Israel pressiona cidades de Gaza; 18 palestinos são mortos em ataques

Ataques aéreos israelenses mataram 18 palestinos nas cidades de Rafah e Deir Al-Balah, em Gaza, informaram as autoridades de saúde de Gaza no sábado, já que os residentes do enclave temiam que Israel expandisse sua ofensiva terrestre para as últimas áreas onde as pessoas buscaram abrigo.

Rafah fica na fronteira sul de Gaza com o Egito e mais da metade da população de 2,3 milhões de habitantes do enclave fugiu para lá, já que as Forças de Defesa de Israel continuam sua guerra de quase quatro meses contra o grupo militante Hamas.

Autoridades de saúde em Gaza disseram que um ataque aéreo israelense em uma casa em Rafah matou 14 pessoas, incluindo mulheres e crianças.

Não houve confirmação do exército israelense de que o ataque foi realizado. Um porta-voz militar disse que “em total contraste com os ataques intencionais do Hamas contra homens, mulheres e crianças israelenses, a IDF segue a lei internacional e toma as precauções possíveis para mitigar os danos aos civis.”

Os meses de intenso bombardeio israelense, desencadeados pelo ataque mortal do Hamas a Israel em 7 de outubro, devastaram Gaza e deram início a um conflito mais amplo na região. Os Estados Unidos lançaram ataques aéreos na sexta-feira no Iraque e na Síria contra alvos ligados à Guarda Revolucionária do Irã e às milícias apoiadas por ela, em retaliação a um ataque mortal contra tropas norte-americanas.

As autoridades de saúde de Gaza, que não diferenciam entre militantes e civis em seus registros, dizem que mais de 27.000 palestinos foram confirmados como mortos desde o início da guerra, 107 deles nas últimas 24 horas, com milhares de outros que se teme possam estar perdidos em meio às ruínas.

Israel iniciou sua guerra contra o Hamas após o ataque de militantes do Hamas em 7 de outubro, que matou 1.200 pessoas e fez 253 reféns em Gaza, mais de 100 dos quais ainda estão em cativeiro, de acordo com os registros israelenses.

As autoridades israelenses afirmam que seu objetivo é eliminar o Hamas, que prometeu repetir os ataques de outubro, e repatriar os reféns, muitos dos quais são mulheres e crianças.

Refugiando-se em Rafah

Dezenas de milhares de pessoas chegaram a Rafah nos últimos dias carregando pertences nos braços e crianças em carrinhos, desde que as forças israelenses lançaram, na semana passada, um de seus maiores ataques da guerra para capturar Khan Younis, a principal cidade do sul.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse na quinta-feira que as forças agora avançariam para Rafah.

“O lugar ficou escuro, eu não conseguia ver o que estava à minha frente.

Era tudo poeira e sujeira. Eu estava tocando o que estava ao meu redor, estava procurando meu celular para usar a lanterna e procurar meus filhos, onde eles estão? Eu os encontrei sob os escombros”, disse Ahmed Bassam Al-Jamal, cujo filho foi morto em Rafah.

“Gritei por ajuda e as pessoas vieram. Eu tirei Yamen, o primeiro, ele foi o único que consegui ver, os outros ainda estavam sob os escombros. Eles tiraram Yamen, Eileen e Sila e tiraram a mãe deles (todos vivos). Não conseguimos encontrar Bassam, estávamos procurando por ele, mas ele estava enterrado, não conseguimos salvá-los, juro que não conseguimos”, disse Jamal, enquanto se despedia de seu filho morto no hospital.

Em Khan Younis, os moradores disseram que o exército explodiu um bairro residencial próximo ao centro da cidade.

Na cidade vizinha de Deir Al-Balah, a segunda maior concentração de pessoas deslocadas, os médicos disseram que quatro pessoas foram mortas em um ataque aéreo a uma casa no início do sábado.

Os combates continuam na cidade de Gaza 

Embora Israel esteja concentrando seu esforço no sul, moradores e militantes disseram que os combates continuaram na Cidade de Gaza.

Autoridades de saúde de Gaza disseram que duas pessoas foram mortas por tiros de franco-atiradores. As forças israelenses realizaram prisões no subúrbio de Tel Al-Hawa, ao sul.

O exército israelense disse que suas forças mataram dezenas de atiradores palestinos no norte de Gaza.

“Durante ataques direcionados no Norte e no centro da Faixa de Gaza no último dia, as tropas da IDF mataram dezenas de terroristas e destruíram vários lançadores de mísseis antitanque”, disseram as Forças de Defesa de Israel.

O Hamas, a Jihad Islâmica e outros grupos militantes menores disseram em uma declaração separada que seus combatentes se envolveram em batalhas ferozes com o exército no norte e no sul do enclave.

“Quanto mais as forças de ocupação permanecerem no terreno, mais nós as atacaremos”, disse um oficial militante palestino. “Um mártir cai, outro se levanta e pega o rifle, e estamos prontos para lutar por muitos meses mais”, disse ele à Reuters.

Os mediadores estão aguardando uma resposta do Hamas a uma proposta para o primeiro cessar-fogo prolongado da guerra, elaborada na semana passada com os chefes de espionagem de Israel e dos EUA e comunicada pelo Egito e pelo Catar. Não ficou claro quando os líderes do Hamas visitariam o Cairo para responder.

Uma breve trégua em novembro durou apenas uma semana, quando os militantes libertaram 110 mulheres, crianças e reféns estrangeiros em troca de palestinos mantidos em prisões israelenses

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias