Confira como será o Verão com o El Niño para a agricultura brasileira

O Verão começou e junto com a nova estação a influência do El Niño. O fenômeno muda a característica da chuva e favorece a precipitação em forma de pancadas isoladas e não garantem homogeneidade para uma boa umidade do solo. É comum observar dentro de uma mesma propriedade talhões com diferenças, uma vez que recebeu mais chuva do que outro. Veja abaixo a tendência para o Verão para as cinco regiões brasileiras, segundo previsão meteorológica do Climatempo:

Região Sul

A Região Sul continuará sendo afetada por chuvas acima da média, com uma tendência de diminuição dos eventos extremos em relação à Primavera. Os sistemas meteorológicos não devem ficar estacionários sobre o Sul. Mas isso, não quer dizer que durante o Verão não ocorra tempestades. Quando acontecer essa chuva em forma de tempestade pode vir acompanhado de raios, ventania e granizo.

Para Dezembro, há uma tendência para fortes temporais com precipitação acima da média ao longo de todo o Verão, ou seja, até março de 2024. Mesmo que os eventos extremos diminuam os agricultores vão ter que lidar com umidade excessiva o que impacta o desenvolvimento das lavouras e o início da colheita.

Região Sudeste

A Região Sudeste fica em alerta para um risco de impactos muito intensos de eventos extremos: calor, temperatura alta, chuvas fortes, tempestades que podem atingir o café no cerrado mineiro, zona da mata, neste início de safra de café conilon.

Em Dezembro, a expectativa é que as áreas ao sul de Minas, Mogiana Paulista e interior de São Paulo tenham uma influência maior com passagem de frentes frias e com isso, uma maior regularidade de ocorrência de chuva.

A metade norte de Minas e o Espírito Santo ainda vão continuar com muita irregularidade com chuvas acontecendo em forma de pancadas isoladas alternando períodos de sol e calor extremo em Dezembro. Ou seja, essas áreas poderão ser impactadas com estresse térmico.

Entre Janeiro e fevereiro, os modelos apontam uma ligeira mudança de padrão. Janeiro apresenta uma ligeira migração da umidade um pouco mais para norte da Região Sudeste, inclusive as frentes frias avança com maior frequência o que favorece as chuvas no interior de Minas Gerais, áreas mais ao norte do estado mineiro e no Espírito Santo.

Fevereiro se mostra um mês chuvoso em grande parte do Sudeste do Brasil.

Região Centro-Oeste

Mato Grosso do Sul é o estado que apresenta uma maior regularização desde o final de novembro e a tendência para esse estado é que a chuva continue mais regular. O motivo é a passagem de frentes frias que vão conseguir avançar para o estado favorecendo a precipitação.

Goiás e Mato Grosso seguem numa situação mais crítica em grande parte do Verão, especialmente o oeste de Goiás e interior de Mato Grosso com um sinal de irregularidade. Dezembro e Janeiro que são meses mais chuvosos o desvio negativo deve ser mais acentuado por causa da chuva que acontece em forma de pancada com distribuição espacial muito irregular sem volume expressivo e pode não atingir a média para o mês de dezembro e janeiro apresentando déficit de precipitação.

A chuva deve aumentar em parte do Centro-Oeste entre janeiro e fevereiro. A umidade se espalha entre Goiás e áreas ao leste de Mato Grosso, mas a chuva chega de forma tardia e pode impactar o início da colheita. As áreas mais ao oeste de Mato Grosso e o pantanal de Mato Grosso do Sul, a irregularidade persiste ao longo do verão.

O calor persiste e a tendência é que fique acima da média sem ondas de calor tão duradouras como observado na Primavera, mas ainda sim serão registradas temperaturas acima da média. O Verão será quente por conta da influência do El Niño, com picos de temperatura extrema no Brasil Central, prevê a Climatempo.

Região Nordeste

O Matopiba deve ser uma das regiões agrícolas mais afetadas pelos extremos do El Niño com maiores perdas de produtividade provocadas por irregularidade da chuva. De uma forma geral, para o Verão, a expectativa é de chuvas em forma de pancadas. Para a segunda quinzena de Dezembro, há um aumento gradual da chuva, mas essa precipitação não garante uma recuperação porque não é uma chuva homogênea. Em Janeiro, frentes frias podem alcançar à costa da Bahia e ajuda a provocar o aumento da umidade, principalmente na costa leste do Nordeste, incluindo o estado da Bahia com bons volumes de chuva. Porém, essa precipitação chega de forma tardia podendo impactar a fase final do desenvolvimento da soja e o início da colheita sobre algumas áreas do interior do Nordeste. Em relação à temperatura acima da média durante todo o Verão.Imagem em destaque

Região Norte

Grande parte do interior da Região Norte, Pará, Rondônia segue o verão com uma expectativa de chuvas abaixo da média, principalmente o oeste da Região Norte que pode apresentar um déficit mais acentuado, ao longo do Verão.

É claro, que o Norte do Brasil costuma ter médias climatológicas muito altas nesta época do ano. Algumas áreas registram entre 200 a 300 milímetros de chuva, mas as projeções mostram desvio negativo para os próximos meses do Verão. Mesmo que chova abaixo da média e essa chuva for bem distribuída ainda há garantias para uma boa umidade do solo para o desenvolvimento dos cultivos. Porém, não é uma chuva para encher reservatórios e os rios.

Rondônia é o estado com uma expectativa de situação mais crítica, porque além do desvio ser negativo não há sinais de uma regularidade da chuva. Neste estado a tendência é de previsão de chuva mais espaçada, pontual, muito mal distribuída sem chuvas significativas. O calor também será destaque durante o Verão neste estado, onde há muita plantação de café e açaí.

O El Niño vai durar até quando?

As projeções dos centros internacionais que fazem o monitoramento mostram uma probabilidade maior do fim do fenômeno El Niño em meados de 2024. Normalmente, o histórico do El Niño é de um fenômeno cada vez mais intenso nas últimas décadas potencializado pelo aquecimento global, mas não é um fenômeno duradouro, geralmente seu ciclo marcado entre 1 a 1 ano e meio. Existem projeções indicam uma inversão de sinal para La Niña, mas ainda não dá para cravar, mas nada impede que não corra. O monitoramento do clima será decisivo para o planejamento agrícola do segundo semestre de 2024.

Source: Jornal do Agro

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias