Estado do Rio de Janeiro registra 44 casos da variante Delta

Ao todo são 74 casos em 12 municípios do estado

A Secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro (SES) informou no sábado (17) o registro de mais 63 casos da variante Delta do coronavírus, do total de 380 amostras processadas. São 74 casos em 12 municípios do estado.

Os novos municípios com identificação de casos da variante Delta são Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Maricá, Mesquita, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados. Em Seropédica, São João de Meriti e Rio de Janeiro, já foram identificados casos anteriormente.

As secretarias municipais já foram notificadas e farão a investigação epidemiológica, com apoio da Secretaria de Saúde.

“A confirmação foi possível graças aos últimos resultados do projeto Corona-Ômica-RJ, um dos maiores do país, que realiza a análise mensal de cerca de 800 amostras de todo o estado”, disse a pasta.

Nessa última rodada de exames, a variante Delta representou 16,57% do total de 380 amostras processadas. O relatório final do último levantamento está em finalização e, em breve, ficará disponível no link de publicação de rotina.

Segundo a Secretaria de Saúde, os dados recentes do monitoramento mostram a presença da variante Delta (B1.617.2), entretanto, a linhagem P.1 (Gama/Brasil) continua sendo a mais frequente no estado. Há registro em baixa frequência da VOC B.1.1.7 (Alfa/Reino Unido), além do declínio da P.2, desde novembro do ano passado.

Cidade do Rio

Dos 74 casos da variante Delta, 23 foram registrados na capital fluminense. Ontem (17), o secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, informou que mais 15 casos da variante Delta foram confirmados na cidade do Rio, elevando o total para 23. 

A variante Delta foi identificada pela primeira vez na Índia e se tornou a quarta variante de preocupação sinalizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ao lado da Alfa, Beta e Gama. As três anteriores tiveram seus primeiros casos sequenciados no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil. 

As variantes de preocupação recebem atenção especial das autoridades de saúde porque têm potencial maior de transmissão.

“Independentemente da cepa do vírus ou linhagem, as medidas de prevenção e métodos de diagnóstico e tratamento da covid-19 seguem os mesmos. Sendo assim, não há alteração nas medidas sanitárias já adotadas, como uso de máscaras e álcool em gel, lavagem das mãos e distanciamento social. Além disso, é importante que os municípios continuem avançando no processo de vacinação contra a covid-19 e que a população retorne para receber a segunda dose. Estudos mostram que todas as vacinas disponíveis no Brasil são eficazes contra as variantes identificadas até o momento”, alerta a Secretaria estadual de Saúde.

Fonte: Fernando Fraga A/B

Estrada do Areia Branca é finalmente integrada ao município de Porto Velho

Apesar de estar na área do município, a Estrada do Areia Branca ainda não tinha registro em cartório, portanto não era uma estrada oficialmente.

A Estrada do Areia Branca está incluída definitivamente no agrupamento de ruas pertencentes ao município de Porto Velho. A integração da via aos cuidados da Prefeitura Municipal de Porto Velho possibilitará a captação de recursos, por meio de recolhimento de impostos e verbas destinadas pela bancada federal, para serem investidos na construção da rede de drenagem, asfaltamento e instalação de indústrias e comércios.

Neste caso, os estudos iniciaram em julho do ano passado e envolveram vários procedimentos que necessitaram da intervenção de técnicos das duas secretarias.

O estudo de viabilização de integração da Estrada do Areia Branca ao município foi conduzido pela Secretaria Municipal de Regularização Fundiária, Habitação e Urbanismo (Semur) e pela Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação (Semob).

Mais de 800 famílias que residem no trecho compreendido pela estrada serão beneficiadas com os títulos de regularização fundiária e projetos de infraestrutura urbanística. Apesar de estar na área do município, a Estrada do Areia Branca ainda não tinha registro em cartório, portanto não era uma estrada oficialmente.

Agora oficialmente registrada a Estrada ganhará melhorias para os moradores do local, Serviços de manutenção e mais celeridade daqui para os anos.

Fonte: Comdecom

Diretor da Pfizer diz que Brasil foi um dos primeiros países a emitir o registro permanente da vacina (veja o vídeo)

O Brasil é o quarto pais do mundo que mais vacinou e que havia uma serie de burocracias

O gerente-geral da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo afirmou hoje que o Brasil foi um dos primeiros países do mundo a ter o registro definitivo da vacina desenvolvida e fabricada pelo laboratório americano.

O executivo depõe em sessão da Comissão Especial de Inquérito (CPI) da COVID, no Senado Federal, e tem sido pressionado, desde a manhã de hoje, por parlamentares de oposição e principalmente pelo relator, Renan Calheiros (MDB-AL)

Conforme destacou reportagem a do Jornal da Record, Murillo afirmou que a negociação começou em maio do ano passado, com técnicos do ministério da saúde e da economia, a secretaria de comunicação e os presidentes da câmara e do senado.

Segundo a repórter do telejornal, Murillo afirmou que os países com mais casos foram os primeiros procurados, entre eles o Brasil, e que em julho foi enviado um documento com as condições da negociação, que seriam idênticas para todos. Em setembro, a primeira oferta de vacinas foi de 70 milhões de doses, com previsão de entrega no início do ano, e que o contrato de compra foi assinado em dezenove de março.

A âncora do telejornal disse então “em tom irônico” que o Brasil assinou somente em março deste ano e só recebeu dois milhões de doses da vacina da Pfizer até agora, mas tanto ela quanto a repórter omitiram que mais de 83 milhões de vacinas de outros laboratórios já foram distribuídos, que o Brasil é o quarto pais do mundo que mais vacinou e que havia uma serie de burocracias, incluindo aprovações técnicas da Anvisa e a aprovação de um projeto de lei pelo congresso, que só seria confirmado justamente em março deste ano, permitindo a compra, independente da vontade do poder executivo.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, acompanhando a repercussão da fala do executivo da Pfizer, fez questão de publicar um trecho no qual Renan Calheiros, relator da CPI, perguntou se houve alguma dificuldade no processo com a Anvisa, com relação ao tempo de avaliação das questões técnicas da vacina.

“A Anvisa emitiu o registro permanente da vacina da Pfizer no dia 22 de fevereiro de 2021, foi um dos primeiros países do mundo a ter o registro permanente e não tivemos qualquer dificuldade no processo com a Anvisa”, respondeu Murillo, jogando por terra toda e qualquer narrativa e confirmando que a compra não dependeria exclusivamente da vontade do poder executivo.

Bolsonaro escreveu:

“Gerente Geral da Pfizer na América Latina bota ponto final na CPI do Renan: “o Brasil foi um dos primeiros países do mundo a ter o registro da vacina Pfizer.” – Parabéns Anvisa e Min Eduardo Pazuello”.

No dia 2 de maio, foi publicado uma matéria em que o presidente do senado, Rodrigo Pacheco, confirma a liberação da compra da vacina da Pfizer, após lei aprovada em 11 de março de 2021.

Confira o vídeo:

Veja a reportagem da Record:

Fonte: JCO

Caixa registra alta de 50,3% em lucro líquido no 1º trimestre de 2021

Carteira total de crédito da Caixa atingiu R$ 799,6 bilhões

O lucro líquido da Caixa Econômica Federal no primeiro trimestre de 2021 foi de R$ 4,6 bilhões, alta de 50,3% em relação ao mesmo período do ano passado, informou o banco público na manhã de hoje (12).

Ao comentar o balanço do primeiro trimestre em videoconferência, algumas horas após a divulgação, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, comemorou o resultado “muito sólido” e “recorde de todos os tempos”.

Entre os maiores destaques dos três primeiros meses deste ano, a Caixa teve uma receita de R$ 9 bilhões com operações de crédito imobiliário, um aumento de 10,5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Esse tipo de operação é responsável por 52,3% de toda a receita com operações de crédito do banco.

A Caixa registrou, no primeiro trimestre deste ano, um saldo de R$ 518,4 bilhões em crédito imobiliário, com 5,7 milhões de contratos e 68,2% de participação no mercado. Entre o início de janeiro e o fim de março, o banco fechou 134,8 mil novos contratos de financiamento imobiliário. Nesse ponto, o destaque foi a alta de 103,1% em um ano nos contratos pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), cuja carteira chegou a R$ 16,2 bilhões.

A carteira total de crédito ampliado da Caixa atingiu R$ 799,6 bilhões. Em relação às receitas, o banco registrou alta também em operações com o agronegócio (23,8%) e em créditos comerciais a pessoas jurídicas (6,3%).

As receitas com a prestação de serviços e tarifas no primeiro trimestre deste ano foram de R$ 5,7 bilhões, queda de 1,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. Nesse campo, as maiores reduções foram nas receitas com convênios e cobranças (25,1%), fundos de investimentos (7,2%) e conta corrente (7%). Por outro lado, as receitas com seguros subiram 376,3%.

“Já é um impacto do Pix, isso é um impacto real. E o impacto também que tivemos de algumas questões da volta do auxilio emergencial”, disse Guimarães sobre as causas da retração na receita com serviços e tarifas.

O banco destacou ainda que o retorno sobre patrimônio líquido, um indicador do nível de lucratividade, chegou a 16,33%, ante 15,18% registrados no último trimestre de 2020. O indicador, contudo, encontra-se abaixo do registrado nos três primeiros meses de 2020, quando era de 24%.

O balanço da Caixa mostra ainda que o banco reservou R$ 2,54 bilhões em provisões para devedores duvidosos. Essa reserva serve para cobrir possíveis inadimplências. O valor é 3,4% menor do que o provisionado no trimestre anterior, mas 26,5% maior do que o registrado nos três primeiros meses do ano passado.

O provisionamento total do banco, que inclui outros riscos calculados, chega a R$ 34 bilhões, segundo o presidente da Caixa. “Mantemos provisionamentos elevados, é consequência sim da volta da segunda onda da pandemia”, disse Guimarães.

O nível de inadimplência do banco, que aponta dívidas não pagas há mais de 90 dias, ficou em 2,04% no primeiro trimestre de 2021, abaixo dos 3,14% registrados no mesmo período do ano passado, mas acima dos 1,73% no trimestre imediatamente anterior. Guimarães disse que o índice deve voltar a subir por ao menos mais seis meses, refletindo o retorno das cobranças em créditos que foram pausadas durante a pandemia.

De todo o balanço, o presidente da Caixa deu maior destaque ao aumento no crédito para micro e pequenas empresas (MPEs), cuja carteira atingiu R$ 49 bilhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 125,9% em relação ao mesmo período do ano passado. O banco possui cerca de 300 mil contratos com MPEs, e ” 70% delas não eram clientes da Caixa”, disse Guimarães. “No momento mais sensível para essas empresas nós estivemos juntos, ganhamos esses clientes, e isso reforça o papel social e matemático da Caixa”, acrescentou ele.

As Loterias Caixa, por sua vez, arrecadaram R$ 3,8 bilhões no primeiro trimestre de 2021. Desse valor, cerca de R$ 1,9 bilhão foram transferidos a programas sociais do governo, em áreas como seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde.

Outros destaques do balanço são:

– Margem financeira de R$ 11 bilhões, maior em 4,1% sobre o último trimestre do ano passado e 6,8% sobre o três primeiros meses de 2020.

– Saldo em poupança de R$ 368,5 bilhões, evolução de 14,8% em 12 meses.

– Contratação de R$ 12,9 bilhões em crédito consignado, maior valor para o primeiro trimestre em 10 anos.

– A carteira de crédito ampliada encerrou o primeiro trimestre com saldo de R$ 799,6 bilhões, crescimento de 14,3% em relação ao mesmo período de 2020, com participação de mercado de 19,3%.

– Operações de crédito para antecipação do Saque Aniversário do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) resultou na contratação de R$ 1,8 bilhão, distribuídos em 993,7 mil pagamentos.

– Despesas administrativas de R$ 2,633 bilhões, queda de 25,1% em relação ao quarto trimestre do ano passado e de 1,1% em relação ao primeiro trimestre de 2020.

– Na comparação com o trimestre anterior, houve queda de 17,1% na despesa com pessoal, que no primeiro trimestre deste ano ficou em R$ 5,412 bilhões. A cifra representa um aumento de 3,5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

*Matéria alterada às 11h38 para acréscimo de informações.

Fonte: Valéria Aguiar A/B

Corpo de Bombeiros registra redução do nível do rio Madeira nesta quinta-feira

Volume de água do rio Madeira está sendo monitorado desde o dia 17 de fevereiro, deste ano

O Corpo de Bombeiros Militar (CBM), notou a redução do nível do rio Madeira em 15, 39 metros, na manhã desta quinta-feira (11). A última marca registrada no dia 4 de fevereiro, foi de 16 metros. De acordo com o CBM, essa queda ocorre desde a semana passada e vem sendo acompanhada pelo sistema de monitoramento da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) do Governo Federal, adotado pelo departamento público.

Segundo o comandante do CBM, coronel Gilvander Gregório de Lima, essa indicação se resulta por causa da mudança do volume de água no rio Madeira, ocorrido em outras regiões onde ele atravessa. “Este registro está na chamada ‘conta de alerta’, a qual é determinada pelo plano de contingência preventivo, elaborado junto com os municípios Porto Velho, Nova Mamoré e Guajará-Mirim”, complementa.

O comandante destaca também, que todo trabalho técnico-científico desenvolvido pelo departamento público é realizado diariamente por uma equipe responsável pela fiscalização. A medição do rio começou ainda no mês de fevereiro, quando os órgãos de defesa perceberam um aumento próximo à marca de alerta, que é a partir de 15 metros.

Para fazer o monitoramento, são utilizados equipamentos técnicos, como a chamada “régua”, que tem por objetivo medir a profundidade do rio. Alem disso, o órgão possui um aplicativo da ANA e ainda conta com um programa de análise do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), apontando em tempo real a situação. “Programamos para as próximas ações sobrevoos aéreos, a fim de fazer uma análise ampla e mais visual da região”, comenta coronel Gilvander.

Atualmente, o Poder Executivo tem realizado reuniões permanentes com os municípios que geralmente são atingidos pela enchente do rio, buscando consolidar as estratégias dos planos de contingência de cada região, como o apoio à famílias desabrigadas e desalojadas, em decorrência da cheia.

De acordo com o coronel Gilvander de Lima, no momento, a responsabilidade dessa prática é da gestão de cada município. Somente quando o rio atinge a marca de 17 metros, o Executivo Estadual passa a ter a função de agente fiscal para atender os atingidos , além de apoiar ações da Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Seas), no sentido de atender socialmente às famílias, oferecendo alguns benefícios.

Fonte: Corpo de Bombeiros

Anvisa concede registro definitivo para a vacina da Pfizer

Imunizante é o primeiro a obter o registro definitivo no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu hoje (23) o registro definitivo à vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNtech. A concessão do registro foi anunciada pelo diretor-presidente da agência reguladora, Antônio Barra Torres, que destacou que a análise para a liberação do imunizante levou 17 dias.

“O imunizante do Laboratório Pfizer/Biontech teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa, que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro”, disse Barra Torres ao anunciar o registro. “Esperamos que outras vacinas estejam, em breve, sendo avaliadas e aprovadas”, acrescentou.

A vacina é a primeira a obter o registro definitivo no Brasil. O imunizante se chama Cominarty. A empresa entrou no dia 6 de fevereiro com o pedido de registro definitivo da vacina contra a covid-19. O imunizante, entretanto, ainda não está disponível no país.

Em dezembro, a Pfizer já havia anunciado que não faria pedido para uso emergencial da sua vacina no Brasil, e que seguiria o processo de submissão diretamente para um registro definitivo. À época, a empresa disse considerar o procedimento “mais célere”, além de mais amplo.

Segundo a Pfizer, 2,9 mil voluntários participaram dos testes clínicos de sua vacina no Brasil. No mundo todo, foram 44 mil participantes em 150 centros de seis países, incluindo África do Sul, Alemanha, Argentina, Estados Unidos e Turquia. Os resultados da terceira e última fase de testes do imunizante, divulgados em novembro, apontaram eficácia de 95% contra o novo coronavírus (covid-19).

De acordo com a Anvisa, o registro “abre caminho para a introdução no mercado de uma vacina com todas as salvaguardas, controles e obrigações resultantes dessa concessão”. Até então, as vacinas aprovadas no Brasil são para uso emergencial: a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e a vacina produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com a Universidade de Oxford e o laboratório inglês AstraZeneca.

De acordo com a Anvisa, entre as autoridades referendadas pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a agência reguladora brasileira é a primeira a conceder o registro de uma vacina contra a covid-19.

O pedido de registro definitivo é o segundo que a Anvisa recebe para uma vacina contra a covid-19. O primeiro foi feito em 29 de janeiro e é relativo à vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que já tem autorização para uso emergencial no país.

*Colaborou Andreia Verdélio

Fonte: Fernando Fraga A/B

Rússia registra a terceira vacina contra o novo coronavírus

O Ministério da Saúde russo registrou uma nova vacina contra covid-19, a CoviVac – 3ª desenvolvida no país – anunciou hoje o primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin.

“Quero começar com uma notícia muito boa. Verificamos hoje que a terceira vacina, a CoviVac, produzida pelo Centro Chumakov, foi registada”, afirmou o chefe de governo russo durante reunião sobre o andamento do processo de vacinação no país.

Mikhail Mishustin disse que em meados de março entrarão em circulação as primeiras 120 mil doses da nova vacina, e acrescentou que a indústria farmacêutica russa aumentou permanentemente a produção de vacinas contra a covid-19.

“Já produzimos mais de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V e cerca de 80 mil doses da EpiVacCorona e, em breve, avançaremos com a terceira linha de produção da CoviVac”, informou.

A vice-primeira-ministra do país, Tatiana Golíkova, adiantou que a Rússia pretende produzir 88 milhões de doses de vacinas durante o primeiro semestre deste ano, sendo 83 milhões da Sputnik V. Em relação ao processo de vacinação no país, Golíkova indicou que 45% das pessoas com mais de 60 anos foram vacinadas, porcentagem que considerou “insuficiente”, tendo apelado às autoridades regionais para que intensifiquem esforços.

Fonte: Agência Brasil

Delegacia Virtual registrou mais de 28 mil ocorrências policiais em 2020

De acordo com o delegado regional da Polícia Civil em Cacoal, Alexandre Borges Baccarini, a ferramenta é o melhor canal para o registro de ocorrências relacionadas a furtos e roubos e entre outros.

Desde a implantação, a Delegacia Virtual tem reduzido de uma forma geral, o número de atendimentos nas delegacias. Uma ferramenta do Governo do Estado de Rondônia, por meio da Polícia Civil no Estado de Rondônia (PC), que tem se destacado para evitar aglomerações de pessoas nas unidades da Polícia Civil em tempos de pandemia, diminuindo o risco de contágio pelo coronavírus, além de oferecer maior comodidade aos cidadãos, que podem fazer o registro de um crime de casa ou de qualquer local em que tenha acesso à internet.

Em 2020, de forma on-line, foram registradas 28.302 ocorrências policiais em todo o Estado, através da Delegacia Virtual. De acordo com o delegado regional da Polícia Civil em Cacoal, Alexandre Borges Baccarini, a ferramenta é o melhor canal para o registro de ocorrências relacionadas a furtos e roubos considerados de simples agravo, desde que não haja lesão corporal e quando o prejuízo da vítima é considerado mínimo. Também podem ser registrados crimes de violência doméstica, mesmo que haja lesão corporal à vítima, e ainda outras ocorrências, como extravio ou perda de documentos e objetos, acidentes de trânsitos, entre outras.

“O atendimento on-line é importante, principalmente agora neste período de pandemia. Geralmente nas segundas-feiras eram dias de muita movimentação nas delegacias, pois todo mundo que tinha algum problema no final de semana, esperava a segunda-feira para registrar ocorrência. Com isso o serviço era demorado, tinha fila e nisso juntavam muitas pessoas no mesmo ambiente. Com a ferramenta on-line é comodidade e mais segurança nesse momento de pandemia”, explicou delegado.

EM TODO O ESTADO, A POLÍCIA CIVIL CONTA COM UMA EQUIPE ESPECÍFICA PARA ATENDER AS DEMANDAS DA DELEGACIA VIRTUAL. APESAR DA FACILIDADE NO REGISTRO DAS OCORRÊNCIAS, BACCARINI ALERTA PARA QUE AS PESSOAS USEM A FERRAMENTA DE FORMA RESPONSÁVEL. “QUEM FAZ COMUNICAÇÃO FALSA DE CRIME, OU QUALQUER OUTRA QUE POSSA INTERFERIR E ATRAPALHAR O TRABALHO DAS AUTORIDADES POLICIAIS, ESTÁ SUJEITA ÀS PENAS DA LEI, AOS CRIMES QUE SÃO IMPOSTOS DE FALSIDADE. POR ISSO FICA O NOSSO ALERTA, PARA QUE USEM COM RESPONSABILIDADE, TENTEM SER OBJETIVOS E PRESTES AS INFORMAÇÕES DA FORMA CORRETA”, FINALIZOU.

A atendimento on-line funciona 24 horas por dia. O serviço é gratuito e pode ser utilizado por qualquer pessoa maior de 18 anos. Para registrar a ocorrência, o próprio website dá o passo a passo de fazer o registro. O boletim pode ser validado e posteriormente impresso. As ocorrências registradas passam pelas equipes policias de plantão e são encaminhadas para despacho do delegado em serviço.

EUA chegam a 350 mil mortes por covid-19

País mais atingido do mundo pela pandemia também tem 20,5 milhões de casos confirmados, quase 1 a cada 5 no mundo

Os EUA, país mais atingido do mundo pela pandemia do novo coronavírus, chegaram neste domingo à marca de 350 mil mortes causadas pela covid-19, segundo dados da Universidade Johns Hopkins, que registra os avanços da doença.

É o número mais alto do planeta e corresponde a 19%, pouco menos de um quinto, de todos os óbitos registrados até o momento na pandemia.

O país também chegou a 20,5 milhões de casos confirmados de infecção pelo coronavírus, apenas três dias depois de bater a barreira dos 20 milhões, na última sexta-feira (1º)

Metade desses casos foram contabilizados desde 9 de novembro, o que indica um ressurgimento drástico da pandemia no país, após uma redução na metade de 2020.

Fonte: R7

Espanha registrará pessoas que recusarem tomar vacina

Documento será compartilhado com outros países da União Europeia, mas não será público, diz ministro da Saúde

O ministro da Saúde da Espanha, Salvador Illa, informou na segunda-feira (28) que as pessoas que se negarem a tomar a vacina contra o coronavírus serão incluídas em um “registro”.

Illa afirmou em uma entrevista ao canal La Sexta que o documento será compartilhado com outros países da União Europeia (UE), mas garantiu que o registro “não será público” e respeitará a privacidade dos indivíduos.

Na Espanha, que ultrapassou a marca de 50 mil mortes por coronavírus desde o início da pandemia, a vacinação contra a doença não será obrigatória.

O político, no entanto, admitiu que a vacinação deve ser considerada pela população como “um ato de solidariedade para com nossos entes queridos e cidadãos”.

De acordo com o programa de vacinação da Espanha, o país pretende imunizar cerca de 2,5 milhões de pessoas entre janeiro e março de 2021, começando por trabalhadores de asilos e profissionais de saúde. (ANSA).

Fonte: R7