Afinal, quem está por trás das ‘Danielas Limas’ da vida?

Por Alexandre Siqueira*

O básico, e até por isso essencial para o bom jornalismo, é a verificação de uma notícia antes de torná-la pública. Evidentemente, os jornalistas militantes que estão à frente do conhecido Consórcio de Imprensa, já têm anos de janela para não caírem em esparrelas.

Mas, de duas, uma! Ou são irresponsáveis e inconsequentes ou o nível de cegueira é estratosférico. Mas, em ambos os casos, a estupidez é a mesma. No momento, em evidência temos a jornalista Daniela Lima, que euforicamente, quase num orgasmo inexplicável, divulga informações sobre a operação da PF para cima do vereador Carlos Bolsonaro a mando do ministro Alexandre de Moraes, sem ao menos piscar, lendo-as em seu celular. Parece que a sequência de informações recebidas casava bem com suas vontades ideológicas, e talvez, isso explique sua satisfação naquele momento.

Não há como descartar que toda a trama seja milimetricamente pensada, no sentido de que a compensação por sua exposição ao ridículo seja de bom grado.

A Daniela não inaugurou essa postura estúpida, colocando sua própria carreira e reputação em risco. Já temos inúmeros jornalistas que agem assim. Sem meias palavras, a cara de pau é muito grande! O pudor foi para o espaço para muitos deles.

Ainda que se desculpe pelo erro, ato peculiar a alguns, há de se entender: o estrago foi feito, a maneira entusiástica como se portou ao noticiar não se apaga e a constatação de que o modus operandis é corriqueiro.

E quem está por trás de tudo isso? Conjecturas, teses, fatores de conspiração, temos muitas motivações, e bem plausíveis. O que falta é o sujeito da frase. No campo doméstico, seria algum editor, algum diretor, alguém que coordena o topo do jornalismo ou de um que comanda o setor financeiro? Poderia ser alguém do PT ou do Foro de São Paulo, ou um personagem de ligação íntima com um dos poderes da república – quem sabe de dois ou dos três poderes?

Dos interesses internacionais ou globais, como queiram, a ordem que pauta o jornalismo dessa imprensa estaria em salas confortáveis de suas sedes empresariais, das reuniões da ONU ou destes infindáveis eventos travestidos de congresso ou fóruns que se sucedem mundo afora?

A hipótese de um elo que une todas essas correntes não pode ser desprezada também. Ela é bem factível! Sintonia não há de ser obstáculo.

Enfim, se um dia, lá atrás, não sabíamos quem eram os responsáveis pelo jornalismo “pasquins” e hoje sabemos, lá na frente virá à tona quem serão os responsáveis pelo jornalismo do consórcio de hoje.

Quanto as “Danielas” da vida, que tenham boas noites de sono!

Foto de Alexandre Siqueira
Alexandre Siqueira

*Alexandre é Articulista, Autor dos livros Perdeu, Mané! Jornalismo: a um passo do abismo… da série Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa!

@ssicca no Twitter

 

Por Alexandre Siqueira*

O básico, e até por isso essencial para o bom jornalismo, é a verificação de uma notícia antes de torná-la pública. Evidentemente, os jornalistas militantes que estão à frente do conhecido Consórcio de Imprensa, já têm anos de janela para não caírem em esparrelas.

Mas, de duas, uma! Ou são irresponsáveis e inconsequentes ou o nível de cegueira é estratosférico. Mas, em ambos os casos, a estupidez é a mesma. No momento, em evidência temos a jornalista Daniela Lima, que euforicamente, quase num orgasmo inexplicável, divulga informações sobre a operação da PF para cima do vereador Carlos Bolsonaro a mando do ministro Alexandre de Moraes, sem ao menos piscar, lendo-as em seu celular. Parece que a sequência de informações recebidas casava bem com suas vontades ideológicas, e talvez, isso explique sua satisfação naquele momento.

Não há como descartar que toda a trama seja milimetricamente pensada, no sentido de que a compensação por sua exposição ao ridículo seja de bom grado.

A Daniela não inaugurou essa postura estúpida, colocando sua própria carreira e reputação em risco. Já temos inúmeros jornalistas que agem assim. Sem meias palavras, a cara de pau é muito grande! O pudor foi para o espaço para muitos deles.

Ainda que se desculpe pelo erro, ato peculiar a alguns, há de se entender: o estrago foi feito, a maneira entusiástica como se portou ao noticiar não se apaga e a constatação de que o modus operandis é corriqueiro.

E quem está por trás de tudo isso? Conjecturas, teses, fatores de conspiração, temos muitas motivações, e bem plausíveis. O que falta é o sujeito da frase. No campo doméstico, seria algum editor, algum diretor, alguém que coordena o topo do jornalismo ou de um que comanda o setor financeiro? Poderia ser alguém do PT ou do Foro de São Paulo, ou um personagem de ligação íntima com um dos poderes da república – quem sabe de dois ou dos três poderes?

Dos interesses internacionais ou globais, como queiram, a ordem que pauta o jornalismo dessa imprensa estaria em salas confortáveis de suas sedes empresariais, das reuniões da ONU ou destes infindáveis eventos travestidos de congresso ou fóruns que se sucedem mundo afora?

A hipótese de um elo que une todas essas correntes não pode ser desprezada também. Ela é bem factível! Sintonia não há de ser obstáculo.

Enfim, se um dia, lá atrás, não sabíamos quem eram os responsáveis pelo jornalismo “pasquins” e hoje sabemos, lá na frente virá à tona quem serão os responsáveis pelo jornalismo do consórcio de hoje.

Quanto as “Danielas” da vida, que tenham boas noites de sono!

Foto de Alexandre Siqueira
Alexandre Siqueira

*Alexandre é Articulista, Autor dos livros Perdeu, Mané! Jornalismo: a um passo do abismo… da série Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa!

@ssicca no Twitter

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias