Resultados de Testes de Covid-19 irão para o Ministério da Saúde

A obrigação está prevista em portaria publicada no Diário Oficial da União de hoje (21).

Todos os resultados de testes de diagnóstico para detecção do novo coronavírus (covid-19) feitos em laboratórios das redes pública e privada terão de ser notificados ao Ministério da Saúde (MS). A obrigação está prevista em portaria publicada no Diário Oficial da União de hoje (21).

A portaria 1.792 altera uma outra portaria, publicada em março deste ano (a de número 356). Ela é válida tanto para resultados positivos como negativos, inconclusivos e correlatos “qualquer que seja a metodologia utilizada”. 

Ainda segundo a portaria, a notificação deverá ser feita no prazo de 24 horas, contado a partir do resultado do teste, “mediante registro e transmissão de informações na Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS)”.

Notificação

Caberá aos gestores e responsáveis pelos respectivos laboratórios fazer a notificação. A fiscalização ficará sob a responsabilidade do gestor de saúde local. O não cumprimento das determinações pode configurar infração sanitária, além de acarretar na aplicação de penalidades como advertência, multa ou interdição do estabelecimento.

Foi dado aos laboratórios prazo de 15 dias, contados a partir da publicação da portaria, para fazerem as adequações necessárias relativas ao uso da rede RNDS. A solicitação de uso dessa rede pode ser feita por meio do endereço eletrônico.

A documentação técnica e de suporte para eventuais dúvidas sobre o uso da rede está disponibilizada no endereço eletrônico.

Veja na TV Brasil:

Fonte: Agência Brasil

OMS festeja avanços em vacinas, mas reforça: ‘Salvem vidas agora’

Especialistas da organização comemoram resultados de testes, mas ressaltam que há longo caminho até que imunização possa ser feita em larga escala

A OMS (Organização Mundial da Saúde) avalia como uma boa notícia os avanços anunciados por diferentes grupos que trabalham no desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus ao redor do mundo, embora alerte que não é aceitável esperar pelo surgimento de uma forma de imunização ou de tratamento eficiente para que os países tomem medidas fortes contra a covid-19. “Temos que salvar vidas agora”, resumiu o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom, durante a coletiva regular da instituição sobre o estado da pandemia.

Nesta segunda-feira, os responsáveis pelo desenvolvimento pela chamada “vacina de Oxford” publicaram artigo em que demonstram que o imunizante se mostrou seguro e induziu a produção de anticorpos que combatem novo coronavírus na primeira e segunda fases de testes realizadas no Reino Unido. Os resultados foram recebidos como “promissores” pela comunidade científica.

“São boas notícias”, comentou o diretor do Programa de Emergências da OMS, Michael Ryan. “É bom ter mais dados [sobre a imunização] e ver progressos. Parabenizamos nossos colegas pelos progressos.”

O especialista fez questão, no entanto, de lembrar que até a disponibilização da vacina em larga escala, ainda há um longo caminho. “Esta é a fase um. Agora temos que ir para os testes em larga escala no mundo real.”

Ryan contabilizou 23 candidatas a vacina contra a covid-19 em fase de testes clínicos. Uma delas, a de Oxford, já terminou a fase um e já colocou seus dados a disposição da comunidade científica. Ainda há outras três com dados sendo revisados para publicação e ainda uma outra em fase de pré publicação (ou seja, já revisada tecnicamente, aguardando aprovação final para publicação).

Fonte: R7