Covid-19: Regiões de São Paulo estão na fase amarela

O plano passa a ter atualização mensal

Pela primeira vez, desde o início de implementação do Plano São Paulo, todas as regiões do estado paulista ficaram classificadas na fase 3 – amarela. O Plano São Paulo, plano de retomada econômica e de convivência com a pandemia do novo coronavírus, começou a funcionar no estado paulista no dia 1º de junho.

Desde a última classificação, feita na sexta-feira (4), apenas duas regiões do estado ainda se mantinham na Fase 2 – Laranja do Plano São Paulo: Ribeirão Preto e Franca. Mas nessa nova atualização, elas evoluíram de fase e passaram a ser classificadas também na fase amarela.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano também é regionalizado, ou seja, o estado foi dividido em 17 regiões [com a região metropolitana dividida em cinco sub-regiões] e cada uma delas é classificada em uma fase.

Na Fase 3 – Amarela é permitido o atendimento presencial em bares, restaurantes, salões de beleza, barbearias, academias, shoppings, comércios de rua, escritórios em geral e concessionárias pelo período de oito horas por dia, com capacidade limitada a 40%, com exceção das academias, que tem capacidade limitada de 30%.

Os estabelecimentos de alimentação que estão localizados em regiões há pelo menos 14 dias na fase marela podem funcionar até as 22h. Se estiverem localizados em regiões há menos tempo na fase amarela, eles só podem funcionar até as 17h.

Na fase amarela também é permitida a reabertura de eventos, convenções e atividades culturais. No entanto, para que isso ocorra, a região precisa estar há 28 dias na fase amarela e só é permitido público sentado, com capacidade limitada a 40%.

O governo paulista ressalta que, apesar da reabertura econômica, as pessoas devem evitar sair de casa, mantendo a quarentena sempre que for possível. O governo alerta também que, ao sair de casa, as pessoas devem fazer uso de máscara e sempre evitar as aglomerações.

Mudanças

O governo paulista anunciou hoje (11) que a atualização do Plano São Paulo passará de quinzenal a mensal, ou seja, a próxima atualização prevista no plano será feita somente no dia 9 de outubro. Isso, segundo o governo, vai dar mais segurança e estabilidade para a mudança de fase.

Outra mudança anunciada pelo Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, responsável pelas ações relacionadas à pandemia do novo coronavírus, é que, caso uma região regrida em seus indicadores, como por exemplo, aumentando a sua capacidade hospitalar, ela será colocada imediatamente e diretamente na Fase 1 – Vermelha pulando a Fase 2 – Laranja.

“Não haverá retorno para a fase laranja, o que aumenta a responsabilidade de prefeitos, secretários municipais de saúde e da própria população. Afinal, a população precisa se resguardar e se proteger, obrigatoriamente usando máscara ao sair de casa, seguir o distanciamento social de 1,5 metro, lavar as mãos e usar álcool em gel”, disse o governador de São Paulo, João Doria.

Na Fase 1 – vermelha somente os serviços considerados essenciais, como de logística, abastecimento, segurança e saúde podem funcionar.

Plano São Paulo
Plano São Paulo – Divulgação/Governo de São Paulo

Fonte: Valéria Aguiar A/B

Sedam combate ações de queimadas em Cerejeiras e regiões

Conforme a secretaria, o objetivo e intensificar as ações contra os crimes ambientais durante a pandemia.

Gerente da Sedam em Cerejeiras

Em Cerejeiras, Pimenteiras do Oeste e região do Parque Estadual de Corumbiara, o Governo de Rondônia vem intensificando as ações de combate às queimadas, segundo informa o gerente do escritório da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) em Cerejeiras, Carlos José Fontana.

Devido à pandemia do novo coronavírus, o foco da Sedam tem sido o controle das queimadas urbana e rural em toda a região sob sua jurisdição.

“As queimadas potencializam os problemas respiratórios, agravando ainda mais o estado de saúde das pessoas que buscam atendimento médico na rede de saúde”, alertou Fontana.

Ele também destacou a campanha que o governo está desenvolvendo de conscientização para se evitar às queimadas. São materiais como folderes, adesivos, cartazes e peças publicitárias veiculadas nos meios de comunicação. “Queimada é crime. Apague essa ideia. Vida e fogo não combinam. Denuncie”, alerta o cartaz da campanha.

O gerente da Sedam em Cerejeiras ressaltou que, entre outras ações, o órgão vem atendendo todas as demandas da comunidade, seja empreendimentos rurais, empresariais e licenciamentos. Lembrou que está em andamento um projeto de criação do viveiro de mudas para recuperação o rio Araras, que abastece toda a cidade de Cerejeiras. O trabalho está sendo articulado em parceria com a Prefeitura. “Suas nascentes estão desmatadas e assoreadas, precisando ser cuidado e preservado”, explicou o gerente.

Fonte: Sedam-RO