Efeito Sassá Mutema une Sérgio Gonçalves, Marcelo Cruz Léo Moraes e Fernando Máximo

Marcelo Cruz, Léo Moraes e Fernando Máximo se reuniram com o advogado do vice-governador - Foto Reprodução/CN

A formação de um possível acordos entre o vice-governador de Rondônia e os deputados Marcelo Cruz, Léo Moraes e Fernando Máximo para a prefeitura de Porto Velho, pode ser uma estratégia entre os diferentes líderes políticos visando fortalecer suas posições para garantir suas vitorias no próximo pleito.

Mudanças políticas, acordos e alianças são comuns na política, especialmente em contextos eleitorais. Normalmente, se isso for real, dependendo das perspectivas e interesses das partes envolvidas pode ajudar a ter uma visão mais abrangente do cenário político em questão e certamente, contribuir para futuramente apoiar quem estiver melhores condições para disputar as eleições deste ano.

De acordo com o blogentrelinhas, os deputado Marcelo Cruz (Patriota), o ex-deputado federal Léo Moraes (Podemos) e o deputado federal Fernando Máximo (União Brasil) se reuniram e decidiram que caminharão juntos nas eleições municipais deste ano, visando a prefeitura de Porto Velho.

Foi acertado que o candidato será aquele que estiver em melhores condições de disputar a eleição, mas isso não quer dizer necessariamente que o melhor colocado nas pesquisas internas será o ungido.

Explica-se: se o segundo ou o terceiro colocado nas pesquisas estiver em melhores condições para tocar uma campanha, será ele o candidato do grupo. Elimina-se assim o efeito “cavalo paraguaio”, como é dito ao político que sai na frente e depois é ultrapassado pelos demais, por falta de estrutura para conduzir uma campanha.

O martelo foi batido na casa de um outro político, com bastante experiência em campanha eleitoral. O que pode ser uma surpresa para muitos já havia sido anunciado nas primeiras postagens do blog, quando se falou do “efeito Sassá Mutema”.

O advogado do vice-governador Sérgio Gonçalves (União Brasil) participou da reunião. Ele representava o vice-governador e falou em nome dele, na reunião.

O caso é que Sérgio Gonçalves assumirá o governo com a eventual renúncia do governador Marcos Rocha (União Brasil), que já anunciou interesse em se candidatar ao Senado em 2026. Sérgio Gonçalves, no exercício do cargo, deverá ser candidato à reeleição, também em 2026.

Nas eleições estaduais, Sérgio Gonçalves pretende contar com o apoio do próximo prefeito de Porto Velho, por isso teria firmado aliança com Marcelo Cruz, Léo Moraes e Fernando Máximo.

O compromisso é que, caso um dos três seja eleito, apoiará em 2026 a eventual candidatura de Sérgio Gonçalves ao governo e a de Marcos Rocha ao Senado. O grupo não definiu quem será o outro candidato ao Senado que receberá apoio. Serão duas vagas.

Anteriormente, tinha sido dito que Sérgio Gonçalves assumiria o governo com a renúncia de Marcos Rocha e não seria candidato a nada, mas é justamente aí que entra o “efeito Sassá Mutema”.

Na novela “O Salvador da Pátria”, exibida pela TV Globo, Sassá Mutema passou por muitas dificuldades, mas como ficou com o nome em evidência apresentou condições de ser candidato a prefeito da pequena cidade de Tangará. Um deputado federal o ajudou a conquistar a cadeira.

Acontece que, após sentar na cadeira, segurar a caneta e perceber que nela havia tinta, Sassá Mutema percebeu que não precisava atender o deputado federal. O prefeito, afinal, já era ele.

Da mesma maneira, Sérgio Gonçalves, ao sentar na cadeira e segurar a caneta, deverá se candidatar à reeleição. O governador do momento será ele, por isso Sérgio não verá razão para não concorrer.

Vale lembrar que Sassá era o protagonista da novela, sofreu muito e teve que trabalhar duro para se manter no poder. Não há o que desabone o personagem.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias