Lágrimas para o Brasil! (Ou o fascismo imanente de Lula)

Nicolás Maduro, ditador da Venezuela, acusado de narcoterrorismo pela Justiça dos Estados Unidos e Lula da Silva, pretendente a ditador do Brasil, que se declara “cada vez mais Maduro, mais Maduro, mais Maduro, ...”

Sempre que um fiel seguidor do guru da seita lulopetista, Lula da Silva, se dirige a um opositor, o faz acusando-o de ser fascista, ou nazista. Basta a alguém detestar a mediocridade e a corrupção – ou seja, gente como Lula e associados – para que se torne vítima dos perdigotos de um lulopetista ignorante, fanático, irascível e da acusação indefectível: fascista, nazista! Aqui o fanático lulopetista (desculpem o pleonasmo, pois todo petista é fanático) segue – talvez como orientação do ILD (Instituto Lula de Desinformação) – os ensinamentos Vladimir Ilyich Ulianov (1870-1924), mais conhecido como Lenin, o introdutor do comunismo na Rússia:

“Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é.”

Fascismo, como explica o seu próprio criador, Benito Mussolini (1883-1945), ditador fascista da Itália entre 1922 e 1945, significa:

“Tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado.”

Tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado, este é o sonho imperial de Lula e realização de todos seus ditadores preferidos, “irmãos” e “mui amigos”: Fidel Castro (Cuba, já morto), Miguel Díaz-Canel (Cuba), Hugo Chávez (Venezuela, já morto), Nicolás Maduro (Venezuela), Daniel Ortega (Nicarágua), Gustavo Petro (Colômbia, ex-narco-guerrilheiro das FARC), …

Fascismo e Nazismo têm tudo a ver, o segundo tendo sido inspirado no primeiro. O sonho de Lula é aquele expresso por Mussolini, na frase citada acima: Tudo centralizado, dentro do Estado, sob sua “proteção” pessoal. Ou, como na frase equivalente do Nazismo, tão querida a Hitler e todos os demais ditadores: “Ein Reich, ein Führer, ein Volk”, ou seja:

“Um Estado, um Líder, um Povo.”

Então, quando os fiéis da seita do lulopetismo acusam os opositores de fascistas, nazistas, estão passando um recibo de ignorância sobre o que realmente significa fascismo. Esta centralização imperial, sonho de Lula, só pode ser obtida através da implantação de uma DITADURA, como se viu na Itália de Mussolini, na Alemanha de Hitler e como se vê, hoje, nas ditaduras preferenciais de Lula mudo afora, principalmente na América Latina.

Esta centralização de poder – só pessoas ideologicamente cegas não vêm – é o sonho de Lula. Está, por exemplo, na raiz de sua luta contra a autonomia do Banco Central; é fundamental em sua tentativa (bem sucedida) de acabar com o “Teto de Gastos” e criação de um “piso de gastos”; está na centralização da arrecadação de impostos para forçar governadores e prefeitos a beijarem sua mão suja (argh!), em Brasília, a fim conseguirem algum recurso. O sonho de Lula é tornar-se, no Brasil, o que seus ditadores “amigos” e “irmãos” são em outros países latino-americanos: “El Protector”, ou “El Comandante”, ou “El Generalíssimo” do povo. Aqui, pelo menos na comunidade do Complexo do Alemão, território dominado pelo Comando Vermelho (CV), Lula já foi saudado, em 12/10/2022, com o canto “O Paizinho Chegou”.

Não é por outra coisa que Lula, este aprendiz de ditador, não permitiu que o Brasil assinasse, em 03/03/2022, uma declaração conjunta do Conselho de Direitos Humanos da ONU, denunciando crimes contra a humanidade ocorridos na Nicarágua sob a ditadura de Daniel Ortega, grande “amigo” e “irmão” de Lula, segundo ele próprio. Foram 55 os países signatários, inclusive os Estados Unidos, França, Canadá e Austrália. Entre os crimes que a ditadura de Ortega cometeu e que Lula se recusa a reconhecer, segundo peritos da ONU, estão:

1. Violações generalizadas dos direitos humanos que equivalem a crimes contra a humanidade cometidas contra civis;

2. Execuções extrajudiciais;

3. Detenções arbitrárias;

4. Tortura e privação arbitrária da nacionalidade e do direito de permanecer no próprio país.

Em suma, mais uma vergonha internacional a enxovalhar a honra do Brasil é esta negativa de Lula de denunciar um ditador cruel e sanguinário. Este é o Lula, amante de ditadores, estes sim, com feições fascistas e nazistas.

Lula é o político que chama o agronegócio de fascista. O agronegócio é um ente privado, fora do Estado (nada mais antifascista, portanto) e que segura a nossa economia (25% do nosso PIB deve-se ao agronegócio), enquanto Lula dá a senha a bandos terroristas (MST, FNL), foras da Lei, para infernizar o agronegócio, com ocupações e vandalizações de fazendas.

A analogia é inevitável: Mussolini tinha a seu dispor para a ocupação ditatorial do poder, a “Milícia Voluntária para a Segurança Nacional”, os truculentos grupos paramilitares popularmente chamados Camisas-Negras (“Camicie Nere”). Hitler tinha, também para conquistar o poder, a “Sturmabteilung” (abreviação: SS), uma tropa paramilitar (divisão de assalto). Lula tem o MST, FNL, MTST e CUT. Sem falar, claro, no STF e TSE, que já o colocaram de volta na “cena do crime”.

Lula, como todos os ditadores do mundo, quer “regulamentar” (eufemismo para castrar, controlar) a liberdade de imprensa, principalmente a das redes sociais. (Assista ao vídeo abaixo). Não existe ditadura com liberdade plena de expressão, como não existe democracia com “regulamentação” dos meios de comunicação.

Lula, como todos os ditadores do mundo, age como se o grupo terrorista Hamas (ele se nega a chamar este grupo de terrorista) fosse um lídimo representante dos ideais de ‘libertação’ do povo palestino. Ele acha que Israel e o Hamas devem discutir (talvez em um bar, tomando cerveja até caírem bêbados) a paz. Dilma, alter-ego de Lula, já recomendara aos Estados Unidos ‘diálogo’ com o Estado Islâmico (ISIS), em vez de bombardeá-lo…. Na realidade, Lula deve detestar Israel porque este país insiste (vejam o atrevimento!) em ser a ÚNICA democracia no Oriente Médio. A preferência de Lula, naquela região, cai sobre a Turquia e sobre o Irã, este um Estado terrorista e uma medonha ditadura teocrática.

Lula já afirmou que tem orgulho de ser chamado de comunista e que está muito feliz por, finalmente, ter colocado um comunista no STF (Flávio Dino). Ele acha, em sua absoluta ignorância que, em se identificando com o comunismo, afasta-se do nazismo e do fascismo. Afasta-se nada, é tudo farinha do mesmo saco. O comunismo, entretanto, tem um discurso mais edulcorado e mais atraente às massas (epa!) ignaras. O comunismo se baseia em teorias IGUALITÁRIAS que soam bonitas e humanistas para os mais ingênuos. (Há até um ditado que diz: “Se nunca foste socialista até os 25 anos, não tens alma; se continuas socialista após os trinta anos, não tens cérebro.”) O nazismo se baseia explicitamente em teorias medonhas, como a da raça superior germânica. Intelectuais de esquerda que escrevem a História, raramente dão às apavorantes ações do comunismo a mesma atenção que dão às horrendas ações do nazismo. Mas o fato é que, tal como no fascismo e no nazismo, não existe comunismo sem centralização absoluta de poder ditatorial, sem expurgos e sem assassinatos.

O comunismo matou 110 milhões de pessoas, o que representa dois terços do total de vítimas provocadas no século 20 por todos os regimes ditatoriais. Criou monstros iguais ou piores do que Hitler, como Stalin, Mao Tsé-Tung, Pol Pot e outros.  Só Joseph Stálin, ditador soviético, deve ter matado entre 9 a 20 milhões de pessoas; Mao Tsé-Tung entre 38 a 48 milhões de pessoas. A Hitler é atribuído o assassinato de 10 a 12 milhões de pessoas. Não, Lula, tentar escapar do Nazismo e do Fascismo para te abrigares no comunismo não cola. São todas ditaduras brutais, supressoras da liberdade e inimigas da democracia. Pior, a liberdade religiosa foi tolerada tanto no fascismo como no nazismo, mas não no comunismo. Neste aspecto o comunismo de que Lula tanto se orgulha é o mais castrador das liberdades individuais.

Em suma, Lula, seus amigos ditadores da América-Latina e da África são todos farinhas do mesmo saco, sejam nazifascistas, ou comunistas. Falta, no Brasil, apenas a conjuntura integral que levou Mussolini, Hitler, ou comunistas à concentração absoluta de poder em seus respectivos países. Mas, parece, o sistema Lula/STF está forçando a barra para transformar o Brasil em um ‘paraíso’ comunista, como o da Venezuela, quiçá da Coréia do Norte. Não é à toa que Lula, em vídeo escancarado na Internet, já se declarou “mais Maduro, mais Maduro, mais Maduro, …” O uso do cachimbo deixa a boca torta.  Maduro, como todos sabem, é o ditador da Venezuela que responde, desde 2020, a uma acusação de narcoterrorismo na Justiça dos Estados Unidos. Maduro é também investigado por crimes contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional, desde 2018. Pois é, ainda assim, ou por isso mesmo Lula, o presidente criado pelo STF para o Brasil, diz que ele está cada vez mais Maduro, mais Maduro, mais Maduro…

Lágrimas pelo Brasil, por favor!

Assistam ao vídeo:

Foto de José J. de Espíndola
José J. de Espíndola*

Engenheiro Mecânico pela UFRGS. Mestre em Ciências em Engenharia pela PUC-Rio. Doutor (Ph.D.) pelo Institute of Sound and Vibration Research (ISVR) da Universidade de Southampton, Inglaterra. Doutor Honoris Causa da UFPR. Membro Emérito do Comitê de Dinâmica da ABCM. Detentor do Prêmio Engenharia Mecânica Brasileira da ABCM. Detentor da Medalha de Reconhecimento da UFSC por Ação Pioneira na Construção da Pós-graduação. Detentor da Medalha João David Ferreira Lima, concedida pela Câmara Municipal de Florianópolis. Criador da área de Vibrações e Acústica do Programa de Pós-Graduação em engenharia Mecânica. Idealizador e criador do LVA, Laboratório de Vibrações e Acústica da UFSC. Professor Titular da UFSC, Departamento de Engenharia Mecânica, aposentado.

 

Sempre que um fiel seguidor do guru da seita lulopetista, Lula da Silva, se dirige a um opositor, o faz acusando-o de ser fascista, ou nazista. Basta a alguém detestar a mediocridade e a corrupção – ou seja, gente como Lula e associados – para que se torne vítima dos perdigotos de um lulopetista ignorante, fanático, irascível e da acusação indefectível: fascista, nazista! Aqui o fanático lulopetista (desculpem o pleonasmo, pois todo petista é fanático) segue – talvez como orientação do ILD (Instituto Lula de Desinformação) – os ensinamentos Vladimir Ilyich Ulianov (1870-1924), mais conhecido como Lenin, o introdutor do comunismo na Rússia:

“Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é.”

Fascismo, como explica o seu próprio criador, Benito Mussolini (1883-1945), ditador fascista da Itália entre 1922 e 1945, significa:

“Tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado.”

Tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado, este é o sonho imperial de Lula e realização de todos seus ditadores preferidos, “irmãos” e “mui amigos”: Fidel Castro (Cuba, já morto), Miguel Díaz-Canel (Cuba), Hugo Chávez (Venezuela, já morto), Nicolás Maduro (Venezuela), Daniel Ortega (Nicarágua), Gustavo Petro (Colômbia, ex-narco-guerrilheiro das FARC), …

Fascismo e Nazismo têm tudo a ver, o segundo tendo sido inspirado no primeiro. O sonho de Lula é aquele expresso por Mussolini, na frase citada acima: Tudo centralizado, dentro do Estado, sob sua “proteção” pessoal. Ou, como na frase equivalente do Nazismo, tão querida a Hitler e todos os demais ditadores: “Ein Reich, ein Führer, ein Volk”, ou seja:

“Um Estado, um Líder, um Povo.”

Então, quando os fiéis da seita do lulopetismo acusam os opositores de fascistas, nazistas, estão passando um recibo de ignorância sobre o que realmente significa fascismo. Esta centralização imperial, sonho de Lula, só pode ser obtida através da implantação de uma DITADURA, como se viu na Itália de Mussolini, na Alemanha de Hitler e como se vê, hoje, nas ditaduras preferenciais de Lula mudo afora, principalmente na América Latina.

Esta centralização de poder – só pessoas ideologicamente cegas não vêm – é o sonho de Lula. Está, por exemplo, na raiz de sua luta contra a autonomia do Banco Central; é fundamental em sua tentativa (bem sucedida) de acabar com o “Teto de Gastos” e criação de um “piso de gastos”; está na centralização da arrecadação de impostos para forçar governadores e prefeitos a beijarem sua mão suja (argh!), em Brasília, a fim conseguirem algum recurso. O sonho de Lula é tornar-se, no Brasil, o que seus ditadores “amigos” e “irmãos” são em outros países latino-americanos: “El Protector”, ou “El Comandante”, ou “El Generalíssimo” do povo. Aqui, pelo menos na comunidade do Complexo do Alemão, território dominado pelo Comando Vermelho (CV), Lula já foi saudado, em 12/10/2022, com o canto “O Paizinho Chegou”.

Não é por outra coisa que Lula, este aprendiz de ditador, não permitiu que o Brasil assinasse, em 03/03/2022, uma declaração conjunta do Conselho de Direitos Humanos da ONU, denunciando crimes contra a humanidade ocorridos na Nicarágua sob a ditadura de Daniel Ortega, grande “amigo” e “irmão” de Lula, segundo ele próprio. Foram 55 os países signatários, inclusive os Estados Unidos, França, Canadá e Austrália. Entre os crimes que a ditadura de Ortega cometeu e que Lula se recusa a reconhecer, segundo peritos da ONU, estão:

1. Violações generalizadas dos direitos humanos que equivalem a crimes contra a humanidade cometidas contra civis;

2. Execuções extrajudiciais;

3. Detenções arbitrárias;

4. Tortura e privação arbitrária da nacionalidade e do direito de permanecer no próprio país.

Em suma, mais uma vergonha internacional a enxovalhar a honra do Brasil é esta negativa de Lula de denunciar um ditador cruel e sanguinário. Este é o Lula, amante de ditadores, estes sim, com feições fascistas e nazistas.

Lula é o político que chama o agronegócio de fascista. O agronegócio é um ente privado, fora do Estado (nada mais antifascista, portanto) e que segura a nossa economia (25% do nosso PIB deve-se ao agronegócio), enquanto Lula dá a senha a bandos terroristas (MST, FNL), foras da Lei, para infernizar o agronegócio, com ocupações e vandalizações de fazendas.

A analogia é inevitável: Mussolini tinha a seu dispor para a ocupação ditatorial do poder, a “Milícia Voluntária para a Segurança Nacional”, os truculentos grupos paramilitares popularmente chamados Camisas-Negras (“Camicie Nere”). Hitler tinha, também para conquistar o poder, a “Sturmabteilung” (abreviação: SS), uma tropa paramilitar (divisão de assalto). Lula tem o MST, FNL, MTST e CUT. Sem falar, claro, no STF e TSE, que já o colocaram de volta na “cena do crime”.

Lula, como todos os ditadores do mundo, quer “regulamentar” (eufemismo para castrar, controlar) a liberdade de imprensa, principalmente a das redes sociais. (Assista ao vídeo abaixo). Não existe ditadura com liberdade plena de expressão, como não existe democracia com “regulamentação” dos meios de comunicação.

Lula, como todos os ditadores do mundo, age como se o grupo terrorista Hamas (ele se nega a chamar este grupo de terrorista) fosse um lídimo representante dos ideais de ‘libertação’ do povo palestino. Ele acha que Israel e o Hamas devem discutir (talvez em um bar, tomando cerveja até caírem bêbados) a paz. Dilma, alter-ego de Lula, já recomendara aos Estados Unidos ‘diálogo’ com o Estado Islâmico (ISIS), em vez de bombardeá-lo…. Na realidade, Lula deve detestar Israel porque este país insiste (vejam o atrevimento!) em ser a ÚNICA democracia no Oriente Médio. A preferência de Lula, naquela região, cai sobre a Turquia e sobre o Irã, este um Estado terrorista e uma medonha ditadura teocrática.

Lula já afirmou que tem orgulho de ser chamado de comunista e que está muito feliz por, finalmente, ter colocado um comunista no STF (Flávio Dino). Ele acha, em sua absoluta ignorância que, em se identificando com o comunismo, afasta-se do nazismo e do fascismo. Afasta-se nada, é tudo farinha do mesmo saco. O comunismo, entretanto, tem um discurso mais edulcorado e mais atraente às massas (epa!) ignaras. O comunismo se baseia em teorias IGUALITÁRIAS que soam bonitas e humanistas para os mais ingênuos. (Há até um ditado que diz: “Se nunca foste socialista até os 25 anos, não tens alma; se continuas socialista após os trinta anos, não tens cérebro.”) O nazismo se baseia explicitamente em teorias medonhas, como a da raça superior germânica. Intelectuais de esquerda que escrevem a História, raramente dão às apavorantes ações do comunismo a mesma atenção que dão às horrendas ações do nazismo. Mas o fato é que, tal como no fascismo e no nazismo, não existe comunismo sem centralização absoluta de poder ditatorial, sem expurgos e sem assassinatos.

O comunismo matou 110 milhões de pessoas, o que representa dois terços do total de vítimas provocadas no século 20 por todos os regimes ditatoriais. Criou monstros iguais ou piores do que Hitler, como Stalin, Mao Tsé-Tung, Pol Pot e outros.  Só Joseph Stálin, ditador soviético, deve ter matado entre 9 a 20 milhões de pessoas; Mao Tsé-Tung entre 38 a 48 milhões de pessoas. A Hitler é atribuído o assassinato de 10 a 12 milhões de pessoas. Não, Lula, tentar escapar do Nazismo e do Fascismo para te abrigares no comunismo não cola. São todas ditaduras brutais, supressoras da liberdade e inimigas da democracia. Pior, a liberdade religiosa foi tolerada tanto no fascismo como no nazismo, mas não no comunismo. Neste aspecto o comunismo de que Lula tanto se orgulha é o mais castrador das liberdades individuais.

Em suma, Lula, seus amigos ditadores da América-Latina e da África são todos farinhas do mesmo saco, sejam nazifascistas, ou comunistas. Falta, no Brasil, apenas a conjuntura integral que levou Mussolini, Hitler, ou comunistas à concentração absoluta de poder em seus respectivos países. Mas, parece, o sistema Lula/STF está forçando a barra para transformar o Brasil em um ‘paraíso’ comunista, como o da Venezuela, quiçá da Coréia do Norte. Não é à toa que Lula, em vídeo escancarado na Internet, já se declarou “mais Maduro, mais Maduro, mais Maduro, …” O uso do cachimbo deixa a boca torta.  Maduro, como todos sabem, é o ditador da Venezuela que responde, desde 2020, a uma acusação de narcoterrorismo na Justiça dos Estados Unidos. Maduro é também investigado por crimes contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional, desde 2018. Pois é, ainda assim, ou por isso mesmo Lula, o presidente criado pelo STF para o Brasil, diz que ele está cada vez mais Maduro, mais Maduro, mais Maduro…

Lágrimas pelo Brasil, por favor!

Assistam ao vídeo:

Foto de José J. de Espíndola
José J. de Espíndola*

Engenheiro Mecânico pela UFRGS. Mestre em Ciências em Engenharia pela PUC-Rio. Doutor (Ph.D.) pelo Institute of Sound and Vibration Research (ISVR) da Universidade de Southampton, Inglaterra. Doutor Honoris Causa da UFPR. Membro Emérito do Comitê de Dinâmica da ABCM. Detentor do Prêmio Engenharia Mecânica Brasileira da ABCM. Detentor da Medalha de Reconhecimento da UFSC por Ação Pioneira na Construção da Pós-graduação. Detentor da Medalha João David Ferreira Lima, concedida pela Câmara Municipal de Florianópolis. Criador da área de Vibrações e Acústica do Programa de Pós-Graduação em engenharia Mecânica. Idealizador e criador do LVA, Laboratório de Vibrações e Acústica da UFSC. Professor Titular da UFSC, Departamento de Engenharia Mecânica, aposentado.

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias