Novo estudo mostra que vacina da AstraZeneca é segura e eficaz

Estudo envolveu 32 mil voluntários no Chile, Peru e nos Estados Unidos

A vacina contra a covid-19 que a AstraZeneca desenvolveu com a Universidade de Oxford se mostrou 79% eficaz na prevenção de doenças sintomáticas em um grande teste no Chile, no Peru e nos Estados Unidos, informou a empresa nesta segunda-feira (22), o que abre caminho para um pedido de aprovação de uso do imunizante nos EUA.

A Covishield também se mostrou 100% eficaz contra complicações graves ou críticas e hospitalizações e se mostrou segura, disseram os parceiros ainda nesta segunda-feira, ao divulgar os resultados do estudo de estágio avançado em humanos com mais de 32 mil voluntários de todas as faixas etárias.

Os dados darão credibilidade à vacina britânica, depois de estudos de estágio avançado anteriores terem provocado dúvidas sobre a robustez dos dados.

Eles também ajudarão a apaziguar temores de segurança que levaram à suspensão do uso da Covishield na União Europeia depois de um número pequeno de relatos de coágulos sanguíneos raros em pessoas que receberam a vacina.

Depois de interromperem brevemente sua aplicação, muitos países europeus retomaram o uso da vacina em seus programas de inoculação depois que uma agência reguladora regional disse que ela é segura, e vários outros países também estão adotando o imunizante para aumentar a confiança.

Coágulos

Já a AstraZeneca disse que um comitê de segurança independente realizou uma análise específica dos coágulos sanguíneos no teste norte-americano, além de trombose venosa cerebral (TVC), que é um coágulo sanguíneo raro no cérebro, com ajuda de um neurologista independente.

A empresa, listada na bolsa de Londres, disse que o comitê não encontrou “nenhum risco adicional de trombose ou de acontecimentos caracterizados por trombose entre os 21.583 participantes que receberam ao menos uma dose da vacina. A procura específica por TVC não encontrou nenhum acontecimento neste teste”.

“ESTES RESULTADOS SÃO UMA ÓTIMA NOTÍCIA, JÁ QUE MOSTRAM A EFICÁCIA NOTÁVEL DA VACINA EM UMA NOVA POPULAÇÃO E SÃO CONDIZENTES COM OS RESULTADOS DOS TESTES LIDERADOS PELA OXFORD”, DISSE ANDREW POLLARD, QUE ADMINISTRA O GRUPO DE VACINAS DE OXFORD.

FDA

A AstraZeneca disse que está se preparando para submeter os dados do estudo à Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) e para o lançamento do imunizante nos EUA, caso obtenha uma autorização de uso emergencial.

Sarah Gilbert, professora da Universidade de Oxford, disse à rádio BBC que o trabalho de preparação do pedido tomará algumas semanas.

A medição de eficácia ficou acima de uma taxa de cerca de 60%, citada pela agência reguladora da União Europeia em sua recomendação de dezembro.

Fonte: Agência Brasil

Reino Unido garante que vacina de Oxford é ‘segura e eficaz’

Dinamarca e Holanda registraram casos de trombose em pacientes vacinados e Áustria descartou lote após uma morte

O governo britânico defendeu, nesta quinta-feira (11), a vacina contra covid-19 desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford após sua suspensão na Dinamarca, classificando-a como “segura” e “eficaz” e afirmando que continuará sendo usada no Reino Unido. 

“Deixamos claro que (a vacina) é segura e eficaz”, disse à imprensa um porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson. “Quando se pede às pessoas para se apresentarem para recebê-la, devem fazer isso com confiança”, acrescentou.

“E de fato estamos começando a ver os resultados do programa de vacinação em relação ao número (menor) de casos que estamos vendo em todo o país, o número de mortes, o número de hospitalizações”, destacou.

A Dinamarca anunciou nesta quinta-feira que suspendeu o uso da vacina da AstraZeneca/Oxford como medida de precaução devido à preocupação pelo surgimento de coágulos de sangue em pessoas vacinadas. 

No entanto, a agência dinamarquesa de saúde destacou que ainda não foi estabelecida nenhuma relação entre a vacina e os coágulos. 

Um porta-voz da AstraZeneca afirmou que “a segurança da vacina foi estudada amplamente nos ensaios clínicos de fase III e os dados revisados por especialistas confirmam que a vacina foi geralmente bem tolerada”.

A Holanda também registrou um caso de trombose após uma paciente ser vacinado, mas afirmou que o caso não foi grave e nem precisou de internação.

A Áustria anunciou na segunda-feira que deixou de administrar um lote de vacinas produzidas pelo laboratório britânico, depois que uma enfermeira de 49 anos morreu por “graves transtornos de coagulação” dias depois de recebê-la. 

Outros quatro países europeus – Estônia, Lituânia, Letônia e Luxemburgo – suspenderam imediatamente a vacinação com doses procedentes desse lote, que foi entregue a 17 países e que incluía um milhão de vacinas.

Fonte: R7

%d blogueiros gostam disto: