Gilmar Mendes tem razão: O brasileiro não tem memória

Se o brasileiro tivesse memória, lembraria que o ministro, quando a Lava-Jato começou, disse que “Ladrões de Sindicato transformaram o Brasil em um sindicato de ladrões”.

Na época, os “togados” eram favoráveis ao “combate à corrupção”.

Então, o que mudou?

Não é difícil entender, se entendermos o SISTEMA. Sistema, aliás, que está em pleno funcionamento e nós, no momento, estamos torcendo por ele.

A Lava-Jato não surgiu do nada. Não foram heróis que surgiram da noite para o dia, com a intenção de moralizar as Índias de Cabral.

A operação foi uma medida dos Sociais Democratas (aquilo que chamamos de “centrão” e são os verdadeiros “donos” do sistema), para abocanharem novamente o executivo federal; já que o PT tinha criado fome de poder e esquecido do acordo de cavalheiros da estratégia das tesouras.

O Plano era perfeito. Com Lula fora da jogada e as denúncias de toda a corrupção de seu governo sendo expostas diuturnamente, o anti-petismo elegeria algum “Fabiano” prudente e sofisticado.

Não contavam, porém, é que um deputado do baixo-clero, boca suja e encrenqueiro, conquistaria o apoio de uma massa inimaginável; deixando o candidato do sistema com 4% dos votos.

Precisavam mudar de estratégia!!!

Pouco a pouco, o mesmo judiciário que elogiava a operação começou a encontrar seus “defeitos” e a mesma mídia que lhe dava ampla publicidade começou a achincalhá-la. Lula não era mais um empecilho para que chegassem ao poder. Tinha se tornado o atalho para o Planalto.

Foi então que, após Facchin, por um detalhe técnico, anular os julgamentos de Moro, vimos o candidato do centrão (aquele que dizia que Lula queria voltar ao local do crime) desembarcar do tucano queimado por Dória e Aécio, se filiar a um partido nanico e começar a gritar: “Lula!!! Lula!!!”, em uma das cenas mais patéticas já vistas na política tupiniquim.

Após usar descaradamente o TSE para eleger seu padrinho político, com uma interferência desavergonhada, Moraes começou a construir outra narrativa. Muito se engana quem acredita que a “severidade” com o 8 de Janeiro foi para “defender” Lula. O Ministro não deve nada ao petista. Foi indicação do Temer, sob as bênçãos de Geraldo Alckmin. A coisa vai além.

Lula nunca esteve tão “solto”. Montou uma equipe ministerial desastrosa; está falando bobagem atrás de bobagem e não tira os holofotes da primeira-dama, que não tem traquejo político e é tão carismática quanto uma colonoscopia.

Está tudo certo para dar errado.

Moraes, hoje o imperador do Brasil, já criou condições até para reprimir fortemente os “movimentos sociais” que vierem protestar contra o processo de impeachment vindouro, que deve ganhar força na segunda metade de 2024. E tudo em nome da “defesa da democracia”; garantindo a cadeira para o seu padrinho e ainda se posicionando como um exemplo de imparcialidade, agindo com a mesma energia contra os “terroristas” da esquerda e direita.

Assim, consolidariam o discurso de que o “centrão” é o “caminho correto”; mostrariam que os extremos não deram certo; que política exige a prudência e sofisticação que só os Sociais Democratas possuem.

Só que, de repente, pouco antes de embarcar em uma viagem com Lula, Pacheco, que sempre foi um Presidente do Senado dócil e subserviente, resolve rugir alto e “colocar o Judiciário em seu devido lugar”.

Os brasileiros, esgotados dos desmandos dos “togados”, prontamente o aplaudem e alguns analistas já tendem a cotá-lo para a sucessão presidencial; principalmente se, usando a comoção pela morte de Clériston Pereira, pautar o impeachment de Alexandre de Moraes, que hoje é possivelmente mais odiado pela direita do que o próprio Lula.

Neste meio tempo, porém, o presidente já anunciou a indicação de Flávio Dino para o STF. Um ministro declaradamente comunista, que está causando um desastre na Segurança Pública e, mesmo sem o poder de um juiz do Supremo, já censurou empresa privada e, inclusive queria obrigá-la a publicar sua “opinião oficial”, além de tantas outras atrocidades.

Neste caso, Pacheco foi extremamente célere para marcar a sabatina; com tudo indicando a aceitação do Senado para que o ex-governador do Maranhão ocupe a cadeira na Suprema Corte.

O possível impeachment de Moraes, então, além de desguarnecer Alckmin, que ficará sem um aliado direto no Supremo, ainda abrirá uma vaga para outra indicação de Lula; consolidando o poder da extrema-esquerda no judiciário pelas próximas duas décadas.

Mas tem quem acredite que o Presidente do Senado é um bravo legislador que está olhando os interesses do povo e garantindo a separação Constitucional dos poderes (e, pior, um nome forte para a direita).

Ê Brasil…

Foto de Felipe Fiamenghi

Por Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias