O risco de se colocar um sindicalista com mestrado em história mexicana para gerir mais de R$ 250 bilhões em ativos

O Previ é o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil que tem quase 200 mil participantes e é responsável por gerir mais de R$ 250 bilhões em ativos.

O PT pintou e bordou nos fundos de pensão em seus governos anteriores, deixando um rombo bilionário, que segundo o noticiário da época, ultrapassou a bagatela de R$ 44 bilhões.

No caso do Previ, desde 2010, quando o sindicalista Sergio Rosa deixou o cargo, a instituição vem sendo presidida por uma série de nomes técnicos.

Com o retorno do PT, novamente um sindicalista volta a ocupar a presidência.

O sindicalista João Luiz Fukunaga assumiu a liderança do maior fundo de previdência da América Latina no dia 24 de fevereiro de 2023.

Bancário no Banco Brasil desde 2011 e com um mestrado em história mexicana voltado para literatura asteca, Fukunaga não tem condições mínimas para o desempenho da função.

Nesta sexta-feira (2) a Justiça determinou o afastamento do sindicalista.

O juiz acatou uma ação popular questionando justamente a capacidade técnica de Fukunaga para gerir o fundo.

Porém, Fukunaga ainda vai permanecer no cargo, pois cabe recurso da decisão.

O risco é enorme.

É mais um fato que faz lembrar a célebre frase de Geraldo Alckmin sobre Lula: A volta à cena do crime.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias