Safra de grãos deve bater o recorde este ano, estima IBGE

Mesmo com queda, a previsão do mês de maio é que safra chegue a 262,8 milhões de toneladas

A produção brasileira de grãos, cereais e leguminosas deve render uma safra recorde de 262,8 milhões de toneladas em 2021. Apesar do resultado apresentar a segunda queda consecutiva na estimativa mensal, o volume representa aumento de 3,4% em relação à safra do ano passado, que alcançou 254,1 milhões de toneladas.

É o que revela a estimativa de maio do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A queda na comparação com a estimativa de abril foi de 0,6%, ou 1,7 milhão de toneladas. Segundo o IBGE, a retração ocorreu por causa do atraso na colheita da soja, que levou à redução da janela de plantio do milho, além da baixa ocorrência de chuvas em estados produtores, como Paraná e Mato Grosso.

A área total a ser colhida teve alta de 3,9% em relação ao ano passado e chegou a 68 milhões de hectares. Na comparação com abril, a estimativa da área a ser colhida cresceu 119,7 mil hectares, o que representa acréscimo de 0,2%.

Milho

O instituto ressalta que a segunda safra do milho representa 73,9% da produção total desse grão e a estimativa da produção para essa safra caiu 4,4% em relação a abril – 3,4 milhões de toneladas a menos. A queda em relação à produção de maio de 2020 é de 4,3%.

Somadas, as duas safras de milho devem chegar a 99,2 milhões de toneladas, o que é 3,2% a menos do que a estimativa de abril. Na comparação anual, a produção total deve ser 3,9% menor, mesmo com os aumentos de 6% na área plantada e de 6,2% na área a ser colhida.

Soja

A soja, principal cultura do país, deve ter uma safra recorde este ano, com 132,9 milhões de toneladas, um aumento de 9,4% frente ao ano passado. Na comparação com abril, o aumento na estimativa é de 0,7%. De acordo com o IBGE, o crescimento se deve ao preço do grão no mercado internacional, que está vantajoso para o produtor brasileiro.

Arroz

A estimativa para a produção do arroz também cresceu, um aumento de 2,4% na comparação com abril, e deve chegar a 11,4 milhões de toneladas. Para o instituto, a produção é suficiente para abastecer o mercado interno, depois da alta no preço visto em 2020 devido ao aumento do consumo interno e ao crescimento das exportações. Em 2021, a produção do arroz deve ficar 2,8% acima da do ano passado, beneficiado pela seca no sul, que facilita a colheita.

Feijão

A produção de feijão deve chegar a 2,9 milhões de toneladas este ano, o suficiente para atender ao consumo interno. Na comparação com abril, a estimativa caiu 2,3%, mas está praticamente estável em relação ao que foi produzido no ano anterior, com 577 toneladas a menos.

As estimativas para o feijão são de queda de 0,3% na primeira safra, com total de 1,3 milhão de toneladas. A segunda safra foi estimada em 1 milhão de toneladas, 7,2% frente à estimativa do mês anterior. E a estimativa para a terceira safra de feijão é de produzir 578,4 mil toneladas, aumento de 2,7% frente à previsão de abril.

Café

Para o café, o crescimento previsto é de 4,3% frente a abril, mas houve queda de 21% na comparação anual. O café arábica deve chegar a 2 milhões de toneladas, um aumento de 6% em relação a abril e queda de 29,3% frente a produção de 2020. Para o IBGE, a queda é esperada, depois da safra recorde no ano passado, devido ao fato de o café ser uma cultura com bienalidade negativa, ou seja, produz muito em um ano e produz menos no ano seguinte.

Para o café canephora, também chamado de conillon, a produção deve alcançar 919,8 mil toneladas, um aumento de 0,9% em relação à estimativa de abril e de 6,3% em relação a 2020.

Outros

Houve redução também na estimativa da produção do algodão herbáceo em relação a abril, com -3,4% e 5,7 milhões de toneladas. Com relação à área plantada, a queda foi de 16%. O cacau também apresentou queda, com estimativa de -1,5% e total de 269,1 mil toneladas.

Por outro lado, a estimativa de maio apresentou variações positivas na comparação mensal para a produção do trigo (7,2% ou 527,2 mil toneladas), castanha-de-caju (7,2% ou 8,3 mil toneladas), aveia (4% ou 39,2 mil toneladas) e cevada (1,9% ou 8,2 mil toneladas).

Produção regional

Entre as regiões do país, quatro tiveram aumento em suas estimativas de produção de grãos, leguminosas e oleaginosas em relação à safra de 2020. O Sul deve crescer 10,8% e alcançar 81 milhões de toneladas, o Sudeste teve aumento de 6% na estimativa e deve produzir 27,3 milhões de toneladas, o Nordeste cresceu 5,3% e deve chegar a 23,8 milhões de toneladas e a Região Norte teve aumento na estimativa de 1,4%, com total de 11,1 milhões de toneladas. O Centro-Oeste, que responde por 45,5% da produção nacional, apresentou queda de 1,8% na estimativa para o ano e deve colher 119,5 milhões de toneladas.

Por Akemi Nitahara – Agência Brasil

Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos

Área destinada à soja teve aumento de 3,4% no período 2020/2021

O Brasil deverá colher 133,7 milhões de toneladas de soja na safra 2020/2021. De acordo com o quarto Levantamento da Safra de Grãos, divulgado hoje (13) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a previsão tem por base o aumento de 3,4% na área destinada à plantação da oleaginosa, que representa cerca de 50% da colheita de grãos no país, estimada em 264,8 milhões de toneladas.

Segundo as previsões apresentadas pelo boletim, o crescimento previsto para a produção total será de 7,9 milhões de toneladas, na comparação safra 2019/20, quando foram colhidas 256,94 milhões de toneladas.

Principal produtor de soja no Brasil, Mato Grosso, que já iniciou a colheita do grão, tem a expectativa de colher 35,43 milhões de toneladas, o que representa, segundo a Conab, “ligeira queda” na comparação com o projetado para a safra anterior, mesmo com a expectativa de aumento na área plantada.

“O resultado é reflexo da estimativa de menor produtividade, uma vez que as condições climáticas de 2019 não se repetiram até então”, justifica a Conab.

Milho

Já a produção de milho para a safra 2020/2021 está estimada em 102,3 milhões de toneladas. “A primeira safra do cereal deve apresentar queda de 6,9%”, informa a Conab ao apontar as “condições climáticas desfavoráveis” no Sul do país como fator determinante para a redução.

“No Rio Grande do Sul, a diminuição nesse índice foi estimada em 11%. Com isso, a produção tende a ser 9,3% menor. Em Santa Catarina, os percentuais de queda na produtividade e na colheita da primeira safra são ainda maiores, chegando a 14% e 12,7% respectivamente. Em ambos os estados, a área destinada ao plantio do grão deve crescer, o que reduz um pouco a queda no volume de produção”, acrescenta.

Arroz

De acordo com a Conab, o aumento da área destinada à produção de arroz “foi menor do que o esperado, principalmente pelo fato de as chuvas não abastecerem satisfatoriamente as barragens que fornecem água para as lavouras irrigadas na Região Sul”.

As condições climáticas também tiveram influência na produtividade desse grão. Com isso, a produção estimada está em 10,9 milhões de toneladas – número 2,5% menor do que o registrado na safra anterior.

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz, com a janela de análise anual de cada safra passando do período de março a fevereiro para janeiro a dezembro – mudança que já era demandada pelo setor, para dar maior transparência e precisão às estimativas de estoques.

“Com essa mudança, o estoque físico real, ao fim de dezembro, será igual ao publicado como estoque de passagem no fim do mesmo mês, pois a colheita do arroz inicia-se apenas em janeiro de cada ano”, esclarece a companhia.

Fonte: Graça Adjuto A/B

Bancos leiloam 373 imóveis com até 75% de desconto

Oito instituições realizam pregões nos próximos dias com lances mínimos entre R$ 23 mil e R$ 7,5 milhões. Especialistas apontam o que avaliar

pandemia do novo coronavírus não tem afetado o mercado de leilões de imóveis. Até o fim do mês, oito bancos vão leiloar 373 imovéis.

Um dos principais atrativos dos imóveis arrematados em leilões é o preço.

Esses empreendimentos são ofertados, em média, com até 40% de desconto.

Porém, nesses leilões há opções com desconto de até 75%. Caso de uma residência de 120 m² de área de terreno, 113.29 m² de área construída, em Nossa Senhora da Glória (SE), que está sendo vendida com o lance inicial de R$ 39.690.

O imóvel está ocupado, com processo para desocupação em trâmite.

Os imóveis são dos bancos: Bradesco, BMG, BTG Pactual, Itaú Unibanco, Pan, Pine, Santander, Safra. 

Os lances vão de R$ 23.500 (para um terreno desocupado de 200 m², em Parnamirim, no Rio Grande do Norte), do Banco Itaú, a R$ 7.456.680 (para uma casa desocupada de 1539 m² de área útil e 6064 m² de área total, no Rio de Janeiro), do Banco Santander.

Principais cuidados

1- Credibilidade da empresa

Para o leiloeiro Fernando Cerello, da Mega Leilões, o primeiro passo para quem deseja comprar um imóvel em leilão é checar a idoneidade da empresa.

A pesquisa pode ser feita no TJ (Tribunal de Justiça) do seu Estado. As empresas de leilões precisam estar cadastradas no órgão para atuar, segundo Cerello.

2- Ler o edital

O leiloeiro diz que é importante estar atento ao edital e ler o material por completo. Uma dica é pedir o auxílio de um advogado para fazer a análise antes de realizar a compra.

“A leitura do edital permite ao comprador saber se o imóvel está ou não ocupado, possíveis dívidas, processos, valores e formas de pagamento”, alerta André Zukerman, CEO da Zukerman Leilões.

3- Visitar imóvel ou bairro

Zukerman pede que, se possível, o comprador visite o imóvel para observar as condições ou, até mesmo, a rua e o bairro onde ele fica para avaliar a infraestrutura da região.

Se o imóvel estiver ocupado e não permitir a visita internamente, uma opção é visitar algum apartamento do mesmo prédio para ter uma ideia da estrutura do imóvel.

Circular pela região é recomendado para o futuro comprador observar o que tem no bairro: farmácia, supermercado, escola, hospital, por exemplo. Também ajuda a verificar se a região é muito movimentada ou barulhenta. 

Os especialistas orientam, inclusive, a ir ao local em todos os horários – manhã, tarde e noite – para fazer uma análise mais detalhada.

4- Faça as contas

Quem arremata um imóvel, não arca apenas com o valor da compra e da comissão do leiloeiro.

A operação tem outros gastos embutidos que podem encarecer o valor: documentação, escritura e ITBI (Impostos de Transmissão de Bens Imóveis).

Além disso, se o imóvel estiver ocupado, ou seja, se o antigo morador ainda mora lá ou o seu inquilino, o custo para retirá-lo de lá é integralmente do novo dono.

Por isso, é importante colocar tudo na ponta do lápis para saber se o desconto dado no leilão vale a pena.

“O comprador também precisa lembrar que o imóvel pode precisar de reformas”, diz Zukerman.

Vantagens dos leilões

As condições de pagamento dos imóveis arrematados, de acordo Zukerman, vem sendo facilitadas cada vez mais.

“Os leilões estão se tornando cada vez mais uma opção viável para compra de imóveis devido ao volume de oportunidades abaixo do mercado e às condições de pagamento”, diz Zukerman.As condições de pagamento incluem compras à vista com desconto, parceladas e até com possibilidade de uso do FGTS.

Zukerman também destaca a facilidade para participar no leilão online.

“Você pode pesquisar as oportunidades de imóveis em todo o Brasil, diversos tipos e metragens em uma mesma plataforma”, afirma o CEO.

Como funcionam os leilões?

Os leilões online são realizados nos sites das leiloeiras. Uma data e hora de encerramento são determinadas por edital e são divulgadas nas mídias tradicionais e no site oficial.

“Somente após a publicação do edital, os leilões estão abertos para lances, que podem ser registrados por meio do site oficial a qualquer momento dentro do período de duração”, explica Cerello.

Todos os lances são recebidos em tempo real para garantir uma disputa justa e transparente entre os participantes, complementa o especialista.

Agenda dos leilões

Evento: Leilão de Imóveis Santander Brasil

Data: 26/08

Horário: 15 horas

Quantidade de imóveis: 73

Acesse o link.

Evento: Leilão de Imóveis Itaú Unibanco

Data: 27/08

Horário: 11 horas

Quantidade de imóveis: 37

Acesse o link.

Evento: Leilão de Imóveis Bradesco

Data: 27/08

Horário: 14 horas

Quantidade de imóveis: 21

Acesse o link.

Evento: Leilão de Imóveis Banco Santander

Data: 26/08

Horário: 11 horas

Quantidade de imóveis: 127

Acesse o link.

Evento: Leilão Banco Bradesco

Data: 28/08

Horário: 11 horas

Quantidade de imóveis: 33

Acesse o link.

Evento: Leilão Banco Pan

Data: 26/08

Horário: 10 horas

Quantidade de imóveis: 14

Acesse o link.

Evento: Leilão Banco Pine

Data: 27/08

Horário: 10 horas

Quantidade de imóveis: 9

Acesse o link.

Evento: Leilão Banco BTG Pactual

Data: 26/08

Horário: 15 horas

Quantidade de imóveis: 12

Acesse o link.

Evento: Leilão Banco Safra

Data: 28/08

Horário: 10h30

Quantidade de imóveis: 7

Acesse o link.

Evento: Leilão Itaú Unibanco

Data: 28/08

Horário: 15 horas

Quantidade de imóveis: 36

Acesse o link.

Evento: Leilão de Imóveis Banco Inter

Data: 27/08 e 28/08

Horário: 10h40 e 14h00

Quantidade de imóveis: 4

Acesse o link.

Fonte: R7

IBGE diz que Safra de 2020 deve ser maior que a de 2019

Segundo os dados de pesquisa, este ano deve ser 3,1% maior do que a produção de 2018.

Grãos
Safra de cereais, leguminosas e oleaginosas deste ano deve ser 3,1% maior que a produção de 2018 

A safra de cereais, leguminosas e oleaginosas deste ano deve ser 3,1% maior do que a produção de 2018. A estimativa é do terceiro prognóstico para a safra de 2019, divulgado hoje (10), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que prevê uma produção de 233,4 milhões de toneladas.
 
A safra de 2018 ainda não foi calculada, mas a última previsão do IBGE, feita em dezembro, indica que o ano fecharia com uma produção de 226,5 milhões de toneladas, 5,9% inferior ao total de 2017.

Segundo o IBGE, para este ano são esperados crescimentos para a soja (0,8%), as duas safras de milho (2,6% para a primeira safra e 11,1% para a segunda safra), para a segunda e a terceira safras do feijão (6,2% e 2,4%, respectivamente) e para o algodão herbáceo (6,6%).
 
No entanto, devem ter queda as produções de arroz (-4,8%), feijão primeira safra (-10,8%), trigo (-3,9%) e sorgo (-0,7%).
 
A alta de 2019 deve ser puxada principalmente pela Região Sul, cuja produção deve crescer 5%, passando de 74,5 milhões de toneladas para 78,2 milhões. Principal centro produtor de grãos do país, o Centro-Oeste tem um crescimento previsto de 2,8%, passando de 101 milhões de toneladas para 103,8 milhões.

*Matéria alterada às 14h03 para correção do número da produção da safra prevista para 2019: 233,4 milhões de toneladas

Fonte: Kleber Sampaio A/B