Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

PF prende suspeitos de participação em roubo de US$ 5 milhões em aeroporto de Viracopos

Crime aconteceu em março de 2018. Criminosos foram presos em São Paulo e Rondônia durante operação da PF de Campinas; corporação também cumpriu mandado de busca e apreensão.

Dólares foram transportados pela Lufthansa Cargo

A Polícia Federal prendeu, durante uma operação na manhã desta sexta-feira (4), dois homens suspeitos de participação em um roubo de 5 milhões de dólares no Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, em março de 2018. As detenções aconteceram em São Paulo e um município em Rondônia.

Além dos dois mandados de prisão, a operação também cumpriu uma ordem de busca e apreensão em São Paulo. O crime aconteceu no dia 4 de março de 2018. Na ocasião, um grupo com pelo cinco homens armados com fuzis invadiu a área de cargas do aeroporto para levar os dólares, além de quantias em libras e reais que seriam entregues na Suíça. Sem fazer disparos, os criminosos entraram e saíram da estrutura em seis minutos.

As investigações sobre o mega-assalto correm em sigilo e as prisões desta sexta-feira foram as primeiras relacionadas ao caso divulgadas pela PF.

A Polícia Federal informou que realizou “dezenas” de depoimentos durante a investigação e os dois homens foram identificados após exames periciais e apreensão de dólares que “comprovadamente” faziam parte da remessa que estava em Viracopos naquele dia.

Ainda de acordo com a corporação, o grupo tem atuação estruturada, com divisão de tarefas. A polícia vai continuar a investigação para identificar mais envolvidos. Os presos nesta sexta-feira vão ser indiciados por roubo qualificado, receptação, organização criminosa. As penas para cada crime variam de oito a dez anos, além de multa.

A prisão em Rondônia foi feita pela Polícia Rodoviária, enquanto que a de São Paulo contou com apoio da Polícia Militar. A operação recebeu o nome de “Tango Victor”, em referência ao terminal de cargas onde o roubo foi realizado.

O crime

De acordo com a Receita Federal, a remessa dos dólares foi declarada corretamente. O dinheiro estava em um avião da Lufthansa carregado em Guarulhos (SP) e que fez escala no aeroporto de Campinas para pegar mais carga antes de seguir viagem para a Europa.

À época, os criminosos destruíram o alambrado, acessaram o terminal de cargas e fizeram de reféns os seguranças da concessionária Aeroportos Brasil, que administra o terminal. Durante o período que ficaram no aeroporto, eles conseguiram fazer a transferência de 13 sacolas para veículos usados na fuga.

Fonte: G1/RO

Alexandre de Moraes retira sigilo da decisão que autorizou ação da PF

Entre os alvos estavam o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), o blogueiro Allan dos Santos, do site Terça Livre, o youtuber Ravox Brasil e membro do grupo 300 do Brasil.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, retirou o sigilo da decisão que autorizou ação da Polícia Federal no inquérito que investiga atos antidemocráticos. (Confira aqui na íntegra)

Em decisão na tarde desta segunda-feira de ontem (22), o ministro afirmou que  há “indícios apresentados na manifestação apresentada pela Procuradoria-Geral da República que confirmam a real possibilidade de existência de uma associação criminosa”.

“Na parte visível de toda essa organização há militantes, há políticos, há organização, há recursos financeiros. Há também direitos. Todavia, potencialmente pode haver abusos e crimes
que precisam ser apurados a partir do esclarecimento do modo de funcionamento estruturado e economicamente rentável de uma escalada de organização e agrupamento com pretensões
aparentes de execução de ações contra a ordem constitucional e o Estado Democrático e provocação das Forças Armadas ao descumprimento de sua missão constitucional”, diz o ministro.

Ainda de acordo com o documento, as provas apresentadas pela PGR indicam uma “rede estruturada de comunicação virtual voltada tanto à sectarização da política quanto à desestabilização do regime democrático para auferir ganhos econômicos diretos e políticos indiretos.

Nesse entrelaçamento formam-se complexas relações de poder por cooperação, dependência e dominação. Estes mesmos relacionamentos denotam, igualmente, um alinhamento consciente entre os componentes dos grupamentos direcionado à realização de ações potencialmente típicas, independentemente da existência de um acordo propriamente dito para esse fim”.No último dia 16, a Polícia Federal cumpriu 21 mandados de busca e apreensão contra investigados no inquérito 4828, que apura atos contra o Supremo Tribunal Federal (STF). Entre os alvos estavam o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), o blogueiro Allan dos Santos, do site Terça Livre, o youtuber Ravox Brasil e membro do grupo 300 do Brasil.

Fonte: Congresso em Foco

Medida violenta, que Moraes usa como algo corriqueiro, para agredir quem apoia o presidente

Decretação de afastamento de sigilo bancário é apenas para investigados em algum fato MUITO GRAVE.

É medida extremamente invasiva, que muitas vezes leva a pessoa à situação vexatória de ter que se explicar a respeito de valores que nada têm a ver com o que está sendo investigado.

É altamente invasivo, repito. É a “exceção das exceções”, usada como meio de se investigar as finanças de alguém, que está com suspeita de ocultação de valores ou omissão de receitas, por exemplo.

A necessidade de utilização da medida tem que estar devidamente fundamentada e comprovada, com base em vários elementos fáticos.

Alexandre de Moraes tenta transformar uma medida judicial violenta, usada apenas em casos graves, e como recurso extremo, em algo corriqueiro e banal, quando lançada contra apoiadores do Presidente da República e parlamentares governistas, enquanto nem mesmo aqueles réus que respondem a processos criminais no STF, que tinham codinomes na planilha de propinas da Odebrecht, sofrem medida similar.

Isso não é apenas um escárnio, que traz sentimento de injustiça pela utilização anômala da força de uma decisão judicial para constranger um cidadão.

É uma agressão ao próprio Estado de Direito e um ataque frontal aos princípios republicanos.

Alexandre de Moraes tem que ser responsabilizado em todas as esferas pelo evidente abuso que cometeu livre e conscientemente:

Por uilherme Federico Piacesi Ramos – Advogado