Zelenski condiciona neutralidade da Ucrânia à libertação de todo o território

Presidente ucraniano deseja reintegração da Crimeia e área completa das regiões separatistas de Donetsk e Lugansk

O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, condicionou a neutralidade que a Rússia exige de seu país à libertação de todo o seu território, incluindo a região do Donbass e a península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

Em entrevista transmitida nesta segunda-feira (2) pela emissora de televisão saudita Al Arabiya, Zelenski afirmou que “os russos insistem na neutralidade, e para nós o mais importante é a libertação do Donbass e de todos os territórios temporariamente ocupados, bem como da península da Crimeia”.

Zelenski acusou novamente a Rússia, que exige que a Ucrânia se comprometa a não aderir à Otan (Organização do Tratado do Altântico Norte) e permanecer neutra, de tentar dividir seu país por meio de um referendo nos territórios ocupados sobre sua independência como o realizado na Crimeia, em 2014, quando esse território foi anexado.

Além da libertação de toda a Ucrânia, o presidente ressaltou que, para aceitar a neutralidade solicitada por Moscou, exige “garantias de segurança para não serem alvo de ataques semelhantes no futuro e de armamentos no caso de enfrentarem uma guerra como a atual”.

Em todo caso, reiterou que qualquer decisão a esse respeito será submetida a “um referendo no qual participarão todas as pessoas”.

Sobre o andamento das negociações, Zelenski queixou-se de que “os negociadores russos não têm capacidade de tomar decisões, e a última palavra será sempre do [presidente da Rússia, Vladimir] Putin”, razão pela qual voltou a pedir um diálogo direto entre os dois presidentes.

Fonte: R7

CN

Israel responde ao lançamento de 3 foguetes do território libanês (VÍDEOS)

As Forças de Defesa de Israel (FDI) responderam com fogo de artilharia contra território libanês.

Nesta quarta-feira (4) as sirenes de alerta soaram na região norte de Israel, perto da fronteira libanesa, informam militares. Até agora não foram relatados feridos ou quaisquer danos materiais.

Os alertas soaram em Kfar Giladi, Tel-Hai e em Qiryat Shemona. Três foguetes foram lançados do Líbano contra Israel, dois do quais atingiram o território israelense, enquanto o terceiro não chegou a cruzar a fronteira. As Forças de Defesa de Israel (FDI) responderam com fogo de artilharia contra território libanês.

​Imagens não editadas: 3 foguetes foram disparados do Líbano em direção ao norte de Israel. 2 foguetes atingiram Israel, um caiu em território libanês. Em resposta, nossas forças de artilharia dispararam contra o Líbano.

Um repórter do jornal Times of Israel compartilhou no Twitter um vídeo que mostra fumaça saindo no local da queda de um foguete.

​Gravação do suposto impacto de foguete perto de Kiryat Shmona.

Unidades de artilharia israelenses efetuam mais ataques contra alvos ao longo da fronteira com o Líbano em resposta ao lançamento de foguetes, avança serviço de imprensa do Exército de Israel.

“FDI estão realizando ataques adicionais na fronteira com o Líbano. Artilharia ataca alvos ao longo da fronteira libanesa em resposta ao bombardeio de hoje do território israelense”, lê-se no comunicado.

A Agência Nacional de Notícias (NNA, na sigla em inglês) do Líbano informa que o Exército de Israel abriu fogo de artilharia pesada contra o sul do território libanês e que vários projéteis caíram em uma área perto da cidade de Marjayoun.

As autoridades israelenses acreditam que o ataque foi lançado por grupos palestinos baseados no Líbano e não pelo movimento Hezbollah. No entanto, é improvável que grupos palestinos possam operar sem o consentimento do Hezbollah, segundo a agência AP.

Fonte: Sputnik

CN