A acusação contra a procuradora que persegue Trump e o modus operandi da esquerda, igual em qualquer lugar do mundo

Procuradora que persegue Trump é acusada de contratar o próprio namorado como assistente, pagando a ele US$ 653 mil.

É impressionante como o modus operandi da extrema-esquerda é igual em qualquer lugar do mundo.

A procuradora do Condado de Fulton (Atlanta) está sendo acusada de apontar como procurador-assistente um namorado seu, no caso contra o ex-presidente Trump que corre na Justiça da Georgia.

Fani Willis é filha de um ex-integrante da organização terrorista Black Panther, de cunho marxista. Ela abriu um caso contra Trump, alegando crimes eleitorais, como a suposta tentativa de fraudar as eleições no estado.  Willis chegou ao ponto de acusar o ex-presidente do equivalente à formação de quadrilha no sistema criminal brasileiro, numa lei usualmente utilizada para processar organizações criminosas como gangues violentas e traficantes.

Agora, um dos acusados no caso submeteu pedido para afastá-la do cargo, alegando que ela contratou seu namorado como assistente, pagando a ele mais de US$ 600 mil. Parte dos recursos teriam sido usados para viagens que ela teria feito com o namorado. Questionada, ela disse apenas que responderia às alegações na corte, sem nem mesmo desmenti-las.

Além de estar aparelhando a Justiça para transformá-la em arma persecutória contra seus opositores políticos, a esquerda americana parece estar enriquecendo no processo. Lembra algum outro país?

Poe Leandro Ruschel*

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias