Ação conjunta da PRF e Receita apreendem videogames, e até perfumes falsificados em caminhão baú

De acordo com os agentes, as mercadorias tinham como destino São Paulo. Todas as mercadorias apreendidas foram encaminhadas para a sede da Receita Federal.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Porto Velho, na quarta-feira (21), em operação conjunta com a Receita Federal do Brasil (RFB), realizou a maior apreensão de produtos relacionados a games e jogos dentro do Estado. Uma carga de perfumes falsificados também foi apreendida. O caminhão baú que transportava a carga foi abordado, onde os órgãos, conjuntamente, flagraram o transporte de 120 videogames da marca Xbox, além de 358 controles para o videogame.

Segundo o motorista do veículo, a mercadoria estava sendo transportada de Manaus (AM), com destino a São Paulo (SP). Segundo a PRF, a carga toda é avaliada, pelos principais sites motores de busca da internet, num montante que ultrapassa o valor de R$ 500 mil. Ainda durante as fiscalizações, os policiais apreenderam uma carga de perfume falsificada. No total, foram apreendidos 1.856 frascos que tentavam imitar marcas famosas internacionalmente. Segundo o motorista que realizava o transporte, a mercadoria vinha de São Paulo (SP) com destino a Porto Velho. Todas as mercadorias apreendidas foram encaminhadas para a sede da Receita Federal.

Fonte: Rondônia Agora

Secretaria de Saúde confirma oito casos da variante Delta em São Paulo

O primeiro caso de transmissão comunitária foi confirmado no dia 9

A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo confirmou hoje (20) que a capital já registra oito casos da variante Delta do novo coronavírus, que teria surgido na Índia. Na semana passada, a prefeitura já havia confirmado que a cidade enfrentava transmissão comunitária da variante delta.

O primeiro caso autóctone (transmissão comunitária) da variante Delta em São Paulo foi confirmado no dia 6 de julho, referente a um homem de 45 anos, sem histórico de viagem e que apresentou sintomas leves da covid-19, sem necessidade de internação. Até então, só um caso importado havia sido identificado em São Paulo, de um morador da cidade de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, que desembarcou no aeroporto de Guarulhos vindo da Índia.

O surgimento de mutações, segundo a secretaria, é um evento natural e esperado dentro do processo evolutivo dos vírus. Desde a caracterização genômica inicial do SARS-CoV-2, que causa a covid-19, o vírus se dividiu em diferentes grupos genéticos. Algumas dessas mutações podem dar vantagens biológicas que facilitam a propagação dos vírus ou até provocar casos mais graves.

Atualmente, quatro variantes são consideradas “variantes de atenção” pelas autoridades sanitárias devido à possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade da infecção. São elas: gamma (P.1), alpha (B.1.1.7), beta (B.1.351) e Delta (B.1.617.2). A Delta é uma variante de preocupação no mundo todo, sendo responsável pelo aumento de casos em diversos países, inclusive na Europa.

Além desse primeiro caso identificado de transmissão comunitária, outros quatro foram registrados na zona leste e dois na zona norte. Um oitavo caso foi verificado em uma paciente de um hospital privado. Todos esses pacientes diagnosticados com a variante Delta, segundo a prefeitura, estão bem.

Desde maio, a prefeitura de São Paulo tem intensificado estudos para monitorar o surgimento de novas variantes na cidade. 

“Seguiremos com as medidas de rastreamento de todos esses casos, que serão acompanhados pelos nossos técnicos e profissionais para saber se houve contato com viajantes”, disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido. “Seguimos enviando os testes, por amostragem, para os institutos Butantan, Adolfo Lutz e de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP)”, disse.

Ontem (19), o Ministério da Saúde confirmou 110 casos da variante Delta em todo o país. Desses, cinco casos evoluíram para quadro grave.

Fonte: Maria Claudia A/B

Bolsonaro tem alta, e defende Pazuello nas negociações da vacina Covaxin

Após alta neste domingo (18), presidente criticou verba para Fundo Eleitoral e defendeu estudos com novo medicamento para covid-19

Após receber alta neste domingo (18), o presidente Jair Bolsonaro defendeu a atuação do governo e do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello nas negociações por vacinas, voltou a pedir a adoção do voto impresso nas eleições de 2022 e disse querer estudos sobre mais um medicamento para combater a covid-19.

O presidente deixou o Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, após quatro dias de internação por conta de uma obstrução intestinal. Ele se encontrou com apoiadores na saída e falou com  jornalistas por cerca de 30 minutos, disparando várias críticas e defesas.

Questionado sobre recente reportagem do jornal “Folha de S. Paulo” que mostrou vídeo em que Pazuello recebe representantes de uma empresa de Santa Catarina para intermediação de compra de vacinas Coronavac com a fabricante chinesa Sinovac e diz que um memorando de entendimento foi assinado, Bolsonaro defendeu a atuação do ex-ministro afirmando que não foi fechado contrato.

As vacinas foram oferecidas por cerca de três vezes o preço do mesmo imunizante fabricado pelo Instituto Butantan, no Brasil. O acordo acabou não prosperando. Pazuello afirma que só cumprimentou os representantes da empresa, mas não negociou.

“Se eu estivesse na Saúde, eu teria apertado a mão daqueles caras todos”, disse Bolsonaro, argumentando que Pazuello estava sem paletó e não estava à mesa no vídeo divulgado, o que mostraria que não houve negociação alguma com a participação do então ministro. “Não tem como você fraudar no nosso governo”, garantiu.

Bolsonaro afirmou que, em Brasília, “não falta gente para vender lote na Lua” e criticou a imprensa. “Lamentavelmente a imprensa, grande parte da imprensa, adota o caminho de simplesmente denunciar, denunciar não, divulgar aquilo que nós não fizemos”, disse o presidente.

O presidente ressaltou que sempre impôs ao Ministério da Saúde duas condições para comprar vacinas: passar pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e só pagar depois que chegar. “Nosso governo não gastou um centavo com picareta, nenhum. Parabéns Pazuello, parabéns coronel Elcio.”

No caso da vacina indiana Covaxin, o governo acertou a compra mesmo sem aprovação da Anvisa – que só concedeu autorização de uso emergencial meses depois e mesmo assim restrita. O contrato de R$ 1,6 bilhão, suspenso pelo governo, é algo de investigações de diversos órgãos e da CPI da Covid. O valor foi empenhado – reservado para a despesa.

Remédio

Bolsonaro afirmou que pretende pedir ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, estudos sobre o uso da proxalutaminda, utilizada em tratamentos contra câncer de próstata. O presidente já defendeu em diferentes oportunidades ao longo da pandemia o uso do tratamento precoce. Parte das substâncias indicadas, como a cloroquina, são consideradas ineficazes pela comunidade científica internacional. Outras, como a ivermectina, ainda são alvo de estudos após alguns resultados positivos. 

Eleições e voto impresso

O presidente sinalizou que pode vetar o fundo eleitoral de cerca de R$ 6 bilhões para as eleições 2022, aprovado na quinta-feira (15) pelo Congresso Nacional, dentro da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

“Eu sigo a minha consciência, sigo a economia e a gente vai buscar um bom sinal para isso tudo aí. Afinal de contas, eu já antecipo, R$ 6 bi pra fundo eleitoral, para financiamento de campanhas, pelo amor de Deus”, afirmou.

Bolsonaro voltou a defender o que chama de voto impresso auditável, repetindo críticas ao presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, dizendo ainda que a apuração da votação tem que ser pública.

Argumentando em favor da liberdade de expressão, o presidente criticou investigações sobre atos antidemocráticos e “fake news”. “Não dá pra gente conviver num país democrático com pessoas sendo presas e processadas por fake news e atos antidemocráticos”, disse.

“Eu respeito integralmente a Constituição… tem gente sendo processada porque levantou faixinha com o artigo 142… eu respeito o artigo 1º da Constituição, o artigo 2º, o 10º, o 100º e o 142 também, isso é crime?”

O artigo 142 da Constituição diz que as Forças Armadas “são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos Poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”. De maneira recorrente, algumas pessoas defendem a interpretação, errada, de que, com base neste artigo, as Forças Armadas funcionariam como um Poder Moderador.

Questionado se a reunião que ocorreria na quarta-feira passada com os presidentes do STF, Luiz Fux, do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), seria retomada, Bolsonaro disse acreditar que sim, mas ressalvou que, como ele escolhe seus próprios ministros, é o único dos chefes dos Poderes que não têm problemas.

“Com toda certeza… não tem nada de anormal essas reuniões nossas, é acertar alguma coisa, trocar uma ideia”, disse.

A reunião de quarta, desmarcada devido ao problema de saúde de Bolsonaro, foi marcada depois que o presidente chegou a colocar em dúvida a realização das eleições marcadas para 2022.

Fonte: R7

Presidente deve ficar internado em SP, diz Flávio Bolsonaro

Novos exames vão indicar se há necessidade de cirurgia

O presidente Jair Bolsonaro chegou a São Paulo no início da noite desta quarta-feira (14). Ele ficará internado no Hospital Vila Nova Star, zona sul da capital, pelos próximos dias. Mais cedo, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho do presidente, afirmou que o pai estava se sentindo bem após a internação no Hospital das Forças Armadas,  em Brasília. Segundo o parlamentar, o presidente ficará em observação por três dias, para analisar a necessidade de procedimentos adicionais, inclusive uma eventual nova cirurgia.  

“Falei com o médico dele mais cedo. Ele me tranquilizou, falou para a família ficar calma, que não tinha nada de mais grave acontecendo, que ele estaria em observação. Passou o telefone para ele, [estava] um pouco grogue pela anestesia, disse para ficar tranquilo”, afirmou o senador a jornalistas após o encerramento da sessão da CPI da Pandemia.

Ainda de acordo com Flávio, não há definição se o presidente terá de se licenciar do cargo.  

A decisão de transferir Bolsonaro para São Paulo foi tomada pelo médico Antonio Luiz Macedo, responsável pelas cirurgias no abdômen do presidente. Ele diagnosticou o presidente com obstrução intestinal. Nos últimos dias, o presidente vinha enfrentando uma crise de soluços. Ele embarcou de Brasília para a capital paulista pontualmente às 17h30.

Por causa internação, a agenda do presidente foi cancelada. Nesta manhã, ele participaria de uma reunião entres os presidentes do Judiciário, Executivo e Legislativo, para discutir as relações entre os poderes. O encontro será reagendado.

Fonte: Agência Brasil

Bolsonaro espera 300 mil motos em SP e ironiza ameaça de João Doria

Em conversa com apoiadores, presidente também defendeu o tratamento precoce e desafiou apoiador que elogiou vacinas

Em conversa com apoiadores e parte da imprensa no início da manhã desta sexta-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro ironizou a ameaça de multa feita pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), caso ele participe do encontro de motociclistas marcado para sábado (12), na capital paulista.

Bolsonaro fez questão de dizer que ele não estava organizando o passeio e seria apenas um convidado. “Deve ter umas 300 mil motos para mais. Com isso, se colocar numa pista tripla dá uns dez quilômetros”, estimou.

Quando um de seus eleitores comentou que Doria ameaça multá-lo caso fique sem máscara nas ruas paulistas, ironizou: “Quem é o governador de São Paulo? Não sei. Quem é? Desconheço. É dono de São Paulo agora? Virou dono, doninho lá? Virou doninho de São Paulo? ‘Aaai, que eu multo’, é assim o negócio?”

Bolsonaro lembrou que pediu ontem ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, um estudo para saber se quem já foi infectado e tomou vacina precisa mesmo usar máscara.

“Quem vai deciir é ele (Queiroga)”, afirmou, para logo em seguida emendar: “Mas quem vai decidir na vedade é governador e prefeito, segundo determinou o Supremo.”

O presidente voltou a defender o tratamento precoce e minimizou a importância das vacinas, chegando a se incomodar com um apoiador que elogiou os imunizantes.

Bolsonaro argumentava que havia indícios de que o tratamento precoce reduziu o número de mortes por covid no Brasil, mesmo sem a comprovação científica da eficácia dos remédios.

Foi quando perguntou aos apoiadores se sabiam dizer se algum medicamento tinha comprovação científica contra a covid.

Um deles, solícito, respondeu: – “Só a vacina, né?”.

Bolsonaro devolveu: – “Você é jornalista, hein. Tá comprovado cientificamente? Vou perguntar para você.”

– Mas de muito tempo, né, presidente? – tentou, sem graça, o rapaz. 

– Que vacina? Tá comprovada cientificamente? – insistiu Bolsonaro.

– Os números de mortos baixaram. Os números de internações baixaram em países que estão mais … Não? 

– Eu não vou discutir contigo isso aí, tá certo? Está comprovado cientificamente ou as vacinas são experimentais ainda? A resposta é simples: está em jogo é vida aqui

Bolsonaro perguntou então se a hidroxicloroquina e a ivermectina tinham matado alguém até hoje e afirmou que qualquer outro remédio tem mais efeito colaterais que esses prescritos para o tratamento precoce de covid-19.

Fonte: R7

SP: Congonhas tem barreira sanitária para identificar cepa indiana

Até agora, não há confirmação desta variante na capital paulista.

A barreira sanitária do Aeroporto de Congonhas identificou 33 pessoas com sintomas de covid-19 em desembarques no terminal. O teste de um passageiro deu resultado positivo e nove aguardam o resultado do exame de RT-PCR. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura de São Paulo, o caso ainda está em investigação genética no Instituto Butantã.

Desde 27 de maio, mais de 30 mil pessoas foram abordadas pela Vigilância Municipal em ações que visam identificar e cadastrar os casos suspeitos de covid-19 no Aeroporto de Congonhas, nos terminais rodoviários do Tietê, Barra Funda e Jabaquara e no terminal de cargas da Vila Maria. O objetivo é evitar a disseminação da cepa indiana do vírus na cidade de São Paulo. 

As barreiras sanitárias do Aeroporto de Congonhas e nos terminais rodoviários e de caras da capital foram montados pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS). 

Terminais rodoviários 

Desde a última quarta-feira (2), os passageiros sintomáticos dos ônibus oriundos do Maranhão e dos municípios de Juiz de Fora (MG) e Campos de Goytacazes (RJ) estão sendo testados diariamente no Terminal do Tietê, das 5h30 à meia-noite.

A iniciativa agiliza a realização do exame, evita o deslocamento dos sintomáticos, e contribui com o isolamento social o mais breve possível.

Balanço das ações

De acordo com dados da prefeitura, desde o início da ação, nos três terminais rodoviários da capital, cerca de 9,6 mil pessoas foram abordadas, sendo duas sintomáticas no Tietê.

Nas ações educativas nos terminais Barra Funda e Jabaquara, foram mais de 1,3 mil pessoas abordadas. No terminal de Cargas da Vila Maria, dos 3 mil caminhoneiros abordados, um estava sintomático.

Todos foram orientados a ficar em isolamento social, e o resultado do exame deve ser liberado entre 48 e 72 horas. A recomendação inicial é fazer o isolamento em casa até a liberação do resultado do teste.

Para realização dos testes, a SMS diz que segue as diretrizes do Ministério da Saúde, e apenas passageiros que apresentam sintomas fazem os exames.

Para viajantes que não tenham condições financeiras, estão reservados 60 quartos de hotel, custeados pela prefeitura, para que o isolamento seja feito de maneira adequada.

Caso seja identificado algum caso com a variante indiana da covid-19, a pessoa será encaminhada para o Hospital Geral Guaianazes para o tratamento. A unidade, que pertence ao estado, conta com 20 leitos de enfermaria e 10 de unidade de terapia intensiva (UTI).

Fonte: Nádia Franco A/B

Hildon Chaves destaca evolução da agricultura e pecuária em programa nacional de TV

Prefeito revelou que a agricultura e pecuária seguem em franco crescimento

Hildon Chaves diz que o desenvolvimento no setor mantém compromisso com qualidade e sustentabilidade

Porto Velho foi destaque nacional durante entrevista concedida pelo prefeito Hildon Chaves ao Canal Rural, de São Paulo. Ele revelou que a agricultura e pecuária seguem em franco crescimento e que a localização estratégica do município facilita o acesso aos mercados.

Segundo o prefeito, a evolução do setor é resultado de amplo trabalho realizado pela Prefeitura nos últimos anos com a coordenação da Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Semagric).

Outros pontos destacados pelo prefeito durante a entrevista foram os recordes de exportação e o compromisso com a sustentabilidade e qualidade.
De acordo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a produção que vem do campo representa 21% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado.
A capital segue a mesma direção. Como consequência, as terras estão cada vez mais valorizadas.

“A evolução da produtividade atinge também os grãos, como a soja e o milho. Na pecuária o confinamento é uma prática que também está em expansão. O rebanho bovino é composto, atualmente, por 1,1 milhão de cabeças”, destacou o prefeito, que citou a posição estratégica do município como outro detalhe favorável. “O acesso para outros mercados, inclusive para o exterior, é facilitado”, acrescentou.

Para o desenvolvimento do setor, a Prefeitura de Porto Velho também investe na agricultura familiar. Foram distribuídas gratuitamente 2 milhões de mudas de café de 2017 a 2020, além de transporte de calcário para a correção de solo em pequenas propriedades.

Fonte: Comdecom

Internado com câncer, Bruno Covas é transferido para UTI e intubado

Prefeito licenciado foi internado no Hospital Sírio Libanês para realizar exames que constataram sangramento no estômago

O prefeito licenciado Bruno Covas foi transferido nesta segunda-feira (3) para uma UTI (unidade de terapia intensiva) e intubado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, após a descoberta de um sangramento no estômago.  

Ele havia sido internado neste domingo para realizar exames de sangue, de imagens e endoscópico, com o objetivo de prosseguir o tratamento quimioterápico e imunoterápico.

Segundo o boletim médico divulgado nesta segunda, a endoscopia mostrou um sangramento no local do tumor inicial, agora controlado com medidas de hemostasia local. Após o sangramento, Covas foi submetido à intubação oro-traqueal.

O prefeito licenciado é atendido por equipes coordenadas pelos médicos David Uip, Artur Katz, Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e Roberto Kalil Filho.

Boletim médico do prefeito de São Paulo, Bruno Covas
Boletim médico do prefeito de São Paulo, Bruno Covas

Covas se licencia do cargo

Neste domingo (2), após ser internado para exames, Bruno Covas anunciou que licenciaria do cargo de prefeito de São Paulo (SP) por 30 dias, a partir desta segunda (3), para se dedicar ao tratamento médico de um câncer. 

Quem assumirá o posto é o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB).

O prefeito, de 40 anos, trata desde 2019 um câncer na cárdia, órgão de transição entre estômago e esôfago, com metástase no fígado. Ao longo da última internação, que durou 12 dias, foram descobertos novos pontos afetados no fígado e nos ossos.

Fonte; R7

Bolsonaro visita hoje Chapecó, Foz do Iguaçu e São Paulo

Presidente conhece Centro Avançado de Atendimento Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro visitou hoje (7) o município de Chapecó, na região oeste de Santa Catarina, para conhecer o Centro Avançado de Atendimento Covid-19. A unidade foi desativada após a alta e a transferência de pacientes para outros setores.

Bolsonaro voltou a defender o tratamento off-label de infectados com covid-19. O medicamento chamado off-label é aquele prescrito pelo médico que diverge das indicações da bula. Desde o início da pandemia, no ano passado, o presidente defende o uso dessas medicações como, por exemplo, a hidroxicloroquina, que não tem eficácia científica comprovada contra a doença, mas pode ser prescrita por médicos com a concordância do paciente.

“É um direito e dever do médico, ele tem que buscar uma alternativa”, disse Bolsonaro. “Hoje têm aparecido medicamentos ainda não comprovados que estão sendo testados, e o médico tem essa liberdade, tem que ter”, completou.


Ontem (6), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu comunicado alertando sobre o uso indiscriminado de medicamentos e sobre os efeitos adversos resultados de práticas como a “falta de prescrição de acordo com as diretrizes clínicas baseadas em evidências científicas”. 

Segundo o sistema de notificações de farmacovigilância da Anvisa, o número de registros de reações adversas pelo uso da cloroquina saltou de 30 em 2019 para 242 em 2020, um aumento de mais de 800%. O medicamento também passou a encabeçar a lista dos remédios com maior número de reações adversas.

Após a parada em Chapecó, Bolsonaro segue viagem para Foz do Iguaçu (PR), onde participa de dois eventos nesta tarde. Às 14h, ele estará na solenidade de entrega da ampliação da pista de pouso e decolagem do aeroporto internacional da cidade e da inauguração do novo pátio de manobras e da duplicação da via de acesso ao aeroporto. Na sequência, participa da posse do novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general João Francisco Ferreira.

No fim da tarde, o presidente da República deixa Foz do Iguaçu com destino a São Paulo, onde jantará com empresários. O retorno a Brasília está previsto para 23h.

Centro de atendimento

De acordo com o prefeito de Chapecó, João Rodrigues, a estrutura do Centro Avançado de Atendimento Covid-19 foi montada em momento crítico de falta de leitos com ajuda de empresários da cidade, que doaram R$ 2,5 milhões. A unidade passou a atender no dia 24 de fevereiro como um local de passagem enquanto os pacientes aguardavam vagas em hospitais.

Agora, com a desativação, parte dos equipamentos será emprestada a outros municípios e parte será preservada no centro de eventos para o caso de uma nova onda de contágio.

Nos últimos meses, Chapecó adotou diversas medidas restritivas para conter o agravamento da pandemia de covid-19, como toque de recolher, fechamento do comércio e mais ações de fiscalização. Segundo o prefeito, a testagem rápida e o tratamento imediato também foram importantes no combate à doença.

De acordo com o boletim divulgado ontem (6), o município tem 34.116 casos confirmados e 541 óbitos por covid-19. Entre os 606 casos ativos, de pessoas que estão com doença, 187 vítimas estão internadas, sendo 121 em unidades de terapia intensiva. Com cerca de 220 mil habitantes, Chapecó já vacinou 21.023 pessoas com a primeira dose e 8.537 pessoas com a segunda dose de vacinas contra a covid-19.

Veja na TV Brasil

Fonte: Kleber Sampaio A/B

PF: Cacoal e Espigão do Oeste são alvo de operação contra crimes ambientais

A operação mira também São Paulo, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (16), a Operação Investor, cumprindo mandados nos Estados de Rondônia, São Paulo, Espírito Santo e Rio Grande do Sul, visando desarticular grupo criminoso voltado para a prática de crimes ambientais, relacionados à exploração ilegal de diamantes na Terra Indígena Sete de Setembro e Reserva Roosevelt, localizadas nos municípios de Cacoal e Espigão do Oeste, respectivamente.

Cerca de 35 policiais federais estão cumprindo sete mandados de busca e apreensão expedidos pela Vara Federal de Vilhena, nas cidades de Espigão do Oeste, Cerejeiras, Clementina (SP), Montenegro (RS) e Domingos Martins (ES).

De acordo com a PF, as investigações tiveram início após a informação de que uma pessoa estaria procurando investidores na internet para atuação e exploração de diamantes em garimpo em terras indígenas no estado de Rondônia. A pessoa foi identificada como sendo um garimpeiro residente na cidade de Espigão do Oeste.

No decorrer das investigações, a Polícia Federal conseguiu identificar os investidores do garimpo, além de intermediadores, garimpeiros e indígenas envolvidos com a atividade ilegal.

Os investidores, residentes em outros estados, enviaram aos garimpeiros altas quantias em dinheiro, a fim de financiar a atividade ilícita, bem como comercializaram os diamantes extraídos com pessoas residentes em outros países.

Os levantamentos realizados culminaram ainda na identificação de como funciona, geralmente, a divisão dos lucros da venda de diamantes, em que 20% pertence ao indígena, 20% pertence aos garimpeiros, 20% são referentes aos custos do maquinário e 40% pertence ao investidor.

1 2 3 5