Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Ação inédita do Ministério da Justiça e Segurança Pública chega à região Norte

Ao longo de três dias, Senasp Itinerante vai apresentar ações do Ministério e ouvir as principais demandas dos gestores de Segurança Pública dos sete estados do Norte

O secretário Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça e Segurança Pública (Senasp/MJSP), Renato Paim, cumpre agenda a partir desta terça-feira (27), em Rio Branco (AC), para apresentar os programas estruturantes do ministério com foco em prevenção à violência e valorização de todas as forças policiais, peritos e bombeiros. A ação, denominada Senasp Itinerante, tem como objetivo ouvir as principais demandas dos gestores locais de Segurança Pública e otimizar a construção de políticas voltadas à área.

Ao longo de três dias, o Ministério da Justiça e Segurança Pública se reunirá com comandantes-gerais das polícias militares, dos corpos de bombeiros militares, chefes de polícia civil e dirigentes de polícia científica, além de representantes das secretarias estaduais de segurança pública do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. O evento acontece até o próximo dia 29.

Uma das entregas anunciadas será o aplicativo Sinesp Agente de Campo, ferramenta digital gratuita que dará acesso a mandados de prisão e busca nacional de veículos roubados, entre outras operações. O aplicativo é destinado aos agentes do Sistema Único de Segurança Pública (Susp) que já utilizam as ferramentas do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp). Somente na região Norte, mais de dez mil representantes das forças de segurança pública serão integrados.

Desde o dia 6 de outubro, a comitiva do Ministério da Justiça e Segurança Pública tem realizado essa agenda pelo País. Depois do Centro Oeste, Nordeste e Norte, a Senasp Itinerante segue para o Sul, na cidade de Curitiba (PR) e, em seguida, ao Sudeste, em Belo Horizonte (MG).

Fonte: Assessoria de comunicação – Ministério da Justiça e Segurança Pública

Usina de Calcário de Pimenta Bueno bate recorde de produção no estado

A Usina é considerada a maior jazida de minério de calcário da região Norte do País, e também tem levado calcário para o Acre, Amazonas, Roraima e Bolívia

O ano de 2020 já entrou para a história da produção de calcário em Rondônia, batendo o recorde das últimas três décadas com 160 mil toneladas distribuídas até o momento, podendo fechar o ano com 180 mil toneladas entregues, refletindo positivamente no desenvolvimento da agricultura e do agronegócio do Estado. Esta é a realidade da Usina de Calcário Félix Fleury, localizada no município de Pimenta Bueno.

Jazida de calcário da Usina de Rondônia deve garantir o produto pelos próximos 200 anos

E o crescimento não vai parar em 160 mil toneladas de calcário entregues. Conforme destacado pelo diretor-presidente, Euclides Nocko, da Companhia de Mineração de Rondônia (CMR), administrada pelo Governo de Rondônia, a previsão para o ano de 2021  é de que a produção ultrapasse 300 mil toneladas, abastecendo toda a demanda do Estado com calcário de qualidade, com Poder Relativo de Neutralização Total (PRNT) que compete com o produto produzido em outros estados do Brasil.

A usina de Rondônia é considerada a maior jazida de minério de calcário da região Norte do País. A mineradora foi construída logo no início da década de 80 ainda pelo então governador, coronel Jorge Teixeira. A reinauguração ocorreu em 2015 e, nos dias atuais, além de abastecer Rondônia, a usina tem levado calcário para o Acre, Amazonas, Roraima e Bolívia.

Há alguns anos, a produção de calcário chegava em torno de pouco mais de 40 mil toneladas anual. O Governo de Rondônia tem impulsionado a produção do calcário garantindo melhores condições para a extração e produção do minério, o que reflete no crescimento do agronegócio sem degradar o meio ambiente.

O Governo do Estado tem direcionado a atenção para a aplicação de calcário e a ação proporciona grande diferença na produtividade final. O calcário é o principal produto utilizado para corrigir a acidez do solo. Em linhas gerais, age reduzindo a quantidade dos elementos nocivos, aumentando o nível de Cálcio e Magnésio, tornando assim o solo mais aerado.

Resultado de uma fina moagem da rocha calcária, o produto produzido na Usina Félix Fleury, tem abastecido os 52 municípios do Estado e, conforme projeção da Companhia de Mineração de Rondônia, a perspectiva é de que a jazida de calcário da Usina de Rondônia possa garantir o produto pelos próximos 200 anos.

A Secretária Estadual de Agricultura (Seagri),  e Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO), estão realizando o transporte do calcário com recursos provenientes do Programa de Desenvolvimento da Pecuária de leite de Rondônia (Proleite).

Fonte: Secom-RO

Segundo Fiec, Rondônia ocupa 21° lugar no ranking de inovação entre os estados

No ranking da região Norte o estado ocupa o 3° lugar como o mais inovador.

Brasil avança em ranking de inovação, mas ocupa 62º lugar
No ranking da região Norte, o estado ficou em 3° lugar.

Rondônia ficou na 21ª colocação do Índice FIEC de Inovação dos Estados, segundo um levantamento publicado nesta terça-feira (13) pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), por meio do Observatório da Indústria. No ranking da região Norte o estado ocupa o 3° lugar como o mais inovador.

Segundo a FIEC, o Índice de Inovação dos Estados é dividido em duas áreas: capacidades e resultados, sendo que ambas avaliam o ecossistema de inovação e a inovação em si.

Índice de Capacidadesmede cinco elementos:

  1. Instituições
  2. Investimento em Ciência e Tecnologia
  3. Inserção de Mestres e Doutores na Indústria
  4. Capital Humano (Graduação)
  5. Capital Humano (Pós-Graduação).

Já o Índice de Resultados avalia outros cinco aspectos

  1. Propriedade Intelectual
  2. Produção Científica
  3. Intensidade Tecnológica
  4. Infraestrutura da Inovação
  5. Competitividade global.

O objetivo do levantamento é poder mensurar o patamar em que os estados brasileiros se encontram. Neste ano, segundo a federação, Rondônia ficou em 20° lugar no índice de capacidades e 23° no de resultados.

“Dessa forma, o Índice oferece munição informacional para o desenvolvimento de políticas públicas que fomentem um ecossistema inovador no Brasil. Como os dados são desagregados em dez indicadores e dois índices, a solução dos entraves fica mais direcionada”, diz a FIEC.

Abaixo, veja o resultado de Rondônia nos dois índices

  • 23° lugar em Investimento em Ciência e Tecnologia
  • 17° em qualidade da graduação
  • 26° lugar em qualidade de pós-graduação
  • 27° em produção científica
  • 20° em Inserção de Mestres e Doutores na Indústria
  • 14° lugar em instituições
  • 9° em competitividade global
  • 23° em intensidade tecnológica da estrutura produtiva
  • 20° lugar em propriedade intelectual
  • 22° em infraestrutura de inovação

O Índice FIEC de Inovação dos Estados aponta São Paulo como o estado mais inovador do Brasil.

Fonte: G1/RO

Região Norte tem diesel e etanol mais caros do País

Gasolina também mantém cenário de alta nos preços nos primeiros 15 dias de julho

A Região Nordeste segue a registrar alta no preço dos combustíveis nos primeiros 15 dias de julho, revela o Índice de Preços Ticket Log (IPTL). A gasolina, apontada como a mais cara de todo o País, registrou um aumento de 3,66%, e foi comercializada nas bombas por R$ 4,332, frente aos R$ 4,179 apontados em junho. Com alta de 4,91%, o diesel foi comercializado ao valor médio de R$ 3,39. Já o etanol apresentou o menor aumento entre os principais combustíveis, 1,22%, sendo comercializado no início de julho a R$ 3,481, o litro.

“O Nordeste segue com alta nos preços de todos os combustíveis, acompanhando o cenário nacional. Em junho a região teve destaque com o alto valor da gasolina, fator que se mantém nos primeiros 15 dias de julho. A análise quinzenal costuma ser um termômetro interessante para percebermos como será o andamento de todo o mês, mas devemos continuar acompanhando para entender como essa curva seguirá na região”, analisa o head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina. No recorte por Estados, o ranking de preços apresentou algumas alterações nas posições.

Posto de gasolina

A Paraíba, que em junho já apresentava os menores preços para a gasolina e o etanol, teve no início de julho valores mais baixos também para o diesel, que foi comercializado a R$ 3,272, um aumento de 3,4%. A gasolina foi vendida no Estado a R$ 4,105 e o etanol a R$ 3,223. O Piauí lidera com o maior valor para o diesel, comercializado em julho por R$ 3,533, um incremento de 5% em relação a junho. Já no Rio Grande do Norte, os motoristas encontraram os preços mais altos para a gasolina (R$ 4,473) e o etanol (R$ 3,779).

Alagoas, Maranhão e Sergipe foram na contramão da tendência apontada nacionalmente e apresentaram recuo no preço do etanol. Já Bahia, Pernambuco e Ceará, embora sem destaque no ranking de preços, tiveram alta em todos os combustíveis.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantados com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo. A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, conta com mais 25 anos de experiência e se adapta às necessidades dos clientes, oferecendo soluções modernas e inovadoras, a fim de simplificar os processos diários.

Fonte: Ticket Log

Primeira fase da campanha “Covid-ZeroAponiã” é concluída

A ação aconteceu pelo motivo do bairro ser o mais atingido em números de infectados pelo vírus na região norte, e teve início no dia 6 de julho e se encerrou nesta quinta-feira (16)

A primeira fase da campanha “Covid-Zero”, no bairro Aponiã, encerrou ontem com 14 mil pessoas abordadas. A ação, promovida pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) teve início no dia 6 de julho e realizou o rastreamento local de pessoas com sintomas do novo coronavírus (Covid-19).

A equipe percorreu 46 ruas do bairro Aponiã em dez dias de trabalho com mais de 85% das visitas peridomiciliares executadas. Das 14 mil abordagens efetivadas, aproximadamente 400 pessoas (103 famílias) apresentaram sintomas compatíveis com Covid-19 e foram encaminhados para atendimento médico na própria unidade de saúde do bairro. Elas seguem agora para a segunda fase da campanha, que é o monitoramento periódico.

Segunda Fase

Segundo o diretor do Departamento de Atenção Básica (DAB) da Semusa, Igor Amorim, a segunda etapa da ação está sendo iniciada com o acompanhamento dos pacientes identificados na busca ativa e que foram acolhidos na unidade.

“A continuação do trabalho consiste em assistência e atendimento. Para isso, a Semusa montou uma tenda ao lado da unidade para realizar a triagem e acolhimento desses pacientes. Os atendimentos médicos ocorrerão de terça a sexta-feira, para uma média de 90 pessoas por dia”, explica o diretor.

Ainda como parte da segunda etapa da ação, está realizado o atendimento dos pacientes que procuram a unidade de forma espontânea com relatos de síndrome respiratória e também o monitoramento virtual por chamada telefônica.

“Vamos entrar em contato com as pessoas cadastradas durante a primeira etapa para termos conhecimento do estado de saúde de cada uma. Precisamos saber a evolução do quadro, se está tudo bem ou se a pessoa necessita ser novamente encaminhada para atendimento na unidade ou encaminhado para outra unidade hospitalar”, explica Igor Amorim.

Outros bairros

Esta ação de vigilância em saúde é pioneira em Porto Velho e iniciou pelo bairro Aponiã devido ao alto índice de pessoas contaminada com o coronavírus. Até o dia 12 de julho, a vigilância epidemiológica do município registrou 560 pessoas com a Covid-19 na região.

A ação de saúde em casa também será executada em outros bairros da capital, conforme número de infectados. O anúncio será feito após o próximo boletim epidemiológico que vai apresentar o balanço de casos por bairro.

Fonte: Semusa

Rondônia se destaca no ranking em testagem para a Covid-19 no País

Mais de 91 mil testes rápidos e sorológicos foram aplicados no combate ao coronavirus.

que do Jornal Nacional da
O Estado de Rondônia foi o destaque nacional na testagem para a Covid-19

Já tendo realizado pouco mais de 91 mil testes rápidos e sorológicos para detectar a infecção pela Covid-19, e de se manter consecutivamente no 1º lugar no ranking nacional de transparência na divulgação da doença, o Estado de Rondônia foi nesta quinta-feira (9) destaque em rede nacional, em uma emissora de televisão, ao se posicionar em 1º lugar no ranking nacional de testagem para Covid-19.

Num misto de preocupação com a doença e de satisfação pelo reconhecimento nacional do esforço de seu Governo no enfrentamento e combate da doença, o governador Marcos Rocha, foi enfático ao afirmar que o Estado não vai baixar a guarda e que manterá, enquanto for necessário, todas as medidas de controle da Covid-19, com ações concretas que se complementam com as testagens em todo território rondoniense, com orientações específicas, compra e distribuição de equipamentos de proteção individual (EPI) e ampliação dos leitos hospitalares, clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), entre tantas outras medidas que estão sendo fundamentais nesta jornada de combate à pandemia do novo coronavírus.

Conforme a divulgação do Jornal Nacional o Estado de Rondônia é o Estado que realiza mais exames para a Covid-19 no Brasil em termos proporcionais ao contingente populacional – a população do Estado de Rondônia é de 1,7 milhão de habitantes -, mantendo uma média de teste de 27 pessoas para cada grupo de mil, o maior índice desta ação em todo o Brasil, contrastando com o Estado de Goiás, que está no último lugar neste ranking, com apenas 6,76 testes para cada mil habitantes.

O exemplo de Rondônia correu o País com as iniciativas de sucesso de testagem e também pelos investimentos que o Estado realizou para dotar o Laboratório Central (Lacen) e os demais serviços de saúde dos melhores recursos e equipamentos para atendimento à população e a realização de exames com qualidade, rapidez e segurança. O destaque desse conjunto de ações é o Mapeia Rondônia, com o Drive Thru que vem sendo realizado pela Secretaria de Saúde (Sesau) e Agência de Vigilância em Saúde (Agevisa), que popularizou as medidas de orientação e a realização de testes rápidos para a Covid-19, que a cada etapa, geralmente nos finais de semana, testa milhares de rondoniense, e assim, antecipa procedimentos e medidas para tratamento da doença.

Importa destacar que, conforme explica o secretário da Saúde, Fernando Máximo, sem a adoção dessas medidas baixadas pelo Governo, a situação da Covid-19 teria sido um desastre para o Estado e a população, fato que só o tempo vai atestar. “O estado que não teve os cuidados que tivemos está pagando um preço muito alto, com o sofrimento da população e perdas irreparáveis em todos os aspectos”, disse o titular da Sesau, informando que diariamente no Portal do Governo – www.rondonia.ro.gov.br – boletins informativos sobre a Covid-19 no Estado de Rondônia.

Fonte: Secom-RO

Etapa de Porto Velho (RO) do Circuito Nelore de Qualidade será a primeira do ano na região Norte

O Circuito é promovido pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB),..

Pela primeira vez no ano, a região Norte sedia etapa do Circuito Nelore de Qualidade. Programada para os dias 22 e 23 de junho, na unidade da Friboi em Porto Velho (RO), a etapa deve avaliar cerca de 400 animais de pecuaristas de Rondônia. O Circuito é promovido pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), com apoio da Associação dos Criadores de Nelore de Rondônia (ACNR) e patrocínio da Friboi e Matsuda.

A pecuária de corte é uma das principais atividades produtivas de Rondônia. No total, são 14 milhões de cabeças, segundo o IBGE: crescimento de 21% na última década.

“Investimos cada vez mais no aumento da produtividade da pecuária em nosso estado. Esse intenso trabalho fortalece a atividade tanto no mercado interno como no internacional. A realização de uma etapa do Circuito Nelore de Qualidade em Rondônia é mais um impulso para desenvolvimento da atividade e melhor remuneração dos pecuaristas”, destaca José Macedo Silva, presidente da ACNR.

Contatos para inscrições

Para participar da etapa do Circuito Nelore de Qualidade 2020 em Porto Velho, os pecuaristas devem entrar em contato com a unidade da Friboi, pelo telefone (69) 3211-8412, e falar com Ricardo. Podem participar lotes a partir de 18 a 20 cabeças. Já os sócios da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil podem abater os animais dentro do Protocolo de Qualidade Nelore Natural, no qual as premiações podem chegar até R$ 10,50 por arroba.

Circuito Nelore de Qualidade

Realizado pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), o Circuito Nelore de Qualidade fortalece e promove a genética e a carne da raça, contribuindo para elevar a produtividade da pecuária nacional. A iniciativa avalia resultados obtidos pelos produtores, cada qual em sua realidade e sistema de produção.

Promovido desde 1999, o Circuito conta com apoio da Friboi e Matsuda Sementes e Nutrição Animal e cresce a cada ano: em 2020, serão 40 etapas em 11 estados. Até o fim do ano, 25 mil animais devem ser avaliados, consolidando o Circuito Nacional de Qualidade como o maior campeonato de avaliação de carcaças de bovinos do mundo.

Mais informações: www.nelore.org.br/circuitonelore

Fonte: Texto | Por Paulo Santos

Covid-19: população ribeirinha evita medicamentos e aposta no Jambú

“A maioria dos ribeirinhos estão tomando remédios caseiros por confiar que têm poder de ação muito grande.” afirmou enfermeira Marília Costa.

Habitantes de vilas na Amazônia estão desdenhando de orientações do governo para tomar a hidroxicloroquina, utilizada no tratamento da malária, no combate ao coronavírus, e ao invés disso estão tomando um chá de Jambú, uma planta típica da região, conhecida por causar dormência na língua e utilizada para tratar dores de dente.

Maria de Nazaré Sajes, de 65 anos, testou positivo para o coronavírus e acredita ter vencido os sintomas com a ajuda de uma infusão feita com folhas amargas.

Maria de Nazará prepara chá com folha de jambú
Maria de Nazará prepara chá com folha de jambú

“Eu fiz, bebi e senti aquela saúde, como estou sentindo. O pessoal dizia ‘Menina, olha a Dona Maria, ela está melhor, melhorou, não tem febre, não dói…'”, disse enquanto fervia água em um fogão a gás em sua casa de madeira. 

Sua vila, que fica às margens de um afluente do Rio Amazonas, foi visitada por funcionários da área de Saúde Pública que testaram os moradores para o vírus que assola o Brasil, que atualmente apresenta o segundo pior cenário da pandemia, atrás apenas dos Estados Unidos.

Reguladores dos Estados Unidos retiraram a aprovação para o uso emergencial da hidroxicloroquina para o tratamento da covid-19 nesta semana. O medicamento ainda é receitado no Brasil enquanto cientistas no mundo todo estão trabalhando para desenvolver uma vacina e tratamentos eficientes. 

Em áreas remotas da Amazônia, onde o acesso às unidades de tratamento intensivo depende de longas jornadas de barco para cidades com mais estrutura, a prevenção é crucial. E, nesse contexto, muitas pessoas acreditam em remédios naturais tradicionais da floresta. 

A enfermeira Marília Costa diz que há uma resistência ao tratamento com a hidroxicloroquina. 

“Durante os nossos atendimentos, a gente percebeu que a maioria dos ribeirinhos estão tomando remédios caseiros por confiar que têm poder de ação muito grande”, disse. “Eles confiam bem mais no medicamento natural. Eles aceitam antitérmicos para a febre, porém usam concomitantemente a remédios caseiros”, disse

As folhas de Jambú são utilizadas em pratos locais como o molho de Tucupi e o Tacacá, mas a planta também é conhecida como um anestésico que ajuda a aliviar a dor, além de ter outras propriedades para combater vírus e de seu uso como laxante ou afrodisíaco.

“Eu tenho medo de ir ao hospital, porque lá a gente não vai ter a chance que tem no interior, de procurar recursos da natureza”, disse uma jovem chamada Maria Cláudia. “No hospital, a gente não vai poder tomar um chá caseiro.” 

Fonte: R7