Denúncia grave afirma que o Judiciário bolivariano já começou a interferir nas eleições da Venezuela

O senador Eduardo Girão (Novo-CE) criticou a suspensão, pelo Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela, da validade dos resultados das primárias realizadas pelo partidos da oposição para a seleção de um candidato para as próximas eleições presidenciais no país.

Girão ressaltou que a ex-deputada María Corina Machado, líder de oposição ao governo de Nicolás Maduro, obteve 92% dos votos. No entanto, observou o senador, ela está inabilitada para exercer cargos públicos por 15 anos.

Ele também apontou a falta de mediação do governo brasileiro diante desse cenário, classificando-o como um “atentado à democracia venezuelana”.

“É uma aberração jurídica, política e, principalmente, moral do governo ditatorial, sanguinário, que está levando o povo venezuelano à miséria. Todo tipo de abuso de direitos humanos que possa existir a gente vê nesse país. E o Brasil calado ou muitas vezes conivente com isso, quando estende um tapete vermelho, dando honras de Estado para esse ditador [Nicolás Maduro] logo nos primeiros meses do governo Lula”, disse.

Girão ressaltou a crise econômica, política e social que, segundo ele, transformou a Venezuela, de um país rico em recursos naturais para “um dos países mais pobres da América Latina”.

Ele lembrou que o país foi “contemplado com a maior reserva provada de petróleo do mundo, superior inclusive aos Emirados Árabes”. O parlamentar também mencionou a saída de mais de 8 milhões de refugiados, muitos dos quais chegaram ao Brasil em condições precárias.

O senador também expôs dados apresentados por Maria Corina Machado na Comissão de Segurança Pública (CSP) do Senado brasileiro por videoconferência em 12 de setembro. Em depoimento, ela acusou o regime de Maduro de ser uma “narcoditadura”, com mais de 60% do território sob o domínio de facções criminosas e do cartel do tráfico de drogas, lembrou o parlamentar.

“Como se não bastasse, o que está acontecendo dentro de seu país, a Venezuela, Maduro agora decidiu fazer um referendo no próximo dia 3 de dezembro para que o povo venezuelano sofrido legitime mais um delírio tirânico dele, do ditador Maduro. 

Ele quer simplesmente fazer a anexação de mais da metade do território da Guiana, país vizinho, onde vivem mais de 250 mil guianenses. E Lula, assim como é complacente, também se cala diante de tantas arbitrariedades da cruel ditadura praticada na Venezuela”, concluiu.

Source: Agência Senado

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias