De reino tribal a grande centro comercial em 70 anos: Emirados Árabes Unidos chegam ao BRICS

© AP Photo / Peter Dejong
Região cercada por mar e deserto que até a década de 1950 tinha a maior parte da população vivendo em tendas construídas com folhas de palmeira, os Emirados Árabes Unidos, que vão integrar o BRICS a partir do próximo ano, se consolidam como um dos principais centros comerciais do mundo, passados mais de 70 anos.
País que tem no Brasil o seu principal parceiro econômico na América Latina, os Emirados Árabes Unidos só se tornaram nação independente em dezembro de 1971 — até então eram um grupo de reinos tribais dominados pelos ingleses. Diante de uma das maiores reservas de petróleo do mundo, o desenvolvimento da região ocorreu em uma velocidade quase astronômica, classificou o professor de direito internacional da Universidade de Itaúna Wiliander França Salomão ao podcast Mundioka, da Sputnik Brasil, apresentado pelos jornalistas Melina Saad e Marcelo Castilho.
“A energia elétrica chegou em Dubai na década de 1950, a primeira faculdade foi implantada em 1970. Por isso eles gostam de mostrar essa opulência como uma vitória; não para se gabar, mas como uma amostra do esforço coletivo que eles têm”, explica o autor do livro “Descobrindo os Emirados Árabes Unidos”. A partir do próximo ano, o país do Oriente Médio se une ao BRICS — formado atualmente por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul —, grupo que também vai receber Egito, Etiópia, Arábia Saudita e Irã. Com a eleição de Javier Milei, a entrada da Argentina ficou em xeque.
Quais são os 7 emirados árabes?

Constituído por sete federações (Abu Dhabi, Dubai, Sharjah, Ajman, Fujairah, Umm al-Qiwain e Ras al-Khaimah), o país saiu de uma economia totalmente dependente da exploração de petróleo para uma diversificada matriz: hoje 29% do produto interno bruto (PIB) vêm da indústria petrolífera, mas, segundo o especialista, o índice já superou 80% na década de 1970.

“E a tendência é diminuir mais ainda, porque o governo dos Emirados Árabes tem uma preocupação de se tornar cada vez menos dependente do combustível. A meta, ano após ano, seria justamente tornar o petróleo não tão relevante para a economia, como são hoje os mercados imobiliário, de tecnologia e de serviços”, acrescenta.

O país também tornou-se conhecido por atrair mão de obra qualificada, e atualmente 88% dos mais de 9,3 milhões de habitantes são estrangeiros. “O mercado econômico também abriu-se para o mercado mais liberal, para que as outras pessoas dos outros países, próximos ou não, fixassem residência”, enfatizou. Com relação à religião, a maioria é muçulmana, mas há um grande grupo de católicos, que são quase 1 milhão de pessoas.

Quais cidades formam os Emirados Árabes Unidos?

Turismo internacional, tecnologia, energia limpa e sustentabilidade. Cada vez mais o país quer ser lembrado pelas inovações, que se concentram em duas federações. “Dubai virou um ponto central, comercial e econômico, não só para o Oriente Médio, mas todo o eixo Europa, África e Ásia. Já Abu Dhabi é o estado onde nasceu o petróleo [a exploração]”, diz. Conforme o pesquisador, cada ida ao país revela uma surpresa, por conta das constantes mudanças nas cidades.

“Tem projetos em Abu Dhabi, em Dubai e no resto do país de utilização de carros elétricos, de abolir o uso de papel, por exemplo. Tem o Museu do Louvre em Abu Dhabi, existe o parque da Ferrari. São tantas atrações turísticas, que em 20 dias é impossível você ver tudo isso”, enfatiza, lembrando que todos os anos o território recebe mais de 20 milhões de turistas, número maior que o do Brasil.

“Podemos nos beneficiar mais ainda com a questão do petróleo, as zonas francas do país, que são mais de 40. Há ainda uma abertura comercial, então vai haver ainda mais ligação social e empresarial [entre as duas nações]”, pontua.
O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Mohamed bin Zayed Al Nahyan, participam de uma cerimônia de boas-vindas antes de uma reunião no Palácio Qasr Al Watan, em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos, 6 de dezembro 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 09.12.2023
Fortalecimento do BRICS

Também ao podcast Mundioka, o professor de relações internacionais do Ibmec Marcos Figueiredo comentou a importância da entrada dos Emirados Árabes Unidos, que historicamente têm fortes relações com os Estados Unidos, no BRICS. Porém cada vez mais o país busca intensificar laços com outros países, a exemplo da recente visita do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

“Só vamos entender a relevância da entrada do país se pensarmos o que é o bloco […]. Com a mudança na estrutura internacional e a ascensão da China, houve tentativas de fazer mudanças nessa ordem [global], e que tiveram resistência dos EUA. […] Consequentemente começaram a se formar instituições alternativas, como o BRICS, […] que se tornou uma organização multilateral”, resume.
E tudo isso, conforme o especialista, questiona a velha ordem formada após a Segunda Guerra Mundial, sob a “liderança” dos EUA. “É onde entram os Emirados Árabes […]. A expansão do BRICS denota uma estratégia por parte da China muito assertiva e inteligente. De modo geral, busca trazer os países do Sul Global que questionam um pouco essa ordem e, ao mesmo tempo, assegura uma fonte de segurança energética”, afirma.
Além disso, o especialista acredita que o país árabe será cada vez mais importante para o Novo Banco de Desenvolvimento, o banco do BRICS, que, segundo ele, servirá como alavanca para impulsionar as transações entre os países com o uso de outras moedas para além do dólar.
“Podem trazer um aporte significativo de capital, de investimento nessa nova instituição que, de certa maneira, questiona o Banco Mundial na sua versão americana. E o que acaba acontecendo, em resumo, é que os Emirados Árabes Unidos ajudam a legitimar ainda mais essa instituição multilateral que é o BRICS”.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias