O DIA NA HISTÓRIA

Por Lúcio Albuquerque*

1911 – Chega a Santo Antônio o navio “Satélite”, despejando na cidade mais de 200 homens e 44 mulheres, todos considerados “desajustados sociais” e por isso exilados pelo governo federal.

1918 – Toma posse a nova diretoria do “The Porto Velho Boys Dramatic Association”, tendo como presidente Mr. A. C. McSwen.

1976 – Ainda sem números definitivos, o delegado da Receita Federal em Rondônia, Sebastião Santos, anunciou que a arrecadação de 1975 superou muito à do ano anterior.

1982 – Explode o quartel da Polícia Militar em Cacoal, deixando 11 mortos, sendo um civil.

1983 – Deputados constituintes aprovam o primeiro documento da Assembleia rondoniense, estabelecendo as responsabilidades dentre os membros.

1991 – O governador Osvaldo Piana admite: vai encontrar só destroços, quando assumir, e fez apelo ao presidente Fernando Collor que não decrete intervenção do Banco Central no Beron.

HOJE É

Dia da Navegação do Rio São Francisco.
Católicos celebram São Anscário (Oscar), São Brás,

BRASIL

1945 -Entra em cartaz o filme “Você já foi à Bahia?”, com os personagens Pato Donald e Zé Carioca. 1984 – Três terroristas sequestram o avião da Cruzeiro do Sul (Rio/Manaus) e querem ir para Cuba. 2023 — O porta-aviões São Paulo, é afundado no oceano Atlântico.
MUNDO

1456 – Morre de Johannes Gutenberg (n. 1400) – considerado o “Pai da Imprensa”. 1959 — A morte de Buddy Holly, Ritchie Valens e The Big Bopper, na queda de um avião, transforma a data em “O dia em que a música morreu”.

FOTO DO DIA
SANTO ANTÔNIO, E O “SATÉLITE”

Quarenta dias depois de zarpar do Rio de Janeiro, o navio “Satélite” chega ao seu destino final: Santo Antônio do Rio Madeira. Seria apenas mais uma embarcação a chegar ali, mas sua carga diferente.

Em seus porões mais de 200 pessoas seriam transferidas para a terra, em realidade eram em grande parte marinheiros que participaram, de 22 a 25 de novembro passado, da Revolta da Chibata.

Fato ocorrido quando marinheiros se voltaram contra a maneira como eram tratados nos navios, foram anistiados e dois dias depois traídos por quem os anistiara, o marechal Floriano Peixoto, presidente da República.

Presos, seus destinos foram diversos. O comandante do “Satélite”, Carlos Alberto Storry não tinha autoridade sobre os presos, estes sob ordens de dois oficiais do exército (). No desembarque do “Satélite”, além de 200 homens entregues à Comissão Rondon havia um grupo de mulheres ().

(F. João Cândido, o “Almirante Negro”, líder da revolta da Chibata – ao fundo o navio “Minas Gerais”, onde ele comandou a rebelião – F. Reprodução)

(*) “Enganos da Nossa História”, Antônio Cândido da Silva.

*Lúcio Albuquerque

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias