Bolsonaro confirma salário mínimo de R$ 1.212 em 2022

Orçamento aprovado pelo Congresso neste mês previa valor entre R$ 1.210 e R$ 1.212

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, na noite de quinta-feira (30), que o valor do salário mínimo será de R$ 1.212 em 2022, o que configura um aumento de pouco mais de R$ 100. A informação foi dada pelo presidente durante a live que ele faz semanalmente nas redes sociais.

O atual salário mínimo é de R$ 1.100. No Orçamento aprovado pelo Congresso neste mês, a previsão era que ele ficasse entre R$ 1.210 e R$ 1.212. Durante a live, o presidente confirmou o valor final a ser pago em 2022. “A partir de 1º de janeiro agora, o valor do salário mínimo [será] de R$ 1.212.” Apesar de começar a valer em janeiro, o primeiro pagamento com reajuste será feito a partir de fevereiro.

O Orçamento da União para 2022 ainda não foi sancionado pelo presidente. O texto foi aprovado pelo Congresso na semana passada. O relator-geral do Orçamento, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), aumentou de R$ 1.169 para R$ 1.210 a previsão da remuneração mínima no país.

O valor representa um aumento de 10,04% em relação ao salário mínimo atual. O índice é o maior em seis anos, mas sem aumento real (acima da inflação). Desde 2016, quando o reajuste do salário mínimo foi de 11,6%, a inflação vinha caindo, assim como o aumento do piso.

Fonte: R7

Lira: relatores da reforma tributária serão definidos nesta semana

Presidente da Câmara conversou com presidente do Senado sobre o tema

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou hoje (14), por meio de uma rede social, que os relatores da proposta da reforma tributária serão definidos até o final da semana. Lira disse que conversou sobre a questão com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM- MG), e que os relatores das duas casas legislativas devem ser definidos simultaneamente.

Lira disse ainda que vai se reunir nesta semana com líderes partidários e com integrantes da equipe econômica do governo para tratar da reforma, em especial nas questões relacionadas ao imposto de renda.

De acordo com o presidente da Casa, o texto da reforma tributária será aquele possível e não deverá ser grande, mas que melhorará o sistema de cobrança e de arrecadação de tributos no país.

Em maio, após extinguir a comissão especial que tratava do tema, Lira disse que a reforma iria tramitar de maneira fatiada e contaria com três ou quatro relatores. Com o fatiamento, a expectativa é de que os temas que tratam de impostos sobre a renda e o consumo sejam debatidos pela Câmara, e o passaporte tributário vai para o Senado. A previsão é que os dois temas sejam discutidos em cada Casa por 30 a 60 dias.

A comissão especial da reforma tributária foi extinta por Lira sob o argumento de estouro de prazo. Segundo ele, os trabalhos da comissão expiraram há um ano e meio e o encerramento evitaria contestações judiciais no futuro.

Mesmo com a extinção dos trabalhos do colegiado, que reuniu deputados e senadores, o relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) apresentou seu parecer sobre o tema.

A decisão de Lira foi tomada em um momento de divergência entre o governo e a comissão mista. A equipe econômica queria uma proposta de reforma tributária fatiada, em que temas específicos fossem votados à medida em que houvesse acordo.

O fatiamento da reforma também já era defendido pelo presidente da Câmara, com o argumento de que iria facilitar a tramitação da proposta. Ribeiro, entretanto, apresentou um relatório no qual propôs a unificação de cinco tributos no Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), texto considerado amplo pelo governo.

Fonte: Denise Griesinger A/B

Reforma tributária deve ser fatiada em 3 ou 4 projetos, diz Lira

Presidente da Câmara extinguiu comissão na semana passada

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) afirmou hoje (10), por meio de uma rede social, que a proposta da reforma Tributária vai ser fracionada e dividida entre três ou quatro relatores. Lira disse que vai definir a questão com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM- MG), em uma conversa ainda nesta segunda-feira.

Lira disse ainda que quer avançar com o texto sem se “preocupar com a paternidade” do projeto e que vai decidir ainda esta semana sobre o formato de tramitação da proposta.

“Vamos avançar com a reforma tributária sem nos preocupar com a paternidade do projeto. Esta semana devemos definir a tramitação, o formato. Temos aí duas reformas, a que envolve renda e a de consumo. Daremos um passo esta semana para fazermos a reforma de maneira ordenada”, disse.

Na semana passada, sob o argumento de estouro de prazo, Lira extinguiu a comissão especial da Casa que analisava a reforma tributária. Segundo ele, os trabalhos da comissão expiraram há um ano e meio e o encerramento evitaria contestações judiciais no futuro.

A extinção dos trabalhos do colegiado ocorreu horas depois de o relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) ler o parecer sobre o tema na comissão mista de deputados e senadores, onde está sendo discutido um texto consensual antes da votação nas duas Casas.

A decisão de Lira foi tomada num momento de divergência entre o governo e a comissão mista. A equipe econômica queria uma proposta de reforma tributária fatiada, em que temas específicos fossem votados na medida em que houvesse acordo.

O fatiamento da reforma também era defendido pelo presidente da Câmara, com o argumento de iria facilitar a tramitação da proposta. Ribeiro, entretanto, apresentou um relatório no qual propôs a unificação de cinco tributos no Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), texto considerado amplo pelo governo.

Fonte: Denise Griesinger A/B

Secretário de Saúde fala em rede social, que todos os leitos de UTIs estão ocupados

De acordo com o secretário Fernando Máximo, os outros estados não estão mais cedendo vagas, pois as taxas de UTI dos Hospitais de fora estão aumentando.

O secretário Fernando Máximo, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), postou um vídeo em suas redes sociais afirmando que nesta quinta-feira (25) não há mais vagas em UTI’s para pacientes com coronavírus em Rondônia.

Segundo Fernando, todos os mais de 300 leitos criados no estado (para atender especificamente pacientes da Covid-19) estão ocupados, atingindo assim a marca de 100% de lotação.

O secretário Fernando Máximo, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), postou um vídeo em suas redes sociais afirmando que nesta quinta-feira (25) não há mais vagas em UTI’s para pacientes com coronavírus em Rondônia.

Segundo Fernando, todos os mais de 300 leitos criados no estado (para atender especificamente pacientes da Covid-19) estão ocupados, atingindo assim a marca de 100% de lotação.

Diante da situação, o secretário afirma já existir fila de espera com pacientes precisando de intubação ou internação.

“O meu recado é para você que aglomera, que tá fazendo festinha e não usa máscara. Nós não temos leito de UTI para sua mãe, não tem leito para o seu pai, tio, filho, namorada… Nós não temos leito de UTI para você, seja rico ou pobre”, desabafou.

Ainda de acordo com o secretário, o governo do estado não está conseguindo ampliar o número de leitos de UTI no estado, por falta de profissionais de saúde.

“Essa noite tivemos que fechar cinco leitos de UTI por falta de médico no Cero, em Porto Velho. Lá tem 50 leitos de UTI, mas dez médicos estão com Covid-19, pois a vacina ainda não fez efeito. Demora-se uns dias para fazer efeito”, conta.

Ainda conforme relata Fernando Máximo, mais de 90 pessoas de Rondônia foram enviados para outros estados nos últimos dias para tratarem a doença. Porém, por enquanto, não será mais possível enviar novos pacientes para fora.

“Dos 90 transferidos, mais de 60 eram entubados e foram enviados em UTI aérea. Os estados lá fora não estão cedendo vagas para gente, pois as taxas de UTI lá também estão aumentando. Nós continuamos atendendo pacientes do Amazonas, muitos”, ressalta.

https://web.facebook.com/watch/?v=255407429593395

Fonte: Assessoria

Covid-19: 15 pacientes de Rondônia devem ser transferidos para o Espírito Santo

O anúncio foi dado pelo próprio governo do estado em rede social.

15 pacientes com covid-19 de Rondônia, serão levadas ao Estado do Espírito Santo. A confirmação foi dada pelo governador Renato Casagrande, em uma rede social, na manhã deste domingo (07). “Sempre que for possível o ES estenderá as mãos para cuidar de quem mais precisa”, disse o governador.

O secretário de Saúde, Nésio Fernandes, também reforçou a informação a partir de uma rede social. Segundo Nésio, o acolhimento acontece após pedido do secretário de Saúde de Rondônia. “A crise de leitos se estende a outros Estados do Brasil”, postou.

Nos últimos dias, houve sobrecarga no sistema de saúde pública de Rondônia. Segundo o secretário de Saúde do Estado, Fernando Máximo, todos os leitos de UTI para tratamento de pacientes com Coronavírus estão ocupados. Além disso, há uma fila que não para de crescer de pessoas aguardando transferência.

Máximo afirmou que Rondônia não tem mais condições de criar novos leitos e que a transferência de pacientes para outros estados teve que ser retomada, mas agora para o Mato Grosso do Sul, uma vez que Cuiabá teve aumento significativo de casos e por isso não recebe mais doentes rondonienses.

Fonte: Rondônia Agora

Covid-19: Em vídeo Prefeito de Cacoal diz que município chegou ao limite de atendimento

O anúncio foi através de uma transmissão nas redes sociais.

O prefeito de Cacoal, Adailton Fúria, do PSD anunciou através de uma transmissão ao vivo nas redes sociais que a estrutura de atendimento de Saúde pública na cidade entrou em colapso por conta dos atendimentos de cidadãos infectados por COVID-19 no município.

“Acontece que neste momento estamos com o Hospital Regional de Cacoal com todos os leitos de UTIs ocupados”, destacou Fúria.

Todos os leitos de UTI do Hospital Regional de Cacoal, HEURO e hospitais particulares estão ocupados. Isso além de todos os leitos de UTI de municípios próximos como Pimenta Bueno, Espigão do Oeste, Rolim de Moura, Ji-Paraná e Vilhena estarem esgotados.

“A nossa unidade de Saúde não tem mais capacidade de atendimento, por isso estamos pedindo socorro ao Estado para que possamos afinar os últimos detalhes do hospital de campanha”, afirmou Adailton Fúria.

A prefeitura de Cacoal solicitou equipamentos clínicos e a cidade foi colocada em isolamento restritivo  após um decreto municipal.

VEJA O COMUNICACDO DO PREFEITO:

Fonte: Diário da Amazônia

Governo suspende compra de seringas por causa dos altos preços

Em rede social, presidente Jair Bolsonaro afirma que Estados e municípios têm estoque suficiente para o começo da vacinação

O presidente Jair Bolsonaro postou, na manhã desta quarta-feira (6), no Twitter a informação de que o Ministério da Saúde suspendeu a compra de seringas por causa dos preços altos pedidos pelos fabricantes.

O chefe do executivo federal afirmou que os custos das seringas dispararam após o Ministério da Saúde divulgar a intenção de comprar o produto. Por isso, argumentou, a pasta decidiu suspender as aquisições “até que os preços voltem à normalidade”.

No tuíte, o presidente disse ainda que Estados e municípios têm estoque suficiente para começar a vacinação contra a covid-19.

Bolsonaro destacou também que os países que já iniciaram a imunização de suas populações receberam poucas doses de vacina.

“Por volta de 44 países estão vacinando, contudo a Pfizer vendeu para alguns destes apenas 10 mil doses. Daí a falácia da mídia como se estivessem vacinando toda a população”, diz o texto. Na sequência, o presidente lista que um percentual mínimo de moradores desses países foi vacinado: China, 0,31%; Rússia, 0,55%; Reino Unido, 1,39%; EUA, 1,28%…

O presidente declarou também que Estados e municípios têm as seringas necessárias para começar a imunização, “já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande”.

Fonte: R7

Maia é culpado por perda da MP do 13º do Bolsa Família, diz Bolsonaro

Em resposta, o deputado afirmou que a fala do presidente da República foi “mentirosa”. Medida caducou no Congresso em março deste ano

Durante transmissão ao vivo nas redes sociais na quinta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro atribuiu a perda de validade da medida provisória do 13° salário do Bolsa Família ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele também indicou que a cobrança pelo 13° neste ano também fosse endereçada a Maia. A reação do deputado foi quase imediata. Maia afirmou que Bolsonaro foi “mentiroso” em sua fala.

“SABIA QUE NÃO TEVE (13° PARA O BOLSA FAMÍLIA) NESSE ANO? FOI PROMESSA MINHA? FOI. FOI PAGO ANO PASSADO? FOI. MAS, O PRESIDENTE DA CÂMARA DEIXOU CADUCAR A MP. VAI COBRAR DE MIM? COBRA DO PRESIDENTE DA CÂMARA”, DISSE BOLSONARO ONTEM.

Na época em que a MP caducou, contudo, aliados do governo desestimularam a votação do texto. Isso porque o relatório do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tornava o 13º do Bolsa Família uma política permanente e incluía o pagamento também para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda que já recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Com as mudanças, o impacto para os cofres públicos seria de R$ 7,5 bilhões ao ano.

Neste ano, o governo não enviou proposta quanto ao 13° do Bolsa Família. Maia afirmou que colocará em pauta nesta sexta-feira (18), a MP que estende o auxílio emergencial com a inclusão no texto do 13º para os beneficiários do programa social, algo que não está previsto na proposta original enviada pelo governo. A expectativa de Maia é que o texto possa ser votado no Senado na segunda-feira (21).

Auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro voltou a bater na tecla do nível de endividamento do Brasil para justificar o encerramento do pagamento do auxílio emergencial ao fim deste ano. Ele afirmou que a dívida interna do País está na casa dos R$ 5 trilhões e que, só na pandemia de covid-19, o endividamento cresceu cerca de R$ 700 bilhões.

O mandatário comparou a situação brasileira à do cliente de uma venda para quem o dono do estabelecimento não aceita mais vender fiado. “Não tem como dar mais”, insistiu o presidente. Na “live” semanal, ele também disse que a imprensa trata o ex-presidente do regime militar João Figueiredo como ditador, mas, segundo ele faria referência ao cubano Fidel Castro como “presidente”.

Privatizações

Ao relembrar sua visita à Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo) no começo da semana, Bolsonaro tentou explicar porque, naquela ocasião, bradou contra a privatização daquela estatal, mas, ainda assim, seria a favor de vender “um montão” de empresas públicas.

Ele voltou a insinuar que o governador paulista, João Doria (PSDB), estaria trabalhando pela privatização da Ceagesp, que pertence à União, para, nas suas palavras, “arrebentar” com o entreposto e “vender baratinho para os amigos”.

Em seguida, Bolsonaro reclamou que a imprensa apontou o caráter estatizante de sua fala na Ceagesp. “Eu quero que privatize um montão. Mas privatizar não é pegar e botar na prateleira. É uma burocracia enorme”, alegou. “O STF decidiu que certas empresas só podem ser privatizadas com aval do Congresso. Está na cara que algumas nem vamos tentar privatizar. Privatização é bem-vinda com critério sério, objetivo”, disse.

Diesel

Bolsonaro também afirmou na transmissão ao vivo ter enviado mensagem ao presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, para questioná-lo sobre o preço do diesel nas bombas de postos. Segundo Bolsonaro, a informação recebida é de que, nas refinarias, esse combustível está com preço 20% inferior ao praticado em 2019.

“MAS, NO FINAL, NA BOMBA, ESTÁ MAIOR. DE ONDE VEM? DOS IMPOSTOS. OS FEDERAIS, A CIDE ESTÁ ZERADA. OS ESTADUAIS, VARIA (SIC), EM TORNO DE 30%. ENTRA AINDA A MARGEM DE LUCRO DAS DISTRIBUIDORAS E DO PRÓPRIO POSTO”, COMENTOU BOLSONARO. “ESTAMOS TENTANDO QUEBRAR O MONOPÓLIO [DAS DISTRIBUIDORAS], MAS NÃO É FÁCIL”, DISSE.

Ele apontou também que a interferência que poderia ter sobre o assunto seria demitir Castello Branco, mas logo acrescentou que não vai fazer isso. Ainda assim, o presidente garantiu: “nós fazemos o que é possível pelos caminhoneiros.”

Fonte: R7

Redução de imposto sobre videogames será publicada nesta 3ª

Presidente anunciou a redução de 10 pontos percentuais no IPI cobrado por consoles, acessórios e máquinas de jogos

O presidente Jair Bolsonaro escreveu nesta segunda-feira (26) em uma rede social que a redução de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) sobre videogames será publicada no Diário Oficial desta terça-feira (27).

Já a incidência de IPI sobre partes e acessórios dos consoles e das máquinas de jogos reduzirá de 32% para 22%. Para máquinas de jogos de vídeo com tela incorporada, portáteis ou não, o imposto será reduzido de 16% para 6%.

No último dia 9, o presidente já havia revelado a intenção de reduzir os impostos.

“Vamos passar de 40% para 30%. E você pode estar reclamando, que é muito. Eu sei que é muito, mas vai com calma, pô, não dá pra tirar tudo de uma vez”, afirmou presidente no Twitter.

Fonte: R7

Desabamento de prateleiras em supermercado deixa um morto e oito feridos em São Luís

Imagens da situação viralizaram nas redes sociais; veja o vídeo que mostra o momento exato em que as inúmeras estruturas caíram

Uma série de prateleiras cheias de produtos desabou na noite desta sexta-feira (2) em um supermercado no bairro Vinhas, na cidade de São Luís, no Maranhão. No momento em que as estruturas despencaram, o estabelecimento Mix Mateus Atacarejo registrava um intenso fluxo de pessoas realizando compras. O governo estadual confirmou uma morte e ao menos oito feridos até o momento. 

Imagens da situação viralizaram nas redes sociais. Elas mostram as inúmeras estruturas caídas. Havia uma movimentação intensa de clientes no momento do acidente.

Veja o momento do acidente:

Apesar da confirmação da presença de feridos, o número de pessoas atingidas durante o desabamento ainda é incerto. Ainda não há informações sobre o que provocou o desabamento, mas há a suspeita de que um acidente com uma empilhadeira poderia ter provocado a queda de uma das gôndolas, causando um efeito dominó, derrubando quase metade da linha de frente do supermercado.

Outra hipótese, segundo os relatos de quem estava no local, é de que uma prateleira estaria balançando com o suposto excesso de peso e que um operador de empilhadeira teria tentado tirar um bloco de palete, sem tempo de evitar a tragédia.

Segundo o Corpo de Bombeiros logo após o acidente houve um princípio de curto-circuito. Por causa da escuridão e da quantidade de escombros, as equipes de resgate adotaram a tática de ouvir se telefones móveis estão tocando para chegar a possíveis vítimas que ainda não foram todas resgatadas.

O supermercado envolvido no acidente, o Mix Atacarejo, faz parte do grupo Mateus, que diz ser “a maior rede de supermercados do Brasil com capital 100% nacional.” O grupo emitiu uma nota lamentando o ocorrido. “O Grupo Mateus reforça que, neste momento, o que importa é o resgate dos envolvidos no acidente, o apoio às vítimas e seus familiares. Para nós, a prioridade são as pessoas”, informou por meio de nota. 

Fonte: Jornal O Tempo

%d blogueiros gostam disto: