Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Secretário de Estado americano, Mike Pompeo, chega ao Brasil

Durante o encontro com o chanceler Ernesto Araújo é esperada  uma declaração em relação à Venezuela, motivo da visita

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, desembarcou às 15h15 dessa sexta-feira (18) em Boa Vista, Roraima. O secretário vai ficar algumas horas no Brasil e é esperada uma declaração em relação à Venezuela

Estão previstas uma breve reunião com o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araúo, uma visita ao Posto de Identificação e Triagem da Operação Acolhida e a Instalação WASH (Água, Saneamento e Higiene) da Paróquia de Nossa Senhora da Consolata, e uma coletiva de imprensa. Depois, Pompeo seguirá para a Colômbia. O secretário esteve no Suriname antes de chegar à Boa Vista. 

A visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, ao Brasil nesta sexta-feira (18) é mais um capítulo do estreitamento dos laços diplomáticos Brasil-EUA que vem ocorrendo desde o início da gestão de Jair Bolsonaro. 

Fonte: R7

Presidente da Colômbia denuncia que Maduro tenta comprar mísseis pelo Irã

Segundo presidente da Colômbia, líder colombiano também está repassando armas da Rússia e de Belarus para guerrilheiros colombianos

O presidente da Colômbia, Ivan Duque, denunciou nesta quinta-feira (21) que o governo da Venezuela está tentando comprar mísseis por meio do Irã e que também está repassando armas de Rússia e Belarus para a guerrilha colombiana Exército de Libertação Nacional (ELN).

“Há informações de agências internacionais de inteligência que trabalham conosco mostrando que há um interesse da ditadura de Nicolás Maduro em adquirir alguns mísseis de médio e longo alcances através do Irã”, disse Duque no fórum virtual “Compromisso para o Futuro da Colômbia”.

O fórum foi organizado pela Fundação Internacional para a Liberdade (FIL), presidida pelo escritor Mario Vargas Llosa, que tem como objetivo promover a liberdade, a democracia e o Estado de Direito na América Latina.

Duque acrescentou que as informações disponíveis são de que “os mísseis ainda não chegaram, mas que estas abordagens foram feitas, particularmente com a instrução de (Vladimir) Padrino”, o ministro da defesa da Venezuela.

O presidente colombiano também disse que há informações de agências de segurança de que membros da Guarda Nacional Bolivariana estão repassando armas da Rússia e de Belarus para o ELN – que supostamente conta com simpatia de Maduro – e que algumas são usadas em áreas de fronteira entre os dois países sul-americanos.

“Temos informações de inteligência (…) de muito tempo atrás, mas também confirmamos que há membros da Guarda venezuelana que estão repassando armas de outros países, particularmente de Rússia e Belarus, para estas estruturas (do ELN) nas áreas de fronteira”, afirmou.

A proximidade da Venezuela com o ELN

Duque ressaltou que o grupo guerrilheiro é um dos mais letais da Colômbia atualmente e que atua na região de mineração da Venezuela.

O presidente colombiano também disse que existem vídeos nos quais até mesmo este grupo guerrilheiro jura fidelidade ao regime de Maduro.

Há algumas semanas, o jornal El Tiempo divulgou um vídeo no qual um guerrilheiro com o codinome “Edward”, da Frente Oriental do ELN, diz a Maduro para “contar com o Exército de Libertação Nacional até a morte”.

“Somos leais à Venezuela e queremos que eles tenham confiança em nossas tropas, em nossa força militar. Somos um só para defender o país de Simon Bolívar”, disse o guerrilheiro.

A Colômbia faz parte do grupo de mais de 50 países que reconhecem o líder opositor Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e não mantém relações diplomáticas com o regime de Maduro desde 23 de fevereiro de 2019.

Fonte: R7

Governador de Caracas morre de covid-19

Dario Vivas morreu nessa quinta-feira, aos 70 anos

Darío Vivas, o governador do distrito venezuelano que engloba a capital Caracas e forte aliado do presidente Nicolás Maduro, morreu nessa quinta-feira, aos 70 anos, por causa da covid-19, informaram autoridades. 

Veterano membro do Partido Socialista que governa o país, Vivas havia dito no Twitter, no dia 19 de julho, que teve teste positivo para o novo coronavírus e que estava entrando em isolamento.

“Ele morreu em combate, cuidando de sua saúde e de todos nós nessa difícil batalha contra a pandemia de covid-19”, disse a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, pelo Twitter. 

Vivas é a primeira autoridade da Venezuela a morrer pelo vírus, embora vários tenham testado positivo. O ministro do Petróleo, Tareck El Aissami, disse na quarta-feira (12) que havia se recuperado, um mês depois de ter sido infectado, enquanto o vice-presidente do Partido Socialista, Diosdado Cabello, está em tratamento. 

A Venezuela havia notificado 29.088 casos da covid-19 até quarta-feira, com 247 mortes. Os números estão entre os mais baixos dos países da América do Sul, mas médicos e políticos de oposição dizem que os números reais devem ser muito mais altos devido aos atrasos nos testes, citando dados de funcionários da saúde.

Fonte: Agência Brasil

Venezuela fará eleição para novo Parlamento em 6 de dezembro

Oposição diz que votação será fraudada em favor do Partido Socialista

A Venezuela vai realizar eleição em 6 de dezembro para escolher os novos integrantes do Parlamento, informou o Conselho Eleitoral do país nessa quarta-feira (1º). Oposição diz que votação será fraudada em favor do Partido Socialista.

A oposição controla o Parlamento desde 2016, e o atual chefe do Legislativo, Juan Guaidó, foi reconhecido por dezenas de países como o legítimo líder do país após a acirrada reeleição de 2018 do presidente Nicolás Maduro.

“Anunciamos para 6 de dezembro de 2020 o processo eleitoral da Assembleia Nacional para o período 2021-2026”, disse a chefe do Conselho Eleitoral, Indira Alfonzo, em uma transmissão na televisão.

A oposição se recusa a reconhecer as decisões do Conselho Eleitoral recentemente nomeado, alegando que ele foi ilegalmente designado pelo Supremo Tribunal de Justiça pró-governo.

“Os venezuelanos não participarão de uma farsa, como em maio de 2018”, escreveu Guaidó no Twitter, referindo-se à reeleição de Maduro que foi amplamente boicotada pela oposição. “Escolhemos viver com dignidade e democracia.”

Os críticos de Maduro também observam que o tribunal interveio na liderança dos principais partidos da oposição, colocando-os nas mãos de membros dos grupos que foram expulsos por acusações de que eram aliados dos governistas.