Deputados estaduais da CPI das Reservas vão ouvir moradores no dia 13 de dezembro

Foto: Rafael Oliveira I Secom ALE/RO

Parlamentares decidiram que colherão depoimentos de agricultores da Área de Proteção Ambiental do Rio Pardo; Floresta Estadual do Rio Pardo; e Estação Ecológica Umirizal.

Um assunto que tem levado preocupação a muitas famílias de Rondônia, voltou a ser discutido, na tarde desta quarta-feira (22), no Plenarinho 2 da Assembleia Legislativa de Rondônia (Alero). Os deputados estaduais que participam da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada na Casa de Leis para investigar a criação de onze unidades de conservação no Estado, se reuniram para tratar do assunto.

O encontro foi presidido pelo deputado estadual Alex Redano (Republicanos) e contou com a participação dos parlamentares: Cirone Deiró (União Brasil), Delegado Lucas (PP) e Pedro Fernandes (PTB).

Durante a reunião foi decidido que eles voltariam a se encontrar novamente, no dia 13 de dezembro (quarta-feira), às 15h30, no mesmo local. Nesse novo encontro ficou decidido que 12 moradores dessas reservas seriam convidados a participar para relatarem sobre todo o processo que estão enfrentando com a criação dessas áreas de preservação ambiental. A intenção é ouvir pessoas que moram em todas as reservas.

Os escolhidos, nesse primeiro momento, para se encontrarem com os parlamentares na próxima reunião da CPI são trabalhadores provenientes das seguintes áreas: Área de Proteção Ambiental do Rio Pardo (Porto Velho e Buritis); Floresta Estadual do Rio Pardo (Porto Velho e Buritis); e Estação Ecológica Umirizal (Porto Velho).

O presidente da CPI, Alex Redano, afirmou que o grupo está com as atenções voltadas para pontos que foram ignorados, no momento da criação dessas áreas pelo governo Confúcio Moura. “Estamos focados e centrados em provar algumas questões que não foram focadas durante a criação das reservas. Não seguiram os trâmites de criação dessas áreas. Na época, houve uma mudança na legislação de que decretos desse tipo deveriam passar pela Assembleia Legislativa, e não houve isso. Nós não podemos errar e não seguir o devido processo legal. Se não fizermos isso, a CPI pode ser anulada”, declarou.

O deputado Delegado Lucas observou que é necessário que se comece o quanto antes a ouvir as pessoas que moram nessas reservas. Os relatos serviram de subsídios para o relatório final da CPI.

Já o deputado Pedro Fernandes afirmou que ao se ter contato com o documento de criação das onze reservas, encontra-se uma série de incongruências. Ele disse que precisam ser apuradas para se entender como se deu esse processo.

“Ao ler o texto, percebe-se que há erros na criação das reservas. Agradeço aos outros parlamentares que estão contribuindo para essa CPI”, finalizou.

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias