‘ah foi a colega que errou’. É porque um vacinador era responsável por uma vacina e a outro era responsável por outra. A questão é que não foi orientado direito, não foi esclarecido antes de aplicar os imunizantes”.

O servidor da saúde imunizado de forma errada também afirma não entender como houve essa troca na hora da aplicação, pois o lote entregue contém o nome no frasco, nome nas caixas e na nota fiscal.

“Na embalagem está escrito ‘vírus inativado’. A CoronaVac é de vírus inativado e a Oxford Astrazeneca é de vírus vivo”, explica.

“Tem muita gente apavorada, morrendo de medo. Tem colega que não para de chorar, desesperado, com medo e não sabe o que vai acontecer. A gente procura informação, o que já falou ontem é que a gente se lascou e tomou a vacina errada, é isso. E agora como a gente fica?”, questiona.

Em nota, a assessoria de imprensa do governo de Rondônia informou que a Secretaria de Saúde do estado já está investigando as denúncias sobre aplicação de “tipos de vacinas diferentes em profissionais da Saúde que atuam na linha de frente no Hospital Infantil Cosme e Damião”.

Ainda conforme reiterou o estado, a aplicação dos imunizantes é de responsabilidade das prefeituras e cabe aos municípios realizarem os treinamentos.

“Neste caso específico, a prefeitura de Porto Velho pediu apoio ao Hospital para aplicar as vacinas nos servidores da unidade. Os profissionais de Saúde inseridos no grupo prioritário, que possivelmente tenham recebido as doses, já estão sendo acompanhados e recebem toda a assistência”.

Já a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) também ressaltou que investiga o caso. “O Ministério da Saúde já foi comunicado. Por fim, a Semusa reitera seu compromisso em trabalhar com celeridade e transferência para elucidar os fatos, com respeito aos profissionais envolvidos bem como com a população de Porto Velho”, explica a nota.

Fonte: Assessoria

Público-Alvo do Baixo Madeira começam a receber vacina contra covid

Equipes percorreram 76 km em meio às intempéries para levar doses de esperança aos moradores da região que aguardavam ansiosos

Idoso recebendo primeira dose de vacina contra covid

Equipes da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) e da Defesa Civil de Porto Velho se deslocaram até os distritos do Baixo Madeira, para imunizar idosos acima de 80 anos, além de profissionais de saúde que trabalham na linha de frente contra a Covid-19.

Os trabalhadores percorreram 76 km, por terra, do centro urbano de Porto Velho até a margem do encontro dos rios Jamari e Madeira, de onde continuaram a viagem de voadeira, por mais um quilômetro e meio até chegar à primeira comunidade, a de São Carlos. Ao todo, o deslocamento durou cerca de 90 minutos.

Desembarcando na comunidade, os agentes de saúde seguiram agarrados a caixa térmica, onde estavam armazenadas as vacinas, transportadas até a Unidade Básica de Saúde (UBS), onde ocorreu a vacinação de parte dos moradores. Na região de São Carlos vivem atualmente cerca de 500 famílias que esperavam ansiosamente a chegada dos vacinadores com a segunda dose do imunizante, produzido pelo Instituto Butantã, em São Paulo.

Os profissionais de saúde que atenderam o pacato distrito de São Carlos, no Baixo Madeira, sem se deixar vencer por intempéries impostas pelo período chuvoso, continuaram a missão de levar gotas de esperança aos moradores de outras comunidades, como Nazaré e Lago do Cuniã, que também aguardavam por proteção.

No total, 475 doses da coronavac foram aplicadas nos distritos entre sábado e domingo, sendo 27 para Vista Alegre do Abunã, 90 para a Unidade de Saúde da Família (UBS) de Extrema, além de outras 75 para o Hospital, do mesmo distrito, 78 para Nova Califórnia, 30 para Abunã, 02 para Nova Mutum, 9 para Linha 28, 15 para Cujubim Grande, 60 para Jacy-Paraná, 67 para São Carlos, 12 para Nazaré e 10 para Aliança.

Em toda Porto Velho, até o momento, cerca de 12 mil profissionais de saúde receberam a primeira dose da vacina, outros 5.500 mil já estão totalmente protegidos com a segunda dose. Já os idosos acima de 80 anos somam 3.440 mil vacinados até agora com a primeira dose da vacina Oxford, cuja segunda dose será em 90 dias, de acordo com a Semusa.

Fonte: Semusa

Polícia escolta profissionais da saúde na entrega de vacinas

Uma barreira formada por grileiros de terra impedia a passagem da equipe de saúde, que levava as vacinas e suprimentos.

Servidores da saúde indígena precisaram contar com escolta policial para realizar a vacinação em uma aldeia do povo Uru-Eu-Wau-Wau em Campo Novo de Rondônia (RO), nesta semana.

Por conta da tensão na área, os militares voltaram ao local na quarta-feira (17), para escoltar os agentes de saúde. Uma barreira formada por grileiros de terra impedia a passagem da equipe de saúde, que levava as vacinas e suprimentos.

No último fim de semana, houve conflito entre os grileiros e trabalhadores de uma fazenda próxima a aldeia Alto Jamari, do povo Uru-Eu-Wau-Wau. Sete trabalhadores da propriedade fugiram para dentro da terra indígena e foram resgatados pela Polícia Militar (PM).

“Para chegar até essa aldeia, passa-se por uma área de intenso conflito por conta da disputa da terra e os agentes não estavam se sentindo em segurança nesse deslocamento”, explicou o major Antônio Matos, comandante da Companhia Independente de Policiamento Ostensivo de Buritis (RO).

Com o apoio da PM, todos os indígenas da localidade foram vacinados e o retorno da equipe ocorreu em segurança.

Durante a ação, três espingardas e 170 munições foram apreendidas. O armamento havia sido deixado na aldeia pelo funcionários da fazenda.

De acordo com o Portal Covid, do Governo de Rondônia, 4.580 indígenas já receberam a primeira dose do imunizante. Mas, segundo o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Porto Velho, as equipes de saúde têm encontrado resistência por parte dos indígenas. Segundo o coordenador do DSEI, o motivo seriam as “fake news” que circulam nas redes sociais e assustam a população.

Além das fake news, o coordenador do DSEI Porto Velho explicou que o acesso às aldeias tem dificultado o avanço da vacinação, já que no mês de janeiro, fortes chuvas caem em Rondônia.

De acordo com o DSEI, 65% dos indígenas e 76% da equipe de saúde indígena já foram imunizadas e todas as vacinas para a aplicação da segunda dose, já estão guardadas.

O DSEI Porto Velho atende indígenas do sul do Amazonas, Porto Velho e municípios de Rondônia, como: Alta Floresta, Guajará-Mirim, Ji-Paraná e um pedaço do norte do Mato Grosso.

Fonte: Rede Amazônica

Começa a segunda etapa de dose da vacina contra covid em Porto Velho

A segunda dosagem da vacina segue para os profissionais de saúde.

A Prefeitura de Porto Velho iniciou, na segunda-feira (15), a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 na capital, para os profissionais de saúde que trabalham no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e de outras sete unidades de saúde do município.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), receberam a segunda dose os profissionais que participaram da solenidade que abriu a campanha de vacinação, em janeiro. São utilizadas, nesta etapa, doses da CoronaVac, imunizante fabricado pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac.

Segundo a gerente de imunização da Semusa, Elizeth Gomes, a partir de agora a campanha entra numa etapa de vacinação paralela, ou seja, os profissionais que receberam a primeira dose começam a receber a segunda, mas quem ainda não foi imunizado irá receber a primeira dose. “Nessa ída da segunda dose, a gente vai vacinando aqueles que ainda não receberam a primeira dose. Chegando outras doses, abriremos para outras faixas de idade para os idosos”, explica.

Os próximos grupos contemplados com a vacina serão informados antecipadamente ao início de novas etapas da campanha, sempre através dos canais de comunicação oficiais da Prefeitura de Porto Velho.

A Semusa reforça que a segunda dose da vacina está garantida para todos os que receberam a primeira dose do imunizante. A estratégia para esta etapa será a mesma adotada até aqui, ou seja, as equipes de vacinação itinerantes vão aplicar a vacina dentro das unidades com agendamento prévio e dentro do intervalo estabelecido entre as duas doses.

Segue o cronograma abaixo para segunda dose:

15/02 – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)
17/02 – Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Zona Leste
17/02 – Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Zona Sul
17/02, 18/02 e 19/02 – Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron)
18/02 – Unidade Básica de Saúde Manoel Amorim de Matos
18/02 e 19/02 – Hospital de Campanha de Porto Velho

A vacinação dos profissionais de saúde dessas unidades acontece das 09h às 16h.

Em Porto Velho, a segunda aplicação da vacina CoronaVac será realizada com 28 dias contados a partir da primeira dose, conforme orientação do Informe Técnico do Ministério da Saúde. Desde o primeiro dia da campanha de vacinação contra a Covid-19, a Semusa já imunizou 11.675 pessoas dos grupos prioritários.

Fonte: Comdecom

Semusa informa segunda dose de vacina contra covid-19 para profissionais da saúde começa nesta segunda-feira (15)

A prefeitura também informa que segue aplicando a primeira dose ainda.

Simultaneamente, a Prefeitura de Porto Velho continua imunizando com a primeira dose os trabalhadores da saúde que atuam em unidades médico-hospitalares que atendem pacientes suspeitos ou confirmados com a Covid-19.

A ação vai contemplar profissionais e trabalhadores da saúde de categorias que ainda não foram contempladas nas ações anteriores.

A partir de segunda-feira (15), a Prefeitura de Porto Velho começará a aplicação da segunda dose da vacina CoronaVac para os primeiros vacinados da campanha que começou no dia 19 de janeiro.

Profissionais de Saúde que trabalham no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e de mais sete unidades de saúde do município que participaram da solenidade que abriu a campanha receberão o imunizante.

Em Porto Velho, a segunda aplicação será realizada com 28 dias contados a partir da dose 1, conforme orientação do Informe Técnico do Ministério da Saúde. Desde o primeiro dia da campanha de vacinação contra a Covid-19, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) imunizou 11.558 pessoas dos grupos prioritários, que são os trabalhadores da saúde (7.919), pessoas de 80 anos ou mais (3.393), indígenas (151), pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas (81).

A Semusa reforça que a segunda dose da vacina está garantida para a população que já iniciou a imunização. A estratégia para esta etapa será a mesma da primeira fase, ou seja, as equipes de vacinação itinerantes vão aplicar o imunizante dentro das unidades com agendamento prévio e no de intervalo estabelecido entre as duas doses.

Os próximos grupos contemplados com a vacina serão informados antecipadamente ao início de novas etapas da campanha, sempre através dos canais de comunicação oficiais da prefeitura de Porto Velho.

IMUNIZAÇÃO PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE CONTINUA

Simultaneamente, a Prefeitura de Porto Velho continua imunizando com a primeira dose os trabalhadores da saúde que atuam em unidades médico-hospitalares que atendem pacientes suspeitos ou confirmados com a Covid-19.

A ação vai contemplar profissionais e trabalhadores da saúde de categorias que ainda não foram contempladas nas ações anteriores.

A vacinação vai ocorrer mediante relação nominal dos profissionais enviadas à Divisão de Imunização da Semusa. Dentro das unidades, as equipes itinerantes vão aplicar a segunda dose em quem já recebeu a primeira e também a primeira dose naqueles que ainda não foram contemplados.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero) ofereceu sua estrutura física como opção de ponto de vacinação na Capital. Após visita ‘in loco’, a Semusa estuda a viabilidade de contar com esse apoio nesta nova etapa da primeira fase do Plano de Imunização.

Fonte: Comdecom

Cerca de 9 mil profissionais da linha de frente já receberam a primeira dose da vacina contra Covid em Porto Velho

A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é vacinar 18.107 pessoas deste público, somente em Porto Velho, nas redes municipal, estadual, federal e privada.

Profissional da Saúde recebendo primeira dose da vacina

Para dar continuidade ao Plano de Imunização contra a Covid-19, a Prefeitura de Porto Velho recebeu uma nova remessa da vacina CoronaVac. No domingo (7), o Governo do Estado anunciou a entrega de 9 mil doses ao município, no entanto, após uma redistribuição, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) recebeu 8.900 doses para dividir em primeira e segunda aplicação.

Essas 4.450 doses serão aplicadas nos trabalhadores da Saúde, em atividades nas unidades médico-hospitalares público e privadas que atendem pacientes suspeitos ou confirmados de Covid-19. Até agora, cerca de 9 mil profissionais da linha de frente já receberam a primeira dose do imunizante. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é vacinar 18.107 pessoas deste público, somente em Porto Velho, nas redes municipal, estadual, federal e privada.

A vacinação dos profissionais iniciou no dia 19 de janeiro, quando Porto Velho recebeu a primeira remessa do imunizante. Por falta de vacina para todas as pessoas deste grupo, o Ministério da Saúde orientou, através do Segundo Informe Técnico, prioridade aos trabalhadores da linha de frente, ou seja, àqueles em contato direto com os pacientes.

DISTRITOS CONTEMPLADOS

Em seguida, de 3 a 5 de fevereiro, a vacinação foi ampliada para os profissionais de Saúde, em atividades nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes suspeitos ou confirmados com a Covid-19. Etapa que terá continuidade nos próximos dias, com a inclusão dos trabalhadores da Saúde dentro dos critérios acima citados.

A Comissão de Vacinação contra a Covid-19, criada pela Semusa, se reuniu, na manhã desta segunda-feira (8), para elaborar o plano de ação desta próxima etapa, que se inicia nos próximos dias, em data que será amplamente divulgada através dos canais oficiais da Prefeitura.

Profissionais de Saúde que se enquadram nos critérios e que atuam nos distritos e zonas rurais também estão sendo contemplados com a vacina contra a Covid. As equipes de imunização percorreram a região da Ponta do Abunã e Baixo Madeira, durantes os três últimos finais de semana, para atender esta categoria.

Jacy-Paraná, Nova Mutum, Abunã, Vista Alegre do Abunã, Fortaleza do Abunã, Nova Califórnia, Extrema e União Bandeirantes, São Carlos, Calama, Cujubim Grande, Demarcação e Nazaré foram os distritos contemplados. Além deles, as unidades de saúde das comunidades de Aliança, Jamary, Nova Aliança, Nova Esperança, São Miguel, Linha 28, Terra Santa e Lago do Cuniã também receberam as equipes vacinadoras. Ao todo, 226 profissionais receberam a primeira dose da vacina CoronaVac.

Fonte: Semusa

Com a segunda remessa da vacina contra Covid-19, Guajará-Mirim vai imunizar 100% dos profissionais da Saúde

A entrega também aconteceu no município de Nova Mamoré .

Guajará-Mirim recebeu no domingo (24), as doses da vacina Oxford/AstraZeneca para atender ao público alvo prioritário na primeira fase de imunização contra a Covid-19. Na mesma oportunidade, o Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) encaminhou, também, a segunda dose da vacina CoronaVac. Com a chegada da segunda remessa da vacina contra a Covid-19, o município de Guajará-Mirim alcançará 100% de imunização dos trabalhadores da Saúde do município.

Ao município de Guajará-Mirim foram entregues 2.692 doses de vacina. O imunizante foi recepcionado com alegria em Guajará-Mirim.

Estão sendo vacinados profissionais da Saúde que atuam na linha de frente no combate ao coronavírus no município de Guajará-Mirim. Já foram imunizados profissionais da Atenção Básica de Saúde e, na quarta-feira (27), será a vez dos profissionais da atenção privada. Todos os idosos institucionalizados (em casa de repouso) acima de 60 anos, de Guajará-Mirim, também foram vacinados.

Em Nova Mamoré também foram entregues 224 doses da vacina e irão atender prioritariamente os profissionais que atuam na área da Saúde, no município, segundo a Prefeitura.

De acordo com o diretor-geral em exercício da Agevisa, Edilson Silva, a distribuição das vacinas ocorreu imediatamente após a chegada dos imunizantes em Rondônia. “Os municípios do Estado têm urgência no recebimento das vacinas, que chegam como uma esperança no combate à Covid-19. Nossa expectativa em fazer a entrega é tão grande que o desembarque se deu por volta de 15h, em Porto Velho e às 19h, as vacinas já estavam sendo entregues em Guajará-Mirim”, disse o diretor.

Fonte: Sesau

Mais de 1.600 profissionais de saúde já foram imunizados

A expectativa é vacinar mais dois mil trabalhadores do público-alvo até sexta-feira

Profissionais de saúde que estão na linha de frente no combate ao coronavírus continuam sendo vacinados contra a Covid-19 pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Desde o último dia 19, quando iniciou a vacinação, até a segunda-feira (25), 1.602 pessoas do público-alvo foram imunizadas.

A imunização é executada por equipes volantes da Semusa no local de trabalho dos profissionais, para facilitar o acesso do trabalhador e acelerar o processo. Foram contempladas até agora, 23 estabelecimentos de saúde da rede municipal e estadual, sendo 11 Unidades Básicas de Saúde que atendem pacientes com Covid no período vespertino, UPAs Sul e Leste, Samu, Laboratório Central de Rondônia (Lacen), Hospital de Campanha do Estado, Hospital Cemetron, Policlínicas Ana Adelaide e José Adelino, entre outros.

A programação de imunização continua essa semana no Hospital João Paulo II, Unidade de Assistência Médica Intensiva (AMI), Hospital de Campanha da Zona Leste, Serviço de Assistência Multidisciplinar Domiciliar (SAMD), Centro Especializado Em Reabilitação (CER), Hospital de Extrema, Hospital do Amor, Policlínica Osvaldo Cruz (POC), Hospital Infantil Cosme e Damião (Ala Covid), Hospital de Base (Ala Covid). A expectativa é vacinar mais de dois mil profissionais nos próximos dias.

No último sábado (23), vacinadores da Semusa estiveram nos distritos de Vista Alegre do Abunã e Nova Mutum para levar o imunizante aos profissionais que atuam diretamente na pandemia. Nos dois locais, 15 trabalhadores foram vacinados com a CoronaVac.

NOVAS VACINAS

No último domingo, Rondônia recebeu um lote da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca, vinda da Índia. Em Porto Velho ficaram 5.170 doses para a imunização do grupo prioritário, neste caso, também aos profissionais de saúde que estão na linha de frente no enfrentamento à Covid-19.

Na segunda-feira (25), outro lote de 8 mil vacinas CoronaVac chegou ao Estado, todas encaminhadas para a vacinação indígena estadual. A Semusa disponibilizou ao Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) 2.399 doses da CoronaVac para vacinar 1.199 índios com as duas doses necessárias. O imunizante está sendo entregue conforme solicitação e programação de vacinação do Dsei.

CRONOGRAMA

O público-alvo desta primeira fase contempla os trabalhadores da saúde, idosos acima de 75 anos, pessoas com 60 anos instaladas em abrigos ou asilos e indígenas aldeados com idade superior a 18 anos.

Como o município não recebeu doses suficientes para todo esse público, algo tem torno de 55 mil pessoas, os profissionais de saúde da linha de frente, que atendem os pacientes com Covid-19, estão sendo priorizados.

Tão logo o município receba novas doses de vacina, os idosos de 75 anos para cima começarão a ser vacinados. A Semusa vai disponibilizar canais de agendamento e a ação acontecerá em algumas escolas da rede municipal e estadual de educação. O objetivo é evitar filas e aglomerações.

Fonte: SMC