Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Morre terceira vítima de incêndio em Hospital no Rio de Janeiro

Ministério da Saúde não forneceu informações sobre o paciente morto. As duas primeiras vítimas eram mulheres internadas com covid-19

O Ministério da Saúde confirmou, na noite de ontem, terça-feira (27, a morte da terceira vítima do incêndio do Hospital Federal de Bonsucesso, na zona norte do Rio de Janeiro. A pasta não forneceu informações sobre o paciente morto. As duas primeiras vítimas foram mulheres de 42 e 83 anos, ambas internadas com covid-19.

Duas pacientes com Covid-19 que estavam no Hospital Geral de Bonsucesso  morrem após incêndio - Jornal O Globo
Duas pacientes internadas com Covid-19 no Hospital de Bonsucesso morrem

Leia mais: Incêndio atinge o Hospital Federal de Bonsucesso, no Rio

”A pasta se solidariza com as famílias e não vai medir esforços para garantir a segurança e saúde dos pacientes, profissionais de saúde e funcionários da instituição”, conclui a nota.

Até as 18h30, ao menos 76 pacientes já haviam sido levados para outros hospitais. De acordo com o Corpo de Bombeiros, ao menos 300 estavam no local no momento do acidente. As informações iniciais apontam que o fogo teve início no subsolo do prédio 1, onde ficava um almoxarifado. A Polícia Federal investiga as causas do incêndio.

Bombeiros controlam incêndio no hospital de Bonsucesso no Rio de Janeiro
Incêndio atinge o Hospital Federal de Bonsucesso, no Rio

O secretário de Defesa Civil, Leandro Monteiro, confirmou que o Hospital Federal de Bonsucesso não tinha certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros. Um relatório feito a pedido da Defensoria Pública da União, em 2019, já havia apontado falhas no sistema de combate às chamas da unidade.

Fonte: R7

Pai de santo é denunciado por estupro contra fiéis e vítimas chegam a 7, em São Paulo

Número de mulheres vítimas sobe para 7. Ministério Público pediu à Justiça a prisão do líder religioso por crimes sexuais.

O pai de santo Heraldo Lopes Guimarães, conhecido como Pai Guimarães de Ogum, foi denunciado na semana passada à Justiça pelo Ministério Público (MP) por ter cometido mais um estupro contra fiéis em São Paulo. Com isso, subiu para sete o número de mulheres que o acusam de crimes sexuais.

Além de denunciar o religioso por sete estupros de vulneráveis contra as vítimas, a Promotoria pediu a decretação da prisão preventiva dele para responder preso pelos crimes até um eventual julgamento. Até esta terça-feira (20) a Justiça não havia analisado as denúncias, que começaram a ser feitas no mês passado.

Segundo o MP, as vítimas contaram que o pai de santo se valia da sua posição de sacerdote espiritual para cometer os abusos sexuais. O acusado nega os crimes.

Pai Guimarães de Ogum tem 56 anos e atua na Umbanda, religião brasileira de matriz africana. Além disso, comanda um templo na Zona Sul da capital, onde, segundo o MP, aconteceu a maioria dos abusos contra as vítimas, entre os anos de 2010 e 2019. Duas delas eram menores de 14 anos na época. As outras cinco já tinham 18 anos ou mais.

Segundo a defesa do pai de santo, o líder espiritual alega inocência.

“Meu cliente nega totalmente os fatos. E entende que é uma armação das vítimas, que estão em conluio e fazendo denúncias infundadas e inverídicas. Nesse momento é isso”, disse no início do mês o advogado Marco Antonio de Castro, que defende Pai Guimarães de Ogum.

Relatos

As mulheres disseram ainda que Heraldo exercia domínio psicológico, deixando-as vulneráveis a ponto de se sentirem obrigadas a manter relações sexuais com ele, achando que estivessem se relacionando com uma entidade incorporada por ele. Elas acreditavam que aquilo fazia parte do tratamento em busca de uma cura espiritual.

Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/Redes sociais
Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução

“Ele disse que eu precisava de energia para poder resolver minhas questões pessoais e, que para isso teria que usar o órgão sexual dele para obter. No momento que me disse isso, ameacei levantar pra sair dali, porém, ele travou as duas pernas contra meu corpo e segurou de maneira agressiva a parte de trás do meu cabelo impedindo que eu tivesse qualquer movimento, e quando me dei conta, ele estava com o órgão sexual para fora da calça e agressivamente, me disse pra que colocasse na minha boca enquanto empurrava com força minha cabeça”, falou a sétima vítima, uma mulher de 49 anos, que disse ter sofrido essa violência sexual de Pai Guimarães de Ogum em 2013, no templo que frequentava havia dois anos.

“Me lembro do nojo e do desespero que senti e então puxei minha cabeça para trás e ele voltou a forçá-la até seu órgão, quando novamente eu revidei e gritei”, afirmou a mulher, que contou ter decidido procurar o grupo Avarc do Ministério Público após ver reportagens na imprensa sobre as acusações contra o religioso. “Ao ver a matéria na mídia sobre outras acusações, resolvi me manifestar para fazer esse pervertido parar, pois de maneira nenhuma merece o título nem o respeito de ser um sacerdote da umbanda.”

A reportagem também falou com a primeira e a sexta vítimas do religioso. A primeira vítima afirmou que ele “se aproveitou” dela quando tinha 12 anos, em 2011, e também declarou que o pai de santo não representa a religião.

Ela contou ter sido estuprada sete vezes pelo pai de santo. “Durante esses trabalhos era muito difícil. Eu tinha muita vergonha, eu tinha medo, eu me sentia suja, eu queria chorar. Você se sentia obrigada a manter relação sexual com um espírito. Aquilo não podia ser algo normal”.

Após esses trabalhos, a mulher contou que a entidade incorporada por Pai Guimarães de Ogum lhe disse que ela precisaria deixar o marido e ir morar com o pai de santo, como sua mulher. A vítima falou que obedeceu e engravidou nessa nova relação com Heraldo. “Meu filho é filho do meu estuprador”, falou ela, que se separou do religioso e foi morar sozinha com o filho que teve com ele.

Em casos de condenações, as penas para estupro podem ser de 6 a 10 anos de prisão e até 15 anos de reclusão (se for estupro de vulnerável). Quando há mais vítimas, a Justiça também costuma somar as penas atribuídas a cada uma das condenações por esse crime.

MP e a Justiça

“As vítimas eram surpreendidas pelas graves ameaças, por uma teia de condições premeditadas de intimidação espiritual, colocando-as em condições de vulnerabilidade para prática de violência sexual”, afirmou a promotora do caso, Celeste Leite dos Santos.

“Infere-se que o denunciado se utilizava do contexto religioso para prática dos crimes”, disse a promotora. “O autor, utilizando-se do mesmo modus operandi, supostamente incorporado por entidades espirituais, praticou atos libidinosos e conjunções carnais com diversas vítimas.”

A Promotoria pediu a prisão preventiva dele alegando risco de fuga do acusado. “Há risco concreto de evasão do acusado, além de que sejam praticados novos atentados contra a ordem pública. Existem outras vítimas que já solicitaram sua oitiva pelo Ministério Público”, informou a nota da assessoria de imprensa do MP.

Após apresentação da denúncia pela Promotoria, caberá a Justiça aceitar as acusações contra o pai de santo e torná-lo réu no processo ou não. E ainda decidir se decreta sua prisão para que ele fique preso até ser julgado pelos crimes.

7 vítimas

Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Redes sociais
Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Redes sociais

Para preservar a identidade das vítimas, a Promotoria as chama por números, que vão de 1 a 7.

  • Vítima 1: O MP acusa Pai Guimarães de ter mantido relações sexuais e praticado atos libidinosos contra ela, que era menor de 14 anos à época, no templo da Zona Sul e na casa dele, entre 2011 e 2014.
  • Vítima 2: O pai de santo é acusado ainda pela Promotoria de praticar atos libidinosos contra ela no templo e na casa dele, entre 2014 e 2015. Ela tinha 14 anos à época.
  • Vítima 3: O pai de santo também é acusado de cometer atos libidinosos e obrigá-la a transar com ele nos templos do Centro e da Zona Sul , além de um outro endereço, entre 2010 e 2011.
  • Vítima 4: Pai Guimarães também foi denunciado por atos libidinosos e por obrigá-la a fazer sexo oral nele no templo da Zona Sul e na casa dele, entre 2013 e 2015.
  • Vítima 5: O pai de santo é acusado ainda de praticar atos libidinosos e obrigá-la a fazer sexo oral nele na casa onde morava e no templo da Zona Sul, entre 2013 e 2016.
  • Vítima 6: Pai Guimarães também foi denunciado por violência psicológica ao ameaçá-la de morte a obrigando a transar e ter atos libidinosos com ele, causando lesão corporal de natureza grave nela, no templo da Zona Sul, em 2013.
  • Vítima 7: O pai de santo é acusado de ter tentado obrigar uma fiel a fazer sexo oral nele em 2013 se valendo da sua condição de líder espiritual no templo da Zona Sul.

Fonte: G1

Polícia Civil alerta sobre site de falso leilão virtual em RO

O site fraudulento utiliza antiga logotipo do Governo de Rondônia, se passando por site oficial

Números de vítimas não foram identificados, contudo a delegacia continua a receber informações.

Após inúmeras denúncias de populares, bem como de outros profissionais, a Policia Civil de Rondônia (PC/RO), por meio do Núcleo de Combate à Defraudações, alerta a população para golpe aplicado em site falso de leilão virtual que usa antiga logomarca do Governo de Rondônia, associando o site a um canal oficial. Os números de vítimas não foram identificados, contudo a delegacia continua a receber informações, nas quais estão sendo registradas em boletim de ocorrência, para fins de apuração.

O site falso utiliza extensão .org, bem diferente do site do Governo que possui extensão .ro.gov.br.
De acordo com a Polícia Civil, o endereço virtual é novo e entrou no ar há poucos dias. Após os registros dos primeiros casos, os investigadores que deram início as apurações. A primeira atitude tomada pelo órgão foi efetivar a divulgação nas redes sociais e na imprensa com o objetivo de evitar que surjam vítimas.

Segundo o delegado Swami Otto, titular do Núcleo de Combate a Defraudações, a ilicitude, neste caso, não está na obtenção de dados, e sim na ação fraudulenta, fazendo com que a vítima acredite que está comprando um bem, por intermédio do leilão oficial de um site do Governo, o que deixa claro que não está.

“Identificamos que esse tipo de padrão criminoso de site com mesmo formato, não é um caso excepcional e costuma ocorrer em incontáveis estados brasileiros. Inclusive no passado, em Rondônia, já ocorreu situação semelhante, mas o Estado agiu de imediato e conseguiu tirar o site do ar. Isto tudo ocorre graças as denúncias e informações dos cidadãos”, esclarece o delegado.

O delegado afirma ainda que leilões oficiais com leiloeiros oficiais são formados por particulares cadastrados na Junta Comercial de Rondônia (Jucer), que detêm a autorização para operar, isto é, trata-se de pessoas autorizadas formalmente pelo Estado. E nesse caso mencionado, é possível observar que não havia certificações de leiloeiro que comprovasse a autenticidade do site.

Outro ponto importante salientado pelo delegado é que no site consta na descrição da sede um endereço que não existe, comprovando ainda mais a farsa.
Comete crime de estelionato, conforme tipificado no Código Penal, em seu art.171, aquele que “Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento” submetido a pena de reclusão, de um a cinco anos, e multa.

ORIENTAÇÃO PARA NÃO CAIR NO GOLPE DO LEILÃO
Para evitar cair nesse tipo de golpe, segundo o delegado, deve-se ficar atento a alguns detalhes:
1º: O site que se passa por oficial não possui extensão .org, e sim .ro.gov.br.
2º: Leilões virtuais possuem particulares cadastrados e autorizados, portanto o site deverá deixar explícito em algum lugar o nome do leiloeiro responsável e matrícula na Junta Comercial.
3º: Verificar que a sede física identificada existe, fazendo todos os contatos prévios.
4º: O depósito da aquisição tem que ser realizado na conta da empresa, se for pessoa jurídica, ou do leiloeiro, se for pessoa física. Jamais deverá está em nome de terceiros.
5º: Se for o site de leilão do Estado, então a conta da agência deverá ser de Rondônia.

CANAIS DE DENÚNCIAS
Se a população estiver sendo vitima ou desconfiar de site que possa ser fraudulento pode comunicar pelo Disque denúncia 197, na delegacia virtual ou ir a delegacia local mais próxima de sua residência.
Pelo telefone, a denúncia poderá ser anônima, não sendo revelada a identidade. Os dados e informações criminosas encaminhados pela população auxiliam na investigação para polícia coibir futuras condutas criminosas.

Fonte: PC

STF na contramão da economia e da ajuda aos brasileiros vítimas da pandemia

Momento em que o povo brasileiro, pagador de impostos, passa por situação de desemprego, quebra de empresas

O STF vetou reduzir os salários dos servidores e os ministros continuarão a usufruir de todos os privilégios que o cargo garante. Mesmo sendo uma medida provisória e temporária, os ‘nossos funcionários’ não querem ajudar o povo brasileiro em tempo de pandemia com uma redução dos seus salários que, em média em épocas de comércio normal, chegam a ser 70% a mais do que os cargos análogos na iniciativa privada.

Momento em que o povo brasileiro, pagador de impostos, passa por situação de desemprego, quebra de empresas, redução de salários devido a pandemia no país, agravado com atitudes de alguns governantes que resolveram fechar os comércios com a ajuda das grandes mídias ao levar terror e medo para a população, nossos “deuses intocáveis” e soberanos, resolveram não contribuir com a economia do país e garantir a totalidade de seus salários.

Diga-se de passagem, salários esses que nós pagamos, mesmo desempregados. Fazem uso do dinheiro e mandam a conta para nós pagarmos; seja agora, à vista ou no futuro com juros e correções. O peso de suas decisões fica nas costas do povo trabalhador.

Você está doente? Sem dinheiro para remédios, comida, pagar as contas ou outros? Está desempregado? Isso não importa para seus funcionários, então Ministros do STF, pois estes têm um ótimo salário e está em dia.

Brasil não é para amadores e Brasília é para poucos. Uma vergonha! Ministros que têm como função defender e zelar a Constituição em prol do povo, fazem o contrário. Rasgam a Constituição e espezinham o povo, amedrontando-os com atitudes insensatas e egoístas, em benefício próprio.

Nos sentimos como palhaços sem poder fazer nada. Vemos nossos funcionários se reunirem para determinar e impor onde podemos ir, o que fazer, o que comprar, onde ficar e andar. Reúnem-se em pontos estratégicos da “empresa”, articulam para aumentar seus próprios salários e privilégios; pior, quando a empresa e seus patrões mais precisam deles, simplesmente viram a cara, demonstrando, descaradamente, que nos querem ver afundar em um buraco sem fim.

Na verdade, o que fazem esses “excelentíssimos” funcionários é um desserviço à ‘empresa’ Brasil. Desviam-se de suas funções, soltam bandidos, tudo contra o que a maioria de seus patrões querem. Sentem-se os donos da razão e passam por cima de quem quer que seja para alcançarem seus objetivos.

Precisamos com urgência tomar as rédeas de nossa ‘empresa’. Precisamos trocar muitos funcionários que só pensam em seus salários, no próprio umbigo. Está na hora de pulsar o sangue patriota e mostrarmos que não existe Constituição sem POVO.

É preciso retomar a economia, a dignidade, nossa Pátria. Quem está na contramão ainda há tempo de voltar e seguir o fluxo junto ao povo. É preciso que qualquer um que tenha sido “escolhido” para cuidar da Constituição entenda que essa Lei não se consolida em papeis, e sim na vontade do Povo, pois é deste que emana o poder. E viva o Brasil.

Por Claiton Appel | Jornalista e Diretor da Ordem dos Jornalistas do Brasil.

Casal de idosos vítima de inquilinos foram atraídos através de vazamento de pia

Os corpos de Dionélia Giacometti Mai e Eldon Mai foram localizados na terça-feira (7). Os suspeitos do brutal assassinato, foram presos tentando fugir no carro das vítimas.

O responsável pela investigação do assassinato do casal de idosos de Colorado do Oeste (RO), delegado Núbio Lopes, afirmou nesta quarta-feira (8) que o os inquilinos suspeitos do crime atraíram as vítimas até o local alegando um vazamento na pia do imóvel.

Os corpos de Dionélia Giacometti Mai e Eldon Mai foram localizados na terça-feira (7), enterrados perto de uma rodovia na cidade de Chupinguaia (RO). Os suspeitos do brutal assassinato, um homem e uma mulher, foram presos tentando fugir no carro das vítimas.

Segundo o delegado da Polícia Civil, Dionélia foi a primeira a ser morta pelos inquilinos, no domingo (5). Ela estava sozinha em casa na manhã daquele dia.

“O suspeito convidou a senhora para ir até o imóvel locado [aos fundos de onde as vítimas moravam] alegando que havia um vazamento na pia. Ele sabia que a senhora era muito atenciosa. Quando Dionélia entrou na casa para ver o suposto vazamento, o homem a atacou com um cabo de enxada e desferiu um golpe em sua nunca”, afirma o delegado Núbio.

Após a vítima cair no chão, o suspeito rasgou uma camiseta e amordaçou a vítima. A idosa então começou a se debater e tentou gritar, segundo a polícia.

“Ele então pegou uma pequena corda, deu a volta no pescoço de Dionélia e a estrangulou. Depois ele foi até a casa da vítima, vasculhou bolsas e cômodos atrás de cartões de crédito, débito e dinheiro”, conta Núbio.

Por volta de 15h, o marido de Dionélia chegou em casa e, usando o mesmo método, o suspeito convida Eldon para ir até o imóvel verificar o vazamento na pia. “Quando o idoso entrou, também foi golpeado na nuca pelo cabo de enxada”, revela o delegado.

Depois de matarem o casal de idosos, que eram dentistas e pioneiros em Colorado do Oeste, os suspeitos transportaram os corpos até Chupinguaia e lá os enterraram em covas separadas.

Descoberta do crime

No mesmo domingo a família sentiu falta de Dionélia e Eldon. Foi notado também que o veículo do casal havia sumido e então os parentes avisaram a polícia.

Carro do casal de idosos foi apreendido com suspeitos em Vilhena — Foto: PRF/Divulgação
Carro do casal de idosos foi apreendido com suspeitos em Vilhena

Na terça-feira, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) abordou um veículo com três pessoas, um homem, uma mulher e uma criança. O automóvel estava em nome de Dionélia e, ao ser questionado pelos agentes, o motorista confessou ter matado o casal de idosos para roubá-los.

Os inquilinos ainda levaram os agentes até o local onde enterraram Dionélia e Eldon, em Chupinguaia. O primeiro corpo a ser encontrado foi o de Dionélia.

Os suspeitos receberam voz de prisão por latrocínio e foram levados para a delegacia de Polícia Civil. Já a criança deles foi entregue ao Conselho Tutelar.

Fonte: Rede Amazônica

Como lavar as mãos sem água nas torneira?

 Perguntam as famílias da periferia de Porto Velho, as maiores vítimas do coronavírus no Brasil,..  

Porto Velho, RO – Quem acompanha o noticiário sabe: higienizar bem as mãos, várias vezes ao dia, é uma medida essencial no combate à pandemia provocada pelo Covid-19. Mas, para os moradores da periferia da Capital rondoniense, ainda excluídos dos programas de abastecimento de água potável, o hábito de lavar as mãos não é tão simples, já que falta água encanada nas torneiras diariamente.

Em grande parte da periferia da cidade porto-velhense a água simplesmente não chega. Entre os locais afetados estão: os bairros Socialista, Jardim Santana, São Francisco, Mariana, JK (I e II), Cascalheira, Airton Sena e Porto Cristo (Zona Leste), Jardim Eldorado, Cohab, Castanheira, além de vilarejos da Estrada da estrada da Coca-Cola (Areia Branca), vivenciamos diariamente esse problema sem ter água para higienização e fazer comida.

“Estamos vivendo uma epidemia mundo afora, mas aqui na Zona Leste, a situação é indiferente. As pessoas fazem uso de poços amazônicos sem qualquer tipo de tratamento pra beber, tomar banho, fazer comida e lavar as mãos”, conta a dona de casa A.L.S., moradora da região.

As comunidades sem água potável apontadas em estudos do Município e do Estado no que tange aos planos de expansão da Capital previstos no Plano Diretor (2020-30) e Plano Plurianual (2019-2222), sobretudo na questão de saneamento básico, segundo Ivo Ferraz, presidente da Associação de Agricultores Familiares Vida Nova, ‘não será dessa vez, com o término de mandatos eletivos em 2020, que terão atenção do poder público’.

Na Zona Leste, os moradores do Socialista, Jardim Santana e Mariana, locais mais centralizados da região de mais de 250 mil habitantes, sofrem continuamente com a falta de água potável, já que no verão os poços amazônicos, continuam secando nessa estação’, afirma a presidente da Associação Beneficente de Voluntários e Amigos do Bairro Mariana (ABVAM).

As comunidades das zonas periféricas dos bairros mais afastados da capital, sofrem com a forma precarizada de abastecimento de água e com um conjunto de outros fatores que tornam esses locais potencialmente focos de disseminação do novo coronavírus. Além da falta de estrutura básica, como saneamento, calçamento, remédios e a presença de profissionais da saúde e equipamentos.

É necessária a elaboração de políticas públicas permanentes e estruturais que amenizem essa situação de vulnerabilidade dos que não têm acesso adequado à água e promovam de fato os múltiplos usos dos recursos hídricos, priorizando aqueles relacionados à saúde e a manutenção da vida. Essas mazelas são fatores decorrentes da ausência do poder publico com politicas e programas de geração de emprego e renda, diz a acadêmica Francisca Souza da Silva, 57 anos.

Redação/CN