Trampolim: Fernando Máximo busca apoio de inimigos políticos pra tentar uma vaga a prefeito da capital

Foto: Divulgação

Na sua cruzada em busca de apoio para viabilizar sua candidatura a prefeito de Porto Velho, o deputado federal Fernando Máximo (União Brasil-RO) não tem feito distinção de nomes para tentar compor um grupo capaz de endossar seu projeto político.

Nos bastidores, comenta-se que Fernando cogitaria, inclusive, a possibilidade de trair seu grupo original, que viabilizou seu ingresso na política e todos os holofotes que precisou pra se tornar deputado federal. Seria o máximo da trairagem política.

Segundo fontes do CN, nessa semana, ele se encontrou com o deputado estadual Rodrigo Camargo (Republicanos), inimigo declarado do grupo de Fernando, e a conversa tem dado o que falar. Ambos são ativos nas redes sociais, contudo o encontro aconteceu de forma bastante discreta, sem nenhuma postagem até agora. Acontece que não tiveram o máximo de cuidado e tiraram uma foto.

De acordo com informações que circulam nos bastidores, Fernando busca um argumento para poder se distanciar o máximo possível da turma do Palácio Rio Madeira “CPA” e também do prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, porque não estaria aceitando o nome da ex-deputada federal Mariana Carvalho como pré-candidata a prefeita de Porto Velho.

A ideia de Fernando seria utilizar o mandato de deputado federal como trampolim para viabilizar sua candidatura, mesmo mal esquentando a cadeira que Rondônia lhe deu no Congresso Nacional e até agora não disse pra que veio.

“Em off”, algumas lideranças políticas confirmam o interesse do deputado em abandonar seu mandato em Brasília em busca da cadeira executiva em Porto Velho, fato que destruirá toda organização de seu próprio grupo.

Os desdobramentos relacionados às eleições do ano que vem estão só começando, mas já é certo que muita punhalada e traição estão por vir.

Fernando se elegeu deputado federal na aba do governo. Na composição com o governador Marcos Rocha, o prefeito Hildon Chaves declinou diante da proposta de indicar o candidato a vice-governador. Ele poderia até ter indicado a hoje deputada estadual Ieda Chaves, mas não agiu assim.

Em contrapartida, teria sido acordado que Hildon escolheria o candidato, ou no caso a candidata à prefeitura de Porto Velho, para ser abraçada pelo grupo.

Diante da suposta desavença, Hildon Chaves passou de aliado a vilão. Em razão das supostas desavenças de Chaves com o governador. Fernando Máximo, que ainda é do grupo, achou a máxima razão para afiar o punhal da traição, se aliando ao principal inimigo político do governador. Isso sim, seria o máximo da trairagem.

Source: da Redação/CN

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias