Conselho Superior do MPRO reafirma direito de criança ao transporte escolar em divisa entre RO e MT

Reafirmando seu compromisso institucional de atuar pela garantia de direitos, o Conselho Superior do Ministério Público de Rondônia decidiu pelo prosseguimento de procedimento que busca garantir o fornecimento de transporte escolar a um aluno de cinco anos em Colorado do Oeste. A decisão foi tomada em sessão realizada na sexta-feira (2/2). A sessão contou com a presença do pai da criança.

Trata-se de criança cujo direito à educação está ameaçado em razão da insuficiência de transporte escolar. O menino de cinco anos mora com a família em uma fazenda localizada em Comodoro (MT), mas está matriculado em uma escola em Colorado do Oeste (RO).

Consta nos autos que para levar o aluno ao ponto de transporte escolar, o pai precisa fazer um percurso de 9 km. Por causa da distância, a família solicita que o transporte escolar passe mais próximo da fazenda onde residem. Durante o processo, foi argumentado que a criança precisa estudar em Rondônia, pois a escola mais próxima de sua residência, no estado de Mato Grosso, fica a aproximadamente 200 km de distância.

Ainda em 2023 o procedimento foi arquivado. Notificado acerca do arquivamento, o genitor da criança recorreu da decisão. Mas o arquivamento foi mantido.

Porém, considerando a peculiaridade do caso e a especificidade do assunto, o caso foi levado ao Conselho Superior do Ministério Público, onde o Procurador de Justiça Héverton Alves de Aguiar solicitou que o Grupo de Atuação Especial da Educação (GAEDUC) analisasse o caso.

Foi identificado que todos os dias o pai faz o percurso de 9 km para levar a criança até o ponto de embarque do transporte escolar. Como o trajeto é feito com a motocicleta da família, a criança por muitas vezes têm sua integridade física colocada em risco, principalmente no período chuvoso. Também foi apontado que em razão do trabalho de agricultor desempenhado pelo pai, quem chegou a fazer esse trajeto junto a criança foi sua mãe, que, à época do recurso, estava no sexto mês de gestação.

O GAEDUC informou que cabe ao ente responsável pela rede de ensino na qual o aluno está matriculado o dever de ofertar o transporte escolar, sendo ele beneficiado com os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) e Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (PNATE) correspondentes.

Conforme entendido pelo Conselho Superior do MPRO, a educação é um direito fundamental de crianças e adolescentes, que devem receber proteção prioritária e integral, conforme imposição da Constituição Federal. Logo, o Poder Público precisa promover medidas que flexibilizem as distâncias estabelecidas nos trajetos pré-determinados.

“O fato de a estrada existente entre a casa do aluno e o embarque no ônibus passar por propriedade particular não afasta, por si só, o dever de prestação do serviço”, consta na argumentação do Conselho Superior.

Com isso, ficou estabelecido que a situação em análise merece apuração mais detida e retornará à Promotoria de Justiça de Colorado do Oeste, para providências que garantam o direito da criança.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias