Conselho Federal de Economia confirma: Brasil é o País da Piada Pronta (veja o vídeo)

É difícil de acreditar, mas o Conselho Federal de Economia (COFECON) acaba de conferir a Dilma Rousseff (imaginem!) o título de “Mulher Economista do Ano”.

O brilhante economista Roberto Campos deve estar se revirando, indignado, no túmulo. Logo ele que escreveu o seguinte:

“O PT (partido de Dilma) é o partido dos trabalhadores que não trabalham, dos estudantes que não estudam e dos intelectuais que não pensam.”

A patuscada do COFECON vem acompanhada de uma justificativa que, somada ao título dado à ex-presidANTA, confirma que o Brasil é (mesmo!) o País da Piada Pronta.

O título foi outorgado a Dilma Rousseff “por sua significativa contribuição ao desenvolvimento econômico e social do País, ao longo de sua carreira”.

Isto é gozação, não é possível ser outra coisa. Agora falta alguma instituição atribuir ao palhaço Tiririca o título de “Intelectual do Ano”, “por sua contribuição à cultura e ao pensamento nacional”.

Ou conferir a Marcola (chefão do PCC) o prêmio de “Pacificador do Ano”, “por sua significativa contribuição à paz urbana no País e valorização dos melhores princípios de estruturação e paz familiar”.

Ou ainda, falta conferir a Lula (O STF talvez o venha a fazer!) o prêmio de “Honestidade Pública”, “por sua valorização aos princípios de honestidade pública e luta contra a corrupção estatal no Brasil”.

Vamos tentar, num esforço extremo de generosidade, entender, com base na História recente, a outorga daquele título à nossa folclórica ex-presidANTA, que sempre via, atrás de uma criança, um cachorrinho e, especialista em energia que era, sempre procurou buscar uma tecnologia para estocar vento.

O primeiro mandato de Dilma Rousseff estendeu-se de janeiro de 2011 a dezembro de 2014. Dilma foi reeleita e seu segundo mandato durou de janeiro de 2015 a 31 de outubro de 2016, quando foi impedida de continuar presidindo o País.

Segundo o Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma espécie de ‘Think Tank’ daquela instituição, a economia do Brasil foi, entre os anos 2011 e 2016, foi a pior da História Econômica do País. Este foi o período do Brasil em que se verificou a maior recessão da nossa História Econômica, com queda acumulada do PIB (Produto Interno Bruto) de 7% entre 2015 e 2016.

Foi também neste período que o até então “selo” de bom pagador do Brasil foi para o lixo, com o País caindo, na classificação das agências internacionais de “rating”, para BB-, uma classificação nada honrosa.

“A nota de crédito ou ‘rating’ é uma forma de mensuração da capacidade de uma empresa, instituição ou país pagar suas dívidas. Em geral, vai de D, para quem já está em moratória, até AAA (ou triplo A), quando o risco é mínimo.

A avaliação serve, por exemplo, para investidores estrangeiros calcularem se a remuneração de um título está adequada ao risco do investimento – muitos fundos não aplicam em papéis com grau especulativo. Além disso, tem impacto também sobre o custo da dívida de países: quanto maior a classificação, menor tende a ser as taxas de juros de investimentos.”

No período de Dilma à frente da economia brasileira, o desemprego também subiu à estratosfera e a inflação ensaiou o galope. As empresas públicas se tornaram exemplo de ineficiência e cabides de emprego para ‘cumpañeros’ sindicalistas (parasitas) e, em vez de lucro, passaram a drenar o dinheiro do Tesouro (isto é, dinheiro do contribuinte). A Telebrás foi expulsa da Bolsa de Nova Iorque por inadimplência e a Petrobras tornou-se a empresa mais endividada do mundo, quase indo à falência.

A cereja do bolo da ação de Dilma à frente da economia do Brasil foram as pedaladas fiscais que, visando esconder a tragédia econômica, agravaram o quadro geral que gerou a queda do PIB já comentada acima, culminando com o impedimento da presidANTA.

Deve ser por este breve histórico que o COFECON resolveu premiar a ex-presidANTA com o título de “Mulher Economista do Ano”. Sei lá, mas até acho que o COFECON está zoando de forma muito irônica e sutil a ex-presidANTA.

Aguardo, agora, que alguma entidade conceda o título de “Jurista do Ano” a Alexandre de Moraes, “pela sua firme aderência e respeito ao texto da Constituição Federal, pelo fiel cumprimento do Código de Processo Criminal e do Devido Processo Legal e, ainda, pela justeza de suas severas condenações de INOCENTES, pela humildade que sempre demonstra e pela elevada reputação que confere à Justiça brasileira, em especial, ao STF”.

Acrescento, ao final, um vídeo que representa uma pequena parte da repercussão ao prêmio à Dilma Rousseff, nossa inesquecível ex-presidANTA.

Foto de José J. de Espíndola

Por José J. de Espíndola*

*Espíndola é Engenheiro Mecânico pela UFRGS. Mestre em Ciências em Engenharia pela PUC-Rio. Doutor (Ph.D.) pelo Institute of Sound and Vibration Research (ISVR) da Universidade de Southampton, Inglaterra. Doutor Honoris Causa da UFPR. Membro Emérito do Comitê de Dinâmica da ABCM. Detentor do Prêmio Engenharia Mecânica Brasileira da ABCM. Detentor da Medalha de Reconhecimento da UFSC por Ação Pioneira na Construção da Pós-graduação. Detentor da Medalha João David Ferreira Lima, concedida pela Câmara Municipal de Florianópolis. Criador da área de Vibrações e Acústica do Programa de Pós-Graduação em engenharia Mecânica. Idealizador e criador do LVA, Laboratório de Vibrações e Acústica da UFSC. Professor Titular da UFSC, Departamento de Engenharia Mecânica, aposentado.

 

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

0
Would love your thoughts, please comment.x
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias